SOBRE ONTEM À TARDE

IMAGEM DA CORRIDA

O duelo no fim: será visto muitas vezes

SÃO PAULO (geniozinhos) – Tem foto melhor do GP da Arábia Saudita, sem dúvida. Aliás, já aviso que vou postar aí embaixo para vocês não ficarem órfãos das boas fotos. Os abraços calorosos entre Verstappen e Leclerc, mostrando o respeito que os dois demonstram um pelo outro, estão entre as imagens mais… poéticas, digamos. Tem uma outra do carro fotografado de cima que também achei muito bonita. A chegada, meio segundo entre um e outro — está no post de ontem –, idem.

Mas esta refrega entre Max e Charlinho antes da linha do DRS no fim da prova possui um significado mais perene. Porque esses abraços aí, não sei quanto tempo vão durar. É da natureza da F-1, e dos pilotos, uma certa animosidade na medida em que a disputa vai se acirrando. Até Vettel e Hamilton já se estranharam em passado recente, vocês se lembram. E são dois gentis homens. Lewis e Rosberg, amigos de infância, tornaram-se quase inimigos. É assim.

Digo perene sobre a foto acima porque acho que isso, sim, vamos ver muito nessa temporada. Disputas muito próximas, um jogo de xadrez no uso da asa móvel, essas coisas que conferem emoção extra às corridas quando elas são decididas aos 45 do segundo tempo. Foram duas até agora. Em ambas a briga pela vitória foi igual. Desta vez, deu Max.

E a Mercedes?, perguntarão as viúvas das Flechas de Prata. Bem, a Mercedes está se mexendo. Circulam pela imprensa europeia informações que contêm até um cronograma da equipe para tentar consertar o W13, um carro muito problemático que vem tirando o sono da dupla de pilotos e de todos os integrantes do time. Seria ele: novo assoalho na Austrália; novo pacote aerodinâmico em Ímola; carro totalmente revisado e mais leve em Barcelona, 1s5 mais rápido por volta do que a carroça atual.

Se isso acontecer, e considerando que Ferrari e Red Bull também têm atualizações previstas, pode ser que lá pela sexta etapa do Mundial a Mercedes comece a andar junto das rivais. Mas esse cálculo de 1s5 por volta é, óbvio, um chute. E dos mais otimistas. Até lá, os alemães esperam que as rivais dividam pontos e ninguém dispare no campeonato. Para entrar na briga com alguma chance, ainda. Isso se entrar, mesmo. Porque, até agora, o que temos são números. Como estes abaixo.

O NÚMERO DE JEDÁ

38

…pontos tem a Mercedes nas duas primeiras etapas do Mundial, seu pior início de temporada desde 2013. Naquele ano, o primeiro de Hamilton na equipe, foram 37. A partir de 2014, início da era híbrida na F-1, foram, pela ordem: 68, 76, 83, 66, 55, 87, 80 e 60.

Hamilton em décimo: posição que lhe é estranha

Quando terminou a corrida de Jedá, Hamilton perguntou a Bono Vox, seu engenheiro, se chegar em décimo dava alguma coisa no campeonato. Sei lá, uma paçoca e um guaraná caçulinha, uma medalha de honra ao mérito, um certificado de participação, alguma coisa assim. Porque décimo foi um resultado que ele obteve só duas vezes até ontem: na França, em 2008, e na Coreia do Sul, em 2012. Em 2008, o décimo nem marcava ponto.

Os 16 pontos que Lewis marcou em duas etapas também são seu pior início de temporada em muito tempo. Desde 2010, quando o atual sistema de pontuação foi implementado, ele nunca tinha começado tão mal. Seu pior ano até agora era o de 2011, com 22 pontos em dois GPs. Na época, defendia a McLaren. Em 2013, seu primeiro campeonato pela Mercedes, fez 25 nas duas primeiras corridas.

A única notícia boa para o inglês depois do GP saudita foi saber que já estava na hora de ir embora. Mesmo não tendo falado nada sobre o assunto — ou todos os assuntos ligados a essa corrida –, Lewis mostrou que estava desconfortável no país. “Só quero ir para casa”, disse, aliviado, após o encerramento das atividades em Jedá.

ARÁBIA SAUDITA BY MASILI

A charge de nosso cartunista oficial Marcelo Masili ficou lindona. O cara foi numa pegada mais artística hoje. Isso aí dá pôster. Pelo que entendi (sou meio tosco em interpretações, às vezes), Masili imagina que o adversário mais em conta para Verstappen neste ano é Leclerc. A ausência de Hamilton na briga seria um alívio. Será que é isso? Sei lá, mas que ficou bonito, ficou!

Estou sentindo falta das nossas notas policromáticas. É que o que faltou dizer ontem não tem tanta importância assim. OK, o abandono de Bottas. O choque entre Albon e Stroll. O bom resultado de Norris. OK, vamos às notinhas policromáticas. Mas serão breves.

PUNIDO – Alexander Albon recebeu um punição por ter causado um toque com Lance Stroll lá na turma do fundão. Peder três posições no grid em Melbourne. Não muda a cotação do baht, mas está registrado.

FERVEU – Valtteri Bottas fazia uma corrida honestíssima ontem, com chance de chegar em sexto ou sétimo, quando abandonou já na fase final da prova, na volta 37. Tinha acabado de entrar nos boxes. O ponteiro da temperatura subiu. Sei como é isso. Desliga, se não funde o motor. E cuidado ao abrir a tampa do radiador. Recomenda-se embrulhar a mão com um pano grosso.

Max: igual a Raikkonen

COMO KIMI – Em Jedá, Verstappen chegou a 21 vitórias na carreira e empatou com Kimi Raikkonen nas estatísticas. E deixou para trás outro finlandês, Mika Hakkinen. É o 15º no ranking de vencedores da F-1. Max já ganhou corridas em 15 circuitos diferentes.

DOEU – Pierre Gasly terminou em oitavo. Segundo a equipe, urrando de sofrimento. O francês disse que nas últimas 15 voltas começou a sentir uma dor insuportável no intestino. Não sei o que andou comendo. Mas pelo menos chegou ao fim e fez seus primeiros pontinhos. Para a AlphaTauri, um consolo. Tsunoda nem largou.

McLaren rápida: pelo menos nos boxes

RAPIDINHA – A McLaren voltou a fazer o melhor pit stop da corrida: 2s41 no carro de Ricciardo. No Bahrein, o time também ficou em primeiro no ranking. Será que alguém vai conseguir trocar os quatro pneus neste ano em menos de 2s? Na pista, o time conseguiu um sétimo lugar interessante com Norris. Daniel quebrou.

A FRASE DE JEDÁ

“Estamos ajudando a modernizar este país”

Stefano Domenicali, CEO da Liberty

Para justificar o injustificável, fala-se qualquer coisa. O chefe da F-1, ex-diretor da Ferrari, mandou essa aí em cima. Disse que a Arábia Saudita está se esforçando, as mulheres podem até dirigir, vejam só!, e parece que não apedrejam mais ninguém na rua.

GOSTAMOS & NÃO GOSTAMOS

GOSTAMOS muito da briga entre Fernando Alonso e Esteban Ocon. A Alpine jura de pés juntos que vai liberar sempre os dois para disputarem o que for desde, claro, que um não tire o outro da corrida. “Foi como no kart”, falou o francês. “A melhor defesa é o ataque.” Já o espanhol achou que perdeu um pouco de tempo na peleja, mas tudo bem. “Nosso maior adversário era o Bottas”, disse. Alonso quebrou no fim. Ocon terminou num ótimo sexto lugar. Foi a última prova com os carros da Alpine pintados de rosa. Na Austrália, eles voltam a ser azuis.

NÃO GOSTAMOS da passividade de Sergio Pérez depois do primeiro pit stop. OK, o mexicano deu um azar desgraçado de parar justo na hora em que Latifi deu no muro. Era o líder. Os demais aproveitaram o safety-car e não perderam o tempo que Checo perdeu. Por isso ele voltou em quarto. Mas poderia ter atacado Sainz, não? Brigar por um pódio, buscar um prêmio de consolo. “Para ganhar uma corrida precisa ter sorte também”, disse ele ao final da prova. Terminou em quarto, mesmo, chorando pelos cantos.

Pérez desolado: azar no pit stop
Subscribe
Notify of
guest
25 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Paulo Dantas Fonseca
Paulo Dantas Fonseca
1 mês atrás

Prezado F&G : Pérez perdeu o rendimento e o foco para buscar uma reação, com relação a rusga entre Lewis Hamilton e Max V. essa vai perdurar infinitamente . Já esta na hora de Hamilton ir pilotar uma FERRARI.

Rafael Rego
Rafael Rego
Reply to  Paulo Dantas Fonseca
1 mês atrás

Fosse o Verstappen o prejudicado pelo SC e caísse pra quarto, ele ia atacar os caras da frente como se não houvesse amanha. Diferença de um campeão para um piloto “ok”.

Rafael Rego
Rafael Rego
1 mês atrás

Eu respeito muito o Sainz. Mas acho que é na hora que a equipe tem um carro vencedor que a gente vê quem é quem. E acho que o Leclerc é muito mais piloto.

Marcos
Marcos
1 mês atrás

Não dou até a 5a corrida do ano para os dois estarem se estapeando. Nico e Lewis eram como irmãos, frequentavam a casa um do outro, deviam até dormir na mesma cama em posições invertidas no Natal (*), já esses dois se estranhavam desde o kart. Fantástico aquele vídeo do Youtube do Max reclamando, todo vermelho, e Charlinho dando de ombros.

(*) quem tem familia grande e recebe uma tonelada de primos em casa nas festas de fim de ano, entenderá a piadinha infame…

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Marcos
1 mês atrás

É por ai… tudo é paz até a guerra começar.

Helton Garcia Fernandes
Helton Garcia Fernandes
1 mês atrás

Tem uns pilotos que, apesar de rápidos, não nasceram para ganhar muita coisa, mesmo em carros competitivos. O Pérez, Sainz, Bottas, são caras rápidos, mas não são combativos na corrida. No Bahrein o Sainz só pontuou pq o Pérez rodou. O cara passou o tempo todo atrás Pérez, sem o menor esboço de querer passar. Domingo, agora, foi o oposto, Pérez desfilando atrás do Sainz. Parecem que ficam esperando algo que vai acontecer e nunca acontece. O Bottas é assim, o Mark Webber o Massa depois da mola tb eram. Os caras sempre têm uma explicação incrível para o que não aconteceu, mas poderia ter acontecido…

CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Helton Garcia Fernandes
1 mês atrás

Discordo. O problema de Bottas foi Hamilton, o de Sainz é Leclerc, e o de Pérez (que é um nível abaixo) é Verstappen. Hoje a F1 não permite uma mistura explosiva nos carros de ponta, os pontos de construtores valem mais. Tem que existir uma sintonia fina entre os dois pilotos que dividem garagem em favor da equipe, claro que Leclerc, Verstappen e Hamilton são os “chefes”. Mesmo com esses cuidados de não colocar dois gênios em uma equipe de ponta, o plano uma vez ou outra da errado como em 2016, quando Rosberg fez um campeonato espetacular, deixou a equipe dividida um clima totalmente hostil e que serviu de exemplo para os “gerentes” que começaram a tomar outros cuidados principalmente no gerenciamento dos contratados para o segundo carro. “Russel você quer vir para equipe? Leia a cartilha e assine embaixo meu filho por favor, e bem quietinho que você ganha mais”. Somos nós que queremos ver o circo pegando fogo, somos nós que torcemos para que Rosberg elevasse o nível e rompesse as regras. Em equipes de ponta a regra é um gênio para disputar o título de pilotos e um grande piloto para trazer o título de construtores. Sobre o Bahrein, Sainz nunca ficou atrás de Pérez que foi incapaz de atacar o espanhol. Já na Arábia o VSC atrapalhou os planos do mexicano que novamente ficou boa parte da corrida atras de Sainz sem brechas para atacar. Pérez é um segundo piloto um nível abaixo de Sainz não dá pra esperar mais que isso, da mesma forma que provavelmente não será mantido na equipe se o campeonato de construtores for perdido pelo segundo ano seguido.

Clayton Araujo
Clayton Araujo
1 mês atrás

É, parece mesmo que esse ano só teremos Ferrari e Red Bull lá na frete, e que essa temporada irá mostrar que o Sr. Lewis Hamilton não faz nada de extraordinário quando não tem um carro dominante. Que comece o chororô….

Marcelo Spacachieri Masili
1 mês atrás

Galera sacou a charge, mas sim amigos – sou sempre aberto às mais diferentes interpretações :) Valeu meu povo!

Daniel Barros
Daniel Barros
1 mês atrás

O desenho do Masili é um RB dragster Flávio!

Fabio
Fabio
1 mês atrás

Novamente o Latifi causando

Marcio
Marcio
Reply to  Fabio
1 mês atrás

Caso haja corrida novamente nesta pista, e o Latifi esteja correndo, sugiro que o primeiro colocado ceda a posição de imediato, e pense na vitória somente após ele bater… É a segunda vez em duas corridas que ele ferra o líder.

Alexandre Neves
Alexandre Neves
1 mês atrás

Impressão minha ou as trapizongas estão dando mais problemas este ano do que o ano passado? Culpa dessa gasolina batizada… rs

Alexandre
Alexandre
1 mês atrás

No pódio, fora os premiados, só teve mulher.

Cansado
Cansado
1 mês atrás

Minha interpretação da charge do Masili (que daria um quadro, mesmo. Linda) é que o carro da RB estava tão rápido nas retas que poderia participar de uma corrida de arrancada. Por isso o RB18 como um dragster na reta enquanto a Ferrari vem bonita na curva atrás.

Alexandre K
Alexandre K
1 mês atrás

Valeu, Flávio, pelo excelente texto, como sempre!
Não sei se só eu achei que a Ferrari foi prejudicada na saída do SC, na medida em que muito pouco foi comentado sobre a excessva demora pra autorizar a troca as posições entre Sainz e Perez.
Se o Sainz estivesse em 3o, poderia ter ido pra cima do Verstappen na relargada, e pelo menos ter atrapalhado um pouco a vida do holandês antes que ele pudesse se concentrar em ir pra cima do Leclerc.
E se esse cronograma da Mercedes for quente mesmo e não tiver nada sobre melhorias no motor, aí eu acho que seria soberba demais…. parece bem evidente que os propulsores alemães ficaram para trás.
Abraços

marcio rezende
marcio rezende
1 mês atrás

Os abraços afetuosos vão acabar quando Leclerc abrir mais de 25 pontos do chorão e antipático Verstapen durante o campeonato…
Na corrida já ficou reclamando que o Leclerc passou sobre a linha branca de acesso aos boxes, como se fosse uma criancinha falando que o amiguinho fez a tarefa copiando do outro… Verstapen é muito bebê mimado. Não gosto dele.

Rafael N
Rafael N
1 mês atrás

Vejo que Max tirou um caminhão de peso das costas ao ser campeão mundial em 2021 e tem corrido este ano com uma MIX melhor entre cabeça e agressividade. Nessa pegada torna-se quase imbátivel

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 mês atrás

Um detalhe interessante: Em sua segunda corrida já aconteceu a vitória do “motor RedBull” (RBPT).

Claro que é um motor Honda, mas para a historia da F-1 o que vale é o registro oficial. Mais uma vez a RedBull fazendo história com o seu motor RBPT.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 mês atrás

Vai ser um ano legal. Principalmente quando a Mercedes encostar nos lideres.

Pergunta do dia: O “limite de gastos” pode fazer com que a Mercedes tenha mais dificuldades em evoluir durante o campeonato?

Que essas duas semanas passem rápido.

Obs.: O Sainz precisa achar de 0,100 a 0,200 décimos bem rapidinho. Se não o fizer será o “segundão” da Ferrari em 2022.

Zé Maria
Zé Maria
1 mês atrás

(Preparado para as porr@d@s que inevitavelmente virão. . .)
Já cansei de dizer que o mexicano é superestimado.
Igual a ele existem muitos.
Deve agradecer ao Carlos Slim pela longevidade na categoria.
“Mas já venceu duas”, muitos dirão.
E daí, o Maldonado também venceu, Ocon idem, Kovalainen também, e nem por isso são considerados pontos fora da curva.

Formiga
Formiga
1 mês atrás

Lembra o Engenheiro Secreto da Honda de 2008, antes de se transformar em Brown, que tinha uns designs impressionantes? Ele passou pela uns anos Ferrari, foi chefe de inovações da Hass no ano passado, e retornou por cima este ano. É um Jênio, e possivelmente vota 17. Mandou um “chupa James Alisson, nesse projeto quem entende sou eu“.