#SOMOSTODOSLOGAN

SÃO PAULO (a conferir) – Para quem não entende inglês ou não está a fim de ouvir o chefe da Williams, James Vowles, vamos lá. Esse tuíte — ou esse X — aí em cima é de hoje de manhã. Diante dos boatos, especulações, rumores, mexericos, zunzunzuns e alcovitices que circulam na imprensa sobre o futuro de Logan Sargeant, ele resolveu vir a público expressar seu apoio ao piloto norte-americano. Uma espécie de #SomosTodosLogan, para o menino não entrar em parafuso de vez. Um resumo do que ele disse, primeiro, e volto depois:

“Logan tem objetivos claros até o final do ano e sabe quais são. Queremos que ele consiga atingi-los. Queremos ele no nosso carro no ano que vem. Isso [que está acontecendo neste ano] tem muito a ver com a gente. Pegamos um piloto direto da F-2, sem nenhum teste significativo, demos a ele um dia e meio de testes no Bahrein e dissemos: tenha uma boa temporada. É um desafio terrível para qualquer estreante. Logan tem demonstrado vários sinais positivos. É preciso dizer, antes de mais nada e principalmente, que seu carro não tem as mesmas especificações aerodinâmicas que o de Alex [Albon]. As atualizações que fizemos foram para o carro de Alex, mas não para o dele, por várias razões ligadas ao andamento do campeonato. O progresso que ele está fazendo é visível. Em Suzuka estava andando a um décimo de Alex, numa pista difícil, quando aconteceu o acidente. Vamos continuar a trabalhar com Logan e a investir nele, porque queremos que ele se saia bem como resultado da jornada em que está conosco. A Williams tem um programa de jovens pilotos e vai continuar investindo nele. Só no momento em que todos chegarmos à conclusão de que chegamos ao fim desse caminho é que vamos tomar decisões. Mas ainda não estamos nem perto disso.”

Muito bem. São belas palavras, uma defesa do piloto que, levada ao pé da letra, faz todo sentido. De fato a Williams pegou o garoto muito verde, ele quase não testou e é difícil a vida para quem chega assim na F-1. Mas alguns chegam e se viram. Lawson, por exemplo. E não destroem carros, nem passam vergonha.

Fui olhar o que cada um deles fez antes de sentar num F-1 para seu primeiro GP. Sargeant, 22 anos, andou no carro da Williams pela primeira vez no final de 2021 em Abu Dhabi, no teste de novatos. Foram 486 km percorridos. Na ocasião, tinha terminado sua terceira temporada na F-3. Correu em 2019 (pela Carlin), 2020 (na Prema) e 2021 (na Charouz). Nesse período, conseguiu três vitórias, dez pódios e três poles. Foi terceiro colocado no campeonato em 2020.

Em 2022, foi para a F-2. Fez uma temporada razoável, com duas vitórias, quatro pódios e duas poles. Terminou em quarto. Pela mesma Williams, participou de quatro treinos livres nos GPs dos EUA, México, Brasil e Abu Dhabi, totalizando 96 voltas e 465 km. Encerrado o Mundial, fez de novo um dia de treinos em Yas Marina, mais 433 km. Contratado no começo de 2023 para ser titular, cumpriu um dia e meio de pré-temporada no Bahrein, com mais 1.239 km no lombo. No total, antes de alinhar no mesmo Bahrein para a primeira corrida no meio de gente grande, foram 2.623 km de experiência. É pouco.

Aí a gente vai ver o tal do Lawson, 21 primaveras completadas em fevereiro. Em 2021, fez o teste de novatos em Abu Dhabi pela AlphaTauri, 660 km. No ano passado, participou dos treinos livres nos GPs da Bélgica e do México pela AlphaTauri e de Abu Dhabi pela Red Bull, mais 298 km no total. Pela mesma Red Bull, de novo em Yas Marina, mais 586 km para fechar o ano. Deu 1.544 km. Aí chamam o moleque na Holanda numa fogueira danada, porque Ricciardo quebrou a mão, vai direto para a classificação com chuva, não comete nenhum erro, segue em Monza, Marina Bay e Suzuka, e já tem dois pontos e um Q3 no currículo, obtidos em Singapura. Não quebrou uma asa.

Sargeant disputou 16 GPs, chegou ao Q3 apenas uma vez (na Holanda) e seu melhor resultado até agora é um 11º lugar. Suas inúmeras batidas ao longo do ano já causaram um prejuízo de US$ 3 milhões à Williams em peças de reposição, funilaria e pintura. A franquia do seguro dele é altíssima. Sabe como é, jovem, menos de 25, pouco tempo de carta…

Tudo que Vowles disse é verdade: Sargeant precisa de apoio, a equipe pode ter se precipitado em colocá-lo como titular sem estar preparado para tal, o carro é diferente do de Albon, ele é bonzinho e querido etc. e tal. Mas é fraco. Por isso, por mais que o time tenha saído em sua defesa — e eu faria o mesmo, porque a fritura na F-1 é cruel e nem todo mundo é como Helmut Marko ou Flavio Briatore –, é muito difícil que ele permaneça no ano que vem. Tem prazo até o fim da temporada para, como disse o chefe, atingir certos objetivos.

Não sei quais são. Mas ninguém deve esperar por milagres. O rapaz precisa, antes de tudo, colocar a cabeça no lugar e se acalmar. Depois, mostrar do que é capaz. Receio que não seja de muita coisa. Assim, a vaga continua aberta para 2024. E Felipe Drugovich segue sendo um dos nomes cotados para ela. É a única aberta, inclusive.

Subscribe
Notify of
guest

25 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
9 meses atrás

Parece dirigente de time de futebol no Brasil afirmando que o Tecnico esta prestigiado depois de 15 derrotas consecutivas. Segue o jogo, acho que o Drugo poderia ser uma boa opcao para a Williams.

Barreto
Barreto
9 meses atrás

Será que a Dorilton está valorizando o leilão do segundo assento?

jaime
jaime
9 meses atrás

Acho que o Sergeant entrou cedo demais na categoria. E a F1 não é um lugar de maturação. Deve sair.

Danilo
Danilo
9 meses atrás

Eu concordo que é saudável a defesa do jovem pela equipe, porém tbem acho um fato q por mais tempo q ele tenha não vai chegar a lugar nenhum. Para finalizar toda essa paciência e boa vontade com o Sargeant deve-se a sua nacionalidade, será um tiro no pé mante-lo em 2024 apenas por isso, pois o ganho esportivo da equipe será zero.

Wolverine
Wolverine
9 meses atrás

Esse Logan não tá com nada…. vai queimar o meu filme

Wagner
Wagner
9 meses atrás

Assim como o Schumaquinho também era fraquíssimo, deu um enorme prejuízo à Hass e foi tirado. É reserva na Mercedes em deferência ao seu pai.

CHAGAS
CHAGAS
9 meses atrás

Sargeant precisa cumprir metas. Difícil. Como informou o blogueiro a vaga segue em aberto e imagino que a Williams vai de Drugovich ou Lawson.
Como Drugovich e mais piloto e traz grana, isso pode fazer a diferença.

Renato
Renato
9 meses atrás

ele está “prestigiado” !

Marcos Alvarenga
Marcos Alvarenga
9 meses atrás

Pensando aqui:

Jogar um piloto aos lobos assim pode não revelar o piloto bom, mas sempre revela o piloto ruim.

De cara me lembro de Andretti son e alguns rebentos da RedBull. Exceção a Albon, que não fez um primeiro ano bom, mas também não foi ruim.

Nem todos os bons pilotos tiveram começo à altura do primeiro ano de Schumacher e Senna, mas ninguém que começou ruim desse jeito deu em algo relevante na vida.

Last edited 9 meses atrás by Marcos Alvarenga
Plinio
Plinio
9 meses atrás

Faz sentido apoiar o piloto nesse momento. Quanto ao futuro, seria compromisso com a mediocridade seguir apostando no rapaz. Ele não rende e erra muito.

Megas Alexandros
Megas Alexandros
9 meses atrás

O interessante é que, novamente, o campeão da F2 não deve correr na F1.

E o problema é que nem na F2 ele poderá…

Oscar
Oscar
9 meses atrás

Durante anos e anos, trafegar por esse blog foi uma rotina diária. Confesso que nos últimos tempos, deixei de lado essa leitura e passei a acompanhar outros meios de comunicação (do Flavio e outros) quando o assunto é automobilismo. Mas hoje voltei aqui e passei mais de 30 min lendo posts e mais posts recentes….senti falta, voltarei a frequentar. Texto bom e de qualidade, sempre é bom!

Eder Félix
Eder Félix
Reply to  Oscar
9 meses atrás

Deve ter se afastado pelas preferências políticas

Jonivan
Jonivan
9 meses atrás

Eu gostava do Logan, inclusive tive 2… Carrinho bom, não dava aporrinhação…

Wolverine
Wolverine
Reply to  Jonivan
9 meses atrás

Logan de verdade só existe um…. eu

Sergio Reis
Sergio Reis
9 meses atrás

Situação complicada para esse jovem, mas a fórmula 1 é assim mesmo, sempre imediatista com os resultados, o que fizeram com o Nick foi “falta de sacanagem”, mas todos sabem como funciona, é pegar ou largar

Marcus
Marcus
9 meses atrás

O gato subiu no telhado para o Drugovich.

Marcio
Marcio
9 meses atrás

Eu ainda acho que o stroll pai vai falar para o filho gastar a mesada em outro lugar.

Marcelo Serodio
Marcelo Serodio
9 meses atrás

Olá, Sr. Gomes, muito boa noite.

Ótima matéria e concordo com a sua visão.
Lamentável essa história cansativa de pilotos pagantes.

Sou um comissário desportivo do extinto R.M.R.C. de 1982 – 1997.

Sempre um prazer ler e ouvir suas histórias e comentários.

Saúde & Sucesso Sempre.
Grande Abraço.
Marcelo Serodio

Wbj
Wbj
9 meses atrás

Acompanho F1 desde 1975 e ja vi todo tipo de pereba….Pascal Fabre, Gastón Mazzacan, Pedro Paulo Diniz, Ukio Katagrama, Eliseo Salazar, Satoru Nakajima, Nicolas Latiffi, etc…a lista é grande e respeitavel, mas esse pé de rato do Logan é top 3 da categoria, pra ser bonzinho ainda com ele…

Last edited 9 meses atrás by Wbj
Marcus
Marcus
Reply to  Wbj
9 meses atrás

O Diniz e o Katayama não eram geniais, mas também não eram perebas como você colocou.

murilo
murilo
Reply to  Wbj
9 meses atrás

O Diniz não fez feio nos 3 anos de F1.

lagerbeer
lagerbeer
9 meses atrás

Drugo Lê Dancê

Chupez Alonso
Chupez Alonso
9 meses atrás

Money talks.

IMG_4104.jpeg
O crítico
O crítico
Reply to  Chupez Alonso
9 meses atrás

…shit!