GRÂNDOLA

SÃO PAULO (claro que não esqueci) – Quinta-feira o 25 de Abril fez 50 anos. A Revolução dos Cravos foi tema do texto semanal que escrevo para os assinantes da minha newsletter, que se chama “Gira mondo”. Se vocês ainda não assinam, façam o favor de assinar. Custa míseros 13 reais por mês. Preciso atingir minha meta de mil assinantes. O jornalismo só funciona assim. Questão de honra. E ainda estou longe.

O texto da semana está aqui. Nele vocês vão descobrir quem é Celeste Caeiro, essa mulher fundamental da foto abaixo.

Subscribe
Notify of
guest

7 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Carlos Gil
Carlos Gil
1 mês atrás

25 de Abril de 1974.
Dia inesquecível.
O dia que alguns portugueses devolveram a todo um povo a esperança no futuro.
Eu tinha 13 anos, e como todos os adolescentes de então, começava a pensar no dia em que iria confrontar-me com a ida para a tropa, e para uma guerra interminável. Na minha família, nas famílias que conhecia, os seus jovens adultos foram para a guerra, e alguns nunca de lá voltaram.
Acabei indo para a tropa, mas já não havia uma guerra colonial onde matar ou morrer, e podíamos pensar, escolher, decidir, e falar sobre isso.
A liberdade (também) é isso.
O meu agradecimento eterno, é dirigido a todos os militares que nesse 25 de Abril, derrubaram o regime neo medieval em que vegetávamos, mas eu personalizo a minha homenagem no então Capitão Salgueiro Maia.
Salgueiro Maia, um Militar que em três momentos foi decisivo para a implantação de um regime democrático na nossa Pátria, e que após a ação militar sempre optou por regressar ao quartel, prescindindo do acesso ao poder que então lhe foi oferecido.
Mais tarde, alguns dos eleitos da democracia, pela qual ele ele arriscara a vida, haveriam de negar-lhe as honras e benesses que ele justamente merecia.
É o paradoxo da democracia, é possível ser um totalitário numa sociedade democrática, é perigoso ser um democrata numa sociedade totalitária.
Obrigado Capitão Maia, até sempre.

O crítico
O crítico
1 mês atrás

A Revolução dos Cravos é um exemplo fortíssimo do porquê os fascistas odeiam tanto cultura e educação. Ambas fazem pensar criticamente.

Paulo F.
Paulo F.
1 mês atrás

Tomei um porto de honra pelo dia 25.
Além da Revolução dos Cravos, festeja-se a vitoria sobre o facismo na Italia.

Cezinha Dias
1 mês atrás

Grande Dona Celeste…

Gustavo Serpa
Gustavo Serpa
1 mês atrás

Lindo poema, grande gravação do 365 (meus 16 anos em 87!) e não se pode esquecer do Chico Buarque com Tanto Mar. Para cantar a liberdade ele sempre é grande!

Paulo Teixeira
Paulo Teixeira
1 mês atrás

segue um dois poemas que ajudaram a criar códigos(morse?) para a revolução que chegava

Urgente… Mais flores

João Apolinário

É preciso avisar toda a gente
Dar noticia, informar, prevenir
Que por cada flor estrangulada
Há milhões de sementes a florir.

É preciso avisar toda a gente
Segregar a palavra e a senha
Engrossar a verdade corrente
De uma força que nada detenha

É preciso avisar toda a gente
Que há fogo no meio da floresta
E que os mortos apontam em frente
O caminho da esperança que resta

É preciso avisar toda a gente
Transmitindo este morse de dores
É preciso, imperioso e urgente
Mais flores, mais flores, mais flores.

Alan JK
Alan JK
1 mês atrás

Grande Flavio, bom dia!

A música Grândola, Vila Morena, tem uma versão gravada pelo 365 num distante ano de 1987. Para ouvir em alto e bom som.

ABRAÇO!