AUSTRÍACAS (3)

Verstappen: quinta vitória no ano, três seguidas e título à vista

SÃO PAULO(fim de papo) – Depois do GP do Azerbaijão eu tinha dito, ou escrito, ou pensado, sei lá, que as três provas seguidas na França e na Áustria iriam nos dizer o que aconteceria neste Mundial. Pois bem. Verstappen ganhou as três — a última delas hoje, com enorme facilidade. Nessas três corridas, o holandês da Red Bull somou 77 pontos. Hamilton, vice-líder do Mundial, fez 49. A Red Bull acumulou 112. A Mercedes, 94.

Acabou.

Isso significa que o campeonato será chato, ainda com 14 etapas pela frente? Claro que não. Primeiro, porque meu prognóstico pode estar errado, é óbvio. Segundo, porque a gente está falando de Mercedes e Hamilton, e não de Minardi e Fisichella.

Tem muita coisa pela frente, argumento irrespondível. Mas tudo indica que reverter o quadro, neste momento, é tarefa hercúlea que, se for cumprida pela Mercedes, representará uma virada das mais épicas da história. A hora é da Red Bull e de Max. Cinco sapatadas seguidas — o time austríaco venceu as últimas cinco provas — abalam qualquer um. E tem 2022 pela frente. A Mercedes promete levar algumas novidades para Silverstone, próxima corrida do campeonato. Talvez seja sua última cartada. Se não der certo, melhor será pensar no ano que vem, com carros muito diferentes — oito pneus, dois lugares e periscópio.

(Piadinha, antes que alguém pergunte se é verdade.)

Hamilton, quarto colocado: esperança nos upgrades da Mercedes

Sem chuva, com temperatura amena e sol nas montanhas da Estíria, Verstappen ganhou o GP da Áustria com tranquilidade, como se previa. Deu-se ao luxo de fazer duas paradas, inclusive. Por isso a diferença para Bottas, o segundo colocado, foi de “apenas” 18 segundos. Coloquem mais uns 20 aí para ter uma noção mais clara de como foi fácil. Max fez o segundo pit stop apenas para garantir a volta mais rápida e seu ponto extra, que nunca se sabe quando será preciso. E também para evitar riscos de um furo maluco, como em Baku.

Foi a 15ª vitória da carreira do holandês e quinta neste ano. Pela primeira vez ele fez o que se chama de Grand Chelem: pole, vitória, melhor volta e todas elas na primeira colocação. Um domínio absoluto. “Foi delicioso”, resumiu o piloto, diante de uma massa de torcedores pintados de laranja que levaram de volta o público aos autódromos definitivamente: 132 mil pessoas nos três dias de evento. Maravilha. Todos vacinados e testados. O mundo civilizado é bem legal.

Torcida holandesa em Spileberg: todos vacinados e testados

Foi também o 50º pódio de Verstappen, o que o coloca em 16º nas estatísticas da F-1 ao lado de Jenson Button. Ele tem agora 182 pontos na classificação, contra 150 de Hamilton. Lewis disse que perdeu um segundo lugar “fácil” por conta de uma quebra no assoalho lá pela 29ª volta, quando passou numa zebra alta na curva 10. Seu carro começou a perder rendimento, quase meio segundo por volta, e ele acabou sendo ultrapassado por Bottas na 52ª e por Norris na 54ª. Fez uma segunda parada para garantir — os pneus estavam acabando — e terminou em quarto.

O inglês ainda não jogou a toalha. “Eles trouxeram coisas novas para essas corridas e a gente, não. Mas vamos ter alguns ‘upgrades’ para Silverstone. Vamos ver o que vai acontecer, porque precisamos de mais performance.” A Mercedes promete investir alguns trocos ainda no carro de 2021. “Vamos voltar fortes na próxima, vocês vão ver. Vamos fazer 1-2 e explodir todo mundo”, prometeu Pebolim Wolff, tentando dar uma animada na equipe. Como disse acima, se der certo na Inglaterra, quem sabe… Mas se não der, tchau, 2021.

Bottas, animadíssimo no pódio: prejuízo menor para a Mercedes

Bottas e Norris fecharam o pódio no Red Bull Ring, com histórias ligeiramente diferentes na corrida. O finlandês ficou na dele em quarto desde o início da prova, que teve um breve safety-car por conta do abandono de Ocon, atingido por Giovinazzi na primeira volta. Na quarta, na relargada, Pérez foi para cima de Norris, que lhe deu um chega-pra-lá e acabou sendo punido. Checo caiu para décimo. Achei exagerada a punição. Christian Buziner, chefe da Red Bull, disse o mesmo — ainda que a vítima tenha sido seu piloto.

O pênalti de 5 segundos para Lando foi informado na 20ª volta e na mesma hora ele foi ultrapassado por Hamilton, que assumiu o segundo lugar. Norris pagou a infração no pit stop, na 31ª volta. Bottas parou junto com ele e, assim, ganhou a posição. Hamilton parou na 32ª. Verstappen, que já tinha 10 segundos de vantagem, na seguinte.

O pau comia de verdade lá atrás. Pérez, tentando se recuperar do prejuízo do início, se engalfinhou com Leclerc duas vezes e fez com o ferrarista o mesmo que Norris havia feito com ele. Tomou duas punições de 5 segundos e, no fim da prova, pediu desculpas ao monegasco. “Não me sinto bem em estragar a corrida de ninguém”, falou.

Pérez x Leclerc: disputa resultou em duas punições para o mexicano

O mexicano acabaria cruzando a linha de chegada em quinto, mas com os 10 segundos de multa caiu para sexto, com diferença no cronômetro de 0s771 para Carlos Sainz. O espanhol fez uma boa prova: largou em décimo com pneus duros, só fez o pit stop na volta 49 e conseguiu pontos importantes para a Ferrari com paciência e determinação.

Hamilton ia se segurando em segundo com o carro todo estropiado quando a Mercedes, na volta 48, avisou Bottas que o parceiro tinha problemas e pediu para que ele não fosse atacado. Precisando do emprego, Valtteri acatou. Mas, na volta 52, acabou sendo liberado para ser feliz. E Norris, que também havia superado o #44 logo depois, ameaçou um ataque à Mercedes #77, que acabou não acontecendo. Ficou em terceiro.

Russell segura Alonso: mais uma vez o pontinho pela Williams bateu na trave

Com tudo mais ou menos resolvido lá na frente, as atenções se voltaram para o duelo entre Russell e Alonso pelo décimo lugar. O inglês da Williams, que largou em oitavo (era nono no grid, mas Vettel foi punido e perdeu três posições), teve um começo de prova complicado, perdeu terreno, mas se recuperou bem.

Quando o espanhol da Alpine chegou nele, na volta 61, foi difícil resistir. Na 68ª, a três do final, Fernandinho passou. E foi muito gentil com o garoto. “Me senti mal quando vi que era com ele a briga pelo ponto da décima posição. Na hora, pensei: puxa, podia ser qualquer um, menos George”, disse. No fim da corrida, deu um carinhoso abraço no piloto, que continua lutando para fazer seu primeiro pontinho pela Williams. Não foi desta vez. “Quando você está brigando por um ponto, o último cara que quer ver atrás é alguém como Alonso”, devolveu a gentileza.

Na última volta, um acidente besta entre Raikkonen e Vettel (“acontece”, disseram ambos) na briga inglória pelo 12º lugar levou a direção de prova a convocar oito pilotos à torre, por terem ignorado bandeiras amarelas. Os dois que motivaram a batida foram chamados também, assim como Pérez. Tinha senha para ser atendido. Até a hora em que escrevo este brilhante relato, ninguém tinha sido punido.

Raikkonen bate em Vettel: acidente besta na última volta

Verstappen, Bottas, Norris, Hamilton, Sainz, Pérez, Ricciardo, Leclerc, Gasly e Alonso ficaram nos pontos. Destes, o único que largou com pneus macios — e por isso teve obrigatoriamente de fazer duas paradas — foi Gasly. As paradas extras de Hamilton e Verstappen não faziam parte das estratégias iniciais de ambos. A história de mudar os pneus em relação aos usados na semana passada acabou não alterando muito a configuração da prova em relação ao que aconteceu no GP da Estíria, na mesma pista.

Depois de Verstappen e Hamilton na classificação, Pérez aparece em terceiro com 104 pontos, seguido de perto por Norris, com 101. Entre as equipes, a Red Bull abriu bem em relação à Mercedes: 286 x 242. A McLaren também se desgarrou da Ferrari na briga pelo terceiro lugar: 141 x 122. AlphaTauri e Aston Martin lutam pelo quinto, 48 x 44 para os italianos. Aliás, foi com o uniforme da AlphaTauri que o japonês Toyoharu Tanabe, da Honda, subiu ao pódio para receber o troféu reservado à equipe vencedora, a matriz Red Bull.

Tanabe, da Honda: melhor sequência desde 1988

Explica-se: a Honda alcançou sua quinta vitória seguida, melhor sequência desde a série de 11 consecutivas na temporada de 1988, com a McLaren de Senna e Prost. Naquele ano, a equipe só perdeu uma das 16 corridas do Mundial. Foi na 12ª etapa, para a Ferrari em Monza. Depois ganhou as últimas quatro. E poderia ter vencido na Itália, se Senna não sido atingido pelo retardatário Jean-Louis Schlesser, que correu pela Williams no lugar de Nigel Mansell.

Hoje às 19h estarei ao vivo no meu canal do YouTube para falar da corrida no “Fórmula Gomes”. Apareçam lá!

Comentários

  • Eu acho que ainda tem muito campeonato, mas no momento está difícil para o 44. Na verdade eu queria ver o Perez encurtar a pontuação para o Verstappen, para, quem sabe, termos um novo 1986. Seria demais!

  • Ridícula a punição à Lando Chuck Norris…
    Lance corrida. Não tinha para onde Lando ir. Palhaçada total.
    Esse garoto vai dar o que falar. Quando (e se) ele, Leclerc e Russel tiverem um carro de ponta na mão, o circo vai pegar fogo. Seria lindo…..

  • Sr. Gomes:
    Existe uma piadinha em que um garotinho vê dois cachorros transando e pergunta pra vovozinha:
    -Vovó o que eles estão fazendo?
    A vovó acreditando na inocência do netinho e não querendo entrar em detalhes responde:
    -O cachorrinho de trás quebrou a patinha e o da frente o está ajudando a caminhar.
    No que o netinho responde.
    – A vida é assim mesmo. Quem quer ajudar os outros acaba sempre enrabado.
    No domingo durante sua live, Eu que vivo em Orlando na Florida, tentei te ajudar informando que tenho recebido de outras editoras, livros que compro no Brasil, Não, não é Amazon, Ainda essa semana recebi direto de um amigo que é autor. No que fui respondido por você que eu era um bundão porque morava em Orlando, que não tem nada pra fazer em Orlando que deveria morar em New York e que por isso não estava na nata dos que poderiam receber o livro e bla, bla bla. Você acha que eu deixei meu país, meus amigos e minha história para trás pra vir ver o Mickey Mouse? Eu tenho cara de Fernando Henrique que pode se auto exilar na Champs-Élysées? Alias que pensamento bem burguês e de merda esse de que chique é morar em New York. New York é uma cidade cinza e fria onde só é bom para os turistas que visitam a Time Square, o Central Park ou para os bilionários que podem viver em Manhattan. O que não é o meu caso, senhor abastado escriba. Eu vivo em Orlando porque é aqui que mora minha dignidade. Acordo a seis da manhã e pego no pesado pra sustentar minha família. O meu exilio do Brasil não foi político e chiquê, foi sobre finanças, orgulho e vergonha na cara. Hoje com meu suor viajo pelos 4 cantos do mundo e visito lugares que quando estava no Brasil sabia que só iria conhecer por cartão postal. Quem sabe pra você isso pouco importa, eu no Brasil sou o cara que assento os azulejos em que você pisa, o cara que pinta a parede que faz fundo as tuas lives, que conecta as tomadas onde você pluga as tuas luzes. Que porra é essa de um cara desses querer conhecer Paris e Vienna não é mesmo? De querer que seu filho possa frequentar Harvard ou Yale!!! De querer ler teus livros!?! Seus livros no exterior têm público seleto em New York é isso? Da admiração a decepção é só uma questão prisma. Então, fique com teus livros.

  • “Formula-1 é como o “Programa do Chacrinha” , só acaba quando termina!”
    Como o Bigliazzi disse.
    E meio cedo para falar que MB e Hamilton são passado.
    E vai ter muito midnight oil em Northamptonshire.
    Ou acham que o Toto Wolf, que não tolera nem perder no jogo de palitinho, vai entregar de bandeja para os austríacos?
    Norris tem muito futuro!

  • Concordo que o momento é da Red Bull. Mas se na próxima Verstappen quebrar/bater e Hamilton ganhar, a diferença de 32 pontos vai pro saco. Também pode acontecer o contrário, claro. Ainda tem muita pontuação em jogo.

  • E Max estraçalhou a concorrência, de novo. Cadê o “melhor piloto de todos os tempos”? kkk Sem carro não consegue nem o pódio né? Me deixe viu. A Red Bull chegou e o Max está com sangue no olho. Que pilotaço esse menino Lando Noris, Torço por uma McLaren forte no ano que vem pra bagunçar ainda mais esse grid.

  • Com Hamilton assinando por mais 2 temporadas, as chances de Bottas aumentam consideravelmente na Mercedes.
    Russel merecia o primeiro ponto com a Willians.
    Alonso é mais piloto que Vettel.
    Ricciardo em uma de suas melhores corridas só termina em 7º enquanto Norris estoura Champagne.
    Tsunoda é muito pior que Albon.
    Falando em Albon, o que faz Pérez que ele não fazia???
    Corrida pra esquecer das Alfa Romeu. Hass um martírio. Stroll e Latifi duas nulidades.
    As ferraris foram OK. Assim como Gasly.
    Hamilton segue escorregando, abusou das zebras e pagou caro por isso.
    Verstappen foi o nome da corrida. Não perdoa puxou todos os tentos possíveis. Implacável. O holandês é daqueles que quando vê o inimigo no chão, pisa na cabeça.
    A Mercedes tem Inglaterra e Hungria pra tentar entrar nas férias mais perto da Red Bull.
    A Red Bull é o melhor carro, mas insisto em dizer a diferença não é grande, e enquanto a Mercedes tem dois pilotos a Red Bull continua tendo um, no máximo um e meio.

  • Eu disse em outro post que Hamilton provavelmente perdeu o campeonato em Baku. Se tivesse marcado pontos, hoje a diferença seria bem menor e ele estaria mais motivado. De qualquer forma Max tem feito muito para merecer um título. Tenho certeza que Max ganhará mais do que um. Torço por uma reação da Mercedes para o campeonato ficar melhor. Vamos ver em Silverstone se realmente a Mercedes melhora. Tomara!!!

  • Tem havido tanta investigação dos comissários da F1 que até Nelson Piquet já teme pela cassação dos 3 títulos devido aquela ultrapassagem sobre Senna no Hungaroring. Rene Arnoux, a pena de morte e até mesmo Gilles Villeneuve pode ser sancionado – através da perda do título do filho Jacques – tudo em decorrência daquele pega em Dijon.

  • Pelo o que está sendo visto só fica faltando o carimbo do Campeonato 2021 para o Verstappen, e se o Hamilton não conseguir uma reação imediata já pode dá adeus ao seu Octacampeonato esse ano.
    Lando Norris o piloto do dia, mas para ele ainda ficou faltando o segundo lugar para ter um dia completo.
    A Ferrari só vale chegar ao final no seja o que Deus quiser, o Sainz pelo menos levou um quinto através da penalidade do Pérez.
    O Maquiavélico Alonso roubou do Russell no final o pontinho da esperança dele e da Williams.
    Esse GP foi o da Áustria com cara de Holanda, pro Verstappen melhor impossível.

  • A F1 tá legal. Acabou o 1-2 da Mercedes. Noris botando pra quebrar. Sérgio Perez fazendo das suas e tendo que se virar para passar carros mais lentos. Ferrari, enfim, tem uma dupla de dois. Russel atrás do seu pontinho. Alonso esbanjando categoria. Legal, mesmo. Ah, não ter brasileiro no gride é uma benção.

    Agora, a Band tem que dar uma melhorada. Pequenas coisas, é verdade. Porém, o que já está irritando é o tal bordão do Sérgio Maurício na largada: “isso só a Band mostra”. Um saco. Presta atenção na largada meu filho. Hoje, ainda, deu uma piorada: “isso só a Band tem o prazer de mostrar.

  • Prezado F&G : Max, fez uma corrida perfeita mereceu cada ponto conquistado, Bottas mostrou seu talento e calou a boca e fez muita gente morder bem a língua , Hamilton correu como um jogador de Xadrez, calculando salvar uns pontinhos, Carlos Sainz mostrou para a Equipe Ferrari que tem talento e competência (* junto com D.Ricciardio fóram os melhores ), Sérgio Perez tirou a monotonia da corrida ou seja, valeu o ingresso foi o personagem vítima e vilão, Daniel Ricciardo, chegou a ganhar seis posições e fez um ótimo trem de corrida, conquistando pontos preciosos para equipe Mclaren, Charlinho Leclerc fez pontos salvadores na tábua de classificação, Gasly precisa contar com um pouco mais de duas coisas melhor estratégia de equipe e um pouco de sorte. El Fodon ( Fernando Alonso ), roubo o pirulito da boca da criança ( Russel). O Melhor da corrida consistência equipe Mclaren abre boa margem na adversária Ferrari, destaque para os dois pilotos “Sainz e Daniel Ricciardio”. O Pior da corrida quando Vettel empurrou Kimi para fora, além da multa , vai pagar o jantar para Kimi e uma garrafa de vodka, lance das raposas da pista, os dois campeões na caixa de brita. Silvertone com qualification valendo pontos acelerando, em 15 (quinze) voltas.

  • Boa noite Flávio,

    Pérez é arrogante desde os tempos de Mclaren. Button deu um jeito nele, na época. Mas parece que não resolveu muito. Agora que está na fábrica de latinhas está demonstrando sua índole.
    Grande abraço e parabéns pela carreira !

  • Corrida interessante, melhor do que na semana passada.

    Quando Hamilton e Vettel apareceram na F-1 a passagem do bastão de geração anterior para uma futura é talentosa geração se concretizou… hoje em dia podemos falar que Verstapen e Norris estão cumprindo essa mesma missão para o bem da F-1 e para nossa diversão nos próximos 15 anos.

    Segue o jogo…

  • Boa Noite Flávio e aos amigos! Ótimo comentário como a corrida. Vejo que o Verstappen só não será campeão ser “azares” acontecerem. Vamos ver o que vai ser na Inglaterra, com o formato de corrida de classificação.

  • Flávio, nada a ver com o texto que você escreveu mas você falou lá no seu vídeo de agora o meu nome(como gado) e nem sequer leu o que eu escrevi umas mensagens atrás. Eu só dei uma informação à respeito de Belarus que fez até pior do que o presidente daqui falando para o pessoal (com relação ao corona) relaxar e tomar vodka. Foi só uma informação complementando lá o que você estava falando. Pode buscar nas mensagens mais ou menos uns 3 minutos antes de você me ofender(com base nos outros) de graça..

  • A corrida do Sainz foi ótima. Russel fez o que pôde (seu equipamento não permite quase nada, embora já não seja aquela tragédia de outrora). Espero Silverstone (todo mundo espera) pra sabermos se ainda teremos campeonato. 2021 está sendo muito bom. Só precisam avisar a Band que esse “clima descontraído” da abertura, no Show do Esporte, já está passando um pouco do ponto. A Mariana no Grid como se estivesse em feira de carro usado já deu: mais informação e menos clima de churrasco , por favor!

  • Legal demais ver o autódromo cheio desse jeito. Moro perto de Spielberg e fui no GP da Estíria semana passada (teve bem menos ingressos a venda semana passada por conta das restrições que estavam valendo até o fim de Junho. Para essa semana o governo da Austria implementou novas medidas que permitiram que tanta gente fosse ao Red Bull Ring). A organização foi muito legal, em todos os pontos de entrada estavam verificando resultados de teste ou certificados de vacinação, e ninguém reclamando da exigência (quem não tinha resultado de teste ou certificado de vacinação podia fazer o teste ali mesmo e aguardar o resultado antes de entrar). Basta bom senso e respeito ao próximo para isso funcionar, mas infelizmente no Brasil os dois ingredients andam em falta…

  • Declaração mais famosa do James Hunt, no GP do Japão de 1988, sobre o Ayrton Senna:

    “A não ser que haja uma interferência de Deus, estamos olhando o novo campeão mundial”.

    Deus não existe. Hoje, com Verstappen vencendo a corrida, nós olhamos o novo campeão mundial.