NATURAL DA CATALUNHA (3)

Hamilton: 98 vitórias e contando

SÃO PAULO(inacreditável) – Durou pouco o sonho da Red Bull de derrotar Hamilton. Em quatro corridas, o inglês ganhou três. Tem 94 pontos, contra 80 de Verstappen. E em Barcelona, onde a gente mais ou menos vê quem é quem, a Mercedes mostrou que os tropeços da pré-temporada foram isso, e apenas isso: tropeços. O time reagiu bem. O carro só melhora. E a equipe tem Hamilton.

Não foi uma corrida excepcional, o GP da Espanha. Mas foi bonito ver como a Mercedes apostou numa estratégia baseada naquilo que acontecia na pista, ainda que com o inglês atrás de Verstappen a maior parte do tempo. Bancou a segunda parada de Lewis quando ele estava prestes a passar o holandês, fazendo um cálculo preciso e observando o desgaste dos pneus do jovem Max. “Uma combinação perfeita”, como definiu Toto Wolff. De planejamento e pilotagem.

Na largada, Max passa Hamilton: inglês teve paciência e confiou na equipe

Verstappen assumiu a ponta já na largada posicionando bem seu carro por dentro para fazer a primeira curva. Hamilton não se defendeu, evitando maiores problemas — a saber, um toque besta. Os dois mercêdicos, aliás, perderam posições nos primeiros metros da prova. Bottas, em terceiro no grid, também foi ultrapassado — por Leclerc.

Em sete voltas, os dois primeiros abriram 10s do segundo pelotão. Um safety-car para retirar a AlphaTauri quebrada de Tsunoda juntou todo mundo entre as voltas 8 e 10, mas na relargada a dupla Max-Lewis foi embora de novo. A corrida seria entre eles, isso estava bem claro.

Hamilton: o tempo todo no encalço de Verstappen

Verstappen percebeu que seria muito difícil vencer a prova ao notar que Hamilton não desgrudava dele. Em geral, em Barcelona, ficar muito perto do carro da frente acarreta um desgaste de pneus preocupante. A tendência é o cara de trás começar a perder rendimento. E Lewis não tinha problema nenhum com a borracha. Estava apenas esperando para dar o bote enquanto observava o que o rival iria fazer em termos de estratégia.

Max parou de repente na volta 25, um pit stop atrapalhado porque, segundo a Red Bull, ele entrou nos boxes sem avisar. Os pneus não estavam prontos e a parada acabou levando 4s2. Naquele momento, sua vantagem para Hamilton era inferior a 1s.

“Quando vimos que a Mercedes não reagiu imediatamente chamando Lewis, era porque eles sabiam que tinham uma vantagem de performance”, explicou o chefe Christian Horner. De fato, Hamilton ficou na pista mais quatro voltas e só parou na 29ª. De início, a impressão foi de que a estratégia não era a melhor de todos os tempos, já que ele voltou à pista 5s atrás do holandês. Mas, sem dificuldades, foi se aproximando até reduzir a distância, de novo, para menos de 1s na volta 34.

Lewis para pela segunda vez: xeque-mate na Red Bull

O ataque, porém, não acontecia. Então, na volta 42, Hamilton parou de novo. “Fiquei na dúvida se devia ficar na pista, mas confiei na equipe”, disse o inglês. Ele sabia que tinha um carro mais rápido, mas acatou o plano inicial traçado pela Mercedes. Desde sexta-feira o time tinha decidido por duas paradas, guardando dois jogos de pneus médios para a corrida para ter um desempenho melhor nas voltas finais. “Quando ele parou de novo, sabia que não teria como ganhar. Se eu parasse logo depois, ele me passava enquanto eu estivesse no box. Se eu ficasse na pista, acabaria me alcançando. Não tinha muito o que fazer”, conformou-se Verstappen. “Eles estavam mais rápidos”, resumiu.

Hamilton voltou 23s2 atrás de Max com 24 voltas para tirar a diferença. Em três voltas com pneus novos, virando tempos quase 2s melhores que o adversário, já tinha tempo suficiente para ganhar a corrida mesmo se a Red Bull chamasse Verstappen para uma segunda troca. Max ficou na pista com seus pneus em frangalhos esperando apenas pelo inevitável. Hamilton iria chegar e passar.

Chegou na volta 60 e passou.

Volta 60: ultrapassagem definitiva com pneus melhores

Como dito ontem, seria uma corrida mais de estratégia do que qualquer outra coisa. Duas paradas era o padrão — a variável na mesa era apenas o momento de fazer os pit stops, em função da posição em relação aos adversários mais diretos, do desgaste dos pneus e do tráfego na volta à pista. E quem arriscasse fazer apenas uma, como a Red Bull imaginou para Verstappen, correria riscos porque o desempenho no final despencaria dramaticamente.

Max acabou fazendo um segundo pit stop logo depois de perder a liderança, mas apenas para colocar pneus macios e garantir o ponto extra da melhor volta, o que acabou conseguindo. Hamilton venceu pela 98ª vez na carreira e sexta em Barcelona — cinco consecutivas. Se a Mercedes começou o campeonato sem saber direito se ainda tinha o melhor carro, diante da boa performance da Red Bull em treinos e da dificuldade para derrotá-la nas primeiras corridas, agora não há mais dúvidas. Tem, sim. Talvez não seja tão melhor quando nas últimas temporadas. Mas continua sendo o mais forte do grid.

Leclerc, quarto: Ferrari segue consistente, embora sem brilho

Bottas fechou o pódio atrás de Hamilton e Verstappen, sem nunca ter lutado de verdade para superar o holandês e brigar por um eventual segundo lugar. Ele perdeu muito tempo atrás de Leclerc no início da prova e saiu rápido da disputa. O monegasco foi o quarto, seguido por Pérez, Ricciardo, Sainz, Norris, Ocon e Gasly na zona de pontos.

Sendo muito honesto, ninguém no segundo escalão se destacou muito no domingo nublado da Catalunha. Ricardão talvez tenha sido um dos mais satisfeitos ao final do GP, porque pelo menos chegou na frente de Norris e conseguiu segurar Sainz na fase derradeira da corrida. Lando fez uma prova discreta e perdeu o terceiro lugar na classificação para Bottas, que foi a 47 pontos, contra 41 do inglês.

Quem decepcionou foi a Alpine, com Ocon em nono e Alonso arriscando uma parada para ficar sem pneus no fim, fazer um segundo pit stop, sair da zona de pontos e zerar correndo em casa. Da Aston Martin, nem falo mais nada. Stroll e Vettel não conseguiram pontuar. Com isso, McLaren e Ferrari se desgarraram de vez na classificação entre as equipes e brigam diretamente pelo terceiro lugar. São 65 pontos para o time laranja e 60 para a escuderia italiana. A Alpine empacou nos 15. A Aston Martin tem ridículos 5.

Norris: oitavo lugar discreto com a McLaren

Hamilton nem comemorou muito a vitória e, ao contrário do que acontecera em Portugal, onde se desgastou muito fisicamente, saiu do carro inteirinho da silva. Falou que, se precisasse, dava para disputar mais um GP hoje mesmo. Mas terá de esperar duas semanas. O próximo será em Mônaco, no dia 23. Pode ser que lá, pelas características do circuito, tenha mais trabalho para derrotar Verstappen. É capaz até de perder a corrida. Se acontecer, não será nada que fuja às previsões da Mercedes. Quando o time olha para o campeonato como um todo, sabe que em algumas pistas terá dificuldades, e Monte Carlo é uma dessas. Mas como até agora as coisas têm saído melhor que a encomenda para a equipe alemã, os outros que se preocupem.

Hoje às 19h tem “Fórmula Gomes” no YouTube para falar do GP da Espanha. Apareçam.

Comentários

  • A Red Bull deve ter tremido nas bases com o que Hamilton falou na entrevista. Foi algo como: eu fiquei observando o Max e entendi como ele extrai o máximo do carro e aprendi mais sobre ele e o carro nessa corrida do que em todas as outras corridas somadas que corri contra eles.
    Rapaz, se o Hamilton realmente conseguiu isso a Red Bull está lascada.

    PS. Eu sugeriria que a Mercedes oferecesse ao Helmut Marko, aquele palpiteiro da Red Bull que ele entregasse ao Hamilton todos os troféus que ele recebesse na F1. Seria bacana esse fair play (parafraseando uma determinada personagem comediante: ah como eu sou bandido)..hihihi.

  • Flavinho, o que dizer do Mazepin ? O cara conseguiu nos proporcionar um rádio de um chefe de equipe para a FIA. Eu nunca tinha visto isso rsrsrsrsrs..

    Mazepin em Mônaco promete, senhoras e senhores, não perderei a corrida de Monte Carlo por nada.

  • Torço muito pelo Hamilton, pois este me faz gostar da F1 . O cara manda bem mesmo, evoluiu mto na carreira ao longo dos tempos. Um vitorioso! sabe usar o melhor do carro e da equipe. A equipe tbem e perfeita ! meritos pra quem gasta e se esforça. E bom gostar de ver a F1 com um piloto desse tipo que nao e arrogante nem se mete em escândalos e, tem uma visao de mundo e de certos engajamentos sociais que ao pronunciar publicamente faz ecoar num espaço tão de elite. Q seja o campeao novamente em 2021!

  • Hamilton continua implacável, a Mercedes continua com um bom carro. Max faz o que dá, ainda por cima com qualquer estratégia diferente sendo marcada pelo Botas que chega em terceiro lugar.

    Vida difícil para a RedBull que não consegue fazer um carro que qualquer um possa guiar… basta perguntar para o Tcheco, Gasly e Albon.

    Continuo na torcida por um milagre em 2021 e curtindo o show que essa molecada está nos presenteando.

    Obs.: Com exceção do Hamilton os SUB-40 da F-1 vem desapontando a cada etapa.

    E o Ocon… hein?!

  • o que dizer sobre o Hamilton? o cara é tão bom que estraga a brincadeira… não tem disputa.
    vamos torcer para ver se a red bull e o verstapen conseguem tirar um coelho da cartola, mas pelo visto esse ano já era também.

  • Max e a Red Bull precisam ser perfeitos. Qualquer pequeno erro e Lewis dá o bote e leva outra vitória. Max é muito bom, mas ainda perde para Lewis.
    Vi alguns comentaristas reclamando de estratégia e asa móvel . Infelizmente, esses autódromos “modernos” exigem esses artifícios para termos disputas. Se não fosse a estratégia, provavelmente Max seria o vencedor, mas não por ter sido melhor e simplesmente por ser impossível ultrapassar nesse autódromo sem esses artifícios.. Mas foi uma corrida mais ou menos….

  • Nem começou e já acabou? Ou já acabou , nem começou. Ou nem começou? Não sei estou confuso kkkkk. só uma coisa. Quando falam em “Verstappen erra no pit stop antecipado”. Verstappen não erra nada, estrategistas da equipe é que decidem. Comentários tendenciosos mais irritam do que dão ibope. Alemão sabe fazer carro, ponto final. Só desaprenderam fazer moto, minha BMW 1250 insiste em dar infiltração de água no cardã, vou vender essa porra.

  • A Red Bul perdeu mais uma na estratégia. Ao meu ver se o Max entrasse na volta seguinte a segunda parada do Hamilton e colocasse pneus macios, a história poderia ter sido outra, porque restavam 24 voltas e o primeiro trecho o Max fez 25 voltas com os macios e não teve problema. Mesmo que retornasse atrás o macios poderiam lhe dá maior performance para ultrappasar. E mais um ano sem disputa na F1, Hamilton campeão de novo com a Mercedes dando um banho.

  • Hamilton imediatamente atrás de Verstappen, perto para tentar fazer a ultrapassagem e, com uns dois terços da corrida completada, a Mercedes chama o seu piloto para uma parada para troca de pneus. Volta mais de 20 segundos atrás e tira a diferença, volta a volta, até fazer a ultrapassagem e vencer a corrida. Ao piloto da Red Mula, resta uma parada para colocar pneus macios e fazer a volta mais rápida da corrida. Esta é a descrição do Grande Prêmio da Espanha de 2021, mas pode ser, também, a descrição do Grande Prêmio da Hungria de 2019. A mesma situação, a mesma tática, o mesmo resultado.

    Algumas pessoas podem achar que o carro faz tudo, que é de outro planeta e tal. Entretanto, devo lembrar que no Grande Prêmio da Hungria de 2020, Bottas estava imediatamente atrás de Verstappen, perto para tentar fazer a ultrapassagem, com uns dois terços da corrida completada, e a Mercedes o chamou para fazer a mesma coisa que Hamilton havia feito no ano anterior, na mesma pista. Entretanto, para esta tática funcionar corretamente, o piloto que comanda o carro tem de fazer voltas voadoras, andar em ritmo de treino todas as voltas que restam para terminar a corrida. Bottas não foi capaz de fazer isto e, no ano passado, ficou atrás do holandês naquela corrida. Mesma situação, mesma tática, resultado diferente.

    Hamilton foi tão rápido que o computador calculou a ultrapassagem faltando uma volta para o fim da corrida, mas o inglês a fez faltando cinco. Não é que Bottas não seja um bom piloto (lembre que ele fez mais pontos que Massa em todas as temporadas competindo pela Williams), é que Hamilton é excelente. Parabéns, Hamilton: centésima pole position e nonagésima oitava vitória. Parabéns Mercedes: centésima vigésima nona pole position e centésima décima oitava vitória!

  • Hamilton continua pilotando em alto nível e a mercedes mostra que tem repertório.
    Os caras são bons em muitas áreas diferentes: na pista com Hamilton, na aerodinâmica, na unidade de potência, na estratégia… até a tia do cafezinho deve ser fera!

    O campeonato está interessante e torço para um octa do Hamilton para ver história sendo escrita. E considero Mônaco um “pedágio” a ser pago pelo campeonato de fórmula 1.

    Com esses carros cada vez maiores, a corrida já é bem chata faz vários anos. Mas ok, estão disposto a ter 2 horas de tédio em troca de outras 44 horas (22 corridas) de emoção. Faz parte.

  • É, a Mercedes volta a confirmar o favoritismo. Hamilton caminha célere para o oitavo campeonato, agora ainda mais confiante no carro e na equipe que não erra. De certa forma, é uma tragédia não vermos Hamilton e Max numa mesma equipe, aí sim veríamos a história ser escrita* de verdade, seria uma disputa incrível e praticamente sem favorito.
    *acho pouco comemorarmos apenas números massivos, a gente quer ver é grandes combates.

  • Mano, o cara é bom mas teve sorte de estar numa equipe como a Mercedes, que time é esse, pena que o Bottas não sabe aproveitar, fraco demais, o holandês todo dia reza para o Hamilton se aposentar logo e chegar a vez dele, sobre os demais a única coisa boa é ver a Ferrari sem ganhar nada como uma equipe pequena, boa hora pra cumprirem a promessa de deixar a categoria, faz tanto tempo que deixaram de ser notícia relevante que se sair não se vai notar.

  • Do jeito que foi essa corrida da Espanha o Hamilton vai querer correr assim todo dia com a Red Bull de Verstappen fazendo um Pit Stop com dois dele, assim o Hamilton ganha o Octa de olhos fechados ou até sem querer querendo.
    Mazepin o último dos últimos foi punido com três posições e um ponto na carteira, na verdade a única punição que valeria ao Mazepin seria uma suspensão de um corrida, de resto ele não perderia nada por ser o último dos últimos.

  • Hamilton é fora de série, mas ultrapassar com sua Mercedes top de pneus mais novos tirando quase dois segundos por volta uma RedBull de calçado esfarrapado (nem falo do DRS) não é motivo pra aquela epifania toda do Sérgio Maurício. Tá fazendo concurso pra Galvão.

  • A Red Bull não quer assumir publicamente que errou ao não mandar o Verstappen pros boxes logo após a segunda parada do Hamilton. Perderam como na Hungria em 2019.

  • Se a Red Full quiser fazer frente à Mercedes, é melhor comprar toda equipe, inclusive o Toto Wolf.
    Porque até agora, tanto piloto quanto equipe, quando ameaçados estão errando.

  • Prezado F&G : Hamilton pilotou como um enxadrista , mexeu as peças no momento certo e hora certa, colocou seu adversário Max na alça de mira durante a corrida toda. A Equipe Red Bull, errou na estratégia. Dois destaques na corrida a condução de L.Hamilton para uma vitória consistente, e a força mental do seu maior rival o Piloto Max. A Ferrari soube lidar muito bem com os pneus, e assim segue evoluindo a cada corrida . Daniel Riccardio da Mclaren fez uma corrida para equipe não arriscou nada mas teve um bom trem de corrida e marcou pontos preciosos. O Pior da corrida o Piloto Fernando Alonso “El Fodon “, perdeu uma posição em uma vacilada na tomada de uma curva no final da reta ao contornar a segunda perna da curva e a segunda besteira foi da Equipe Alpine , em demorar muito para trocar os pneus. Pequenas anotações , Mike S. fez uma corrida onde disputou e passou Russel, depois levou o troco, mas ganhou quilometragem e experiência.

  • Saudações Flavinho Gomes !
    Literalmente, um frango a Holandesa, cozido desde a largada até a bandeirada. A Band está se globalizando com comentários pro Max, prova a prova, numa clara Buenização.
    Penso que este ano , vamos ter no mínimo umas 11 vitórias do Hamilton, 4 do Bottas e 3 do Vespa…o resto fica à deriva !

    Abração !!!

  • Estamos assistindo o melhor de todos os tempos escrever sua história mas, em termos de campeonato e disputas o pau murchou. Hamilton vai ser octa com facilidade, uma pena. De qualquer forma temos que aplaudir o Hamilton de pé.

  • Confesso que a atitude mais surpreendente, pra mim, foi Bottas dificultar a passagem de Lewis por mais de meia volta. Ele não tem atitude, em nenhum momento a gente sente que ele vai dar trabalho ou ser combativo. Tem pista livre, não consegue se aproximar. Se quisesse ter alguma chance com a equipe, seria trabalhar pra dificultar a vida do Verstappen. Mas ele não consegue nada. Corrida após corrida é uma desculpa atrás da outra. A Red Bull não está em primeiro nos construtores porque o segundo piloto lá…
    tá meio que bostiando também…enfim. E…vale a velha máxima de alguém que ao ser perguntado sobre Pelé e Maradona, respondeu: o melhor do mundo é Maradona (Verstappen). E Pelé? Pelé (Hamilton) é de outro planeta.