MONTE REAL (3)

Verstappen: 60 vitórias, uma das das mais bonitas

SÃO PAULO (bálsamo) – Como diz o ditado que inventei agora, depois de uma corrida ruim sempre vem uma corrida boa. E enquanto o Canadá vier depois de Mônaco no calendário, a chance é grande. Foi um grande GP, este de Montreal. Vencido por Max Verstappen, da Red Bull, que mostrou toda sua técnica excepcional mas esteve longe de dominar o fim de semana. Mais uma vitória de piloto, não do carro — como em Ímola. O holandês ganhou pela sexta vez no ano, em nove etapas. E chegou a 60 triunfos na carreira. Lando Norris, da McLaren, e George Russell, da Mercedes, fecharam o pódio. Foi o primeiro troféu da equipe alemã neste ano.

A melhor prova da temporada teve o roteiro que a meteorologia escreveu desde sexta-feira. Com chuva e sol, pista seca e molhada, entradas do safety-car, muitas (e belas) ultrapassagens. A Red Bull passou com louvor pelo teste de quatro pistas nas quais sofreu mais do que o que tem sido habitual nos últimos dois anos e meio. Perdeu em Miami e Mônaco, venceu em Ímola e Montreal. Deve agradecer ao piloto que tem.

Início de prova: Haas atacando a Ferrari

A pista estava muito molhada na largada e foi com alguma surpresa que se constatou que a direção de prova não decidiu começar a corrida atrás do safety-car. Ainda bem. Todos estavam calçados com pneus intermediários, exceto a dupla da Haas, que optou pelos pneus de chuva forte.

E foram bem na escolha, pelo menos no início. Magnussen ganhou oito posições nas duas primeiras voltas e Hülkenberg, cinco. O dinamarquês subiu até a quarta colocação. Passava todo mundo. Tinha largado em 14º. Chegava rápido em todos e com muito mais aderência ia jantando quem via pela frente. O mesmo acontecia com Hülkenberg, que partiu em 17º e chegou a andar em sétimo.

Incrivelmente ninguém rodou ou bateu nas primeiras voltas, com água por todos os lados. O único rolo, lá no fundão, foi um toque entre Pérez e Gasly. Russell manteve a ponta e Verstappen tentou acompanhá-lo. Naquela condição, com pouca visibilidade, as coisas caminhavam bem para o inglês da Mercedes. Para a Ferrari, que já tinha fracassado na classificação, muito mal. Pelo rádio, Leclerc foi informado de que tinha algum problema de motor. “Mas continua aí”, falou seu engenheiro. Ele estava em 11º. De acordo com a equipe, a perda era de meio segundo nas retas em relação aos demais. Seria uma longa tarde para o monegasco.

Largada no molhado: Russell mantém a ponta

A primeira escapada, sem batida, foi de Logan Sargeant. Não precisou de safety-car. O americano deu marcha-à-ré e voltou à pista em último. Na altura da sétima volta, com um trilho se formando, parecia que a farra da Haas iria terminar, com os pneus de chuva intensa perdendo rendimento em relação aos intermediários. Então Magnussen parou, na oitava volta. O sol estava aparecendo. Voltou em 14º de intermediários, depois de um pit stop lerdo da equipe, que não estava esperando o piloto entrar nos boxes. Hulk permaneceu na pista fazendo voltas muito lentas, mas sustentando a sétima posição.

Na medida em que a pista ia secando, o spray ia sumindo. E quem podia se aproximava daquele que ia à frente. Caso de Verstappen, que chegou a ficar 3s atrás de Russell, mas na volta 11 reduziu a diferença para menos de 1s. Exímio piloto no molhado, Max se animou e foi para cima. Mais atrás, Ricciardo (punido com 5s por queima de largada) se livrou de Hülkenberg, que puxava uma longo trem de sete carros. Seus pneus “wet” já não aguentavam mais o tranco contra os “inters”. Na volta 13, ele parou.

A briga pela liderança ficou ótima. Hamilton x Alonso, pela quinta posição, era outra batalha belíssima. Max era mais rápido que Russell, mas não conseguia passar. Lewis tinha mais carro que Fernandinho, mas também era arriscado demais sair do trilho, escorregar, parar no muro. Na tela de todos os engenheiros, o alerta: chuva dali a 18 minutos.

Hamilton: elogiou o carro, mas criticou sua própria atuação

Com a dificuldade para passar Russell, Verstappen viu Norris, o terceiro, se aproximar perigosamente. Na abertura da volta 17, deu uma escapada pela área de escape e George respirou. Landinho viu e disse: opa, agora é comigo.

A diferença de Max para o líder subiu para quase 3s. Aí a direção de prova resolveu habilitar o uso da asa móvel, o que prejudicou o piloto da Red Bull, já que Norris poderia atacá-lo com o dispositivo. Mas Verstappen é holandês não desiste nunca. Voltou a acelerar para diminuir a diferença para Russell. Precisava ficar a menos de 1s do líder para usar, ele também, sua asa móvel.

Mas não deu tempo. No final da 20ª volta, com a asa aberta e o vácuo na grande reta que leva aos boxes, Norris conseguiu a ultrapassagem. E foi para cima de Russell, que já não tinha um bom ritmo. Max ficou observando. Na 21ª, Lando passou e assumiu a liderança. O inglês da Mercedes ainda foi reto na chicane e perdeu também a segunda posição, ultrapassado por Verstappen.

O pau continuava comendo mais atrás, com Hamilton brigando com Alonso pelo quinto lugar. Norris, Verstappen, Russell, Piastri, Alonso, Hamilton, Ricciardo, Stroll, Albon e Tsunoda eram os dez primeiros quando, pela tela, a transmissão da TV avisou: chuva em três minutos. O solzinho tímido desapareceu. As nesgas de céu azul se tornaram menores. Vinha água, sim.

Nuvens escuras: corrida toda sob ameaça de chuva

Norris, aproveitou muito bem o momento de pista quase seca das voltas seguintes às ultrapassagens sobre Verstappen e Russell. Na volta 25, tinha 8s de vantagem para o líder do campeonato. E então Sargeant rodou e bateu na curva 4. Seu carro ficou atravessado na pista e o safety-car foi acionado. Norris não parou para trocar pneus porque já tinha passado da entrada dos boxes quando a direção de prova indicou a neutralização com a placa “SC”. Acontece. A sorte que Lando deu em Miami, também com safety-car, não se repetiu em Montreal. Verstappen, Russell e Piastri pararam e trocaram pneus. Hamilton e Alonso também, e Lewis ganhou a posição.

Norris foi chamado na volta seguinte pela McLaren. Perdeu as duas primeiras posições. Saiu dos boxes à frente de Piastri e atrás de Verstappen e Russell. Ainda com o safety-car na pista, na volta 29, Leclerc foi para os boxes e colocou pneus slicks. A corrida já estava perdida, mesmo.

A relargada aconteceu na volta 30. A chuva estava voltando. A Ferrari avisou Leclerc, pelo rádio, que ia chover durante umas duas ou três voltas, e que depois a pista iria secar. “Se vira aí”, pediu o engenheiro. Não deu. Seus tempos de volta, com slicks, eram mais de 15s piores que os do líder Verstappen. E a chuva apertou. E Charlinho parou. Que tarde, a da Ferrari.

Na frente, Verstappen não conseguia escapar de Russell, que o acompanhava a menos de 2s de distância. Norris tentava se aproximar, com Piastri também perto dele, em quarto. Na zona de pontos, Albon e Ocon eram os destaques, em nono e décimo. O piloto da Williams fez uma ultrapassagem dupla maravilhosa, sobre Ocon e Ricciardo — coadjuvantes à altura do bom GP do Canadá até ali.

A prova chegou à metade, 35 voltas, com quase uma hora de duração e naquele momento a chuva tinha dado uma trégua. A tendência era, de novo, de formação de um trilho e asfalto secando. Pelo menos até chover de novo. Verstappen, Russell, Norris, Piastri, Hamilton, Alonso, Tsunoda, Stroll, Albon e Ocon eram os dez primeiros. Max conseguiu abrir um pouco de Jorginho, 2s5. Mas não era uma vantagem muito segura. Na volta 40, conseguiu abrir 3s. E na 41ª, Gasly colocou pneus slicks e todo mundo ficou de olho nele e em seus tempos de volta. Se não chovesse mais, seria uma boa sacada. E uma necessidade para os demais.

Norris deu uma escapada na curva 1 na volta 42, mas ficou onde estava, em terceiro. Verstappen, de grão em grão, ia construindo uma vantagem mais confortável sobre Russell: 4s1 na volta 43. Foi quando Leclerc, melancolicamente, encostou o carro e abandonou. Duas semanas atrás, estava mergulhando no Mediterrâneo para comemorar sua vitória em Mônaco.

Na volta 44, Hamilton, o quinto, foi para os boxes e colocou slicks médios. Caiu para décimo, mas iria voar a partir dali. Os tempos de Gasly, monitorados por todos, eram promissores. Piastri, Alonso, Tsunoda, Stroll, Ocon e Albon fizeram o mesmo e Lewis recuperou o quinto lugar, com pneus de pista seca. A Red Bull, então, chamou Verstappen. Ele parou, Russell parou, mas Norris continuou. Com intermediários na pista seca, agora na liderança. Foi uma aposta arriscada da McLaren. Daria certo?

Norris na chuva: azar no safety-car, mas terminou em segundo

A diferença de Norris para Verstappen, agora segundo, era de 20s. Mais uma volta, e Lando não parou. Mas seus tempos não eram ruins. A vantagem na volta 47 subiu para 21s. E só então ele parou, colocando pneus médios. Na saída dos boxes, viu Verstappen chegando. Ali a pista estava molhada. O holandês manteve a ponta, por muito pouco. Mas tinha pneus quentes e abriu rápido mais de 4s para Noirrs. Russell encostou em Lando, trazendo com ele Piastri. Max respirou. A briga ficou bem melhor atrás, e Russell aproveitou um errinho de Norris no cotovelo, ganhando o segundo lugar na volta 50. Os tempos de volta despencaram, de 1min35s com intermediários para 1min19s com os slicks entre os ponteiros.

Faltando 20 voltas, Verstappen tinha 4s2 de vantagem sobre Russell. No seco, a Mercedes rendia mais. George estava com pneus duros, contra médios de Max, que reclamava pelo rádio: “Não posso passar nas zebras! A suspensão está travada! O rádio não funciona! O ar não tá gelando!”. Russell, como Norris na volta anterior, também cometeu um erro e perdeu o segundo lugar para o #4 da McLaren. Verstappen só agradecia as trapalhadas dos rivais. Tinha mais de 5s de vantagem sobre Lando. Piastri também passou Russell e foi para terceiro.

Na volta 53, Pérez bateu sozinho, arrebentou a asa traseira, mas conseguiu voltar para os boxes para abandonar sem atrapalhar ninguém. Na 54ª, nova batida: Albon com Sainz. O espanhol da Ferrari rodou e acertou o tailandês da Williams. Os dois abandonaram. Péssima notícia para Verstappen. Seus mais de 5s sobre Norris evaporaram. O safety-car foi acionado. E, na hora, Russell e Hamilton foram de novo para os boxes. Desta vez, pneus duros para Lewis (eram os únicos não usados que tinha à disposição) e médios para George. Nenhum dos dois perdeu posição e ambos teriam borracha novinha nas últimas voltas, em quarto e quinto. Era uma tentativa.

A relargada foi dada na volta 59. O asfalto estava seco na maior parte do circuito, com nuvens muito escuras perto do autódromo. Max socou o pé no porão e conseguiu abrir mais de 1s5 para Norris em menos de uma volta, como se desse um soco no estômago do adversário.

Ocon: pontos para a Alpine, junto com Gasly

No seco, a Mercedes melhorava. Russell atacou Piastri no final da volta 62, ficaram lado a lado, mas o australiano resistiu. O engenheiro perguntou: “Oscar, você acha que pega o Verstappen se a gente trocar sua posição com Lando?”. Era muita informação para processar. “Me deixa aqui que preciso me concentrar em Russell!”.

Na volta seguinte, George tentou no mesmo ponto, Piastri jogou duro, se tocaram na chicane, e o McLaren #81 ficou na frente. Hamilton aproveitou que o companheiro foi para a área de escape e assumiu o quarto lugar. Max, se estivesse acompanhando pela TV, estaria adorando as confusões atrás dele. Faltavam cinco voltas para o fim e ele tinha 3s2 sobre Norris.

Hamilton aproveitou os pneus mais novos, atacou e passou Piastri na volta 65, entrando na zona de pódio. Russell fez o mesmo na seguinte e, dessa vez, passou fácil o australiano. Lá atrás, um susto pesado: Tsunoda rodou e, felizmente, ninguém bateu nele. Faltando três voltas, Russell foi para cima de Hamilton para tentar recuperar o pódio. Passou no final da 68ª. A equipe não interferiu na disputa. Na última volta, Lewis ainda esboçou uma nova tentativa, mas não arriscou acabar com a corrida dos dois.

Final em Montreal: Alpine nos pontos com Gasly e Ocon

Verstappen venceu, com Norris em segundo e Russell em terceiro. Hamilton, Piastri, Alonso, Stroll, Ricciardo, Gasly e Ocon fecharam a zona de pontos. Lewis agradeceu à equipe pelo carro “que podia vencer”, mas rasgou críticas a si mesmo: “Foi uma das minhas piores atuações”. Menção honrosa para a Alpine, com dois entre os dez primeiros, embora a equipe tenha feito a patuscada de mandar Esteban trocar de posição com Pierre. O mesmo vale para a Aston Martin, que pontuou com sua dupla.

Com o abandono de Leclerc, Max abriu mais 25 pontos na classificação, passando a 194. Charlinho ficou com 138 e agora vê a vice-liderança ameaçada por Norris, que tem 131. Sainz é o quarto com 108 e Pérez aparece em quinto com 107. No Mundial de Construtores, a Red Bull lidera com 301 e a Ferrari, agora, já enxerga a McLaren no retrovisor: 252 x 212.

Ficou claro, depois das últimas quatro provas, que a superioridade da Red Bull sobre as demais não é igual à demonstrada no ano passado. Mas, ainda assim, a equipe continua vencendo. As próximas três corridas, na Espanha, Áustria e Inglaterra, em finais de semana seguidos, serão disputadas em circuitos onde o time do energético terá vantagem, pela natureza das pistas — com curvas de média e alta velocidade, sem tanta necessidade de saltar sobre as zebras comprometendo a aerodinâmica refinada do RB20.

Talvez, nesses três GPs, a briga não seja tão intensa, o que é uma pena. Porque ver Verstappen pilotando quando as condições não são as melhores para seu carro é um colírio para os olhos de quem gosta de corrida de verdade. Inclusive porque ele pode perder, como se viu na Flórida e no Principado. E ver gente batendo o melhor de todos é, igualmente, uma delícia.

Para quem gosta de corrida, claro.

Subscribe
Notify of
guest

57 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vai Vettel!
Vai Vettel!
8 dias atrás

Russell teve o seu dia de glória ao empatar na pole com Verstappen, mas não demorou a voltar ao seu posto de coadjuvante.

Last edited 8 dias atrás by Vai Vettel!
O crítico
O crítico
9 dias atrás

Olhe, não tenho a menor simpatia pelo boca de tilápia, embora seja obrigado a reconhecer que é um excelente piloto. Agora, me desculpem, mas não vi essa genialidade toda dele ontem, não. Ele não efetuou uma ultrapassagem sequer, literalmente herdou a primeira posição por uma infelicidade grande do Norris (esse, sim, pra mim o piloto do dia) e em nenhum momento depois foi ameaçado pelos adversários. Manteve, sim, com méritos, uma distância confortável dos concorrentes, mas pra mim foi só isso. Ou seja, nada de tão foda ou extraordinário assim, muito menos visceral.

Alfredo Ramos
Alfredo Ramos
Reply to  O crítico
9 dias atrás

Você leva todo o jeito de ser fã de Senna.

O crítico
O crítico
Reply to  Alfredo Ramos
8 dias atrás

E vocês são tão repetitivos… Mas o mais interessante dessa história é ver que fãs do boca de tilápia estão com um grau de histeria tão grande ou maior que fãs de Senna…

Last edited 8 dias atrás by O crítico
Alfredo Ramos
Alfredo Ramos
Reply to  O crítico
8 dias atrás

O grau de interesse dos fãs está diretamente ligado ao número de conquistas de cada piloto. Os fãs de Max, diante dessa realidade, se encontram num grau de euforia acima do grau dos fãs de Ayrton. E repetitivos, até agora, têm sido os títulos de Verstappen.

Last edited 8 dias atrás by Alfredo Ramos
O crítico
O crítico
Reply to  Alfredo Ramos
7 dias atrás

Euforia e histeria são sensações bem próximas para quem mitifica seus ídolos, que é o que está ocorrendo com vocês. Aí, perdem qualquer senso crítico em relação ao ser adorado, que passa a ser perfeito, tudo o que faz é magnificado, mesmo uma vitória que caiu no colo se torna “visceral”, “extraordinária” e outros exageros típicos. Sobre a questão do grau de interesse, se o que você coloca fosse uma realidade mesmo, ninguém teria aguentado fãs de Lewis aqui, entre 2014 e 2021. Nunca houve essa babação toda por ele, nem mesmo por Vettel. O boca de tilápia ganhou um primeiro título de forma bastante questionável e os outros foram mesmo repetitivos, com carros extremamente superiores aos dos rivais e com um companheiro de equipe fraquíssimo. Se é para comparar com Senna, todos os três títulos dele pelo menos foram conquistados em cima de rivais de altíssimo nível. Ou seja, haja marketing pra promover o seu queridinho.

Alfredo Ramos
Alfredo Ramos
Reply to  O crítico
6 dias atrás

O primeiro título de Senna foi conquistado devido aos descartes (Prost foi mais piloto na pista que gera os resultados). O segundo título foi conquistado na base da vigarice (as “viúvas” chamam de vingança). E o terceiro título foi conquistado porque Mansell e a Williams cometeram uma série de bobagens ao longo da temporada (teve até roda passeando pelos boxes).
Entre nas redes sociais e veja o grau de euforia e histeria dos fãs de Senna (falta pouco para dizerem que ele ganhou corrida após perder uma roda).
Repetitivos também foram os títulos de Schumacher e Hamilton, devido a “carros extremamente superiores aos dos rivais”.
Você vai ficar velhinho e falando sobre o título de 2021 (que foi ratificado pela FIA).
..

Last edited 6 dias atrás by Alfredo Ramos
O crítico
O crítico
Reply to  Alfredo Ramos
5 dias atrás

Ah, muito obrigado! Concordo com quase tudo o que você afirmou, porque só reforça o que eu disse, se não vejamos: seja pelo regulamento, por vigarice ou por incompetência da equipe adversária, ainda assim Senna bateu rivais de alto nível em todos os seus três títulos. Mas, sou obrigado a reconhecer, em termos de vigarice, em 2021 certamente o boca de tilápia foi bastante superior a Senna em 1990. Talvez por isso a histeria ainda maior da sua turba de fãs, visto também que as vigarices foram pra cima de Lewis?Ah, no caso de titulos, Vettel também conquistou dois dos seus em temporadas bastante disputadas, o primeiro, inclusive, contra dois rivais, um deles seu companheiro de equipe, inclusive. Sem contar com regulamento ou vigarices, e sem ter essa histeria toda de fãs. E, sim, vou morrer questionando a decisão do diretor da prova de Abu Dhabi, ratificada que seja pela FIA, até porque penso que ele não tomou a decisão sozinho.

Alfredo Ramos
Alfredo Ramos
Reply to  O crítico
3 dias atrás

Concordo, do mesmo modo, com quase tudo o que foi dito por você. Cada vez mais acredito que você é fã de Senna, o que leva a uma pergunta: o está faltando para você se declarar como tal?

O crítico
O crítico
Reply to  Alfredo Ramos
2 dias atrás

Amigo, não sou o que você pensa. E, se fosse, qual seria exatamente o problema? Ou a solução: você poderia me chamar de viúva, é isso? Só para constar, não tenho e nunca tive ídolos, admiro uns poucos, a grande maioria apenas como esportistas que são. Enquanto pessoas, o número então é baixíssimo, visto que mesmo esses esportistas (não só pilotos de F1) se comportam de maneiras egoístas e alienadas. Senna era chegado a figuras políticas da pior espécie, tipo Paulo Maluf, se estivesse vivo provavelmente teria disputado o volante do RR com Piquet, não há como admirá-lo assim enquanto figura pública. Lewis é Vettel sim, para mim são dignos de respeito, tiveram coragem de assumir e defender causas justíssima, creio que, inclusive, isso influenciou bastante na decisão de 2021.

Last edited 2 dias atrás by O crítico
Alfredo Ramos
Alfredo Ramos
Reply to  O crítico
2 dias atrás

A tua aversão ao Max lembra muito a mesma aversão de um fã de Senna, que aqui postava. Ele chegou a dizer e por diversas vezes, que Verstappen jamais seria campeão. Ele sumiu após o primeiro título do holandês.
Problema? Tirando essa semelhança, nenhum!

O crítico
O crítico
Reply to  Alfredo Ramos
1 dia atrás

Olhe, me lembro do sujeito, sim, mas acredito que sempre fui menos agressivo e desagradável que ele (que me perdoem os que pensam o contrário). Por isso, nesse caso eu sou até grato pelo título, já que ganhamos o sumiço de um que nunca acrescentou nada que prestasse a este blog.

Alfredo Ramos
Alfredo Ramos
Reply to  O crítico
1 dia atrás

Está entendido! A aversão é a mesma, vinda de duas pessoas com focos diferentes em relação ao piloto.

Luis Henrique
Luis Henrique
Reply to  Alfredo Ramos
8 dias atrás

Em todos os sentidos.

Junior
Junior
9 dias atrás

Dá gosto ver o garoto correr!

RODRIGO BARRETO FEITOZA
RODRIGO BARRETO FEITOZA
9 dias atrás

Que corrida, e a transmissão fraca mesmo, só falavam que o time papaia “comeu bola” eu não chamar Noris na hora certa, mas ele já havia passado a entrada do box quando foi acionado o SC. E pra Sérgio Maurício tudo “é espetacular”, minha esposa já deu esse apelido pra ele, e ela nem assiste a F1, mas escuta, pois eu não perco uma corrida, treino, tudo.

Humberto
Humberto
9 dias atrás

Todo calhambeque de palhaço é vermelho…??? “VIVA LAS FERRARYES””

Rafael Rego
Rafael Rego
9 dias atrás

Eu tenho a impressão que o Sergio Mauricio não conhece nada que aconteceu na f1 de 2020 pra trás… com exceção das coisas sobre o Senna, que ele deve ter aprendido no whatsapp. É uma transmissão muito pobre de conhecimento historico. Os caras nem mencionaram a coincidencia com jerez 97…provavelmente só o Reginaldo conhece essa historia.

Paulo F.
Paulo F.
9 dias atrás

Sinceramente acho o Albon um piloto mediano.
Mas a ultrapassagem estilo motoboy que ele aplicou no Ocon e Ricciardo foi supercalifragilisticexpialidocious!
Há tempo não via uma uma corrida tão interessante.
Hamilton encomendou umas arrudas depois de ver o vt da corrida e o que aconteceu com a Ferrari.

Marcus
Marcus
9 dias atrás

E o burrito vai azedando.

Alfredo Aguiar
Alfredo Aguiar
9 dias atrás

Ok. Fui traído pelo twitter de um tal Gabigol. Não tinham macios disponíveis.

Screenshot 2024-06-10 at 10-01-56 These tyres the drivers have left for the Canadian Grand Prix!.png
Alfredo Aguiar
Alfredo Aguiar
9 dias atrás

2 horas de arranca rabo pra ver o mesmo de sempre no final.
Sobre a Mercedes não ter dado uma “mãozinha” pro Russel, é só ver a mensagem do rádio e tirar as suas próprias conclusões. Tinham macios disponíveis:
Bono: “O que você acha dos duros?”
Lewis: “Por que duros? Por que não colocamos macios?”
Bono: “É muito arriscado.”
Lewis: “Não sobrou nenhum médio?”
Bono: “Não.”
Toto Lobo simplesmente não engole que Lewis tenha se negado a atender suas vaidades, agora anda pelo paddock feito uma prostituta atrás do piloto da RedBull.

Israel Pegado
Israel Pegado
9 dias atrás

A McLaren perdeu a corrida ao não chamar logo Lando para os boxes no safety car. O inglês já tinha enfiado 8s no tricampeão, até com certa facilidade.

Quando o equilíbrio de performance é muito grande, estar na ponta é uma grande vantagem. E a McLaren jogou isso fora na estratégia. Max que não tem nada com isso foi lá e capitalizou.

Outra coisa: Estão falando dos erros de pilotagem de Lando e Russell, mas Max também errou feio uma freada na chicane, atropelou a grama e saiu pipocando pela zebra. Por pouco não ferrou o assoalho do Red Bull. Também teve sorte o genial holandês.

Last edited 9 dias atrás by Israel Pegado
Otávio
Otávio
9 dias atrás

Que diferença faz uma pista de corrida de verdade….

Simão
Simão
9 dias atrás

bom dia FG.
Circuito tradicional, com chove para… corrida boa.
Agora, como foi comentado na live de ontem, a transmissão da tv brasileira é muito ruim. Nunca gostei do narrador (cheio de gracinha sem graça) e depois que soube que é bozominion… ai ferrou de vez.
Abração e seguimos aqui lendo.

Emerson Moraes
Emerson Moraes
9 dias atrás

BOM RESUMO !

Leandro Batista
Leandro Batista
10 dias atrás

A Red Bull vai pagar caro por manter o Perez como piloto da equipe. Mais uma atuacao horrorosa do sujeito. Ele só conseguiu ultrapassar uma Haas e ainda enfiou o carro no muro. Esse ano ficara bem dificil, sobretudo porque Max nao levara todas como fez no ano passado. As equipes estáo mais proximas e hoje foi no braco….

Emerson
Emerson
10 dias atrás

Max é foda. Nas batidas e confusões sempre os mesmos!! O que o Sargeant já deu de prejuízo para a Willians, o cara bate com gosto eita braço duro!!

Luis Henrique
Luis Henrique
10 dias atrás

O agora MAJOR RUSSELL mostrou ao Capetão Hamiltom quem é quem na Mercedes isso a duasr voltas fim, ao Capetão Luiz só restou encolher o rabo ne meio das pernas e palar Yes Sir!

O crítico
O crítico
Reply to  Luis Henrique
9 dias atrás

Pelo que eu pude inferir, dada à sua já por diversas vezes demonstrada má vontade (ou algo pior) com Lewis, o capetão do qual você é fã é outro. Vade retro!

Markonikov
Markonikov
Reply to  Luis Henrique
9 dias atrás

Esse sujeito merecia um ban, hein Flávio!

O crítico
O crítico
Reply to  Markonikov
9 dias atrás

Concordo plenamente. É um representante legítimo do febeapá, não salva nada!

Megas Alexandros
Megas Alexandros
10 dias atrás

Logan Sargeant é contratado da Liberty pra fazer o circo pegar fogo em praticamente todas as corridas.

Até seu “amigo” da Aston Martin que tem as mesmas iniciais no nome e também vem da América do Norte deu um tempo nas patacoadas absurdas.

Edson
Edson
Reply to  Megas Alexandros
10 dias atrás

Já pensou stroll e sargent na mesma equipe…. que dupla

Paulo F.
Paulo F.
Reply to  Edson
9 dias atrás

Derby de demolição?

Fabio Rogers
Fabio Rogers
Reply to  Edson
9 dias atrás

Acho que nem a finada equipe “Hispania” aceitaria kkk

Marcus
Marcus
Reply to  Megas Alexandros
9 dias atrás

Sabe o que é pior? Não se espante se o Sargeant seguir na F1. É difícil, mas não impossível.

Valmir Passos
Valmir Passos
10 dias atrás

Excelente corrida! Disparada, a melhor da temporada. Max é um gênio e a disputa foi de alto nível. E mais uma vez se confirma que opção da Red Bull pela mediocridade (Perez), tem preço alto
O cara não merece estar numa equipe de ponta.

Paulo Dantas Fonseca
Paulo Dantas Fonseca
10 dias atrás

GP CANADA 2024: Max conquistou uma vitória visceral extraordinária, uma corrida bem disputada onde os cinco protagonistas Max, Russel, Norris, Piastri e Lewis fizeram uma disputa de alto nível. Max soube tirar proveito da falhas dos adversários . O destaque fica para equipe Mclaren que vem progredindo em cada GP. O pior da corrida foi o resultado desastroso da equipe Ferrari.

Celio Ferreira
Celio Ferreira
10 dias atrás

Os fiascos de uma ótima corrida :
Ferrari …lamentável
Mercedes , não colocou pneus macios , faltando 15 voltas e pra piorar
colocou pneus duros no carro de Hamilton .
Perez mais uma vêz ? Acho que Marko vai repensar…2 anos ?
Maclaren não chamou Norris pra troca quando todos da frente entraram…
daí Max assumiu a ponta um abraço.

Jeferson Araújo Pereira
Jeferson Araújo Pereira
10 dias atrás

Algumas observações, achismos e fatos sobre a RIDÍCULA renovação do Pérez.

1- Pérez é um piloto da F2 que está na F1.

2- A Red Bull precisa MUITO do dinheiro dos patrocinadores que ele traz para a equipe.

3- Verstappen deve ter uma clásula no contrato que o permite vetar o 2º piloto. No caso do Pérez, o Garoto Enxaqueca, o Boca de Tilápia quer que ele fique na Red Bull pelos próximos 15 anos, pois assim ele sabe que NUNCA terá concorrência dentro da equipe. Pergunta para o Verstappen se ele quer o Alonso ou o Hamilton na Red Bull…

4- A história se repete. Vettel também queria que o Zé Ruela Mark Webber nunca saísse da equipe. 

Edson
Edson
Reply to  Jeferson Araújo Pereira
10 dias atrás

Perto do Perez, o Webber era um gênio

Wbj
Wbj
Reply to  Jeferson Araújo Pereira
9 dias atrás

Da nesma forma que o LH amava de paixao o Bottas, o Schummy o Rubinho, o Piquet que vetou o Senna na Brabham, o Senna que vetou (se nao me falha a memoria) o Brundle na Lotus. Se os caras sao top drivers e possuem esse poder de veto/indicaçao, merito deles.

Wbj
Wbj
Reply to  Wbj
9 dias atrás

PS: Senna vetou o Warwick

Last edited 9 dias atrás by Wbj
Airton Silva
Airton Silva
Reply to  Wbj
9 dias atrás

Dessa eu lembro: Senna vetou o Derek Warwick, só porque seria um inglês numa equipe inglesa. Daí teve como companheiro de equipe em 1986 o conde Johnny Dumfries.

Edson
Edson
10 dias atrás

Boa corrida

Luis Henrique
Luis Henrique
10 dias atrás

Bem explicado F.Gomes.
O Gp di Canadá sempre boas corridas, muita emoção muita disputa muitas variações muito tenso valeu cada volta cada segundo, foi intenso mesmo só não deu zebrA o FLYIN DUTCHMAN fez sua parte e VENCEO O GRANDE PIX DU CANADA… esperavam o que o Stroll por corre em casa???…. Mas sejamos honestos hoje estroll fez uma boa corrida, nota sete pro rapa, vexame na Ferrary, show pirotecnico das Hass mas durou só algumas voltas, Roncardão começou em quinto e acabou em décimo e ele ainda disse que fez uma corrida maravilhosa….. já pensou quando ele for mal…
No fim venceram mesmo os 3 melhores pilots da F1 e o coitadinho do PIAzinho só levou um porco de azar senão.seria o Terceirão do dia
Sainz bateu o carro da firma de propósito porque tá de aviso previo!. e ferrou o Álbum merecia umas porradas*.Alonso tava indisposto…
E Char Lequerc? Alguém tem notícias dele, nem o vi mais.
YES WE GOT CANADA
ARRIBA SPANIA, E VIVA LA SPANIA
NOSOTROS SOMOS LOS MEJORES…PERO NOUCHO !!!!
QUANDO VEJO REGINALDO LEME E MARANA BECKER VEJO COMO SOU VELHOS E ELES PODIAM SER MEUS AVÓS.
Também seu piloto como o Ayrton Senna brasilero, etc… só me falta empresario!!?
Valeu um abraco a todos e a tdos e em especial a Flavi
Lets go Spain

Junior
Junior
10 dias atrás

Papelão da Ferrari. Max agradece.

Alex
Alex
10 dias atrás

Max pilota como schumi e Ayrton juntos. Não erra quando não pode, e simplesmente acha um jeito de ganhar mesmo quando o carro não tá 100%. Um monstro.

Rodrigo Bruschi
Rodrigo Bruschi
10 dias atrás

A corrida foi bem interessante e mostrou que Max é bem superior e se impõe sobre condições adversas.

Rafael Rego
Rafael Rego
10 dias atrás

Eu fico impressionado como a equipe da Band não consegue quase nunca fazer uma leitura correta dos fatos nos momentos que eles acontecem. Norris não parou pq tinha passado dos boxe, óbvio, mas ngm na transmissão entendeu e o Max Wilson ainda chegou a cogitar que ele não parou pq a Mclaren não queria prejudicar o Piastri, que vinha em 4°..

Igor
Igor
Reply to  Rafael Rego
10 dias atrás

Sim. É o tempo todo isso. E quando o primeiro colocou pneus slicks não informaram em momento nenhum a diferença entre os dois tipos de pneus depois. Eles só falam platitudes e ficam comentando baboseiras.

Max PS
Max PS
Reply to  Rafael Rego
10 dias atrás

A mesma coisa sobre os pneus macios ou médios que, segundo eles, a Mercedes deveria ter colocado no carro do Hamilton na última parada. Não se deram o trabalho de olhar a lista de pneus disponíveis para cada piloto que a Pirelli divulga…

Leandro Batista
Leandro Batista
Reply to  Rafael Rego
10 dias atrás

O Max Wilson nao consegue nem traduzir direito as mensagens de radio. Traduziu tudo errado e o Reginaldo Leme ja deveria estar em casa curtindo os netos.

Marcos Bassi
Marcos Bassi
10 dias atrás

Como os narradores comentaristas insistiram…seria tão diferente assim se Hamilton “tascasse” um macio? O Canadá, desde quando acompanho a F1, lá quando Matusalém deu a bandeirada final, sempre ofereceu ótimas corridas…nesse chove não molha então….

Mauricio
Mauricio
10 dias atrás

Max é extraordinário. Mas a Red Bull também é superior às rivais quando o assunto é estratégia. McLaren e Mercedes cometeram erros que minaram as chances de vitória de ambas.