LAS BREGAS (4)

Max “Elvis” Verstappen: 18ª vitória no ano, 53ª na carreira

SÃO PAULO (no fim, deu tudo certo) – Que se diga logo de cara: foi uma ótima corrida, essa de Las Vegas. Um evento que começou muito mal com os problemas dos bueiros na noite de quinta (madrugada de sexta para nosotros no Brasil), mas terminou com um grande espetáculo graças a um traçado que acabou se revelando mais interessante do que se previa. É o que sempre digo: na F-1, muita coisa que a gente antevê como catastrófica pode dar certo quando os carros vão para a pista. Outras ideias que julgamos excelentes, quando colocadas em prática, dão com os burros n’água.

Vegas se encaixa na primeira categoria. A concepção do circuito da cidade dos cassinos, com a gigantesca reta da avenida principal e longas áreas de frenagem, resultou numa prova bem disputada, com brigas até o final e a cereja do bolo da última volta com Charles Leclerc ultrapassando Sergio Pérez para mordiscar a segunda posição. Se em Interlagos exaltamos o duelo do mesmo Pérez com Fernando Alonso pelo pódio na última volta do GP de São Paulo, é justo que façamos o mesmo em Las Vegas. Foi muito bacana.

Quem ganhou? Ora, ora, ora… Max Verstappen, claro. Pela 18ª vez no ano em 21 corridas. Um índice de aproveitamento impressionante de 85,7%. E pela 53ª vez na carreira, igualando a marca de Sebastian Vettel nas estatísticas. O holandês, agora, está em terceiro lugar no ranking dos maiores vencedores da história, atrás apenas de Lewis Hamilton (103) e Michael Schumacher (91).

O mergulho de Leclerc sobre Pérez: emoção até os últimos metros

E não foi um triunfo mamão-com-açúcar, este de Verstappen. O tricampeão mundial teve de driblar uma punição de 5s no começo da corrida e uma colisão com George Russell na metade para colocar mais um troféu de vencedor na estante.

Na largada, Max conseguiu pular à frente do pole-position Leclerc, mas na primeira curva, com pouca aderência nos pneus frios — a temperatura ambiente era de 18°C, com 17,5°C no asfalto –, espalhou demais e jogou o monegasco para a área de escape. Os comissários esportivos demoraram para avaliar a manobra, mas na altura da oitava volta avisaram que ele seria punido com 5s — pena que teria de ser cumprida no primeiro pit stop.

A maioria dos pilotos escolheu os pneus médios para começar o GP numa pista muito lisa e gelada. Mas alguns que largavam mais atrás, na segunda metade do pelotão, optaram pelos duros — menos aderentes ainda. Foi o caso, por exemplo, de Oscar Piastri, Hamilton, Lance Stroll, Pérez e Alonso — que, ao longo da corrida, teriam lá seus momentos de protagonismo.

Alonso, por conta disso, rodou logo na primeira freada, quase causando um acidente múltiplo. No fim, se recompôs e ainda conseguiu chegar ao fim da prova na nona colocação. Bem, mesmo, largou Yuki Tsunoda. De pneus macios, saltou de 20º para 12º na primeira volta. Mas ficou nisso. Acabou abandonando no final, com problemas no câmbio.

Logo na terceira volta, lá no fundão, Lando Norris bateu forte — teve até de ser levado a um hospital para checar seu estado geral –, motivando a entrada do primeiro safety-car da noite. Alonso e Pérez aproveitaram para ir aos boxes, trocaram os bicos de seus carros, danificados na largada, e conseguiram se recolocar na corrida. A relargada aconteceu na volta 7. Verstappen se segurou na frente, mas Leclerc não desgrudava dele. E conseguiu dar o bote para cima do holandês na volta 16, assumindo a ponta.

Sentindo que seus pneus já não rendiam grande coisa, o piloto da Red Bull foi imediatamente para os boxes, pagou a multa de 5s e voltou à prova em 11º. Teria de remar bastante para recuperar o tempo perdido.

Início de prova para Verstappen: pressionado por Leclerc

E foi o que Max fez. Quem aparecia pela frente, ele passava. “A asa móvel aqui ajudou muito”, contou depois da corrida. De fato, contrariando alguns prognósticos que apontavam na direção oposta, em Vegas dá para passar e não é difícil. Na volta 23, Verstappen já era o sexto, tentando descontar a diferença para Leclerc, que parou na 21ª e voltou em terceiro. Pérez e Stroll, que largaram com duros, eram os dois primeiros — o mexicano já tinha feito um pit stop no início, mas como foi sob safety-car não perdeu muito tempo.

A corrida era boa, com ação de cabo a rabo, e chegou à metade com Max na quinta colocação. Foi quando o holandês mergulhou para cima de Russell na curva 12 e voou pedaço de carro para todo lado. “Ele jogou o carro em cima de mim!”, reclamou o tricampeão, pedindo para a equipe verificar asa dianteira e pneus. “Tá tudo bem, Max”, ouviu de volta.

Russell: pênalti deslocou o inglês de quarto para oitavo no fim

Como tinha muita coisa espalhada pela pista, acionaram o safety-car novamente na volta 26 para a faxina geral. Pérez e Stroll pararam. Leclerc assumiu a ponta, mas optou por não colocar pneus novos. E, aqui, destaque-se outra previsão que não se confirmou: a de uma calamitosa degradação dos pneus; não aconteceu, o que surpreendeu todo mundo, principalmente os pilotos. Verstappen também se jogou nos boxes durante o safety-car. Charlinho, Pérez, Gasly, Piastri, Verstappen e Ocon eram os seis primeiros. Stroll, Albon, Russell e Sainz completavam a lista do top-10.

A relargada aconteceu na volta 29 e Russell foi punido com 5s por bater em Verstappen quando foi ultrapassado. A penalidade lhe custaria caro. Ele terminaria a prova em quarto, mas o tempo acrescido o atirou para a oitava colocação. Piastri passou Gasly e assumiu o terceiro lugar. Leclerc, pouco antes, quase rodou atrás do safety-car, com pneus muito frios.

E sobrou para Pérez atacar o monegasco, enquanto Max tentava se livrar de Gasly e se defendia de Ocon, o sexto. Quando a asa móvel foi liberada, ele passou o francês da Alpine. Checo, por sua vez, tinha mais dificuldades com a Ferrari #16. Só na volta 32 conseguiu superar o carro vermelho para assumir a ponta. Na 33ª, Verstappen deixou Piastri para trás e partiu para cima de Leclerc.

Percebendo que Pérez não se mandava na frente, Chaleclé resolveu dar o troco no mexicano e na volta 36 retomou a liderança no mesmo ponto onde houvera sido ultrapassado. Na mesma volta, Max jantou o companheiro. “O vida, oh dia”, suspirou Leclerc ao ver Verstappen no retrovisor. E na volta 37 Max assumiu a ponta, fazendo a ultrapassagem sobre o ferrarista.

Para não ser mais incomodado, rapidamente o piloto da Red Bull tratou de abrir mais de 1s sobre Leclerc de forma a não ser surpreendido pela asa móvel do adversário. Mas nem precisava. Na volta 43, Charlinho errou uma freada, quase bateu, e Pérez aproveitou o ensejo para assumir o segundo lugar. Pouco depois, Piastri parou, com os pneus bem gastos. Fazia uma grande corrida. Mas caiu para 12º. Outro que despencava volta a volta era Gasly, sendo ultrapassado por todo mundo, perdendo rendimento nos pneus. A cinco voltas do fim, estava em décimo. Seu parceiro Ocon, em compensação, brilhava em quarto, trazendo com ele outro bom nome da noite, Stroll.

Leclerc, combativo, retomou sua contenda com Pérez. Na volta 46, já estava de novo a menos de 1s do mexicano para, abrindo a asa, tentar retomar o que julgava ser dele. A Red Bull, na última volta, pediu para Verstappen tirar um pouco o pé de modos que Checo pudesse aproveitar o vácuo se distanciando do assédio do piloto da Ferrari. Nem isso adiantou. Na curva 14, Leclerc foi para cima e passou o infeliz do carro #11. Como em Interlagos, no apagar das luzes – aqui, quem passou Pérez foi Alonso.

Bandeirada de Justin Bieber: meio desajeitado

Meio desajeitado, o cantor Justin Bieber deu a quadriculada para Verstappen ganhar mais uma. Leclerc e Pérez completaram o pódio. Ocon, Stroll, Sainz, Hamilton, Russell, Alonso e Piastri fecharam a zona de pontos. Ocon saiu de 16º para quarto; Stroll, de 19º para quinto. Foram dois grandes destaques da corrida. Por outro lado, três pilotos que largaram lá na frente, Gasly, Albon e Sargeant, ficaram para trás e não pontuaram. Pelo rádio, Max cantarolou, às gargalhadas, “Viva Las Vegas”, de Elvis Presley – hit dos anos 60 cuja letra, a quem interessar possa, está aqui.

Os três primeiros estacionaram seus carros no Parque Fechado e foram enfiados no banco traseiro de um Rolls Royce. Ficaram bem apertados, Verstappen no meio. O cerimonial previa levá-los até o hotel Bellagio, onde seria feita a entrevista pós-corrida diante do lago artificial com sua famosa fonte luminosa.

Verstappen e Pérez vestiam macacões circenses cheios de estrelas e com o nome de Elvis inscrito na cintura – figura onipresente em Vegas, a começar dos chatíssimos clones que se vestem como o cantor e circulam pela cidade. O primeiro, de branco; o segundo, de vermelho. O ex-piloto David Coulthard fez as perguntas protocolares, Max disse que adorou a corrida e jurou que estava ansioso para voltar no ano que vem, entraram de novo no Rolls Royce e voltaram para a área de box para receber seus troféus.

O pódio foi montado sobre uma estrutura que lembrava um gigantesco caminhão de trio elétrico puxando foliões no carnaval de Salvador. Era, na verdade, um conjunto de três caixotes revestidos de telões – os mesmos que foram usados na cerimônia de apresentação dos pilotos, quarta à noite. Troféus entregues, um show de fogos espalhados pelos edifícios mais altos da cidade encerrou a festa.

A corrida foi breve, menos de 90 minutos de ação numa pista que, embora seja de rua, é bem veloz. Ficou até um gostinho de “quero mais”. Leclerc seguiu na sua rotina de fazer poles e não vencer — são 23, com apenas quatro vitórias. Pérez, apesar da decepção da última volta, garantiu matematicamente o vice-campeonato com 273 pontos — Hamilton, o terceiro, tem 232 e também assegurou a terceira posição. Sainz e Alonso, com 200, brigarão pelo quarto lugar em Abu Dhabi, semana que vem, no encerramento do campeonato.

É a primeira vez que a Red Bull faz 1-2 na tabela de classificação. Resultado que, claro, confirma a permanência do mexicano no time para 2024 — algo que chegou a ser colocado em questão em determinado momento da temporada. No Mundial de Construtores, o vice-campeonato está totalmente aberto. Como a Ferrari marcou 26 pontos e a Mercedes fez apenas dez hoje, a diferença a favor dos alemães caiu para apenas quatro — 392 x 388. Foi um péssimo fim de semana para o time de Toto Wolff. O dirigente falou muito, mas sua equipe fez pouco.

No balanço das horas, do ponto de vista do espetáculo esportivo, Las Vegas valeu a pena. A última impressão é sempre a que fica, e essa foi boa. A qualidade da corrida será mais lembrada no ano que vem do que o infausto vexame dos primeiros treinos, que terminaram às quatro da madrugada sem público nas arquibancadas.

O resto fica por conta do gosto de cada um.

Subscribe
Notify of
guest

86 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Paulo Dantas Fonseca
Paulo Dantas Fonseca
6 meses atrás

GP LAS VEGAS ( NEVADA/EUA-2023), As apostas foram feitas e fichas na mesa do jogo. O primeiro ganhador foi Sergio Pérez conquistou o Vice-Campeonato e levou um Pixuleco em bônus, Max mais uma vitória espetacular com um novo record na prateleira. O acidente de Lando Norris deu a impressão que teve uma falha mecânica antes do pancadão no guard-rail , foi um grande susto, o melhor foi levar o garoto ao hospital por cautela. O melhor da corrida, ultrapassagem de Charlinho em Checo e conquistar o segundo lugar. O Pior da corrida, a lambança que Fernando Alonso fez na largada . O registro impressionante 315 mil torcedores passaram pelas arquibancadas nos treinos e na corrida .

Marcus
Marcus
6 meses atrás

Não havia ninguém que pudesse parecer mais animado para dar a bandeirada que o Justin Bieber? A Liberty podia ser mais cuidadosa nisso, sempre são “celebridades” que parecem preferir estar extraindo um dente sem anestesia a participar da corrida. Podiam chamar ex-pilotos, gente do esporte, ou pelo menos artistas interessados de verdade, como o ator Patrick Dempsey.

Chupez Alonso
Chupez Alonso
Reply to  Marcus
6 meses atrás

Verdade.

IMG_6672.jpeg
Rafaela
Rafaela
6 meses atrás

Flavio, a música “Viva Las Vegas”, apesar de aparecer no Google como de 1968, foi lançada originalmente em abril em 64, como single. Era parte da trilha sonora do filme de mesmo nome (“Amor a toda velocidade”, no Brasil). Apesar de não ter feito aquele estrondoso sucesso nos charts quando lançada (apareceu no top 20, mas não no top 10), nas décadas subsequentes ganhou popularidade e acabou se transformando em um símbolo de Vegas – a cidade queria adotá-la como música oficial, mas não sei se de fato adotou. Teve outras versões famosas, sendo a principal a da banda ZZ Top, já nos anos 90.

O crítico
O crítico
Reply to  Rafaela
6 meses atrás

Dead Kennedys também tem uma versão espetacular dela em seu primeiro álbum , “Fresh fruit for rotting vegetables”.

Marcus
Marcus
Reply to  O crítico
6 meses atrás

Discaço. Tenho o vinil. “Kill the poor” e “Let’s lynch the landlord” são minhas favoritas e, claro, “Holiday in Cambodia”. Ótima citação a sua.

O crítico
O crítico
Reply to  Marcus
6 meses atrás

Discaço! Vinil branco, edição nacional? Se for tenho também. Engraçado que a “Landlord” tem seu trecho inicial beeeemmmm parecido com um trecho de uma música muito antiga da Status Quo, do começo de carreira.

Marcus
Marcus
Reply to  O crítico
6 meses atrás

Sim, vinil branco.

é o Zé
é o Zé
6 meses atrás

Seria interessante fazer o exercício, depois da temporada acabada, de saber quem teria sido o campeão, distribuindo os pontos de acordo com cada corrida, na ausência do verstappen. Tenho minhas dúvidas se o mexicano teria sido campeão!

Jairo
Jairo
Reply to  é o Zé
6 meses atrás

Não sei se mudaria muita coisa pois obviamente a Suprema REDBULL RACING não correria só com 1 carro e o piloto no lugar do SUPREMO MAX seria um piloto top que certo que não ganhasse tanto mas certamente seria campeão e a diferença do segundo pro terceiro em diante já tá pra mais de 50 pontos então tua sugestão não faz sentido

Formiga
Formiga
6 meses atrás

Li de novo. Assisti a corrida somente agora. Viva o Blog

Celio Ferreira
Celio Ferreira
6 meses atrás

Corrida foi ótima . Agora se a Red Bull tivesse um piloto no carro 11,
seria melhor para não ter sempre o mesmo vencedor , assim como
Hamilton e Rosberg. Falo isso pois o sr. Perez falar que não esperava
que o Leclerc fosse ultrapassa-lo na ultima curva , foi demais.
( e o que é pior acho que vai continuar , pois assim MAX O QUERIDINHO
não terá concorrente )

Antonio Seabra
Antonio Seabra
6 meses atrás

assistimos a mesma corrida

O crítico
O crítico
6 meses atrás

PQP, se um da fase oral já é difícil de aguentar, dois é quase impossível. E a outra assombração ainda resolveu reaparecer. A frequência aqui tá cada dia pior.

O crítico
O crítico
Reply to  O crítico
6 meses atrás

Putz, nada está tão ruim que não possa piorar: o companheiro predileto do fase oral original também voltou para nos assombrar…

Marcus
Marcus
Reply to  O crítico
6 meses atrás

Fase oral, muito bom kkkkkkk

Cansei de lero lero
Cansei de lero lero
Reply to  O crítico
6 meses atrás

Não guenta, bebe leite…

O crítico
O crítico
Reply to  Cansei de lero lero
6 meses atrás

Essa é para os fases orais e parceiros.

Marcus
Marcus
6 meses atrás

Foi bem melhor do que esperava. Mas a cara do Justin Bieber, apoiado na bandeira, era de quem preferiria estar em casa lavando o banheiro. Os macacões da Red Bull? Não. Porque não.

Last edited 6 meses atrás by Marcus
Ilmar
Ilmar
6 meses atrás

Foi o que eu escrevi: não era um ”tilkódromo”.

Eric Feliciano
Eric Feliciano
6 meses atrás

Agora nos bastidores, quem não se emocionou com o Checo dirigindo a Red Bull de 2011 para o público local, pode ir comentar na Band… – Que coisa linda…o som do motor!! E acessível, o mais importante.

Valeri
Valeri
6 meses atrás

Excelente! Contou tudo!!

Alfredo Aguiar
Alfredo Aguiar
6 meses atrás

A corrida foi simplesmente A MELHOR CORRIDA DO ANO.
Sim, em Las Vegas tudo é fake, todo mundo sabe disso, ou alguém imagina que a torre Eiffel fica em Nevada? Conheço Veneza e o hotel Venetian, os canais do Venetian pelo menos são limpos. Esse é o appeal de Vegas, ser fake e ser brega. Mr. Verstappen falou, falou de Vegas e correu vestido de Elvis, correu fantasiado e feliz, quem sabe deveria ter reclamado com a equipe pela fantasia. Na F1 o que manda é a grana e ele no fim das contas sabe disso. Não dá pra mover toneladas de equipamentos e milhares de pessoas ao redor do mundo de graça, sempre foi assim. Vegas estava cheia de estrelas e foi como a F1 teve início, uma corrida de garagistas cercada por nobres e pela realeza. Quem não lembra da icônica foto da família real britânica em Silverstone 1950? Sim Las Vegas esvaziou as arquibancadas por questões de segurança, mas deu a cada pessoa um voucher de $200 doletas, SPA cancelou um GP pelos mesmo motivos e deu um picolé de chuchu pra cada torcedor. Soltou uma tampa de bueiro no PRIMEIRO treino de Vegas. O mesmo aconteceu em Mônaco e corre-se por lá desde a metade do século passado.
O circuito é lindo, a paisagem dos cassinos iluminados cheias de neon e telões e deslumbrante, a pista é longa, veloz, com boas ultrapassagens, super bem iluminada e os asfalto (de rua) é um tapete, você não via carros pulando nem pilotos reclamando. Tinha tudo pra dar errado, os pilotos quase na totalidade Europeus com uma má vontade de dar dó, a imprensa com pedra nas mão caçando pelo em ovo e foi um espetáculo que consagrou a Formula 1, num campeonato que tá pra lá de enfadonho, não por culpa de Las Vegas.

Adorinan
6 meses atrás

SERGIO TXEKO PEREZ CAMPEÃO DA F1 2023
CAMPEAO DA SÉRIE B É CLARO
e porque será que Max estava com farolete no bolso da frente da calça perna esquerda? olhem na primeira foto
Vegas? Elvis? Pura breguisse, sou mais Interlagos e sertanejo universitário

Emerson Moraes
Emerson Moraes
6 meses atrás

Chaleclé… ótima 😃😃

Adorinan
Reply to  Emerson Moraes
6 meses atrás

Imitou o GBueno

Paulinha Troller
6 meses atrás

Bela foto essa primeira hein!
O Max parece o Astronauta de Mármore?
Mando bem Flavinho querido.
Beijos.

CHAGAS
CHAGAS
6 meses atrás

RBR com a ajuda de Verstappen bateu vários recordes esse ano.
O desequilíbrio dentro da equipe e tão grande que teremos mais um recorde batido. O campeão vai fechar o ano com o dobro de pontos do vice.
Perez será o vice-campeão com o pior índice da história.
Todo fim de semana ficam claros os exemplos da diferença entre os taurinos.
Hoje por exemplo Max na primeira curva pisou na cabeça de Leclerc, enquanto Perez, mesmo pisado pelo monegasco na última volta, sorriu e festejou o vice.
Como diria o filosofo, quem nasceu pra ser lagartixa nunca chegara a jacaré. 

Valmir lopes
Valmir lopes
6 meses atrás

Corrida muito boa
O que me leva a uma conclusão óbvia: mais de 40 anos assistindo corridas continuo sem entender porra nenhuma. Viva a fórmula 1. Agora, que coisa horrorosa e “las bregas” o protocolo final da corrida…

André
André
6 meses atrás

Enquanto não acabarem com o artificialismo da asa móvel nada mudará na F1.

SULLIVAN
6 meses atrás

Uma corrida sem VIUVETES!!!!
QUE MARAVILHA !!!
E o titio ALONSO estava em Vegas??. Nem vi ele.

Paulo Pinto
Reply to  SULLIVAN
6 meses atrás

O que você espera de um piloto que ganhou 2 títulos em 20 temporadas?

Chupez Hamilton
6 meses atrás

VENDO MERCEDES SEMI NOVA COMVERSIVEL, SEM DETALHES
TRATAR COM HAMILTON
OBS ACEITO HOMDA 2021 EM DIANTE PAGO A DIFERENÇA A VISTA
-URGENTE-PREÇO DE OCASIÃO.

O crítico
O crítico
Reply to  Chupez Hamilton
6 meses atrás

O fase oral faz tanto sucesso entre as crianças que aqui comentam que arrumou até uma cópia racista assumida.

Edson
Edson
6 meses atrás

1. Leclec correu como nunca, perdeu como sempre
2. Cafonissimo os macacoes dos pilotos da Red Bull
3. Williams prometeu muito e entregou nada na corrida.
4. Strolll na frente do Alonso….. o que acontece em Vegas fica em Vegas.
5. Comentários feitos apenas com base no relato da corrida, não tive disposição pra ficar acordado até as 3 da manhã

Luccas Neto
6 meses atrás

VIVA MAX EMILIAN VERSTAPPEM!
VIVA SERGIO TXECO PEREZ VICE CAMPEÃO DO CAMPEONATO DE F1 DE 2023
VIVA ADRIAN NEWS, HORN, MARCO, VIVA EU!
VIVA RBR
VIVA HONDA
SALVE SALVE
VIVA LAS VEGAS CORRIDA FANTÁSTICA PARA FICAR NA HISTÓRIA!
como sofre a oposição…
E o campeonato começou agora pro Leclerc a Bela Adormecida……
Boas leituras aqui FLA!
Pensando bem insossa são as outras corridas antes da largada e depois da chegada…… VIVA LAS VEGAS!!!
DE certa maneira podemos dizer que somente o super MAX VERSTAPPEN CONSEGIU SUPERAR SERGIO PEREZ SENÃO SERIA TCHEKO CAMPEÃO.
gosto é gosto MAS EU TO ADORANDO

Pindorama
Pindorama
6 meses atrás

O seu texto, como de hábito, foi excelente. A corrida nem foi ruim, mas o saldo me parece negativo, ainda mais porque parece ter dado lucro para os promotores, que se sentem estimulados a repetir a dose por aí. Muito show, muito pouco de autódromo, muita cafonice. Sou saudosista e esses GPs sempre me parecem improvisados, artificiais e vazios. Tenho saudade de Hockenhein etc.

Luis Joly
Luis Joly
6 meses atrás

Viva las Vegas não é de 1968, mas de 1964. Sim, há entre seus ávidos leitores um que é tanto fã de F1 como de Elvis. Parabéns pelas análises!

Marcos Bassi
Marcos Bassi
Reply to  Luis Joly
6 meses atrás

Sou maior fã de Elvis…só pra deixar claro…mas que a introdução de Viva Las Vegas é uma cópia carbono de Aquarela do Brasil…isso é. Tudo bem que anos depois, Raul Seixas e Paulo Coelho se apropriaram de I Was Born About Ten Thousand Years Ago…
Tudo bem também que ele não compunha nada…mas veria um show com os macacões e até aquela capa horrorosa que os meninos da RedBull tiveram que reproduzir outro dia…

O crítico
O crítico
Reply to  Marcos Bassi
6 meses atrás

Falando de “inspiração”, já escutou o primeiro álbum da Camisa de Vênus?

Marcos Bassi
Marcos Bassi
Reply to  O crítico
6 meses atrás

Olha…lembro do disco ter causado um certo alvoroço. Me lembro que gostava da versão de “Negue” com a letra modificada para….”.eu mostro a boca babada e toda arrebentada por um beijo seu”…achava divertido. Sei que na época teve algumas críticas que o disco inteiro tinha “inspirações” de várias bandas….que eles assumiram…ahh…teve a versão debochada de Brasileirinho no final da música. Como falei de Raul Seixas…ele é genial. Mas teve seus escorregões como essa Eu Nasci Há 10 Mil Anos….você escuta Peixuxa, a melodia é chupinhada de Obladi oblada dos Beatles. Achava legal Renato Russo que fazia um encarte gigantesco citando cada frase das canções ou melodias, de onde veio ou até que usou mesmo. Mas me deu curiosidade…vou escutar novamente o primeiro disco do Camisa de Vênus. Só de curiosidade, José Emílio Rondeau, marido da incrível Ana Maria Bahiana, foi quem produziu tanto o disco de estreia do Camisa de Vênus quanto da Legião (já que citei Renato Russo).

Last edited 6 meses atrás by Marcos Bassi
O crítico
O crítico
Reply to  Marcos Bassi
6 meses atrás

Sim, das que consegui identificar, tem versões de Buzzcoks, Undertones, The Jam. Tem mais, mas me esqueci. Isso fora o famoso refrão da “Só o fim”, do “Correndo o risco”, que Jagger ou Richards provavelmente nunca ouviram, ou se ouviram fizeram ouvidos moucos. Mesmo assim, adoro o som dos caras, embora Marcelo Nova tenha se tornado um chato sem galochas.

Marcos Bassi
Marcos Bassi
Reply to  O crítico
6 meses atrás

Do The Jam eu lembro…eu até gostava…e achei legal ele ter resgatado o Raul com A Panela do Diabo…mas…ele não virou negacionista e essas coisas ultimamente?

O crítico
O crítico
Reply to  Marcos Bassi
6 meses atrás

Sim, por isso a chatice. Assisti a um show recente deles e o sujeito falou mais entre as músicas do que cantou. E só abobrinhas.

Last edited 6 meses atrás by O crítico
Wagner
Wagner
Reply to  Marcos Bassi
6 meses atrás

Eu gosto do Elvis de antes de servir o Exército, não daquele reacionário que viria depois, informante do FBI e que queria expulsar o Lennon dos EUA.
E, de fato, Raul e Paulo Coelho chupinharam na cara dura a música do Woody Guthrie, cantor-compositor folk desconhecido no Brasil.

Marcos Bassi
Marcos Bassi
Reply to  Wagner
6 meses atrás

Elvis antes do Exército era um visionário….não é a toa que vários gênios da música, dizem que Elvis enfiou o pé na porta e abriu o mundo pra eles. O Elvis depois, graças a sua incapacidade de lutar pelo que queria (fazer uma turnê mundial, por exemplo) se tornou um arremedo dele próprio e foi incapaz de acompanhar o que viria musicalmente nos anos 60 e 70. Ainda acho que ele teve um quase renascimento entre o fim de 68 e primeira metade de 1970. Depois se entregou definitivamente….

Wagner
Wagner
Reply to  Marcos Bassi
6 meses atrás

Concordo plenamente com a sua análise.

O crítico
O crítico
Reply to  Wagner
6 meses atrás

Pai do Arlo, também desconhecido, mesmo tendo atuado em alguns filmes relativamente famosos. Mas isso já há muito tempo…

lagerbeer
lagerbeer
6 meses atrás

Apesar de tudo e todos, e um vexamezinho de vez em quando …. mas Checo vice campeón … não contavam com mina astúcia ! Parabéns Checo !

Eric Feliciano
Eric Feliciano
6 meses atrás

Ah, foi realmente uma surpresa digna de um jackptot! Eu não estava tão cético quanto o escritor, afinal, não possuo o mesmo nível de conhecimento para ser tão cético quanto ele. Mas, sem dúvida, a corrida foi tão boa que eu não ficaria surpreso se a Liberty Media decidisse transformá-la na grande estrela de encerramento da temporada um dia. Claro, Miami deveria ser urgentemente retirada do calendário, porque, convenhamos, há um excesso de corridas na terra do Tio Sam, especialmente com aquela marina falsa – uma verdadeira obra-prima de breguice e emoção zero. Viva Las Vegas!

Last edited 6 meses atrás by Eric Feliciano
CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Eric Feliciano
6 meses atrás

Qual das duas corridas de Miami foi ruim?

Alfredo Aguiar
Alfredo Aguiar
Reply to  CHAGAS
6 meses atrás

Concordo com você. Estive em Miami esse ano e vou repetir ano que vem. O fato de a corrida ser cercada de um espetáculo incrível e super animado atrai ainda mais pessoas pro evento. Foi uma festa inesquecível, segura, com preços justos e super divertida.

Eric Feliciano
Eric Feliciano
Reply to  Alfredo Aguiar
6 meses atrás

Ah, claro, preços justíssimos. Moro em Miami, e fica mais em conta pegar um voo até a Itália para ir a Emilia-Romana para assistir o gran prix, do que ir até a cidade vizinha Miami Gardens e contemplar uma marina com água de plástico.

Marcus
Marcus
Reply to  CHAGAS
6 meses atrás

Um lugar litorâneo que “pinta” o mar no chão é indigno de menção apenas por isso.

Chagas
Chagas
Reply to  Marcus
6 meses atrás

Mais um que assiste formula 1 sem dar pelota nenhuma para o que acontece na pista.
Mas ta explicado, trata-se do fã de Sargeant.

Marcus
Marcus
Reply to  Chagas
6 meses atrás

Lá vai você de novo, ah não… não só não sou fã do Sargeant, como ainda tive que responder a você se lamuriando, porque não aceitava que o Drugovich não pilotaria na F1, como realmente não irá.

Last edited 6 meses atrás by Marcus
CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Marcus
6 meses atrás

Elogiou o Sargeant quando conseguiu o primeiro ponto na F1 por conta de abandonos de outros pilotos.
Se isso não e torcer pro Sargeant, você engana bem.

Cortez
Cortez
6 meses atrás

Se o Verstappen ficar entre os cinco primeiros semana que vem, termina o campeonato com mais de 90% de aproveitamento nos pontos disputados (tem 92,4% hoje). Esse recorde acho quase impossível ser batido nessa era sem descartes.

(O Senna passou dos 90% em 88, mas das 16 corridas só contavam 11)

Last edited 6 meses atrás by Cortez
Paulo Pinto
Reply to  Cortez
6 meses atrás

Em 1988 quem fez mais pontos foi Prost.

O crítico
O crítico
Reply to  Paulo Pinto
6 meses atrás

Verdade, mas não foi o campeão, exatamente porque nas corridas que contaram para ele o aproveitamento de Airton foi acima de 90% (consequentemente, acima do de Alain, nas mesmas condições). Regra absolutamente estúpida e injusta, na minha opinião, mas era o que valia na época. E, teve alguém que não concordava, não teve vontade ou coragem de contestar.

Last edited 6 meses atrás by O crítico
Marcus
Marcus
Reply to  O crítico
6 meses atrás

A razão de ser daquele regulamento era para obrigar os pilotos a lutarem sempre pelo melhor resultado possível, pois os piores seriam descartados. O Prost fez mais pontos em 1988, mas se o campeão daquele ano não tivesse sido o Senna – que venceu mais vezes – teria sido justo? E perdeu o título em 84 por causa da corrida que venceu “pela metade”. Um segundo lugar em uma corrida “completa” teria lhe dado o título.

O crítico
O crítico
Reply to  Marcus
6 meses atrás

Olhe, se fossemos discutir justiça, o que dizer do título do Keke? O camarada venceu uma prova só, mas em compensação foi mais regular que todos os demais. O motorista do capetão também ganhou titulos com menos vitórias, os de 1983 e 1987. Eu sempre fui pelos pontos corridos. Marcou mais, foi mais regular, ganhou.

Marcus
Marcus
Reply to  O crítico
6 meses atrás

Eu concordo, também acho que pontos corridos são o melhor sistema. Apenas levantei um ponto, o da justiça, que me parece válido, ainda que discutível. Quanto ao Rosberg, ele era um piloto melhor do que parecia e foi premiado com o título pela regularidade, como o Prost e o chofer. Se o Pironi se acidentou e a Brabham e a Renault não tinham carros confiáveis, não eram problemas dele. O que ele fez na África do Sul em 1985 foi espetacular.

Last edited 6 meses atrás by Marcus
Marcos Bassi
Marcos Bassi
Reply to  Marcus
6 meses atrás

Como sou palmeirense…nesse momento eu adoro os pontos corridos. Pelo menos até a próxima rodada….

O crîtico
Reply to  Paulo Pinto
6 meses atrás

Prost é o legítimo campreao moral de direito e de fato ,,1988.
. Agora explicar pruma viuvette não é fácil

Fabio
Fabio
Reply to  Cortez
6 meses atrás

Jim Clark fez 100% dos pontos válidos em 63 e 65.

Jose Tavares
Jose Tavares
6 meses atrás

Corrida muito acima do que esperávamos. Destaques para Piastri, mesmo parando pra trocar pneus faltando poucas voltas, para Stroll e Ocon. O RH da Red Bull arquivou a demissão do Perez. O Leclerc mandou recado para o Checo: “Não contava com minha astúcia”, e o mexicano vai fazer uma terapia pra se livrar da sindrome da última volta. Ah, quem ganhou foi o Max, mas isso não é mais notícia, é um hábito.

Tom Brandão
Tom Brandão
6 meses atrás

Muito bem escrito, como de costume 👏 Destaco, mesmo com a lamentável última parada, a corrida de Piastri que conseguiu dobrar a pontuação do 10º lugar com a volta mais rápida da prova. Apagando-se as luzes circenses do evento, foi uma bela corrida!

Last edited 6 meses atrás by Tom Brandão
Fábio Andrade
Fábio Andrade
6 meses atrás

ótima analise Flávio 👏🏻👏🏻👏🏻

ZehRo
ZehRo
6 meses atrás

Boas, apesar da breguice uma corrida para agradar os norte americanos, belo texto como sempre, abraço e grato!

Emerson Mossolin
Emerson Mossolin
6 meses atrás

Faltou dizer que Leclerc também cantarolou Elvis Presley na última volta, só que com “It’s Now Or Never”

SULLIVAN
Reply to  Emerson Mossolin
6 meses atrás

Não, mas após a primeira curva ele ligou pra casa e disse ; MÃE O VERSTAPPEM ME BATEU,., SNIF SNIF SNIF

Wbj
Wbj
6 meses atrás

Pra turma do achismo (tanto pra um lado como pra outro) que gosta de dar pitacos sem embasamento algum, fica dada a dica: em que pese os fiascos inaceitaveis ocorridos, as cafonices locais, etc, era necessario aguardar o desenrolar da prova e escutar depois pilotos/dirigentes sobre o que acharam para apis isso se fazer um juizo. Assistimos no final uma das melhores provas do ano, alternancias na liderança e zero tedio nas 50 voltas da corrida. Pilotos acharam a pista divertida e da pra concluir entao que a prova foi melhor do que a encomenda, pelo menos em meu pto de vista. A gente poderia, por fim, ter sido poupado no final pelo Max que passou a semana toda defenestrando o evento e no final, nas entrevistas, fez la suas juras de amor à pista. Portanto vale pra ele tbem a liçao de se evitar os pre julgamentos inuteis daqui pra frente pra nao ter que pagar por esse mico desnecessario, por mais fenomenal que ele seja e como foi na corrida.

CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Wbj
6 meses atrás

Miami teve duas ótimas corridas, Arábia todas excelentes e Las Vegas como escreveu, uma das melhores provas do ano.
Infelizmente a pauta que reina e o que acontece fora da pista.
Breguice, chatice, festas, apresentações, parece que os comentaristas aqui ligam a TV pra arrumar alguma critica extra pista em vez de assistir a corrida.
Ate a cor do macacão incomoda alguns comentarista, o fim da picada.
Tirando o defeito do bueiro que infelizmente proibiu o publico de assistir os treinos de sexta, o resto foi colírio pros olhos.
Como disse Max na única vez que acertou usando um microfone. “Viva Las Vegas, ansioso para o ano que vem.”
No braço, imbatível. Fez miséria hoje na pista.

Wbj
Wbj
Reply to  CHAGAS
6 meses atrás

Perfeito, Chagas !

Alfredo Aguiar
Alfredo Aguiar
Reply to  CHAGAS
6 meses atrás

A Liberty tem que inventar mesmo. Tem que fazer das corridas um show. Esse campeonato, pra lá de enfadonho enquanto disputa, acabou em 7 de outubro no Qatar. Só de ter um GP que lotou, numa prova que não vale patavinas e num país que não acompanhava F1 até pouco tempo atrás, já é uma vitória imensa dos organizadores. Nem vamos mencionar que foi a MELHOR CORRIDA DO ANO.

Sergio Trancoso
Sergio Trancoso
6 meses atrás

Boa corrida sim. Destaque para Verstappen tendo algum trabalho, e Perez disputando e perdendo de novo. Decepção o ritmo das Williams na prova

Fernando
Fernando
6 meses atrás

Verstappen: o mais em tudo (arrojo, carro, talento, vitórias, sujo (breaktest e empurrada inicial marota no leclerc), sorte (timing do safety car e batida no russel sem consequencias, mesmo estando atras do russel).

Wbj
Wbj
Reply to  Fernando
6 meses atrás

Em que pese eu sempre achar essa punicao de 5s “agua de salsicha”, o cara foi la, pagou e passou de novo. Depois da prova reconheceu o erro como reconheceu o erro tbem o Russel, portanto va se informar melhor antes de postar groselhaiadas por aqui com base na sua torcida e achismos pessoais.

O crítico
O crítico
Reply to  Wbj
6 meses atrás

Só de chato, penso ser muito engraçado os torcedores do queridinho aceitarem tão facilmente como erros (“assumidos” ou não) suas manobras suspeitas e, ao mesmo tempo, apontarem como jogo sujo todas as dos adversários dele. Isso desde 2021. Canonização já!

Alex
Alex
6 meses atrás

Que monstro o tal Max. Foi pro meio do grid e resolveu as coisas com agressividade e inteligência. Impossível não ver nele uma mistura de schumi com senna.
Tem tudo pra ser o maior de todos.

Adriano Reis
Adriano Reis
6 meses atrás

A prova foi boa, verdade… lembrei-me da Indy em Detroit nesse ano: um traçado sem graça do qual nada se esperava dando uma corrida boa.

Chupez Alonso
Chupez Alonso
6 meses atrás

E deu 1 vermelho!

Bingo!!!

Tou com sorte.

É tudo ou nada no Blackjack.

Acho que dá 21!

IMG_6614.jpeg
Eduardo
Eduardo
6 meses atrás

Leio todas as suas pós corridas, mais ainda quando não assisto. Não tem highlight, vídeos do yt ou matérias mais completas. É aqui que dá pra saber cada detalhe. Que bom que continua escrevendo. Achei importante mencionar, já que cada vez mais vc escreve que não leem esse pobre escriba.

Marcos Bassi
Marcos Bassi
6 meses atrás

Tudo muito jeca…do macacão de Elvis a toda aquela papagaiada no final…de vai pra lá e vem pra cá. Enquanto carros na pista, a corrida foi bem legal mesmo. Como o escriba mor disse, todos tiveram seus brilharecos. De show, só piora com o passar do tempo. Como corrida, nada a ver com aquelas de 81 e 82. Ainda bem.

Fabio Burian
Fabio Burian
6 meses atrás

18 de 21 podendo ser 19 em 22. Tai um record quase impossivel de ser batido.