PAÍS SEM SALÃO

RIO (de vento em popa, sqn) – Acaba de sair a notícia no “Jornal do Carro” (saudades do “JT”…). Sexta-feira deverá ser anunciado o cancelamento do Salão do Automóvel, marcado para novembro em São Paulo. Como nada menos que 15 marcas já desistiram de participar, aquelas que pretendiam montar seus estandes consideraram que o evento está definitivamente esvaziado e vão tirar o time de campo em conjunto.

O Salão de Genebra também foi cancelado há uma semana, mas o motivo foi outro. O governo da Suíça proibiu eventos para mais de mil pessoas no país depois do aparecimento do primeiro caso de coronavírus em seu território.

[bannergoogle]

Aqui, as razões do desinteresse das montadoras e expositores são meio difusas. Como se diz, conjunto de fatores. É caro, as pessoas não se interessam mais por carros como antes, o exercício explícito de machismo escroto e babaca que sempre marcou o Salão não é algo que a sociedade aceite — aceitar, até aceita; mas felizmente tem quem grite contra essas coisas e o barulho é muito bem-vindo –, e a verdade é que o país está quebrado de ponta a ponta, por mais que o gado siga mugindo e garantindo que a economia está “se recuperando”.

Sei lá, acho que o mundo está acabando, e de um jeito triste pacas.

Comentários

  • O público quer mais “experiência”. Passar horas em um galpão se acotovelando para tirar fotos de carros estacionados (os mais caros nem se pode entrar), sem poder ouvir o ronco dos motores é algo completamente fora desse perfil de “experiência”. As montadoras, por seu lado, querem mais atenção para seus produtos, o que foca bastante pulverizado em um evento com 30 marcas diferentes.

    • Entendi, todos os problemas do país começaram a exatamente um ano. Perdão, mas burrice é pensar assim. Os problemas do Brasil só estão a piorar com o novo desgoverno, que é consequência dos anteriores, e não estou a falar apenas dos governos de esquerda, claro. Em tempo, é mais adequado relacionar nazismo e fascismo – historicamente muito específicos – apenas a Hitler e Mussolini.

    • Avanço nenhum. Daqui a pouco volta pro passo inicial. Ou seja, não sai do papel.
      Eu só acredito nesse “otódro” no dia que a TV estiver transmitindo ao vivo a primeira corrida nele. Enquanto isso não acontecer, sem chance alguma. Por razões que já foram mais que exaustivamente esclarecidas pela mídia.
      Já comentei isso em outro momento. Sou carioca e me faria muito feliz ter um autódromo na minha cidade natal de novo. Mas não compro ilusões. Ainda mais feitas por ilusionistas de quinta categoria.

  • Prezado F&G: Sua informação é correta a crise financeira e a guerra de Marketing das montadoras,desmontaram o Salão de Automóvel de São Paulo-SP, fora os custos operacionais e de logística. Me recordo de lançamentos de veículos no salão , e ainda mais consulta do público, o último foi com relação ao veículo VW-Polo GTS . O Público pediu para que a montadora voltar a produzir um carro esporte GTS, e depois do lançamento parece que o carro esta vendendo razoavelmente bem, outro carro que saiu das pesquisas e um grande sucesso é o SANDERO RS . Em breve depois do fim do governo do BOZO, acredito que o pais vai sair da crise, e teremos de volta o nosso tradicional Salão do automóvel.

    • Sim, a “SUVização” dos carros vai a todo vapor.
      O que mais me incomoda nos SUVs não é nem o fato de serem SUVs. Mas o fato de, na sua maioria (tiro dessa minha lista por já ter tido a oportunidade de andar em um, o feio, mas “dá pro gasto” Duster), serem carros enormes com porta-malas minúsculos. Coloca três sacos de compras e acabou o espaço. Um Fusca caberia todas as bolsas de uma compra de mês. Mas a propaganda vai dizer que o carro é alto, que o espaço interno é bom, e blá-blá-blá-whiskas-sachê.

  • A Rede Alcantara Machado também promove a Automec, feira de auto pecas. Ela cobra preços absurdos para expor, na ultima edição grandes fabricantes de auto pecas ficaram de fora, pelo jeito terão que reinventar esse modelo de negocio. Em tempos de internet a pleno vapor talvez não se justifique mais uma despesa tao elevada para exposição em feira.

  • Primeiro, quero parabenizar pela mudança no blog. Ficou muuuuito legal!
    E talvez por ser da mesma época que você, um pouco mais novo, sou de 1966, também acho que o mundo está acabando…
    Ou sou eu quem não pertenço mais a este mundo em que basta falar para se criar, vale mais apenas a casca do que o conteúdo e a burrice impera sobre a inteligência…

  • Como assim o país está quebrado? NUNCA nesse país se cultivou tanta laranja!!!
    E só não está melhor porque o Lula, o filho do Lula, a mãe do Lula, o neto do Lula… Estão torcendo contra e isso faz ascendência em Áries de Damarez e descendência em venus da Regina entrarem em choque. Não fosse isso o PIb jamais seria assim baixo e o país estaria melhor até que Suíça.

    • Nunca o dólar e os combustíveis estiveram esteve tão caros, nunca a informalidade e o desemprego atingiram parcela tão grande da população e nunca o povo foi tão humilhado pelo palhaço-presidente (ou seria presidente palhaço?) que se diverte distribuindo bananas para jornalistas, além de ofendê-los. Nunca o país esteve tão no fundo do “posso”(sic). Nunca o nazismo foi de esquerda, nunca um secretário de cultura brasileiro reproduziu um discurso nazista, nunca se liberou tantos agrotóxicos, nunca se incentivou tanto assassinatos e queimadas (além de querer destruir Fernando de Noronha e Angra dos Reis). E pensar que tudo isso começou com uma mamadeira – de piroca.