BARCELONETAS (3)

Verstappen, sete vitórias no ano: ficando cada vez mais difícil

SÃO PAULO (por pouco) – Deu Max Verstappen na Espanha. Mas não foi aquela sopa no mel. O holandês teve de suar o macacão. Ganhou de novo, é verdade, pela sétima vez em dez corridas neste ano — a segunda seguida. Mas num momento em que a Red Bull, quem diria, parece não ter o carro mais rápido do grid. Desde Miami, quando Lando Norris ganhou seu primeiro GP, o time dos energéticos tem enfrentado algumas dificuldades. O desempenho não é nitidamente superior ao da concorrência, como nas primeiras etapas do campeonato — e na temporada toda de 2023. Foram, a partir da prova da Flórida, cinco corridas. Max venceu três delas, em Ímola, Montreal e, agora, Barcelona.

Conclusão: se a coisa aperta, que se recorra àquela pecinha entre o banco e o volante chamada piloto. E piloto a Red Bull tem de sobra.

Max não tem feito milagres, mas está tendo de cortar um dobrado para superar a incrível ascensão da McLaren e as estocadas eventuais de Mercedes e Ferrari. Hoje, na Catalunha, Norris provavelmente venceria se tivesse conseguido manter a ponta na largada. Estava na pole, o carro mostrara um ótimo ritmo em todos os treinos e a boa forma seria confirmada nas 66 voltas da corrida. Só que bobeou. E a perda da liderança nos primeiros metros acabou determinando seu resultado final. Ficou em segundo, a pouco mais de 2s de Verstappen — que chegou à 61ª vitória de sua carreira.

As coisas começaram a dar errado para Norris quando George Russell, quarto no grid, fez uma das mais lindas largadas dos últimos tempos, assumindo a liderança na primeira curva, enquanto Norris se preocupava em procurar Verstappen no retrovisor. E o inglês da McLaren foi ultrapassado também por Max, que, também foi ultrapassado por Russel, mas manteve sua posição original de grid, o segundo lugar.

E, então, veio o momento decisivo para o holandês logo na terceira volta. Sem perder muito tempo, Verstappen passou Russell no final da reta dos boxes e foi para a ponta. Isso aconteceu segundos depois de seu engenheiro, pelo rádio, sugerir que aquele poderia ser o melhor momento para a ultrapassagem, porque a reta é grande, tem asa móvel e isso e aquilo.

Antes de terminar a frase, o holandês já tinha ido. Ali ganhou a corrida. Como de hábito, foi preciso, calmo, eficiente, administrou o desgaste dos pneus e controlou a diferença para quem estivesse em segundo, sabendo que em algum momento este seria Norris, voando. O que aconteceu na fase final da prova. Quando já era tarde demais.

Mas voltemos ao início do GP, quando Max assumia a liderança e começava a desenhar mais um triunfo para ampliar sua liderança na tabela de classificação. Enquanto isso, a dupla da Ferrari, que ocupava a terceira fila do grid, começava um divertido lenga-lenga radiofônico entre Leclerc e Sainz. “Ele passou muito perto”!, disse o monegasco quando foi ultrapassado pelo companheiro. “Ele me tocou, eu estava na frente!”, retrucou o espanhol. Ambos de fato tocaram pneus na curva 1. Mas nada muito dramático, exceto pelo tom dos queixosos. O simpático Frédéric Vasseur, chefe ferrarista, bem que gostaria de mandar os dois plantarem batatas, mas ficou quieto.

Torcida de Sainz: sexto lugar, sem muita festa

Na décima volta, a prova estava estabilizada, como costuma acontecer em Barcelona antes das paradas para troca de pneus. Verstappen, Russell, Norris, Hamilton, Sainz, Leclerc, Gasly, Piastri, Ocon e Hülkenberg eram os dez primeiros, todos eles especulando as possibilidades de parar antes, esticar um pouco o primeiro stint… Enfim, decidir o que fazer.

Max liderava com relativa tranquilidade, mais de 2s à frente de Jorginho. Leclerc x Sainz, na batalha pelo quinto lugar, era o que de mais promissor a prova apresentava àquela altura. Mas Charlinho não atacava o parceiro. Apenas reclamava. “Só porque ele é espanhol pode fazer o que quiser? Só porque corre em casa? Não tenho medo de torcida, não! Manda vir em turma! Sou do morro, rapá!” Vasseur suspirava.

Na volta 14, Pérez, que tinha acabado de assumir o décimo lugar, fez sua primeira parada. Depois veio Gasly, num pit stop desastroso da Alpine. Russell foi aos boxes na 16ª, junto com Sainz. A Mercedes se atrasou um pouco na roda traseira direita, mas o inglês conseguiu sair ainda à frente da Ferrari #55. A janela de paradas estava aberta para todo mundo, e as estratégias eram basicamente as mesmas: trocar os pneus macios por médios — exceto Pérez, que colocou macios como na largada. Um segundo pit stop seria necessário, dado o alto desgaste da borracha na pista catalã.

Max parou na volta 18. Norris, então, assumiu a liderança seguido por Leclerc e Piastri, que não tinham feito suas trocas. O #1 da Red Bull voltou em quarto, 4s à frente de Russell. Se Lando parasse logo, ganharia a posição do #63 da Mercedes. Mercedes que, naquela hora, estava era vibrando com Hamilton, numa batalha bonita contra Sainz. O heptacampeão acabou passando e Carlos reclamou de novo. “Ele me tocou! Eu estava na frente!”, e aí o cozinheiro da Ferrari, que também usa rádio e escuta todas as conversas, se irritou e acionou seu microfone, normalmente usado para tirar algumas dúvidas sobre almoço e jantar, se a massa seria trufada ou verde, se o molho seria Alfredo ou carbonara, essas coisas da gastronomia. “Você só reclama, cazzo!”, berrou o chef.

Norris, segundo: vitória escapou na largada

Em primeiro, Norris ia ficando na pista. Eram já 23 voltas com seus pneus macios, que duravam mais do que o esperado. O rádio avisou que quando ele parasse, voltaria atrás de Verstappen, Russell, Hamilton e Sainz. Parou na 24ª. Voltou atrás de Verstappen, Russell, Hamilton e Sainz, em sexto. Teria como se recuperar, com pneus cerca de dez voltas mais novos que aqueles que estavam à sua frente. Mas perderia algum tempo, segundos preciosos.

O último dos 20 pilotos a fazer o primeiro pit stop foi Leclerc, na volta 25. E Verstappen, então, voltou à ponta com mais de 5s de vantagem sobre Russell. A Ferrari informou a Sainz que a desejada punição a Hamilton não tinha dado em nada. “Oh, não sei por que existe um livro de regras, se elas não são seguidas…”, lamuriou-se. O cozinheiro, lá do motorhome, vendo a corrida pela TV, entrou no rádio de novo. “Cala a boca, cazzo!” Vasseur passou a prestar atenção naquele funcionário desbocado. “Esse moço tem espírito de liderança. Talvez esteja no lugar errado…”, pensou.

Na volta 26, com pneus mais novos, Norris passou Sainz e assumiu o quarto lugar. Foi para cima de Hamilton, para entrar de novo na zona de pódio. Seu ritmo era forte, reforçando a sensação de que se tivesse largado bem seria o grande favorito à vitória. Mas Verstappen, na liderança, já estava cerca de 8s à sua frente. O #4 da McLaren teria de remar bastante para alcançá-lo.

Lando passou Lewis na volta 32, sem dificuldades. Abriu a asa na reta dos boxes e chegou à frente dele na freada da curva 1. O próximo alvo era também prateado, Russell. Que, naquela altura, se transformava em aliado de Verstappen. Quanto mais segurasse Norris, melhor para o holandês.

Na metade da prova, volta 33, Verstappen, Russell, Norris, Hamilton, Sainz, Leclerc, Gasly, Piastri, Ocon e Hulk eram os dez primeiros – Pérez já tinha feito o segundo pit stop. Max aproveitou que Norris perdeu algum tempo atrás de Russell e ampliou a vantagem. Só na volta 35 Lando passou, com alguma dificuldade – Jorge resistiu, retomou a posição, mas acabou cedendo. Max agradeceu. Estava 9s3 à frente.

Hamilton: de volta ao pódio depois de oito meses

Russell e Sainz, então, foram para suas segundas paradas, e os dois colocaram pneus duros. Norris começou a apertar ainda mais o ritmo. Na volta 39, a diferença caiu para 7s5. Na 40, 6s7. De grão em grão, a galinha papaia ia enchendo o papo. Max, que já tinha reclamado de seus pneus “inconsistentes” – foi o termo que usou –, ia se virando até a segunda parada, quando esperava ter pneus mais, digamos, consistentes. Lando voava. Na volta 42, já aparecia no mesmo enquadramento das câmeras de TV, 5s6 atrás do líder.

Hamilton parou na volta 44 e colocou pneus macios para a última parte da corrida. Voltou em sétimo. Verstappen parou na 45ª. Também calçou macios e voltou em terceiro. A McLaren avisou Norris: “É nossa chance!”. A corrida estava boa. Carros com pneus diferentes, estratégias diversas, muitas ultrapassagens. Mas o grande lance era acompanhar Norris, agora líder, e Verstappen, o terceiro. Entre eles, Leclerc. A diferença de Lando para Max era de 15s. Mas o piloto da McLaren ainda tinha um pit stop para fazer. Fê-lo na volta 48, também colocou pneus macios e voltou em segundo, 8s atrás de Verstappen. Os dois com a mesma borracha, a do inglês apenas três voltas mais nova. E a prova ficou no mano a mano: Max a caça; Lando, o caçador.

Norris acelerava como se não houvesse amanhã. Pelo rádio, a Red Bull informou Verstappen que o menino maluquinho não estava muito preocupado em poupar os pneus. Fazia volta rápida em cima de volta rápida. A 15 voltas do fim, a diferença caíra para 5s8. Um pouco mais atrás, Hamilton, com seus pneus macios, chegou em Russell e assumiu o terceiro lugar na volta 52. O companheiro não ofereceu muita resistência.

O rádio de Verstappen seguia intenso, para dizer o mínimo. “Max, Lando continua não poupando pneus. Acho melhor acelerar”, disse o engenheiro. E orientou: “Coloca o botão aí na posição 10”. “Qual?”, perguntou o piloto. “Dez, meu filho. Um-zero.”

Comemoração de Verstappen: apenas 2s sobre Norris

Não se sabe direito o que a posição um-zero significa, mas é possível intuir. Alguma potência a mais, algo que permitisse manter Norris a uma distância segura. A diferença, que vinha caindo à ordem de quase meio segundo por volta, se firmou na casa dos 5s. Diminuiu um pouco na volta 58, para 4s8. Norris se esfalfava. Mas seus pneus também já não eram mais os mesmos. A verdade é que Max tinha tudo sob controle.

Verstappen acabou recebendo a quadriculada com 2s219 de vantagem para Norris, com Hamilton em terceiro. O inglês da Mercedes estava longe do pódio desde o final de outubro do ano passado, quando foi segundo colocado no México. Russell terminou em quarto, com Leclerc em quinto nos seus calcanhares. Sainz, Piastri, Pérez, Gasly e Ocon fecharam os dez primeiros. A Alpine voltou a pontuar com seus dois carros.

No campeonato, Verstappen foi a 219 pontos e agora tem, como vice-líder, Norris com 150. Disse que a ultrapassagem sobre Russell na terceira volta foi “crucial” e que teve de guiar o tempo todo num modo “defensivo”, sabendo que Lando vinha babando na gravata. Este, por sua vez, lamentou a derrota. “Eu deveria ter vencido. Não fiz uma boa largada. Nosso carro hoje era o mais rápido de todos.”

Final em Barcelona: todos os carros terminaram a prova

Depois de um fim de semana discreto da Ferrari, para não dizer ruim, Leclerc caiu para o terceiro lugar na classificação, com 148 pontos. Sainz (116) e Pérez (111) completam a lista dos cinco primeiros na tabela. Entre as equipes, a Red Bull agora tem 330, contra 270 da Ferrari, 237 da McLaren e 151 da Mercedes.

Domingo que vem tem Áustria, com Sprint. No outro, Inglaterra. Teoricamente, a Red Bull deveria nadar de braçada nessas duas pistas. Mas as coisas mudaram nos últimos dois meses. Verstappen, agora, tem adversários. Nenhum à sua altura, diga-se. Mas capazes de derrotá-lo, sim. Só que, para isso, não podem errar como Norris errou hoje. Porque Max não erra.

Subscribe
Notify of
guest

43 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Paulo Dantas Fonseca
Paulo Dantas Fonseca
29 dias atrás

GP DA ESPANHA: O triunfo de MAX talento mais experiência no trem de corrida lhe valeu a vitória espetacular, Mclaren cada vez melhor Lando pecou nos detalhes e fez um maravilhoso segundo lugar . Lewis sabe tirar proveito dos detalhes do acerto aerodinâmico doW-15, a equipe Mercedes-Benz conseguiu acertar o projeto da asa dianteira. O destaque será para a evolução do conjunto da equipe Mclaren .O pior do GP da ESPANHA, vem do Box, alias dos bastidores a equipe ALPINE , fecha uma parceria de assessoria com o intragável, cretino, escroto, trapaceiro e vigarista F. Briatore, que tem por característica própria manchar a reputação de qualquer montadora e equipe da F-1, simplesmente lamentável.

Alfredo Aguiar
Alfredo Aguiar
29 dias atrás

Ainda acho que a RedBull tem o melhor carro. Perez não conta, nunca contou. Norris chegou poucos segundos atrás? Verstappen tinha a corrida sob controle e o campeonato não acabou na Espanha, poupou o carro quando já tinha a corrida segura e ainda fez Norris forçar o equipamento pra tentar alcançá-lo. Como disse, o campeonato não acabou ali e esse equipamento vai fazer falta lá na frente.
Imagino a cabeça do Lewis quando vê essas Ferraris, o espaguete ao sugo tem que ser muito bom pra compensar. Ainda que os carros vermelhos rendam pouco porque escorregam nas lágrimas dos pilotos, eita choradeira insuportável, dos 2.
Vendo Russel e o Antonelli na F2, compreendo o desespero do Lobo pra ter o Vespa. Eu diria calma Toto, o carro não ajuda e o estrategista que calçou pneus duros tava de sacanagem.
Bom saber que você tem um blog, vou vir mais por aqui, não sabia. Mas depois das férias.

20221105_004009.jpg
Zebras São Cavalos Terríveis
Zebras São Cavalos Terríveis
29 dias atrás

Depois da ultrapassagem do Max na terceira volta, prestei mais atenção no meu livro – o excelente Electronica de Enzo Maqueira – do que na corrida em si e até abaixei o volume por conta da emoção fake do narrador. Bacana ver Russel e Norris cada vez melhores e tb a McLaren tendo ritmo pra bater a Red Bull, mas é pouco, muito muito pouco.

Quem viu a épica edição das 24 de Le Mans a uma semana e tb a corrida da Indy ontem a noite sabe que corrida boa é muito mais do que o que se viu em Barcelona, mas muito mais mesmo.

Carlos
Carlos
29 dias atrás

Qual foi a última vez que Verstappen cometeu um erro com maiores consequências? Me lembro de Jeddah, 2021, na qualificação.
Faz tanto tempo isso, que só posso pensar que estou deixando passar algo.

GUs
GUs
29 dias atrás

Na minha humilde opinião, mesmo se Norris tivesse mantido a ponta, na segunda ou terceira volta ele tomaria um inevitável passão na reta, e Max conseguiria construir dali um mínima vantagem para administrar no mesmo roteiro do que aconteceu na corrida original; apenas com margens um pouco mais curtas, mas nada dramático. Em ritmo de corrida, acho que a diferença é mínima entre os dois carros, e Max já está acostumado a controlar a ansiedade alheia, precisando, ele tira mais do bólido.

Danilo
Danilo
1 mês atrás

Norris provavelmente ganharia se tivesse se mantido em primeiro na largada. Se o Norris tivesse passado o Russel rapidamente – como o Max – creio q ainda teria chances pela vitória, são muitos “se” quando a disputa é com o Max que não erra e resolve os lances rapidamente, enfim na minha opinião esses foram os lances que definiram o resultado, além é claro da pilotagem e controle excepcional que o Max tem durante o GP. Ainda assim, eu que já critiquei o Norris por uma certa passividade, tbem acho que a vitória que ele teve fez bem, está mais arrojado e inconformado, espero q continue assim. Será que a Red Bul já se arrependeu em renovar com o Pérez? Apesar da vantagem eu acho que o mundial de construtores está em aberto e a Red Bul corre serios riscos em perdê-lo em razão das dificuldades do mexicano.

Leandro Batista
Leandro Batista
1 mês atrás

Vamos lá:

  • Aula de pilotagem do Max. Nao tinha o melhor conjunto do fim de semana mas foi cirurgico. Poupou os pneus e praticamente colocou o Lando Norris no bolso
  • Mclaren tem o melhor carro e Lando guia muito. Mas nao sabe ser cerebral. Ficou preso atrás do Russell e deixou Max escapar. Depois, quis alongar o primeiro stint e voltou muito atrás graças ao erro no pitstop.
  • As Mercedes deram um belo salto mas nao tem o mesmo ritmo de corrida das RBRs e Mclarens
  • Fim de semana fraco da Ferrari. O segundo seguido.
Bartholomeu Bandeira
Bartholomeu Bandeira
1 mês atrás

Extra extra extra
ferrari vai com tudo, já roubou Ham da Mercedes e seduziu A Neway da RBR alem de engenheiros e estrategistas.,.
Mas agora ela deu o pulo principal ENCOMENDOU UM MOTOR HONDA e ainda quer Adrian a todo custo.
Vamos VER o que vai dar….

O crítico
O crítico
Reply to  Bartholomeu Bandeira
29 dias atrás

Putz, horrível essa, nota zero. Aí eu choro! Au au…

1000044396.jpg
Marcus
Marcus
Reply to  O crítico
29 dias atrás

Eles se multiplicam. Como os gremlins.

Celio Ferreira
Celio Ferreira
1 mês atrás

Agora que temos disputas no campeonato de F1 , os carros mudarão
em 2026 , aí aparece uma equipe disparada na frente , até as outras
se equiparar leva anos , e assim a F1 vai vivendo de dinastias , mesmo
assim estaremos aquí discutindo os ” porques”,

Sandro
Sandro
1 mês atrás

Mais uma corrida sem nenhum abandono!
Esses carros estão mais para tanques de guerra do que caminhões, digo, carros de corrida!

E pensar que entre os GP’s da Grã-Bretanha de 1950 até Turquia em 2005 foram 741 corridas e apenas UMA (!) corrida teve zero abandono: Holanda 1961! 😮

Em que GP o Vespa será tetra?
E já imaginou se a Red Bull for vice-campeã no Mundial de Construtores?
A Red Bull é a escuderia de um piloto, aparentemente. Não consegue né, Serginho!

Talvez Lando ganhasse o GP da Espanha se na primeira curva estivesse em primeiro lugar. Talvez.

Bartholomeu Bandeira
Bartholomeu Bandeira
1 mês atrás

Foi no uma corrida enfadonha que o Max ganhou na primeira curva

Antonio Seabra
Antonio Seabra
1 mês atrás

Excelente resumo da corrida, como sempre.
Eu só mudaria uma frase: “E piloto a Red Bull tem de sobra” para “E piloto a Red Bull tem um que sobra”…..kkkk
Perez, com um carro que nâo tinha maiores problemas, chegou “APENAS” 1 minuto atras do Max.

Marcus
Marcus
1 mês atrás

Max mostrou hoje, mais uma vez, que já é mesmo um dos maiores da história. Com certeza no top 5.

Last edited 1 mês atrás by Marcus
jose carlos
jose carlos
1 mês atrás

Este ano o Max já levou: os concorrentes melhoraram, porém ele já tem uma distância segura de praticamente 3 vitórias e muito raramente ele deixa de pontuar. Tomara que ano que vem Hamilton tenha um equipamento decente na Ferrari, porque ele é o único com braço e experiência suficientes para fazer frente ao holandês. Norris, Leclerc e Russell podem até vir a faturar algum campeonato depois que os dois enjoarem de correr, mas tecnicamente estão muito abaixo, são afoitos, inconstantes e irregulares.

Denilson Escudeiro
Denilson Escudeiro
1 mês atrás

Tenho orgulho de dizer…que vi os 3 maiores da história em ação na F1, Schumi, Verstappen e Hamilton…sendo Verstappen o piloto mais completo que já vi!!! frio, inteligente e fatal aos seus adversários…com ou sem o melhor carro!

Marcelo Duarte
Marcelo Duarte
Reply to  Denilson Escudeiro
29 dias atrás

Você viu o Fangio? Entao nao viu o maior de todos.

Edson
Edson
1 mês atrás

Norris é muito bom piloto, simpático, gente boa, mas para bater de frente com o Max ainda falta alguma coisa, não pode ser tão bonzinho. Mclaren também não está ajudando, ao invés de arriscar uma tática diferente seria mais fácil copiar a estratégia da Red Bull.
Fica difícil saber se a Red Bull ainda tem o melhor carro com um desempenho tão diferente entre os seus pilotos, Max ganhou mais uma, enquanto isso mais uma corrida pífia do Perez, chegando só em oitavo.
Vamos ver semana que vem.

Luciano Goes
Luciano Goes
1 mês atrás

Para mim a McLaren já é o melhor carro e o Max é o melhor piloto.

Paulo Leite
Paulo Leite
1 mês atrás

Pra que assistir corrida com um sumário desse, enfim. Boa corrida, Max sobra, Lando é bom piloto mas não é excepcional, como Max e Lewis. Perez, coitado, com um carro que perdeu a superioridade absurda dos últimos 2 anos, não passa de um segundo piloto medíocre. Sempre foi.

Ednaldo Moura
Ednaldo Moura
1 mês atrás

Muito bom ver tanto Norris quanto Russel ganhando confiança por atuações mais seguras e consistentes, apesar de um ou outro deslize. Nenhum campeão se tornou grande sem errar e aprender com esses erros. Não se pode dizer ainda que estão num nível sequer próximo do Holandês Voador, mas confiança é um item crucial para controlar ansiedades e aproximá-los do atual tricampeão quando as diferenças entre os carros começam a se tornar detalhes circuito a circuito, variando de importância entre um e outro.

Paulo Rickli
Paulo Rickli
1 mês atrás

*carro

Paulo Rickli
Paulo Rickli
1 mês atrás

Redbull já não tem o melhor carro , mas o conjunto carra/piloto/estrategista é sim bem melhor .

petrus
petrus
1 mês atrás

Como é gostoso ver essas disputas na F1 novamente. Impressionante como Max / RBR conseguem terminar na frente quase sempre, sendo que agora há 7 pilotos seriamente na disputa pelas vitórias.

Alex
Alex
1 mês atrás

Serei repetitivo. Max pilota como senna quando precisa. E como schumi quando necessita. Incrível como entende a corrida, não se precipita e principalmente erra muito pouco. Hoje novamente não tinha o melhor carro e venceu controlando a mente do Lando. Gênio da raça.

Marcus
Marcus
Reply to  Alex
29 dias atrás

Ouso acrescentar que ele pode guiar até como o Prost quando necessita, voando sem parecer, com concentração e segurança inabaláveis.

O crítico
O crítico
Reply to  Alex
29 dias atrás

“gênio da raça” é uma expressão que eu nunca usaria, mas tem conotação que pode explicar muito dessa histeria em relação ao boca de tilápia.

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

Olá Flavinho!
Para variar, outra corrida perfeita do Max!
Concordo em já colocar Max na mesma prateleira de Schumacher e Hamilton. Um cara que ganha praticamente 1/3 das corridas que disputou de fato é para estar nesta prateleira! É um privilégio poder ver a história sendo escrita!
Acredito que nesta corrida a McLaren não tinha toda esta superioridade, pois na hora que foi exigido, Max respondeu com voltas rápidas só para mandar o recado ao menino Norris e dizer “aqui não!!!”, ou seja, sempre teve o controle e se necessário “gastaria” equipamento para se manter à frente!
Está divertido ver as demais equipes se aproximarem da Red Bull. Acho que a segunda metade do campeonato tende a ser ainda mais disputada!
Grande abraço!

Thiago
Thiago
Reply to  Marcelo
1 mês atrás

Na transmissão esse fds apresentaram uma estatística interessante dsd Barcelona/16 até a prova de hj Max havia vencido 60 vezes,a msm quantidade de Hamilton no msm tempo.

lagerbeer
lagerbeer
1 mês atrás

Verstappen no se auge, sem o melhor carro, muito bonito de se assistir. Mas Lando se mostra no caminho de grandes conquistas, lembrando o proprio Max pré titulos em 2018, 19 e 20

Sergio Trancoso
Sergio Trancoso
1 mês atrás

De fato, a Red Bull ainda tem um ótimo carro, mas Verstappen faz a diferença. Isso que faz a Red Bull ter números incríveis. Se dependesse do Perez……

Emerson Francisco Alves
Emerson Francisco Alves
1 mês atrás

Parabéns, como sempre, pelo texto. Desde muito lendo-o!

Emerson Mossolin
Emerson Mossolin
1 mês atrás

Não vi essa emoção toda com a “aproximação” de Norris no final da corrida… como vc disse Flávio, “A verdade é que Max tinha tudo sob controle”… na minha opinião, se precisasse Max teria aberto 10 segundos hoje

Barreto
Barreto
1 mês atrás

O controle de Verstappen sobre os oponentes é surreal.
Assim que passou Russel já abre o tempo do DRS em uma volta e fica a cozinhar o galo.
A estratégia de segurar Norris na pista antes do primeiro Pit stop foi tudo o que o neerlandes precisava para colocar a pá de cal sobre o caixão.

Fabio Burian
Fabio Burian
1 mês atrás

Flavio

Apenas uma opiniao pessoal sua que acompanha a F1 a tanto tempo.

Isso se vc puder/quiser responder.

A essa altura da vida do Max. Onde vc o coloca? Na prateleira dos melhores de todos os tempos ou ainda nao?

Saudacoes de Bauru-SP

Marcus
Marcus
Reply to  Flavio Gomes
29 dias atrás

Nenhuma viúva devota da Nossa Senhora da Sexta Marcha se manifestou ainda? Isso sim é milagre.

Last edited 29 dias atrás by Marcus
André Luis
André Luis
Reply to  Marcus
29 dias atrás

Falta de criatividade ou só para fazer média com o Flávio ? considere uma melancia na cabeça, fica mais fácil aparecer.

Marcus
Marcus
Reply to  André Luis
29 dias atrás

Ficou com ciuminho, é?

Jorge Luis
Jorge Luis
Reply to  Marcus
28 dias atrás

“Nossa Senhora da Sexta Marcha …” kkkkkkkkkkkkkkkk

Januário
Januário
1 mês atrás

Por questões familiares não pude ver a corrida. A sua descrição está excelente, detalhada e vibrante. Foi como se tivesse visto a prova (e sem os lero-lero da transmissão brasileira). Obrigado pelo seu trabalho, Flávio. Ele é muito valioso.