BANZAI (2)

Verstappen: olhar de quem não estava para brincadeira

SÃO PAULO (lógica é isso) – Bom, se alguém realmente achava que a Red Bull e Max Verstappen haviam mergulhado na obsolescência programada por causa de uma corrida, a de domingo passado em Marina Bay, talvez seja o caso de deixar de lado a conversinha boba sobre diretivas técnicas, trapaças e desconfianças para se render às evidências. O que aconteceu em Singapura foi algo totalmente anormal. E o normal é o que se viu nesta madrugada em Suzuka. Um domínio absoluto e esmagador do holandês e seu carro imbatível.

Verstappen fez a pole para o GP do Japão e larga na frente pela nona vez no ano, 29ª na carreira. Uma pole que o deixa ao lado de Juan Manuel Fangio nas estatísticas, empatado em nono lugar com o argentino pentacampeão mundial. Está em boa companhia.

Red Bull dominante: volta à normalidade

Como na sexta, o sábado foi quente e ensolarado em Suzuka, com os termômetros batendo nos 27°C na tarde japonesa. Lawson e Stroll abriram os trabalhos no Q1 e chamou a atenção a diferença do primeiro para o segundo: mais de 0s5 a favor do neozelandês. O canadense da Aston Martin tem sido uma decepção enorme. Nunca foi grande coisa, mas também não parecia ser tão ruim. Dá a impressão de que já não está nem aí com o brinquedo que ganhou do pai – uma equipe de F-1 só para ele.

Verstappen fez sua primeira volta rápida do dia em 1min29s878. É o que no automobilismo se chama de “temporal”. Não deu tempo de muita gente fechar volta, porque a 9min do encerramento do Q1 Sargeant bateu de novo. Foi na entrada da reta dos boxes. Destruiu o carro da Williams. A bandeira vermelha foi acionada, interrompendo a sessão.

Sargeant bate de novo: dificilmente fica em 2024

(Sargeant merece algumas palavras em longos parênteses, num momento como esse. É um piloto muito, muito ruim. Foi contratado pela Williams por causa de sua nacionalidade, um troço meio fora de moda, inclusive, na categoria. Mas como a Liberty, dona do negócio, é uma empresa norte-americana, a equipe foi comprada por um fundo de investimentos dos EUA e vive-se um propagado “boom” da F-1 no país, compreende-se o esforço para se ter um comedor de hambúrguer e ovos com bacon no grid.

Só que não dá. OK, os EUA têm três etapas no calendário, uma delas a mais esperada do ano pelos jecas de plantão, em Las Vegas. Mas alguém como Sargeant não só não acrescenta nada a um time, como traz prejuízos a cada corrida. Bate o tempo todo, não consegue um resultado decente sequer, e só piora. Achávamos que Latifi era ruim. Mazepin também. Sargeant, para ser ruim como esses dois, precisa melhorar muito.

A Williams ainda não confirmou sua permanência para 2024. James Vowles, chefe do time, disse que tomará uma decisão depois da corrida de Austin. Até lá ainda temos Japão e Catar. Assim, Sargeant teria três provas para mostrar alguma coisa. Não vai conseguir. Porque é ruim. E está muito pressionado. Piloto ruim pressionado termina no muro. Não há milagres.

Nesse cenário, Felipe Drugovich lidera a fila dos candidatos à vaga, que nem são tantos assim. Toto Wolff tentou empurrar Mick Schumacher, mas Vowles, que trabalhou na Mercedes por anos e só saiu no início desta temporada, teve acesso aos dados de telemetria de Mick nos simuladores da equipe alemã. Não ficou nada impressionado. Assim, o brasileiro tem uma tarefa que nem é tão absurda assim para virar titular: arrumar uns 15 milhões de euros com patrocinadores para garantir o lugar. Mas mesmo se conseguir menos, tem chances muito boas. Porque não tem ninguém muito melhor no mercado. Drugovich, é bom lembrar, é piloto de testes e de simuladores da Aston Martin, que também usa motores Mercedes. Assim, o que tem feito na fábrica também chega aos ouvidos de Vowles. Neste momento, pode-se dizer, sem muito medo de errar, que Drugovich está bem perto de fechar com a Williams – as partes estão conversando, inclusive. Porque as chances de manutenção de Sargeant passavam por um mínimo aceitável de performance até Austin. E a batida de hoje no Q1 mostrou que esse mínimo não será atingido. Fechamos os parênteses.)

Tráfego no Q1: convite a algumas surpresas

O Q1 foi retomado depois de 20 minutos, e os últimos instantes foram caóticos com um tráfego intenso na saída dos boxes. Essas bandeiras vermelhas quebram o ritmo de pilotos e equipes e por isso algumas surpresas podem acontecer. Batata. Os eliminados não foram novidade: Bottas, Stroll, Hülkenberg, Zhou e Sargeant. Mas lá na frente apareceu Lawson em quarto, um espanto. Tsunoda foi bem, também: oitavo. E Alonso bateu na trave da degola, em 14º.

Com pneus usados, Verstappen foi o primeiro a sair dos boxes no Q2 e já fez uma volta em 1min29s964 logo de cara. Ninguém chegava perto. A McLaren se insinuava com seus dois pilotos, é verdade, mas a briga era muito menos para tentar bater a Red Bull do holandês do que para superar Ferrari e, pasmem, AlphaTauri. A Mercedes não assustava, confirmando as previsões sombrias de Hamilton para o fim de semana de Suzuka. Max seguia soberano. Até ali, liderara todas as sessões no Japão, tanto dos treinos livres quanto na classificação. Só foi desbancado no final do Q2 por Leclerc, que fez 1min29s940. Mas não se incomodou. Sua volta era mais do que suficiente para avançar ao Q3. Nem pensou em voltar à pista. Não precisava. Ficaram fora Lawson, Gasly, Albon, Ocon e Magnussen.

Ferrari de Leclerc: sinal de vida no Q2

Max puxou a fila de novo no Q3, agora com dois jogos de pneus macios novos para buscar mais uma pole na temporada. Fez 1min29s012 na primeira volta, um tempo inatingível pela concorrência. Se quisesse voltar aos boxes, tirar o macacão e sair para tomar uma caipirinha de saquê (recomendo com limão siciliano e gengibre, fica muito bom), podia. Na primeira bateria de voltas rápidas, o segundo colocado, Piastri, ficou 0s446 atrás dele. A Ferrari deixou para buscar tempo no final, uma volta para cada piloto, apenas – a explicação era simples: escassez de pneus macios; era preciso guardar alguns para a corrida.

Verstappen até voltou à pista para uma segunda “flying lap”. E resolveu dar uma humilhada básica na concorrência: 1min28s877. Ninguém conseguiu melhorar seus tempos e a Ferrari, com sua volta única para cada piloto, ficou para trás. Piastri assegurou o segundo lugar no grid e vai largar na primeira fila pela primeira vez na carreira. Seu tempo foi 0s581 pior que o da pole. Norris foi o terceiro, seguido por Leclerc, Pérez, Sainz, Hamilton, Russell, Tsunoda e Alonso.

Esqueçam Singapura. O Verstappen de 2023 é esse que vimos hoje em Suzuka e em 14 das 15 corridas deste ano, não o do último fim de semana. Vai ganhar fácil a corrida.

Subscribe
Notify of
guest

51 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Jorge Kawazoe
Jorge Kawazoe
5 meses atrás

Drugovich, no frigir dos ovos, é mediano. Nível Nasr, talvez. Se é para dar chance para alguém bom na Willians, que seja para o Lawson. Assim como Piastri e Norris, Lawson e Albon seria mais uma dupla brilhante.

Chupez Alonso
Chupez Alonso
5 meses atrás

Bom, teve SC.

Então podemos dizer que a Matemática é uma ciência exata.

19,2 seg!

Dito e feito.

“We are The Champions!”

Espero que tenham dormido bem.

Boa noite.

IMG_3904.jpeg
O crítico
O crítico
Reply to  Chupez Alonso
5 meses atrás

Eu dormi muito bem. Já você pelo visto se rasgou toda, né, lady baba? Dito e feito.

Last edited 5 meses atrás by O crítico
Chupez Alonso
Chupez Alonso
5 meses atrás

Com 26 voltas, Versttapen estava com 12,5 seg de vantagem.

A conta vai bater certinho!

IMG_3888.jpeg
Megas Alexandros
Megas Alexandros
5 meses atrás

LS está horrível nesta temporada. Ambos.

Celio Ferreira
Celio Ferreira
5 meses atrás

Nos ultimos 50 anos perdi poucas corridas de F1 , mas a dessa madrugada
acho que já tem vencedor,portanto acho que não vale a pena perder sono.

Chupez Alonso
Chupez Alonso
Reply to  Celio Ferreira
5 meses atrás

Durma bem.

O crítico
O crítico
Reply to  Chupez Alonso
5 meses atrás

Aff…

Last edited 5 meses atrás by O crítico
lagerbeer
lagerbeer
5 meses atrás

hmmm … saquerinha de maracuja ou de caju … geladinho… o melhor dos 2 mundos… vou fazer um é já !

Fernando (Pai do Clark)
Fernando (Pai do Clark)
5 meses atrás

Não pelo piloto e o hype ao redor, mas é curioso ver o tempo do Q2 do Lawson daria o 5º lugar no grid.
Como notei agora, farei a regressão (isolando aqueles de condições climáticas variadas) para os GPs anteriores.

Realmente parece que a vaga para o Drugovich tá amadurecendo… e essa da Red Bull de preservar o Lawson pra ’25 foi a sacada do ano, já deram um aviso prévio pro Checo, que não duvido vá para a Aston Martin, Audi ou pro espaço… tô sendo legal com ele até.

Last edited 5 meses atrás by Fernando (Pai do Clark)
CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Fernando (Pai do Clark)
5 meses atrás

Legal? Você está deixando de ser o pai do Clark pra ser o pai do Perez.

Fernando (Pai do Clark)
Fernando (Pai do Clark)
Reply to  CHAGAS
5 meses atrás

Hahaha, boa!! Não é má ideia… Checo-pai tem cara de ter um patrimônio confortável para aposentadoria hein?!?!
Mas exagerei mesmo, não tá merecendo vaga nenhuma.

Adriano
Adriano
5 meses atrás

Amanha eu vejo o replay. Não vou perder o sono para ver o Max passeando no domingo ao vivo. Acho que o Drugovich está perto da F1, mas o Lawson virou uma opção para a vaga da Williams que seria menos arriscada. Não porque o Drugo não tenha condições, mas porque o Lawson mostrou que come a pressão de ser titular na F1 no café da manhã e que seria uma opção segura. É rápido, marca pontos e não bate. O Drugo é uma incógnita nesse sentido. O Perez na Red Bull é um piloto apenas bom em um carro normal. Se não fosse pelo momento incrivel e a genialidade do Max, a Red Bull seria mais uma no grid brigando por poles e vitórias com McLaren, Ferrari e Mercedes (ou Aston, no começo do campeonato).

Chupez Alonso
Chupez Alonso
Reply to  Adriano
5 meses atrás

Durma bem.

CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Adriano
5 meses atrás

Lawson tem muita capacidade, mas esta enganado achando que Drugovich, ele tem capacidade, e ja tem muitas horas no carro em pista e muitos dados no simulador que sao acompanhados por todas as equipes. Totalmente capaz de sentar na Williams e fazer um trabalho tao bom quando Lawson vem fazendo na Alpha Tauri. O brasileiro e mais piloto que o neozelandês.

Adriano
Adriano
Reply to  CHAGAS
5 meses atrás

Nao falei que o Drugo é incapaz, ou que o Lawson é melhor que ele. Talvez seja bom voce reler o que eu escrevi. Apenas disse que o Lawson mostrou que lida bem com a pressão, enquanto o Drugo ainda não passou por essa prova.

Chagas
Chagas
Reply to  Adriano
5 meses atrás

Apenas disse que Drugovich e uma incognita.
Essa duvida a Williams nao tem, ne?

Marcus
Marcus
Reply to  Adriano
5 meses atrás

Ele tem um problema com entender o que lê. Já constatei. Seu comentário faz sentido, aliás.

Fernando (Pai do Clark)
Fernando (Pai do Clark)
Reply to  Adriano
5 meses atrás

FG comentei errado e não consegui apagar, poderia cancelar esta resposta por favor?
O comentário era pro Marcus ali mais embaixo.
Valeu.
Abs!

Last edited 5 meses atrás by Fernando (Pai do Clark)
Marcus
Marcus
5 meses atrás

Sargent deve ficar para 2024. É americano, é o mercado prioritário para a F1 e os investidores da Dorilton devem querer um americano no grid também.
Mazepin, que era ainda pior, só saiu da Haas por causa das sanções contra a Rússia. A F1 se importa mais com dinheiro do que talento e princípios – o que explica pilotos assim e países como Arábia Saudita e Qatar estarem nela.
Sei lá, acho melhor tirar o cavalinho da chuva com o Drugovich. O James Vowles pode chiar, mas o Toto Wolff – que libera os motores – decide que vai ser o Schumaquinho e pronto. E, mesmo, o Drugovich também não enche os olhos de ninguém. Mas o pachequismo virá com tudo na internet.

Last edited 5 meses atrás by Marcus
CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Marcus
5 meses atrás

Schumaquinho com Toto ou sem Toto já foi descartado.
Torça bastante pelo Sargeant, porque o cavalinho do Drugovich esta exatamente onde a Williams quer que esteja.

Marcus
Marcus
Reply to  CHAGAS
5 meses atrás

Não torço por ninguém. Só me parece que parece que para o Drugovich entrar, muito mais coisas precisam ser movimentadas que para outros, como o Sargent, o Schumaquinho e o Lawson. O pensamento desejoso de brasileiro não basta.

CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Marcus
5 meses atrás

Não tens a capacidade pra ver assim:
Sargeant piloto horroroso não da pra continuar.
Schumachinho perde pra Drugovich, fonte: Williams.
Lawson esse bom piloto, com boas performances, visível no cenário atual, mas a turma da latinha não quer emprestar com medo de perder.
Drugovich bom piloto, também visível seu trabalho na F1, campeão da F2 destruindo todo mundo (inclusive Lawson), e nome que interessa a Williams.
Ou na tua cabecinha quando fala de Drugovich, já vem que e brasileiro, só tem pacheco torcendo e não vê qualidades que o cara tem……… e muita.
Drugovich tem nome forte pra entrar na Williams, você vê como pachequismo, a Williams vê um piloto com ótimo potencial de pilotagem e patrocínio.

Fernando (Pai do Clark)
Fernando (Pai do Clark)
Reply to  Marcus
5 meses atrás

Marcus, obviamente respeito todas as opiniões, mas não vejo neste momento como pachequismo. Drugovich tem um estilo de levar o brinquedo até o final da corrida e bater pouco (nos anos de F2 precisa caçar uma porrada por passar do ponto), e para a Williams terminar corridas e eventualmente pontuar é essencial, vale muito dinheiro e facilidades da FIA. Mas nada impede a manutenção do Sargeant, que já era um De Cesaris na F2.

Marcus
Marcus
Reply to  Fernando (Pai do Clark)
5 meses atrás

Comentário legal o seu. Sargeant está para De Cesaris como o Drugovich para o Damon Hill.

Chagas
Chagas
Reply to  Marcus
5 meses atrás

Compara o brasileiro com um campeão do mundo, mas não antes de pedir pra tirar o cavalinho da chuva.
Acho coerente um brasileiro querer Drugovich na F1.
Seus comentarios passaram longe da coerência.

Marcus
Marcus
Reply to  Chagas
5 meses atrás

Por acaso o Damon Hill era um piloto fenomenal, cuja pilotagem fazia suspirar? Eu o comparei a ele por isso: regulares, limpos, o PF em termos de pilotagem, ou seja, nada que marque época. Ver ambos guiando é tão emocionante quanto uma ida ao cartório Vampré.
E ser assim não deverá bastar, porque ou há um piloto bancado por quem fornece os motores (Schumaquinho), outro que é mais talentoso e promissor (Lawson) e, finalmente, outro que, por razões mercadológicas, interessa à F1 manter (Sargeant).
Antes de questionar coerência, procure entender o que foi escrito.
Claro que prefiro o Drugovich a todos esses, porque F1 é meu esporte favorito desde sempre e quero que um brasileiro o dispute. Mas não dá para ser pacheco também.

Last edited 5 meses atrás by Marcus
Chagas
Chagas
Reply to  Marcus
5 meses atrás

Teu comentário coloca Drugovich como quarta opção.
Hill foi piloto campeão que brigou com Schumacher, você comparou a quarta opção com Hill, porisso questionei a coerência zero na tua análise.
Voce achar Hill piloto que não te arranca suspiros, e um problema teu, o cara deu calor no professor em várias corridas inclusive ganhando algumas e como escrito acima foi campeao encima de um dos melhores de todos os tempos.
De novo, Drugovich ter chance de entrar na F1 não tem nada, absolutamente nada relacionado a pachequismo.
O cara e bom e ganhou de Lawson (piloto talentoso e promissor) nos dois anos que correram na F2, portanto tua última frase também não tem coerência nenhuma.

Marcus
Marcus
Reply to  Chagas
5 meses atrás

Hill deu calor onde no Prost? Ganhou 3 corridas em 93 porque o carro do Prost teve problemas em 2. Levou um vareio do Senna em Interlagos e Donington – nem preciso comparar a Williams com a McLaren daquele ano. E ainda perdeu o vice.
Em 94, o Schumacher foi sucessivamente punido, o que fez com que o campeonato fosse decidido só na Austrália. Em 95, levou outro vareio. E em 96, a Williams era uma nave – e aí sim teve calor: do Villeneuve (novato) nele. Foi campeão, soube aproveitar as circunstâncias e isso é inconstestável. Mas considerá-lo um fenômeno como Schumacher ou Hamilton, não dá, né?
Drugovich, como o próprio FG escreveu aqui em outra coluna, venceu a F2 no terceiro ano mais pela regularidade e pela concorrência frágil do que por um talento muito aparente (caso do Piastri, campeão no 1o ano). O Lawson não ficou tão distante assim dele, com menos experiência. Ninguém na F1 ficou lá muito impressionado com ele. Conseguir uma vaga reserva na Aston Martin foi até lucro.
Nisso eu o comparo ao Hill: regular, constante, longe de ser o maior talento da área.
O Lawson foi submetido a um teste duro na F1 e correspondeu de pronto. Pode ser que ele se revele outro De Vries, mas o crédito ele já tem. Nada garante que o Drugovich faria o mesmo – claro que todos querem ver, eu também.
Enfim, eu não torço contra o cara. É brasileiro, vai ser ótimo ter um na F1. Só me parece que não vai rolar, é muito pensamento desejoso para pouca possibilidade séria. E gostaria de estar errado.

Last edited 5 meses atrás by Marcus
CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Marcus
5 meses atrás

Aconselho rever novamente a temporada de 1993.
Você não viu direito, porque pra reforçar argumento apenas aponta problemas com Prost e não os de Hill, com duas vitorias no bolso, fácil, também teve que abandonar. Inglaterra e Alemanha.
E sim andou na maioria das corridas próximo de Prost.
Veja novamente, fácil de encontrar. Fora as tiradas de pé por ordem dos boxes, ne companheiro? Espanha, Ahh Espanha.
Sobre ele vencer Schumacher, pra você ter vários asteriscos também mostra a imparcialidade de seu comentário, uma pena, tamanho esforço pra diminuir um piloto campeão da F1.
Se o Drugovich ter uma oportunidade na F1 e fizer o que Hill fez na F1 estarei muito contente.
Sobre Drugovich vencer o campeonato da F2 por regularidade, mais um equivoco de sua parte. Um piloto que teve mais pódios (isoladamente), mais vitorias (isoladamente) mais poles (isoladamente) e mais voltas rápidas (junto com Doohan), não venceu um campeonato por regularidade, e sim porque foi melhor em tudo. Brilhante. Lawson ficou a mais de 100 pontos do Drugovich, como você escreve, pouca coisa….barbaridade.
E o brasileiro não e um Piastri e por isso não esta ainda titular da F1, mas ele esta longe de ser a quarta opção pra Williams, esta sim com boa chance de assinar um contrato e espero que de certo pois ele merece estar na F1, assim como Lawson merece estar na Alpha Tauri em 2024.

Marcus
Marcus
Reply to  CHAGAS
5 meses atrás

Ah, bicho, eu me rendo. Você tem razão. O “nosso Drugo” vai para a Williams, vai brilhar muito e depois vai para a Mercedes, onde vai aposentar o Hamilton, sendo campeão em Interlagos com todos nós, eu inclusive, gritando “DÁ-LHE DÁ-LHE DRUGO, SOU BRASILEIRO COM MUITO ORGULHO, COM MUITO AMOR”, vamos nos reconciliar nacionalmente como povo numa apoteose inesquecível.
E, se nada disso acontecer, será culpa de uma conspiração internacional contra o Brasil, porque estamos contra tudo e contra todos, e certamente haverá um dedo do globalista George Soros nisso, ele tem a F1 na mão também.
Boa semana, sorte e sucesso.

CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Marcus
5 meses atrás

Escrevi que Drugovich não era um Piastri. Se o Piastri nao tem cacife pra disputar dom Hamilton como que um pior que ele pode aposentar o multi campeao? Mas você e aquele cara que pega uma pedra de gelo e transforma em uma avalanche.
Típico de quem não tem argumento, tentar empurrar goela abaixo os exageros como esse ultimo texto teu que ri bastante.
Defender Drugovich na sua cabeça, seria como eleva-lo a melhor piloto da face da terra. Da ate pena de você irmão.
Difícil entrar na sua cabeça que mesmo brasileiro, Drugovich tem nível de pilotagem pra entrar na F1.
Sargeant tem nacionalidade, e Mick tem Toto, percebe as diferenças? Ou precisa ser repetido varias vezes?
Tenho pena do fato de ele ser brasileiro fazer você pensar dessa forma exagerada, tentando passar o entendimento que a torcida do Brasil por ele na F1 seja maior que a qualidade do piloto em merecer uma vaga.
Uma pena mesmo. Sorte e sucesso pra você também.

Marcus
Marcus
Reply to  CHAGAS
5 meses atrás

https://www.uol.com.br/esporte/colunas/pole-position/2023/09/26/hamilton-x-russell-gasly-x-ocon-climao-entre-companheiros-marcou-o-gp.htm

Jornalista informada, por dentro, com uma opinião balizada.
Pode ir no 6:53 até o 9:20.

CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Marcus
5 meses atrás

Opa, obrigado pela informação. Jornalista bem informada, e com analise bem distante do “Drugovich pode ir tirando o cavalinho da chuva”.
Ela trás duas informações novas. Aston Martin não quer se desfazer do vinculo com Drugovich, isso realmente atrapalha um pouco. Mas porque será que a Aston Martin não libera o rapaz hein? A Williams abriu as portas pro menino com razão.
E Lawson também tem esse obstáculo, porque a Alpha Tauri não quer correr o risco de perder seu pupilo.
A segunda informação nova diz respeito a Vesti, “caso” ganhe o campeonato da F2, o que esta dificílimo pois tem que tirar 25 pontos de Pouchaire em categoria que tem grid invertido.
Mick que você coloca com mais chances que Drugovich, mas pra ela, com toda simpatia, fineza e discrição possível deixa a entender que ele deve recolher o cavalinho pra um local seco.
Informa que Sargeant que era o favorito pra 2024, terá que mostrar serviço nas ultimas 6 corridas, e põe serviço nisso.
O meu entendimento, na analise dela Drugovich e Lawson são os favoritos.
Ainda acho que Drugovich tem mais chances, pois ele quem tem um troféu debaixo do braço.

Marcus
Marcus
Reply to  CHAGAS
5 meses atrás
CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Marcus
5 meses atrás

A Williams errou ao contratar um piloto sem condicoes por ser americano. O rapaz precisava de pelo menos mais um ano na F2.
Depois grosseiramente, expos ao mundo inteiro que os prejuízos causados pelo rapaz já comprometeram orçamento do ano que vem.
O mundo massacrou Sargeant e imagino que você tenha o mesmo sentimento.
Agora tentam corrigir o erro apoiando incondicionalmente. Isso pra tentar amenizar o grande impacto psicológico causado em Sargeant, que hoje recebe criticas ate pra ir ao banheiro.
Não se engane com essa proteção. Sargeant ainda vai ter que andar próximo de Albon, parar de bater e fazer alguns pontos. Improvável que fique pra 2024. Sargeant não pode entregar o que a equipe precisa. O americano derreteu.

Marcus
Marcus
Reply to  Fernando (Pai do Clark)
5 meses atrás

E o De Cesaris (não era um gênio, mas era melhor do que parecia) ficou mais de 10 anos na F1, fazendo a nossa alegria. Por quê? O pai era o dono da distribuidora da Marlboro na Itália. Grana, grana, é isso que importa no fim. Se você não é fora da curva, e o Drugovich está longe disso, te pedirão 15 milhões de euros.

Last edited 5 meses atrás by Marcus
Robertom
Robertom
5 meses atrás

O Max e a Red Bull estão sobrando, nem vou tentar assistir ao vivo, vejo depois porque não vale a pena perder o sono por pouca emoção, que está reservada pela disputa do 2º em diante…

Adriano
Adriano
Reply to  Robertom
5 meses atrás

O Max na Red Bull está sobrando. O Perez em quinto, a 0.773 da pole, faz a Red Bull ser um carro normal, que brigaria eventualmente por poles ou vitórias em um dia bom.

Chupez Alonso
Chupez Alonso
Reply to  Robertom
5 meses atrás

Durma bem.

CHAGAS
CHAGAS
5 meses atrás

A Williams deveria assinar com Drugovich pra 2024.
Piloto bom, muito técnico praticamente não erra, tem títulos em divisões anteriores e comeu Lawson com farofa no ano passado.
Se Lawson já mostrou que merece um assento na F1, imagine Drugovich.
E esse Perez mamãe do céu. Se fosse Bottas no lugar do mexicano o titulo de construtores viria na Itália.

Edsonnn
Edsonnn
5 meses atrás

O bom desempenho da Alpha Tauri indica que a Honda deve ter preparado um foguete pra corrida em casa….

Pinho
Pinho
5 meses atrás

Verstappen e sua RBR estão muito acima das demais. As provas, em sua maioria, tem sido para ver quem vencerá dentre o restante do grid. Perez é fraco… se fosse um tiquim melhor, teria feito várias dobradinhas…

Antonio
Antonio
5 meses atrás

Max destruiu as diretivas da conspiração e a teoria do assoalho plano. Se estivesse na AlphaTauri ainda estaria largando na frente do Perez.

Ed
Ed
5 meses atrás

É…. o sargent vai rodar.
Stroll também já deu o que tinha que dar, mas como é o filhinho do papai nada acontece, o problema para a Aston Martin é que a carruagem do começo do ano virou abóbora.

Pedro Leonardo
Pedro Leonardo
5 meses atrás

Depois de sofrer com o “kart” que a Red Bull levou pra Singapura, o homem voltou com a faca nos dentes. Creio que vai ter humilhação com requintes de crueldade. Do tipo abrir uns 40s do resto, parar a duas voltas do fim pra botar macios e cravar melhor volta. O homem quer vingança.

Fabiano
Fabiano
5 meses atrás

Entubou todo mundo! Voltou ao normal. Em 2021 e 2022, a Red Bull não andou bem em interlagos….. acredito que só lá, teremos chnace de ver outro vencedor.

Chupez Alonso
Chupez Alonso
5 meses atrás

A) Versttapen enfiou meio segundo no segundo.

Comentários:

Matematicamente falando, a corrida será uma regra de três bem simples:

Em 1 volta – 0,5 seg
Em 50 voltas – X

X = 25 seg

Se tiver algum SC cai pra 20.

B) Versttapen enfiou um segundo no Hamilton.

Sem comentários.

Zicadores, não percam. O sono!

(Sujeito oculto).

Sai Zica!

Rumo ao Octa….

IMG_3825.jpeg
O crítico
O crítico
Reply to  Chupez Alonso
5 meses atrás

O nível de idioctia só sobe. Seu nick deveria ser é lady baba.

Eric
Eric
Reply to  Chupez Alonso
5 meses atrás

O cara acha que um Octacampeonato se ganha assim no curto prazo.
Esses cálculos otimistas de quem não gosta de F1, mas de só ……………. um piloto, caem por terra se rolar um toque com Piastri ou Norris na primeira curva.

Chupez Alonso
Chupez Alonso
Reply to  Eric
5 meses atrás

Já combinaram, inclusive.

IMG_3857.jpeg