N’INGLATERRA (2)

Hamilton na pole de novo: volta espetacular

SÃO PAULO (agora sim, nublado, 22°C) – Vou começar com os números:

  • Hamilton, 91 poles na carreira
  • Hamilton, 3 poles no ano
  • Hamilton, 7 poles no GP da Inglaterra (2007/13/15/16/17/18/20)
  • Mercedes, 8 poles consecutivas em Silverstone (desde 2013, pois)
  • Hamilton, 100 vezes na primeira fila com a Mercedes

Vou passar para a evolução de cada equipe em Silverstone em relação ao ano passado, com a comparação da melhor volta de cada em classificação. Os números antecedidos por [-] indicam que o time melhorou o tempo. Por [+], que a equipe piorou. (Será que preciso ser didático assim?)

  • Williams, -1s057
  • Force Point: -0s810
  • Mercedes: -0s790
  • McLaren: -0s442
  • Renault: -0s173
  • AlphaTauri: -0s002
  • Red Bull: +0s049
  • Ferrari: +0s255
  • Alfa Romeo: +0s715
  • Haas: +0s811

Vou fazer a sugestão para Ferrari, Alfa Romeo e Haas: peguem os carros do ano passado, que devem estar empoeirados em algum galpão, e levem para Silverstone semana que vem. É só limpar com um pano molhado, talvez aplicar uma cerinha, quem sabe trocar um adesivo ou outro de lugar, passar pneu pretinho. Vão ficar ótimos. Feita a sugestão.

Vou falar do sábado, agora.

Charlinho em quarto: ninguém esperava

Vou dizer que a surpresa do dia foi Charlinho em quarto lugar. Aliás, surpresa para ele mesmo, inclusive. OK, ficou 1s124 atrás do tempo da pole de Hamilton. Mas só de não tomar um cacete da Aston Racing e da McLaren já está bom demais. Vettel ficou em 10º, a 2s036 de Lewis. Uma vergonha, mas disso falaremos adiante porque preciso relatar a conversa que tive com Gola Profonda, meu informante em Maranello.

Vou aproveitar para reproduzir as frases mais mentirosas do dia ditas pelos pilotos nas entrevistas com distanciamento social e nos press-releases com distanciamento da realidade após a definição do grid para o GP da Inglaterra.

  • Hamilton: “Para bater o Valtteri [Bottas] tem de andar no limite o tempo todo”.
  • Vettel: “Não quero acusar ninguém de estar agindo com má intenção comigo”.
  • Raikkonen: “O carro está muito melhor neste fim de semana”.
Kimi elogia o carro: cascateiro

Vou prosseguir este relato quase telegráfico dizendo que Hamilton deu uma dramatizada na sua pole ao dizer que por causa de uma rodada besta no Q2 teve de “respirar fundo e dar uma reviravolta” para conseguir fazer o tempo de 1min24s303 na sua segunda tentativa no Q3, enfiando uma luneta de 0s313 em Sapattos e 1s022 no terceiro colocado, Verstappinho. Exagerado, jogado aos seus pés, eu sou mesmo exagerado, poderia cantarolar. Está tudo absolutamente sob controle. O calorão de ontem foi embora e com temperaturas mais inglesas a Mercedes voltou a trucidar a concorrência.

Vou contar também que a classificação foi absolutamente normal, com os já cativos pilotos da Haas e da Alfa ficando no Q1 ao lado de Latifi, que é uma lástima, coitado. A ordem de 15º para trás foi Magnólia Arrependida, Giovanetti, Kimi Dera Ser um Peixe, Grojã e o já mencionado Lentifi. No Q2 ficaram Olha o Gás-ly, Alrruim, Incrível Hulk, Kvydadura e Jorginho. Aqui, dois destaques: Russell passou ao Q2 de novo com a plangente Williams e larga em 14º (Kvyat se classificou em 14º mas trocou o câmbio e perdeu cinco posições no grid). Ele é bom, mas em corrida tem deixado a desejar. Vamos ver amanhã. E Hülkenberg, chamado às pressas para o lugar do contaminado Pérez, até que não decepcionou. Ficou em 13º e tem a missão de pontuar com o carro rosa da Point Force. Não é fácil voltar a pilotar assim de supetão, dói o pescoço, dói a bunda, doem as costas, tenho certeza que semana que vem o alemão vai andar melhor. E no Q3 aplausos para dois pilotos, além de Leclerc, já louvado acima: Orlando Norris em quinto e Olho no Lance Stroll em sexto. Este último, como os pilotos da Mercedes, larga de pneus médios amanhã. Segundo a Pirelli, a estratégia mais recomendada para a corrida é de uma parada — entre as voltas 18 e 22 para quem largar de macios e entre a 21ª e a 24ª para quem partir de médios.

Stroll: sexto no grid, chances boas de muitos pontos

Vou relatar, para terminar, a conversa que tive há pouco com Gola Profonda, que para quem não sabe é meu informante em Maranello. Àqueles que desejarem conhecer a origem da alcunha, sugiro a leitura deste artigo aqui. Meu informante quis fazer uma homenagem ao mais célebre dos informantes traduzindo “deep throat” para o italiano. Acho o apelido meio ridículo, lembra filme pornô. Mas ele me passa informações valiosas, que procuro sempre dividir com vocês. Como os bastidores da Ferrari andam fervendo, Gola voltou à ativa neste ano. Esclareço que sua colaboração não é remunerada. Apenas tenho de pagar os telefonemas. De vez em quando, também, ele pede para eu comprar umas coisas estranhas na Amazon “à guisa de cortesia”, como ele diz — a última foi um sacarrolha com bluetooth e cabo USB. E quando vem ao Brasil, faz questão de ir a um rodízio de carnes — jamais no Fogo de Chão, que ele considera exposto demais; Gola prefere churrascarias na Marginal Tietê.

Vou reproduzir, então, nosso diálogo que começou, obviamente, com uma pergunta sobre a diferença de humores entre Leclerc, quarto no grid, e Vettel, décimo. “Charlito está feliz, ligou para a mãe, tirou uma selfie, fez um stories, tuitou e depois foi cobrar do Binotto uma recompensa pela segunda fila.” Recompensa? “É, ele sempre pede presente pro Binotto quando consegue ficar atrás só da Mercedes e do Verstappen.” Ah, entendi. E qual foi a recompensa? “Um par de tênis que pisca uma luzinha vermelha na sola quando anda.” Oxe!, reagi, isso não é infantil demais não, Gola? “O que é oxe?”, ele perguntou. Nada, nada, só uma expressão que a gente usa aqui, mas fala desse tênis, acende a luzinha, é? “Sim, é até bonitinho, ele fica andando de lá pra cá dentro do box e quando pisca ele fala: ‘Olha só, recuperando energia!’, é meio infantil, sim, você tem razão, mas ele é assim, você sabe, né? E se não dá o tal do tênis, ele liga para a mãe chorando.” Entendi. Bom, e Vettel? “Conformado. Agradeceu gentilmente a troca do pedal de freio extra por um de acelerador, nem reclamou que inverteram as posições, disse que vai se acostumar a acelerar com o esquerdo e frear com o direito, e pediu apenas para que a equipe faça algumas mudanças para domingo que vem, porque ele quer compartilhar com os amigos mais próximos as experiências que vem tendo neste ano.” E como é isso, compartilhar? “Ele mandou o desenho do carro pra próxima corrida no nosso grupo de WhatsApp com orientações explícitas sobre o que vai querer. Mando pra você?”

Vou encerrar dizendo que a imagem já chegou.

Comentários

  • Alguns, por motivos variados e obscuros, seguem questionando o talento de fora de série do Hamilton.
    Assim Freud explica:

    – Alguns, por racismo

    – Outros, por ignorância

    – Outros porque acreditam que o Vettel Who? sim que é o suprassumo (Perguntar opinião de Ricardo e Leclerc…)

    – Outros, viúvas do Alonso, nunca se recuperaram. Como o próprio

    – Outros, por ignorância

    – Alguns, por racismo

    • 80% do “talento” de Hamilton está no carro. O problema é que vocês não enxergam isso.

      Vamos fazer um exercício de imaginação: Se em 2014, 2015 e 2016 ao invés de Hamilton, fosse Rosberg e Hulkenberg na Mercedes? Rosberg seria tri com folga! E ganharia títulos, também!

      Deu pra entender ou tá difícil?

      • Piloto talentoso faz diferença em qualquer carro. Ricciardo, por exemplo. É claro que seria maravilhoso ver Ricciardo em equipe de ponta e com carro pra que o seu talento fosse convertido em números, mas dá gosto ver o australiano correr em qualquer equipe. Na pior das hipóteses o piloto com talento confirmado serve pra avaliar a qualidade do carro e/ou o desempenho de seu companheiro de equipe.

        Você está confundindo o número de vitórias e números expressivos com talento. O talento pode ser apreciado até numa Williams. Russel está lá, mesmo sem resultado dá gosto ver o novato correr..
        Essa síndrome de cachorro vira-latas que nós brasileiros temos é culpa de Senna, Piquet e Fittipaldi, que avacalhou o jeito dos torcedores apreciarem outros pilotos.

        Não é pecado não admirar qualquer piloto, seja por qualquer motivo ou critério, mas fazer da sua opinião um modelo a ser seguido é no mínimo falta de respeito próprio.

      • Você teve a audácia de culpar o meu ídolo pelo complexo de vira-latas do brasileiro? Quem você pensa que é?
        Senna mostrou uma grandeza sem igual ao mostrar ao mundo o que é ser um piloto completo! E não vai ser você, um simples torcedor, que vai manchar essa imagem.

      • Legal o blog aceitar todo tipo de maluco.
        Todos conta o racismo e qualquer tipo de preconceito.

        O hospício fica mais variado. Cada um com suas loucuras rs….

  • “Se” Verstappen não tivesse ido ao box para colocar pneus novos para tentar a volta mais rápida (conseguiu!) ele teria ganho o Grande Prêmio Britânico! Bottas e Hamilton tiveram pneu furado no finalzinho da corrida! Que coisa! Hamilton se arrastou com o carro até a bandeira quadriculada! Sortudo! Teve ter acordado virado para a Lua! Já Bottas terminou em décimo-primeiro lugar!
    E que azar para Hulkenberger! Sequer saiu do box!

  • Vettel, o piloto mais super valorizado de todos os tempos.
    Sempre que tem um piloto forte ao lado sofre extremamente, foi assim com Ricardo, com Hamilton quando teve condições de vencer em 2018 e agora com Lê Clerc.
    É um piloto muito bom, porém longe de ser um dos maiores. Precisa agradecer a Redbull e ao fraco Mark Webber que nunca assustou ninguém.

    • Desde 2014 que não tem pra ninguém! Nenhum piloto não mercêdico foi ou será campeão enquanto durar a hegemonia da Mercedes. E o único não mercêdico que foi vice (dois) durante esse tempo foi Vettel.
      Condições de vencer a Mercedes em 2018? Em que planeta você vive? Ricciardo? Quem é? LecLec? O que fez a lambança sem tamanho na Estíria?
      Vettel precisa agradecer à Red Bull, da mesma forma que Senna agradeceu à McLaren, Clark à Lotus, Schumacher à Ferrari e Hamilton está agradecendo à Mercedes.

      Faltou dizer: Berger e Nakajima também nunca assustaram ninguém…

      • Ricciardo, recém-chegado à Red Bull e com o mesmo equipamento, colocou Vettel no chinelo em 2014.

        Leclerc, recém-chegado à Ferrari e com o mesmo equipamento, colocou Vettel no chinelo em 2019.

        Entendeu?

      • A primeira coisa que eu entendi, viúva chorosa e rancorosa, é que Ricciardo nem vice foi, utilizando na época (como você mesmo disse) o mesmo equipamento com que Vettel foi tetra.

        A segunda coisa que eu entendi, é que Leclerc nem terceiro colocado foi, utilizando (como você também disse) o mesmo equipamento com que Vettel foi duas vezes vice, derrotando por duas vezes seguidas um Mercedes. Fato inédito até agora no reinado da equipe alemã.

      • Vocês já notaram que as viúvas chegam com uma série de argumentos e assim que seus argumentos são destroçados por fatos, elas voltam com outra bateria de argumentos? E quando seus novos argumentos são novamente batidos, elas não se dão por vencidas! Ou silenciam ou saem pela tangente com uma frase de efeito.

      • Saudades Vettel, quantas vezes você repetiu a 3ª série?

        Com condições iguais de equipamento, Ricciardo e Leclerc foram melhores que Vettel.

      • Concordo plenamente, Costa! Estão supervalorizando Hamilton, sem perceberem que se a antiga dupla continuasse na Mercedes (Rosberg e Schumacher), quem teria todos esses títulos seria o mediano Rosberg, devido à idade do heptacampeão.

      • Acorda, viúva teimosa!

        Se Hamilton não fosse para a Mercedes, continuaria na já limitada McLaren (onde ele ficou 5 anos sem constar entre os três primeiros nos Mundiais).

        Rosberg, que foi vice para Hamilton em 2014 e 2015 e foi campeão em 2016, ganharia os três citados títulos tranquilamente, com Schumacher de segundo piloto!
        E ganharia os demais, devido à supremacia contínua da equipe alemã.

    • Não venha desmerecer o Tião pois ele tem quatro títulos coisa quem nem o grande Nelson Piquet ( Pra mim o melhor piloto Brasileiro de todos os tempo)tem, penso Eu que você é uma das muitas viúvas do Senna, você tá igual aos Eleitores do Bozo em querer se desfazer das grandezas de Lula (o melhor presidente de todos os tempos)

  • Hamilton é um sem palavras. Mas, e esse carro da Mercedes? Sem Lewis, até Bottas seria campeão! Que carro!

    Queria muito que ao final da temporada (talvez a próxima) fizessem como a porche fez com os LMP1, tirando as limitações do regulamento para ver a real velocidade do carro. Tenho certeza que seria um assombro! Imagina isso em SPA e Nurburgring!

    • Seria não, pois hoje ele novamente mostrou que nem pra segundo piloto ele não serve pois com um Mercadão na mão o cara chega em 11 lugar, menos….menos…valorize o Amilton pois simplesmente foi sensacional carregou o carro só com três pneus.

      • Menos, Marcos, menos. Se a situação fosse invertida, ou seja, o pneu de Hamilton tivesse estourado na mesma volta que o pneu de Bottas, e o pneu de Bottas tivesse estourado na volta final, quem venceria seria o Bottas.

        Simples assim, como diria o Gomes!

  • Meu comentário sobre essa declaração do Hamilton:

    “Há uma grande diferença entre nós e o terceiro lugar”.

    Nas voltas finais da corrida, existe uma grande possibilidade do Verstappen estar em terceiro lugar e levar uma volta do Hamilton. Se acontecer, vai ficar muito feio para a Red Bull. Lembrando: Vettel já passou por isso na última corrida. Ele estava em sexto e teve que abrir caminho para o Hamilton.

  • E não poderia deixar de dizer… Que fofinho que ficou o capacetinho do Orlando.
    Torço por mais iniciativas assim. E por mais pilotos simpáticos a esse tipo de ação. A Eva jamais esquecerá disso na vida dela. E todas as crianças que participaram do concurso.
    E tomara que o Orlandinho guarde esse capacete com todo o carinho do mundo. Eu guardaria. Mesmo que nunca mais visse a Eva na vida. Aliás, com essa situação nem sei se ele terá como conhecê-la agora. Eu deixaria para fazer uma graça pra ela no final do ano, caso já tenhamos vacina, tenhamos melhorado a situação. Tipo a graça que fizeram pra aquele garotinho que chorou quando o Kimi quebrou de Ferrari, chamaram ele, deram boné, ele bateu foto com o Kimi, que tomou um Corote pra ficar espertinho e sorrir, e o moleque vai lembrar disso pro resto da vida.

  • Claro que a primeira coisa que fiz depois de ler o post foi ler a história do Deep Throat. E conhecer mais sobre algo que eu conhecia só de ouvir falar, o Watergate. Inclusive vou ler mais sobre isso.
    Hoje existem três categorias. A F-Mercedes, só com Hamilton e Bottas. Bottas até tenta, mas Hamilton é Hamilton. Fosse contra qualquer outro piloto, Bottas estaria de igual pra igual. É torcer para que o Russell seja talhado para ser o substituto do Hamilton, não o dele.
    A segunda é a F-1 A, com Verstappen, Leclerc, Norris, Sainz, Stroll e Sergito de La Coronita (#forçacheco).
    A terceira é o resto dos pilotos. Vettel numa descendente aparentemente irreversível – com o adicional de que a equipe não tá mais nem aí pra ele – Albon (agora mudando para Alrruim – genial – o apelido, sim, não o desempenho dele), e mais todo mundo, menos o Latifi. O Latifi tá numa categoria própria. O carro é ruim? Sim. Ainda é. Mas Russell anda constantemente na frente das Haas e das Alfas Romeo. Latifi deveria fazer pelo menos metade disso. Ah, é novato. É. Um novato ruim. Russell era novato até anteontem.
    Me falaram que o Lentifi terminou a corrida da Hungria só na última segunda feira, confere?
    No final, só me restou como tarefa do fim de semana torcer pra que a maldição do Hulkemberg seja sensível a cor rosa, e finalmente se quebre. Acho ele bem superestimado, mas é melhor que o Ericsson, por exemplo, outro superestimado da vida. E, entre ele e Gutierros, tem nem o que decidir, alemão na cabeça, já que o Van Damme tá com a turma da F-E. Esse ano as equipes deveriam pensar em deixar seus pilotos reservas aquecidos, igual aquele atacante garoto, rápido e fominha que fica quinze minutos aquecendo na beira do campo esperando o técnico decidir se coloca em campo ou não. O Corona tá aí, e não escolhe quem contamina, se der mole, abraço.
    Dizem que o Rubinho pediu o telefone do Laurence também. Mas no final deram pra ele o telefone da vendedora que atendeu o Leclerc quando ele comprou os tênis com luzinhas (tinha rodinhas também?).

  • Primeiro colocam dois pedais de freio no carro de Vettel. Agora invertem os pedais de freio/acelerador no carro dele? Começo a achar que Irvine tinha razão; era melhor pagar pro alemão não correr.

    Carros com motor Ferrari estão brigando na outra ponta do grid. O bom disso tudo é o humor sarcástico do Kimi que quase nunca decepciona. Largou em 20º no GP passado. Realmente melhorou.

  • A trajetória de Hamilton é espantosa e vários se revoltam que ele tenha entrado na categoria já com um senhor carro nas mãos, enquanto tantos outros tiveram que suar a camisa com equipes menores . Ora, ele fez por onde nas categorias de base e respondeu à altura, como bem sabemos.
    Desde já e até o final dos tempos vão dizer que ele alcançou seus feitos por estar em um carro dominante. Bem, isso também é óbvio (talvez até já estivesse aposentado se tivesse permanecido na McLaren) e, novamente, ele fez por merecer e respondeu à altura.

    Costumo dizer que nenhum piloto tropeça em uma taça de campeão. Acredito que Button seja o exemplo mais recente de um desses que claramente não era o melhor do grid mas, no mínimo, teve a competência de se sagrar campeão.

    A competência de Hamilton é incontestável. Mas as circunstâncias negam ao inglês a grandeza que seus números indicam. Se as demais equipes entregassem um carro à altura da Mercedes (McLaren, volte à glória, por favor!!!) ou se a equipe alemã fosse mais audaz na escolha dos companheiros de Lewis (como gostaria de ver Verstappen ou Russel ao seu lado), talvez tivéssemos campeonatos memoráveis. Um Hamilton hexacampeão com títulos suados seria muito mais valorizado que o Lewis decacampeão com um pé nas costas.

    É claro que, para ele, nada disso importa. Ele faz o melhor que pode e os demais que corram – literalmente – atrás.

    • Carlos, boa noite!
      Procure o sr. do tempo e faça com que o Santos de Pelé tivesse mais adversários à altura, que Usain Bolt nascesse manco, que o atual Flamengo não fosse disparado o melhor time da atualidade. Sua postagem começou excelente e terminou mal…
      Como sou no facebook, um dos milhões de fãs do Hamilton, vou escrever agora pra ele da sua queixa: que tudo que ele fez não vale e que se bater todos os recordes os brasileiros não vão considerar, pois tudo foi uma molezinha e que vc Carlos, está super chateado…
      Talvez ele venha ao Brasil só para conversar com você…
      Abraços!!!

      • Ah Costinha, está tristinho? Coitadinho de você.

        Na primeira corrida se umedeceu todo com a vitória do Bottas. Disse que era o líder do campeonato e blablabla. Que coisa, não?

        Ainda neste ano Hamilton será o maior da história e você continuará sendo um informado reclamando na internet.

        Engole que dói menos!