ACA BHALOGO (3)

Festa de Verstappen em Abu Dhabi: domínio nunca visto

SÃO PAULO (tudo em seu lugar) – O Mundial de F-1 2023 terminou hoje em Abu Dhabi como começou no Bahrein, no mesmo pedaço do planeta que, atualmente, funciona como motor financeiro da categoria: com Max Verstappen na frente. Foi uma temporada de superlativos para o holandês e para a Red Bull. Max conquistou o tricampeonato por antecipação na véspera do GP do Catar, ao vencer a Sprint e fechar a disputa com seis corridas ainda pela frente. Pois é, o título foi conquistado também no mundo árabe. Oh, que sortudo o mundo árabe, que abre e fecha campeonatos e ainda consagra campeões.

(Podia respeitar os direitos humanos, também, mas isso é outra conversa.)

Verstappen bateu vários recordes em 2023: o de vitórias num ano (19 em 22 etapas), pódios na mesma temporada (21), voltas na liderança (1.003), vitórias seguidas (10) e pontos (575 de 620 possíveis, 92,7% do total), por exemplo. Além das 19 vitórias, ganhou quatro das seis Sprints e nas outras duas terminou uma em segundo e outra, em terceiro. Chegou a 54 triunfos na carreira e se tornou o terceiro maior vencedor de todos os tempos. Não abandonou nenhuma corrida. Das três que não venceu, chegou em segundo duas vezes (Arábia Saudita e Azerbaijão) e em quinto na sua pior participação (Singapura).

Prost, Senna e o MP4/4: McLaren de 1988 superada

Já a Red Bull inscreveu de vez o nome na história com o maior domínio já registrado por uma equipe na mesma temporada. Foram 21 vitórias em 22 etapas, 95,45% de aproveitamento, superando a mítica McLaren de 1988, que venceu 15 de 16 corridas com Senna e Prost. O percentual de aproveitamento do time de Ron Dennis naquele ano foi de 93,75%. Mais uma marca que cai.

E cai graças a Verstappen, porque seu opaco companheiro de equipe, Sergio Pérez, conseguiu terminar o ano com menos da metade dos pontos, 285, e duas meras vitórias. Se Max corresse sozinho pela Red Bull, ainda assim o time teria sido campeão mundial de construtores, já que a vice de 2023, a Mercedes, terminou com 409. Dos 30 troféus que a esquadra austríaca levou para casa, Checo foi responsável por apenas nove. Aliás, esse é um recorde que a Red Bull não bateu, o de pódios na mesma temporada. A primazia segue com a Mercedes, que levou 33 taças em 2016, 32 em 2015 e 2019 e 31 em 2014.

Quadriculada para Max: 19 vitórias em 22 corridas

Esse monte de números, e outros surgirão ao longo deste relato, é importante para que se compreenda o caráter histórico deste campeonato, em que pese o fato de ele não tenha sido grande coisa do ponto de vista da competição. Max avisou que seria campeão muito cedo e ninguém fez cócegas em seu favoritismo. Aproveitou que tinha um grande carro nas mãos, juntou a máquina ao seu talento extraordinário e simplesmente massacrou a concorrência sem dó.

E quase sempre deixou o massacre para os domingos (OK, em Las Vegas foi sábado…), porque se teve algo com que não e preocupou muito em 2023 foi em fazer pole-positions. Não é muito sua praia. Foram apenas 12 nas 22 corridas, 54,55% do total, o que não é muito impressionante. Nigel Mansell, por exemplo, fez 14 das 16 possíveis em 1992, 87,5%, melhor aproveitamento da história até hoje.

Ajudou nesse verdadeiro empilhamento de cifras quase absurdas a inoperância das rivais. A Mercedes, que dominou a F-1 de 2014 a 2020 e começou a ter seu poder ameaçado em 2021 por Max e pela Red Bull, entrou em parafuso no ano passado na primeira temporada de um novo regulamento aerodinâmico que gestou um carro horroroso. O calvário dos alemães seguiu neste ano com um automóvel igualmente ruim, que deixava perplexos seus pilotos a cada volta. Ao final do campeonato, foram apenas oito pódios, uma pole e nenhuma vitória em 22 finais de semana.

Ferrari: poles com Leclerc (acima) e uma vitória com Sainz

Já a Ferrari, outra potencial adversária, juntou nove taças e foi um pouco melhor nas poles (sete) e vitórias (uma, com Sainz em Singapura). Outros dois times que se destacaram, a Aston Martin e a McLaren, viveram momentos muito distintos no ano. A primeira começou o campeonato bem, enchendo a estante de troféus com Fernando Alonso, mas a partir da metade da temporada despencou. A segunda iniciou o ano de forma patética, mudando radicalmente seu carro a partir da Áustria e, aí sim, entrou no Mundial de verdade. Mas não ganhou uma corrida sequer, nem fez uma pole. Tiveram seus momentos, Aston Martin e McLaren. Mas tiveram de se contentar com migalhas.

Nesse cenário, ficou fácil antever o que iria acontecer a cada GP desde 5 de março, quando foi dado o pontapé inicial na temporada. Um carro muito bom, que não quebra, nas mãos de um piloto excepcional, que não erra, só podia dar no que deu. A chave de ouro foi usada para fechar os trabalhos no circuito de Yas Marina. Então, vamos ao último capítulo de 2023.

Largada em Yas Marina: Verstappen sustenta a ponta e vai embora

Durou – o quê? – uns 20 segundos o trabalho pesado de Verstappen no GP de Abu Dhabi. Ele largou bem, como de costume, olhou no espelho para ver se alguém o incomodaria, e viu Chaleclé. “Ele de novo, coitado…”, pensou. Deu uma aceleradinha, contornou as primeiras curvas no modo “aff-que-saco-toda-largada-tem-alguém-pra-me-incomodar-mesmo-sabendo-que-não-vai-ganhar”, espiou outra vez o retrovisor e lá estava o monegasco ainda atrás. Max olhou o volante, girou o botão para o modo “não-dê-falsas-esperanças-a-ninguém-principalmente-para-pilotos-da-Ferrari” e foi embora, não sem antes anotar mentalmente: “Vou pedir para diminuir o tamanho da descrição dessas funções, perco muito tempo lendo. Outro dia me atrapalhei com ‘dar-o-vácuo-pro-Pérez-pra-ver-se-ele-consegue-fazer-alguma-coisa’ e confundi com ‘humilhar-Lewis-passando-por-fora-sem-asa-móvel-mandando-dedo-pro-Toto’, e naquele dia quase deu ruim”.

Nas primeiras voltas da corrida foi bacaninha a briga de Russell e Piastri pela quarta posição. O australiano já tinha perdido o terceiro lugar para seu companheiro Norris e segurou Jorginho por um bom par de voltas, até que foi ultrapassado, na volta 11.

Na 13ª volta, Alonso abriu a janela de paradas. Estava em sétimo, caiu para 18º. Piastri veio na volta seguinte. Depois, Russell e Norris – que demorou um pouco e acabou perdendo a posição para o #63 da Mercedes. Vislumbrava-se uma corrida de dois pit stops para quem visitava os boxes tão cedo. Todos colocaram pneus duros.

Verstappen parou na volta 17. Leclerc, na 18. E quem assumiu a ponta, pela primeira vez na vida, foi Yuki Tsunoda, na despedida da AlphaTauri da F-1 com esse nome – ano que vem será Racing Bulls. Stroll era o segundo. Ambos sem trocar pneus. O canadense da Aston Martin tinha largado com pneus duros e demoraria, mesmo, para parar. Sainz, também com pneus duros desde o início, era o terceiro. Mas o japinha tinha pneus médios e estava curtindo a liderança. Esticava o stint para tentar uma parada única na corrida, o que seria bem interessante.

Na volta 19, Max passou o espanhol da Ferrari e foi para a terceira posição, com dois carros à frente com pneus velhos. Em pouco tempo retomaria a ponta. Na volta 21, deixou Lance para trás. “Max, coloque agora o carro no modo ‘sair-do-pit-stop-e-passar-logo-os-carros-que-ainda-não-pararam-porque-estão-em-estratégias-diferentes-mas-não-por-isso-muito-eficientes’”, pediu o engenheiro. “Não dá pra resumir um pouco isso não?”, pediu o holandês. “Max, você sabe que trabalhamos com informações precisas, por favor apenas faça o que estamos pedindo”, respondeu o engenheiro em tom de repreensão. “E se você está achando complicada nossa comunicação e longos os textos impressos no painel, depois te mostro o volante do Russell.”

Tsunoda e Stroll pararam na volta 23. Voltou em 12º. Àquela altura, Sainz e Bottas eram os únicos na pista sem pit stops. A Ferrari chamou Carlos na volta 24 e colocou pneus duros de novo, mas teria de parar outra vez. Não tinha muita importância, de qualquer maneira. A corrida seguia sem grandes emoções, com Max bem à frente de Leclerc, Russell em terceiro, Norris em quarto e Piastri em quinto. Este, sim, tendo de se defender. No caso, de Pérez. Que passou o australiano na volta 18. O jovem estreante da McLaren, tão bem na classificação, não tinha um bom ritmo de prova.

Sainz: posição ruim de grid prejudicou o espanhol

Na metade da corrida, com Russell em terceiro e Hamilton em oitavo, a Mercedes seguia na frente da Ferrari na briga pelo vice-campeonato. Os italianos pontuavam apenas com Leclerc, em segundo, já que Sainz se debatia com o segundo escalão em 14º, cercado por Gasly e Hülkenberg, longe dos pontos.

A segunda parada de Norris aconteceu na volta 34. Russell foi chamado na sequência. Contestou a decisão da Mercedes. “Será que não podemos ir até o final com apenas uma parada? Foi uma estratégia que discutimos ontem de madrugada, lembram? Foi naquela hora em que todos sentimos fome e fiz uma surpresa para vocês, encomendando quibes e esfihas pelo delivery. Sim, eu sei que faltou um limãozinho, mas aqui é meio complicado conseguir limões. Naquela hora eu falei de fazer uma parada apenas e vi que teve gente que concordou com a cabeça”, argumentou. Toto Wolff entrou no rádio e, de forma até rude, interrompeu o piloto: “Era eu, George, e não estava concordando com uma parada, estava apenas confirmando que o quibe ficava gostoso com coalhada seca, para logo e troca esse pneu!”.

Ele parou e trocou, como fizeram Leclerc e Hamilton também. Verstappen e Pérez, assim, passaram a ocupar primeiro e segundo lugares. Max entrou no rádio e, solícito, ofereceu os boxes para o mexicano. “Se vocês quiserem chamar o Checo antes para trocar os pneus, fiquem à vontade”, disse. Mas demorou, até. Pérez parou na volta 43. Verstappen, como tinha sugerido, uma depois.

Pérez: ajudinha de Verstappen

Na volta 46, a 12 do final, Verstappen, Leclerc, Russell, Norris, Pérez, Tsunoda, Piastri, Alonso, Sainz e Hamilton eram os dez primeiros. Desses, Sainz ainda precisava parar mais uma vez. A prova melhorou um pouco, com alguns duelos entre Pérez e Norris, Lewis e Alonso, depois o próprio Hamilton contra Sainz. A cada instante a transmissão da TV, com as mudanças de posição na pista, informava como estava a pontuação no campeonato. A Ferrari já tinha passado a Mercedes, depois empataram, na sequência o time alemão voltou à vice-liderança. O único que parecia se importar com isso era Russell, que a todo momento perguntava onde estava Hamilton, como estava a tabela, quanto cada equipe ganharia em prêmios pelo segundo lugar, até Toto Wolff, de novo, pedir para ele calar a boca que não era problema dele.

Pérez tomou uma punição de 5s por tocar em Norris quando passou o inglês. Mas foi à luta. Na volta 54, passou Russell, também, e assumiu a terceira colocação. Para garantir o pódio, porém, precisava colocar pelo menos 5s de vantagem sobre o Mercedão #63.

Fazendo contas sabe-se lá com qual calculadora, Leclerc deixou Pérez passar para que ele tentasse manter a posição em relação a Russell, tirando pontos da Mercedes. Charlinho, claro, manteria o segundo lugar com a punição ao #11 da Red Bull. No fim, não deu muito certo. Checo recebeu a bandeirada em segundo, mas caiu para quarto com o acréscimo de 5s ao seu tempo final de prova. Xingou os comissários pelo rádio e foi chamado à torre para pedir desculpas.

Verstappen, Leclerc e Russell foram para o pódio. Jorginho não ganhava um troféu desde o GP da Espanha, em junho. Fecharam os pontos, pela ordem, claro, Pérez, Norris, Piastri, Alonso, Tsunoda, Hamilton e Stroll. Fernandinho passou Yuki na última volta e conseguiu segurar o quarto lugar entre os pilotos com 206 pontos, o mesmo que Leclerc, mas com vantagem nos critérios de desempate. Norris, com 205, ficou em sexto. Sainz, que chegou a Yas Marina em quarto, zerou e terminou em sétimo.

O resultado assegurou o vice para a Mercedes, com 409 pontos. A Ferrari terminou com 406. Se Sainz tivesse se classificado melhor ontem, talvez os italianos conseguissem superar os alemães, mas a tarefa ficou complicada com o espanhol lá no fundão do grid.

Verstappen e Tost: criatura e criador

Max termina o ano com 19 vitórias em 22 corridas. Recorde absoluto também no aproveitamento: 86,36%. Com 54 vitórias, passou a ser o terceiro maior vencedor da história, deixando Sebastian Vettel para trás. Agora, só Hamilton (103) e Schumacher (91) ganharam mais do que ele.

Foram 21 pódios para Verstappen, outro recorde absoluto que, em termos proporcionais, só não supera os 17 de Schumacher nas 17 etapas de 2002 – 100% de presenças entre os três primeiros. Em Abu Dhabi, ele se tornou o primeiro piloto a ultrapassar as mil voltas na liderança num ano. Chegou a 1.003, 75,7% do total de 1.325 voltas percorridas na temporada. Outro recorde, superando os 71,4% de voltas lideradas por Jim Clark em 1963 – 506 de 708.

Zerinhos em Abu Dhabi: comemoração na pista, lágrimas no pódio

O tricampeão mundial fez os tradicionais zerinhos para colocar um ponto final em 2023 assim que recebeu a bandeirada. Pelo rádio, agradeceu Franz Tost, que lhe deu a primeira chance na Toro Rosso em 2015 e se despediu hoje da sucessora AlphaTauri: “Ele teve muitos de nós sob suas asas”, reconheceu. Falou do orgulho por uma “temporada incrível” e admitiu que vai ser difícil repetir algo parecido no futuro.

No pódio, Max ouviu o hino da Holanda de cabeça baixa. Estava emocionado e seus olhos, quando levantou o rosto, surgiram vermelhos.

Na última corrida do ano, foi a única coisa diferente que fez na temporada: chorar.

Subscribe
Notify of
guest

60 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
2 meses atrás

Que venha 2024… faltam 96 dias para a proxima corrida.

Jorge Luis
Jorge Luis
2 meses atrás

Flavinho a suas transcrições do rádio do Russel são impagáveis.
Sensacional … kkkkkkkkk ….
Abraço !!!!

Hilton V Pezzoni
Hilton V Pezzoni
2 meses atrás

Para quem como eu, há 53 anos acompanha a F1, essa temporada nos deu o prazer de ver 2 “velhinhos”, Alonso e Hamilton, disputarem posições até a ultima volta, várias vezes. Um privilégio !
É ótimo também poder ler os textos do veterano FG !!
OBRIGADO FG !

CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Hilton V Pezzoni
2 meses atrás

Eis que há esperança pro mundo.
Parabéns Hilton, o comentário mais lucido do post.

Bob
Bob
2 meses atrás

Durou – o quê? – uns 20 segundos o trabalho pesado de Verstappen no GP de Abu Dhabi. Ele largou bem, como de costume, olhou no espelho para ver se alguém o incomodaria, e viu Chaleclé. “Ele de novo, coitado…”, pensou. Deu uma aceleradinha, contornou as primeiras curvas no modo “aff-que-saco-toda-largada-tem-alguém-pra-me-incomodar-mesmo-sabendo-que-não-vai-ganhar”, espiou outra vez o retrovisor e lá estava o monegasco ainda atrás. Max olhou o volante, girou o botão para o modo “não-dê-falsas-esperanças-a-ninguém-principalmente-para-pilotos-da-Ferrari” e foi embora, não sem antes anotar mentalmente: “Vou pedir para diminuir o tamanho da descrição dessas funções, perco muito tempo lendo. Outro dia me atrapalhei com ‘dar-o-vácuo-pro-Pérez-pra-ver-se-ele-consegue-fazer-alguma-coisa’ e confundi com ‘humilhar-Lewis-passando-por-fora-sem-asa-móvel-mandando-dedo-pro-Toto’, e naquele dia quase deu ruim”. Sensacional, ri muito nesse trecho 👏👏👏👏👏👏👏👏👏

Edson
Edson
2 meses atrás

Achei exagerada a punição ao Pérez, pra mim foi um incidente de corrida.
Infelizmente hoje a F1 é muito Mi-mi-mi, limites de pista, não pode se tocar e por aí vai.
No fim os comissários se perdem nessa infinidade de regrinhas e não conseguem manter um critério uniforme… uns são punidos por sair da pista, outros não, um é punido por tocar no carro do adversário, o outro não. Menos é mais, sao todos adultos na pista, deixem eles se resolverem

O crítico
O crítico
Reply to  Edson
2 meses atrás

O quê? Finalmente ele foi punido! Mas concordo, ele fez muito pior antes e ficou por isso mesmo.

Danilo
Danilo
2 meses atrás

Eu me identifico mais com a opinião do Fábio Seixas q há uma certa beleza nas hegemonias do q com a turma q reclama q na época daquele era melhor, q hj está chato, q até o macaquinho da NASA seria campeão com esse carro de outro mundo… como se o carro andasse sozinho… dito isso, q alívio o fim dessa temporada. Max é o favorito para a próxima, espero q os outros pilotos apenas sejam mais competitivos – me refiro aos “novos” Leclerc, Norris e Piastri – Hamilton e Alonso não precisam provar mais nada – mas da um carro competitivo para ver o q acontece – e vai lá Russel ao menos esta disposto a bater roda. Ridículo o Piastri falar q a única ambição era terminar a corrida na posição de largada… uma coisa é ser realista outra coisa é ser conformado passivo. Se continuarem assim Max vai enfileirar mais uns 7 canecos mesmo quando não tiver a vantagem dessa temporada. Se não virar a chavinha a boa e promissora geração de candidatos a futuros campeões mundiais se tornarão a geração de excelentes expectadores do talento do Max.

Edson
Edson
2 meses atrás

Corrida bem mequetrefe pra fechar o ano.
Essa pista é muito ruim
Espero que para o ano que vem acabem com as punições por exceder os limites de pista, puta negócio chato.

Chupa Hamilton
2 meses atrás

Obrigado Flavío, sem você saberíamos pouco.
Desculpa por tudo: piadinhas brincadeirinhas
Faz parte

Patrão
Patrão
Reply to  Chupa Hamilton
2 meses atrás

Esse Nick name, sei não…. acho que é vontade de chupar o patrão

Chupez Alonso
Chupez Alonso
2 meses atrás

Duas curiosidades:

A diferença do 1º lugar pro 2º lugar foi de 290 pontos.

A diferença do 2º lugar pro 22° lugar foi de 285 pontos.

Ano que vem tem mais, muito mais!

Rumo ao 8cta…

IMG_7027.jpeg
Marcos Bassi
Marcos Bassi
2 meses atrás

Pouquíssimo a se comentar. Domínio avassalador de uma equipe, carro (que não quebra) e piloto que, nessa junção dos deuses do carburador, deixa tudo sem chances. O pessoal que diz que somos chatos, não sabemos apreciar uma corrida, com as disputas da posição 14 e 15, seria muito mais interessante ver essa disputa pela liderança como foi em 2021. Torço muito para pelo mais um equipe acertar bem um carro. E torço sinceramente pra que seja Mercedes, Aston Martin ou McLaren, únicas equipes que parecem ter estofo e piloto pra enfrentar o pacote vencedor do momento. Foi muito mais legal e emocionante seguir o blog. Os rádios do Russell deveriam virar seu novo livro.

Last edited 2 meses atrás by Marcos Bassi
Danilo
Danilo
Reply to  Marcos Bassi
2 meses atrás

Q seja a Mercedes e a Aston Martin… creio q os bons pilotos da Mclaren e da Ferrari tem uma foto do Max no altar, é muita reverência para quem anseia ser campeão.

Marcos Bassi
Marcos Bassi
Reply to  Danilo
2 meses atrás

Da Ferrari nem falo. Leclerc parece o Botafogo…sem psicológico pra ser campeão. E o Sainz é o Sainz.

CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Marcos Bassi
2 meses atrás

Provavelmente foi um martírio profundo você ter que escutar a maioria dos rádios de domingo sobre estratégias para ser “vice-campeão” mundial de construtores. Uma luta frenética com direito a inédita matemática de Leclerc que entregou a posição pra tentar chegar dentro da janela de punição e Russel fora dela. E Hamilton freando pra lá do Deus me livre contra Tsunoda, pois a ultrapassagem neutralizaria a estratégia mirabolante de Leclerc. E o japonês jogando duro como podia, pois, se Ricciardo entrasse nos pontos a Alpha Tauri poderia tirar o 7º lugar da Williams.
Mas não, quem vai dar importância pra isso? Posições irrelevantes.
A plasticidade de uma ultrapassagem pra você se não for pela liderança passa despercebido, bem como as disputas que valem milhões em todo o circuito.
Obviamente que melhor seria todos os campeonatos como 2021, mas ultimamente 2021 foi uma exceção. Mesmo assim pra quem gosta de F1 temos corridas de qualidade, com regras que cada vez mais estreitam as margens entre os carros.
Dar notoriedade ao macacão cheio de estrelinhas, marina falsa sem água, roda gigante muito enfeitada, ou esfera luminosa demais que ofende o globo ocular, sinceramente não gosta de F1.
Valorize o esporte que assiste, qual o sentido se não fazer?

Marcos Bassi
Marcos Bassi
Reply to  CHAGAS
2 meses atrás

Olha!..o Pollyanna do blog voltou. Se a corrida terminar em fila indiana sem nenhuma ultrapassagem, você vai vir aqui como sempre vem, com sua arrogância de responder sempre como se só você entendesse ou gostasse de F1, acho que às vezes até acima do titular do blog, dizer que idiota é quem não curtiu como os mecânicos da RedBull trocaram os pneus de forma assustadora em 1,8 segundos. Difunda suas ideias e não se preocupe com as opiniões dos outros se elas não comungam com as suas. Abra um blog. Deixe de ser um chato do caralho que acha todo mundo chato porque não curtem as mesmas brigas da Fórmula 1 que você curte. Faça como eu…pule meus comentários como eu pulo os seus. Esquente menos a moringa.

CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Marcos Bassi
2 meses atrás

Tua vida deve estar uma merda hein Campeão?
Antidemocrático, a negatividade em pessoa.
Te falta argumentos, te falta elegância, te falta educação.
Falar que só interessa a disputa pelo primeiro lugar ate chega a ser falta respeito com o dono do blog que gasta tempo pra traduzir todas as voltas, todas as mudanças de posições, todos os fatos que compõe o circo, atento pra não deixar nada pra trás e pra ser um farol pra quem deixou passar algo despercebido.
Seja feliz vendo futebol, pois definitivamente F1 não e pra F1.
Nem astral pra isso você tem. Imagino os coitados que tem que assistir uma corrida com você, ate a cerveja deve esquentar.

Marcos Bassi
Marcos Bassi
Reply to  CHAGAS
2 meses atrás

Sou chato pra caralho…nem gosto de cerveja. Aqui é super democrático…todo mundo torce pro que acha melhor. Aonde está escrito que não me interesso por outras disputas?…ó mestre da sabedoria…falta análise do discurso pra você. Está escrito lá em cima que acho mais interessante. Quanto a educação…meu amigo…leia suas respostas aos posts alheios…que não só demonstram sua arrogância egolatra, falta de respeito…como você sim, de alguém que não aceita respostas que não coadunam com a sua…o que te faz um pseudo ditador de comentários alheios…mande um currículo pra F1 pra ser relações publicações…meu caro Pollyanna. Quanto ao oficial do blog…tenho certeza que ele sabe quanto eu o respeito. Já você…meu querido…hummm. Ei Flávio…e sua Portuguesa amada, como vai? O meu Palmeiras vai bem. Opa! Desculpe…quem acompanha F1 tem um intelecto superior como do nosso amado Polly, não pode gostar de futebol. É um esporte para poucos…

Last edited 2 meses atrás by Marcos Bassi
CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Marcos Bassi
2 meses atrás

Pronto, desabafou. Se sente melhor?
Aconselho a tomar cerveja pois esta cientificamente comprovado que quem toma com moderação e mais feliz.
Agora ate inverdades esta escrevendo? Se interessa por outras disputas? Começa o comentário escrevendo “pouquíssimo a comentar” depois pra explicar foca no melhor piloto com o melhor carro. Sei… se interessa por outras posições, tudo se resume a briga na ponta pra você.
Leia o texto novamente e veja se aconteceu pouca coisa no GP.
Depois tenta justificar o porque não acompanha disputas por posições inferiores, isso bem claro em seus posts anteriores.
Tu não gosta, simples. Não precisa se justificar.
Hoje existe o fato de termos uma dominância e isso naturalmente pode deixar muitos que acompanham insatisfeitos, mas não a ponto de reclamar de tudo que acontece ao redor do esporte, e isso você faz, sempre.
A F1 pode ser apreciada por qualquer um que goste de corridas, e o que me faz pensar que não serve pra você são seus comentários de pura negatividade, esta claro em suas linhas que acompanhar F1 não te deixa satisfeito.
Reflita sobre isso.
Paz e luz, esta precisando.

Last edited 2 meses atrás by CHAGAS
Marcos Bassi
Marcos Bassi
Reply to  CHAGAS
2 meses atrás

Caro Polly…é isso. Que você é bem ruim de interpretação de texto, já percebi faz tempo., já que não sabe sobre mediocridade. Você pensa demais sobre o que os outros pensam ou que os outros podem e devem. Você julga demais o que os outros escrevem. Você apenas quer que o mundo maravilhoso de Narnia seja exatamente como você quer. Acho que a você falta fazer outras coisas e que 2024 mude seu campo de visão para além do seu umbigo. Leia mais. Tome um café. Vá assistir um jogo no estádio e xingar o juiz de FDP, umas coisas mais mundanas, tá precisado. Daqui pra frente, não voltarei a está postagem…só pra você economizar seu tempo de responder e julgar…que ele muito lhe sobra…pra ficar o dia todo controlando quem fala o que em qual postagem. Voltarei a pular seus comentários cheios de sabedoria e conhecimento que somos brindados a cada corrida…ainda bem que a próxima é só em março.

Afonso Muzzo
Afonso Muzzo
2 meses atrás

Acabou… parabéns pelo(s) texto(s) dessa temporada.

Chupa Hamilton
2 meses atrás

Tsunoda já tá abusado ao passar Hamiltom gritou:
-Çupa Amilton!

Luccas Neto
2 meses atrás

Pena que o Hamiltom não conseguiu implantar o sistema de quotas para um a F1 mais inclusiva

Celio Ferreira
Celio Ferreira
2 meses atrás

Fica a minha torcida pra que alguma equipe , encaixe um
projeto ideal para peitar a Red Bull para que tenhamos
um campeonato melhor . Tivemos o dominio de Shumi
depois Hamilton , e agora Max….JÁ DEU NÉ..

Emerson
Emerson
2 meses atrás

Ainda bem que a temporada não acabou, falta o rescaldão do sobre ontem

Rafael
Rafael
2 meses atrás

Eu me empolguei com a briga pelo vice… foi legal.
Max some na transmissão e as vezes eles lembram dele…

Igor
Igor
2 meses atrás

Temos que fazer uma menção honrosa à transmissão da Band. Nunca sabiam quem tava passando quem, não viram Norris passando Piastri, se era Gasly passando Hamilton, etc. Fora que o Reginaldo ficou até o fim da prova achando que o Sainz tava disputando a décima posição, mas ele tinha mais um pit stop. Eles tem leitura zero de corrida, só falam o que aparece na tela e olhe lá… É a mesma transmissão porca da Globo.

Danilo
Danilo
Reply to  Igor
2 meses atrás

Eu só não concordo em igualar com a transmissão da globo – sim havia as gafes e principalmente os vícios – mas eram bem melhores (q saudade), o Reginaldo grande conhecedor de automobilismo e falho como todos nós seria corrigido lá e passaria despercebido. Para mim o problema nem são os comentaristas mas sim quem deveria ser a liderança – Sérgio Maurício? – q é muito ruim.

Celio Ferreira
Celio Ferreira
Reply to  Danilo
2 meses atrás

Ruim com a Band , pior sem nehuma…

Chupez Alonso
Chupez Alonso
2 meses atrás

Do lado vitorioso, tivemos a maior temporada de um piloto e de uma equipe da história da F1.

Versttapen:

19 Vitórias
02 Segundos lugares
01 Quinto lugar
Campeão de Construtores

86,3 % de aproveitamento em vitórias.

Tem gente aqui que não tira isso nem na escola (primária, claro)!

Red Bull

21 Vitórias
01 Quinto lugar
Campeã de Construtores
Campeã e Vice campeã de pilotos.

95,4 % de aproveitamento em vitórias.

Pena que a chuva cancelou o GP da Emilia Romagna.

Ano que vem tem (muito) mais!

Rumo ao 8cta…

IMG_6992.jpeg
Celio Ferreira
Celio Ferreira
Reply to  Chupez Alonso
2 meses atrás

75% DISSO TUDO creditado ao carro…

Chupez Alonso
Chupez Alonso
Reply to  Celio Ferreira
2 meses atrás

Pérez que o diga!

Danilo
Danilo
Reply to  Celio Ferreira
2 meses atrás

E qual carro ruim foi campeão?

Celio Ferreira
Celio Ferreira
Reply to  Danilo
2 meses atrás

Brabham de Piquet…que levou no braço…

O crítico
O crítico
Reply to  Chupez Alonso
2 meses atrás

Baba, fase oral, baba.

Chupa Hamilton
Reply to  O crítico
2 meses atrás

Você é uma fase anterior

O crítico
O crítico
Reply to  Chupa Hamilton
2 meses atrás

Ui! O fase oral original cansou de posar de bonzinho, adotou a estratégia do fake, arrumou um outro apelido, esse já explícito, assumiu o racismo de vez e partiu pro revide. Demorou, hein? Mas a máscara caiu de vez.

Emerson Mossolin
Emerson Mossolin
2 meses atrás

Muitos podem não ter gostado do campeonato, mas eu achei o máximo poder ter vivenciado uma temporada de “Um carro muito bom, que não quebra, nas mãos de um piloto excepcional, que não erra… de talento extraordinário”.
 
Um privilégio para nós amantes de F1.

O crítico
O crítico
Reply to  Emerson Mossolin
2 meses atrás

Me desculpe, amigo, mas você está se declarando ser uma pessoa com baixas expectativas e um amante bem pouco exigente.

Oliveira
Oliveira
Reply to  O crítico
2 meses atrás

Viúva detectada!

Emerson Mossolin
Emerson Mossolin
Reply to  Oliveira
2 meses atrás

Pois é… kkkkkkkk

O crítico
O crítico
Reply to  Oliveira
2 meses atrás

Papagaio!

O crítico
O crítico
Reply to  Oliveira
2 meses atrás

Pobreza de espírito é uma coisa triste…

Danilo
Danilo
Reply to  O crítico
2 meses atrás

Mano só acho q o comentário dele é bem condizente com alguém q conhece do riscado e separa paixões. Ou vc acha q alguma equipe já foi campeã sem o melhor carro com piloto mediano?

O crítico
O crítico
Reply to  Danilo
2 meses atrás

Eu acho interessante, aqui todo mundo conhece do riscado, desde que tenha a mesma opinião minha ou o mesmo lado do que eu. Pra mim, competição interessante é a que tem mais de um envolvido. Mesmo 1988 e 1989, por exemplo, com o domínio quase total da McLaren, pelo menos teve disputa entre os dois pilotos. Eu não vejo graça em um “samba de uma nota só”, nesse caso. Gosto de disputas, inclusive pelo primeiro lugar. Detestei todas as temporadas em que houve um piloto/carro totalmente dominante. Isso inclui quaisquer pilotos e equipes.

Emerson Mossolin
Emerson Mossolin
Reply to  O crítico
2 meses atrás

Respeito seu ponto de vista, mas no meu modo de ver, as corridas me geravam a expectativa de ver a perfeição de Max… Calma, que o ano que vem têm mais!!

O crítico
O crítico
Reply to  Emerson Mossolin
2 meses atrás

No meu modo de ver, as corridas me geram a expectativa de disputa, inclusive pelo primeiro lugar. E se o ano que vem for mais do mesmo, melhor para você, com as suas (que considero baixas, repito) expectativas e pior para os que, iguais a mim, esperam por competição de verdade, seja lá quem esteja envolvido.

Danilo
Danilo
Reply to  Emerson Mossolin
2 meses atrás

Concordo, tem a sua beleza – o casamento perfeito maquina/piloto. A minha única ressalva é sobre a promissora nova geração de pilotos q anseiam serem campeões, mas estendem tapete para o Max desfilar. Mesmo quando o Max não tinha o melhor carro e nem chance de título, mirava no ponteiro e um dia se tornou campeão. Se a ideia é engrossar do segundo para trás, nunca serão primeiro.

Chupez Alonso
Chupez Alonso
2 meses atrás

Belíssima corrida de recuperação do Hamilton!

Saiu de 11° na largada para 9º no final e garantiu 2 pontinhos importantíssimos para o vice-campeonato de construtores da Mercedes.

Pena que chegou atrás do Tsunoda.

Aliás, por falar no japonês, merecia ganhar um troféu pela melhor ultrapassagem na última volta da temporada.

Que X (antigo Twitter) no patrão!

Grande piloto!

Aliás, por falar no patrão, desde que a Mercedes demitiu o Michael “No Mike No” Masi aí mesmo em A Bull Dhabi 2021, que ele nunca mais ganhou nada.

Deve ser Karma.

Rumo ao 8cta…

IMG_6991.jpeg
O crítico
O crítico
Reply to  Chupez Alonso
2 meses atrás

Olhe, deve ser difícil se segurar para disfarçar o racismo, esse pessoal detesta ser enrustido. E, sobre o tal do Masi, realmente não surpreende a inversão da coisa, vindo de alguém que baba, fase oral, baba. Mas já está ficando ridículo.

Alfredo Ramos
Alfredo Ramos
Reply to  O crítico
2 meses atrás

A crítica do seu colega de comentário em relação ao Hamilton não tem nada a ver com a cor da pele.

O crítico
O crítico
Reply to  Alfredo Ramos
2 meses atrás

Tem a ver com o quê, então? Me ilumine, por favor. Como diria o Pedro Pedreira, me convença.

Danilo
Danilo
Reply to  O crítico
2 meses atrás

Nessa estou com vc, eu achava esse cara apenas um chato, mas talvez ele seja pior…

Emerson Moraes
Emerson Moraes
2 meses atrás

Impressionante a RedBull não ter uma quebra , assustador eu diria !

Marcus
Marcus
2 meses atrás

Tsunoda saiu muito melhor que a encomenda em 2023.

Xupesaloço
Xupesaloço
2 meses atrás

Max emocionado? Vai tomar uma bronca do sogro… homem que é homem não chora.

O crítico
O crítico
Reply to  Xupesaloço
2 meses atrás

Pois eu choro só de ler uma asnice dessas… Se bem que, vindo de quem vem (não adianta disfarçar, sullivan fase oral fake), não se pode esperar mais do que um lixo desses…

Xupesaloço
Xupesaloço
Reply to  Xupesaloço
2 meses atrás

O pessoal não entende ironia…
Ou não sabe que o sogro do Max é o Piquet (temos que explicar a piada)

O crítico
O crítico
Reply to  Xupesaloço
2 meses atrás

Ironias à parte, çei!