N’ARDENNES (1)

RIO (em chamas) – Será que a Ferrari não poderia poupar seus torcedores desses tuítes não? Gente do céu, 15º e 17º hoje na abertura dos treinos para o GP da Bélgica em Spa. Brigando com Williams e tomando pau da Alfa Romeo. Espero que meu amigo Gola Profonda se manifeste até o final do dia. As coisas não andam muito boas pelos lados de Maranello, não.

Até a transmissão oficial da F-1 deu uma zoada básica na equipe, fazendo os comparativos de setores com pilotos que, digamos, não costumam andar muito na frente. Que fase, que fase…

Verstappinho foi o mais rápido de uma sexta-feira que teve a Renault de Ricardão como destaque, em segundo lugar — embora seu carro tenha quebrado no fim. O que me chamou a atenção foi o Halo dos carros da Mercedes. Essa asinha dupla já existia? Será que os caras descobriram uma função aerodinâmica até aí? Deem uma olhada:

Pode, repito, ter sido falta de atenção minha nas outras corridas. Mas notei isso hoje, sei lá.

A Aston India voltou a andar bem, mas segundo Verstappen não assusta em ritmo de corrida. Aproveito para dizer que Max também não assusta a Mercedes na luta pela pole amanhã. Todas da temporada foram feitas pelos carros pretos. Há sempre a perspectiva de chuva pronta para embaralhar o grid. Mas hoje, pelo menos, não choveu durante os treinos livres.

A notícia do dia foi a confirmação de que a segunda corrida do Bahrein, o GP do Sakhir no dia 6 de dezembro, será disputada pelo anel externo do circuito, que tem 3.543 m. Assim, a prova terá monstruosas 87 voltas, cada uma percorrida, segundo os simuladores, em cerca de 55s. A média de velocidade deve ser superior a 230 km/h. Não é um oval, que fique bem claro. O traçado é esse aí embaixo. A prova será noturna.

Acho legal. No fim das contas, o Mundial de 2020 ficou cheio de novidades. São bem-vindas.

Comentários

  • Eu acho legal, e se quer saber deveria ter um circuito só com curvas de alta e retonas todo ano na F1. Os caras correm em um monte de circuito de rua, num calendário com mais de 20 corridas seria legal correrem sempre ao menos uma vez no ano num circuito assim pra variar, ou até mais rápidos. O antigo circuito da Áustria cumpria esse papel até 1987, por exemplo. O problema seria motores que precisam aguentar várias corridas serem muito forçados num circuito com esta ideia, mas aí é outra história.

  • TL 3: Vettel na vigésima posição! Que “Surreal Fase”!
    E pensar que em Spa’97 Ferrari e Williams estavam disputando a pole! E hoje, no qualy, estão no final da tabela de tempos! Ladeira abaixo! Que fase!

  • A Ferrari está sofrendo com a petulância de um sujeito chamado Mattia Birutto. Ele que mande o Lec Lec acertar esse carro agora, porque ao que parece o Vettel já ligou o phoda-se a vai ajudar a equipe dele do ano que vem a angariar mais prêmios pela classificação no campeonato. A Ferrari foi a única que continuou com a apelação contra as Mercedes Rosas.

  • Tudo aparenta estar muito embaralhado, com os tempos muito próximos. No FP1, Bottas liderou a sessão, seguido por Hamilton e Verstappen. Bottas utilizou um jogo de pneus duros e dois de macios. Hamilton utilizou um jogo de médios e dois de macios. Já o holandês utilizou 2 jogos de pneus duros e três de pneus macios. No FP2 Verstappen liderou o treino, tendo Ricciardo em segundo e Hamilton em terceiro. A Mercedes se preocupou com simulações de corrida, e no comparativo com a Red Bull ficou apenas 0,2 s atrás, mas com um detalhe importante. Red Bull de médios e Mercedes de duros. Outra coisa interessante foi que nos primeiro e terceiro setores cronometrados a Renault fez os melhores tempos parciais. No primeiro com Ocon, no terceiro com Ricciardo. Hamilton anotou a melhor parcial no segundo setor. A Ferrari, quem diria, disputa com a Williams o fundo do grid. Na segunda sessão entre o primeiro e o décimo menos de 1 s de diferença. Será uma classificação apertada, se não chover na qualificação. E o FP3 será decisivo para os acertos finais para a qualificação.

  • Já que foi mencionada uma impressão sobre o halo da Mercedes, compartilho também uma impressão sobre as máscaras da Ferrari: até nisto a equipe tem deixado a desejar. Na hora das entrevistas, o Vettel sempre precisa ficar colocando a dita cuja no lugar (foi assim em pelo menos dois GPs, até então), já que ela não se ajusta bem ao rosto na hora das entrevistas. Portanto, se em um detalhe tão trivial como esse a equipe não capricha, então talvez seja pedir demais pedir para produzirem um carro competitivo. Eles deveriam ouvir você, Flavio, quando sugeriu que levassem o carro do ano passado para as pistas!

  • Oi Flávio – Parabéns pelo blog. Estou preocupado com o fim da transmissão da F 1 pela Globo. Quais são as perpectivas que você enxerga no momento? Outra emissora (Fox?)? Serviços de streaming? Uma renegociação? Abraço

  • Gostei muito da inclusão desses circuitos, Portugal, Mugello, “oval” do Barhein, agora Turquia… Me desperta a vontade de assistir ao vivo pra ver as novidades, porque os vencedores já sabemos

  • Caro escriba,
    A asa já existia. Não tenho certeza de que era nos bólidos da Mercedes, mas já vi.
    Os engenheiros não perdem a chance de enxertar um penduricalho nos carros.
    Saudações soviéticas,