MENU

terça-feira, 6 de dezembro de 2011 - 0:52Futebol, Rádio Blog

RÁDIO BLOG

SÃO PAULO (era bom) – Ouvir essa baladinha do Guilherme Arantes hoje, 28 anos depois que foi gravada, parece algo meio ingênuo e pueril. É, meninada… O mundo já foi ingênuo e pueril. Eu escutava Guilherme Arantes, sim, no meu Bosch Rio de Janeiro com amplificador Tojo, os dois comprados com meu salarinho economizado por uns três meses. Aí roubaram. Fiquei bem puto. Bem, na verdade a escolha desse não-vídeo tem uma razão. Hoje o pessoal da Estadão ESPN colocou no site a gravação desta entrevista do Sócrates de 1983. Ele tinha 29 anos. Era um cara esclarecidíssimo, corajoso, destemido. Vivíamos, caso vocês não se lembrem, sob uma ditadura militar. O presidente da república era o general Figueiredo, um quadrúpede fardado. Lá pelas tantas, o entrevistador (Wellington Oliveira, linda voz, onde andará?) pede para o Magrão escolher uma música. Na verdade, a entrevista é toda pontuada por músicas. A primeira foi essa, “Graffiti”, do Guilherme Arantes. Me bateu uma saudade, putz. Depois veio Fágner (“Guerreiro Menino”), e outras que fazem muito parte da trilha sonora da minha vida.

O programa da antiga rádio Eldorado era o “Galeria”, patrocinado pelo Gallery e pela Alfa Romeo. Tem uma hora. Acho que nenhum de vocês vai escutar, ninguém tem tempo para nada. Mas se der, ouçam. Tem política, cultura, futebol, Democracia Corinthiana. O cara era genial. Genial.

Tem gente que deveria ser proibida de morrer. Incrível como passou tudo tão rápido.

38 comentários

  1. luiz disse:

    Sócrates era um jogador com inteligencia acima da média, coisa rara neste meio. Não esqueçamos que antes dele também afonsinho, outro craque, foi um contestador do regime militar, em uma época até mais barra pesada do que a de Sócrates. tanto que mereceu até uma música de Gilberto Gil. Por esta atitude ele foi boicotado por quase todos os clubes brasileiros. Afonsinho , sócrates e Tostão foram exemplos de jogadores que não se alienaram no mundo do futebol.

  2. Juvenal Jorge disse:

    Corrupção ? governos militares ? onde ? no Brasil ?
    Brasil. Um País de Tolos.

    Sócrates era mestre, dos tempos que eu perdia tempo com futebol. Nunca mais perderei.

  3. ricardo hanser disse:

    Obrigado pela dica, uma otima entrevista que dá a real dimensão de como esse cara era especial.
    Quiserá que todas as pessoas achassem ganhar uma coisa secundária, que o resultado final fosse o que menos importa.
    Sempre gostei de Guilherme Arantes, mas confesso não conhecia essa letra e esse lado contestador dele.
    Abs

  4. Nick B. disse:

    Ó, só pra não dizer que não falei muito do Gui Arantes, vamos lá:
    Gostava dele sim!
    Não estava entre os meus preferidos, mas curtia o som do Gui.
    “Pedacinhos” era a minha favorita. Deprê pacas!
    “Pra que ficar juntando os pedacinhos
    Do amor que se acabou
    Nada vai colar
    Nada vai trazer de volta a beleza cristalina do começo
    E os remendos pegam mal
    Logo vão quebrar
    Afinal, a gente sofre de teimoso
    Quando esquece o que é prazer
    Adeus também foi feito pra se dizer
    Bye bye, so long, far well
    Adeus também foi feito pra se dizer
    Pra que tornar as coisas tao sombrias
    Na hora de partir
    Por que não se abrir?
    Se o que vale é o sentimento
    E não palavras
    Quase sempre traiçoeiras
    E é bobeira se enganar
    Melhor nem tentar
    Afinal, a gente sofre de teimoso
    Quando esquece do prazer
    Adeus também foi feito pra se dizer
    Bye bye so long far well
    Adeus também foi feito pra se dizer

    “Pedacinhos” era ideal, junto de um copo e uma garrafa de uísque para curtir a fossa de amores desfeitos.
    Eu me enfurnava em algum lugar, botava “Pedacinhos” pra tocar e uiscão goela abaixo.
    Eita!
    Até que uns dois dias depois, a ficha caía eu me lembrava do prazer, dizia adeus, bye bye, so long, far well e bora beijar outras bocas.

    Nick B.
    (é… ouvindo Pedacinhos. Mas sem uísque.)

  5. Marcelo Alves de Castro disse:

    Muito legal. Sou fa do Guilherme Arantes desde 1982 com a musica Fio da Navalha.

    Muito bom ouvir essas musicas de quando eramos felizes e nao sabiamos.

    Valeu Flavio.

  6. Pfaff Gerets disse:

    Nooooossa! Direto do túnel do tempo! Faz quase 30 anos que não ouvia essa música, que nem sabia que se chamava Graffitti! Viajei no tempo agora, acho que meus primos tinham esse disco que, vamos e venhamos, não era dos melhores dele. Tanto é que essa música (e outra que vi nos vídeos relacionados, Rolo Compressor, que tocou bastante na época também) nunca aparece nas coletâneas dele. Meu mundo e nada mais é excelente, assim como Êxtase, mas pra mim a melhor disparada é Amanhã.
    Infelizmente quase ninguém conhece seu primeiro disco, como vocalista da banda Moto Perpétuo, muito bom.

  7. Rodrigo Duarte disse:

    Guilherme Arantes é sensacional. E falar do Doutor é covardia, grande homem, grande jogador. Não tem o que falar, o cara representou muita gente, quando jogava e depois que parou de jogar, lembro uma vez que ele falou em ser presidente da CBF um dia. Pena que não vivemos para ver esse dia, e o Ricardo Teixeira na festa da CBF sequer citou o nome do Sócrates.

  8. EDSON GOMES disse:

    Oi Flávio, temos mais coisas em comum além do sobrenome e a paixão pelo automobilismo, é a admiração por Guilherme Arantes…as suas músicas são como que uma trilha sonora de minha vida….tenhos todos os discos dele, já fui a “n” shows e a alguns meses estive com ele num show naquele teatro esquisito, mas muito bom do parque do Ibirapuera….Extase, Planeta Água, pense bem….são algumas das dezenas de suas pérolas….Flávio só voce mesmo pra trazer essas lembranças…valeu e abraços.

  9. Fernando Melo disse:

    Guilherme Arantes, nosso Rick Wakeman.

  10. Rodrigo Moraes disse:

    Se você não falasse quem era o radialista, eu acharia que era o Cledi Oliveira, outro vozeirão, aliás. Eu vi Guilherme Arantes no Rock in Rio. Gostava de algumas músicas dele, e outro dia descobri que ele gostava de Toyota Bandeirante assim como eu (mas eu ainda tenho a minha), pois ele conta a história de quando ele foi de SP ao RJ de Bandeirante, pela Rio-Santos, numa viagem de dois dias, junto com a Elis Regina.

    Na reportagem, tem uma parte interessante, quando o radialista pergunta o que o Sócrates acha da onda de violência, dos crimes, dos saques a supermercados da época. E tem gente que diz que na época da ditadura militar havia segurança, que tudo era lindo. Saques a supermercados. Há quanto tempo não vemos mais isso? Graças a Deus!

  11. Rogério Lemos disse:

    Lembro, e como lembro, dessa música. Aliás, era criança, tinha 10 anos, mas já tinha minha fita K-7 com essa música, e outras. Outra muito boa é Êxtase. Meu pai sempre ouviu Guilherme Arantes, e a criançada junto.

  12. JT disse:

    Eu tinha uns seis anos em 1982, mas já sabia quem eram Sócrates (nome que eu não sabia pronunciar corretamente), Zico, Falcão e Oscar. Sofria de bronquite e fazia fisioterapia na clínica do zagueiro em Campinas. Era um timaço mesmo.

    Lembro bem do movimento das “Diretas Já” mas confesso que não sentia esse clima de terror e repressão que os historiadores e jornalistas mais engajados nos descrevem. O Juca Chaves fazia piada do Presidente Figueiredo numa boa (“Upa cavalinho sem medo, leva para Brasília o Presidente Figueiredo”).

    Na conversa de bar, o Figueiredo vai ficar como uma “quadrúpede” mas o fato é que ele morreu como alguém da classe média, com muito menos pompa do que outras figuras notórias da política. Fala-se muito das torturas e elas precisam ser apuradas, mas ninguém investiga os casos de corrupção dos ditadores. Os militares não enriqueceram no poder – o que não os tornam menos piores do ponto de vista democrático.

    • Rafael V8 disse:

      Olá, concordo com você, e acredito que passará muito tempo até que a história sobre o golpe de 64 seja contada de maneira digna e honesta. Há muito preconceito e tendencionismo nas coisas que estão por aí sobre o assunto.

      • Muchacho disse:

        JT e Rafael V8, não se enganem, vcs não ouviam sobre a corrupção dos milicos porque eles controlavam tudo e não deixavam vazar nada do regime.
        Vcs devem considerar outros 2 fatos, os valores e circulação de dinheiro na economia era muito menor que hoje e a inflação e planos econômicos derreteram muitas fortunas.
        A corrupção nasceu nos governos militares, quando inventaram os tecnocratas; sobrinhos, afilhados e amigos dos milicos….todos indicados. Até então, funcionário público eram profissionais de carreira, de alto nível e muito respeitados.
        Hoje uma meia dúzia de tontos se esguelam pelo mensalão que foi um mero caixa 2 de R$ 48 milhões, uma merreca perto dos 18 Bi US$ gastos pelo milicos em Angra.
        Se vcs ficarem presos à mídia tradicional, vão achar que a coisa só piora, e a realidade não é essa, basta ver as finanças públicas e indicadores melhor a cada ano, ainda que em ritmo moderado. Os milicos e suas famílias em nada diferem do jeitinho e malandragem do brasileiro….vc já ouviu falar do fenômeno das filhas de milicos que não se casam no papel nem a pau, só para continuar recebendo a pensão do velho ?

      • Rafael V8 disse:

        “A corrupção nasceu nos governos militares…”
        Hahahahaha!
        É muito mais antiga, meu caro.
        E não estou preso à “midia tradicional”, sou do time dos conspiradores.
        Fui …

      • JT disse:

        Olá Muchacho, você considera que sou preso à mídia tradicional? Baseado em quê?
        Se os militares controlavam tudo mesmo, como se explica que só os casos de tortura e repressão vazaram na imprensa?
        Com certeza havia corrupção naquela época, mas ela não era endêmica como é hoje, quando se considera que 48 milhões de reais é uma merreca.
        Hoje em dia, qualquer prefeito de cidade pequena amealha mais patrimônio do que qualquer tecnocrata de outros tempos, se decidir ser corrupto.
        Agora, pior do que filha de milico não se casar, é cartunista – que sempre vendeu jornal por causa da ditadura – receber indenização polpuda do Estado, 35 anos depois.

      • Venax disse:

        Muchaco, o mensalão não foi caixa dois. Todos sabem disso. E se fosse caixa dois também seria crime, não há crime menor que outro. Somente alguém fanático pode falar isso. Caixa dois não chegaria ao STF. Quantos aos militares a grande maioria vive apenas da sua aposentadoria, não há registro de nenhum que tenha ficado rico ou de seus familiares. No atual governo já foram 6 ou 7 ministros afastados por corrupção, um deles multiplicou seu patrimônio 20 vezes em poucos anos. Não defendo os militares mas Castelo Branco nos anos 60 endureceu com seu irmão apenas por um carro Aero-wyllis.

    • Rodrigo Moraes disse:

      JT, você caiu no conto da ditabranda…

      • JT disse:

        Engraçado, comecei meu comentário relatando o tempo em que tinha SEIS ANOS e no entanto, para alguns, fica implícito que eu já era leitor da mídia tradicional.

        Minha visão daquela época não é turvada por imprensa alguma, nem a tradicional e nem a progressista. Não preciso ler o Blog do Zé Dirceu, ou os colunistas da Veja, para expressar minha opinião.

        Hoje em dia se um ministro cai a culpa é da mídia e se você pensa diferente dos chavistas significa que está dominado pela mídia… caros macanudos, respeitem meus primeiros fios de cabelos brancos nas têmporas :)

  13. Marcelo disse:

    Guilherme “Barbantes” é do meu tempo, outro dia ele foi no Jô Soares e tomei um susto, nem o reconheci, o visual mudou muito.

    Foto atual:
    http://www.guaraparivirtual.com.br/Materias/Fotos_Grandes/%7BACC2ECB9-285C-44E9-8B71-D93A2AEB9EF5%7D_DSCN6381.jpg

    Planeta Água – Guilherme Arantes

    Água que nasce na fonte
    Serena do mundo
    E que abre um
    Profundo grotão
    Água que faz inocente
    Riacho e deságua
    Na corrente do ribeirão…

    http://www.youtube.com/watch?v=oPwnAq2xMUg&feature=related

  14. Angelo disse:

    Vai ser processado pela comparação com o quadrúpede…os cavalos não merecem!

  15. Venax disse:

    O Guilherme Arantes tem musicas lindas. Hoje está careca e a voz não é a mesma mas as músicas ainda continuam tocantes como na época.

  16. Rafael V8 disse:

    Olha só, ainda futricando sobre Sócrates e o brasil do anos 80, encontrei uma matéria sobre uma menina estadunidense que escreve uma carta a Iúri Antropov, então secretário geral do partido comunista soviético, na qual o questionava sobre as perigosas relações entre os 2 países em plena guerra fria. O fantástico é que o próprio Iúri respondeu.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Samantha_Smith

  17. Nick B. disse:

    Fla, meu lindo.
    Vivi tudo o que você escreveu, darling.
    E o Doutor Sócrates era um fora-de-série nos campos e na vida.
    Desses seres humanos raros que você, em felicidade ímpar, descreveu como proibidos de morrer.
    Mas eles morrem. E nos deixam mais tristes e vazios.
    E você também citou “Guerreiro Menino”, magistralmente gravada por Fagner e excepcionalmente composta por Gonzaguinha, amigo do Doutor e que, creio eu, deve estar agora recebendo o Magrão para juntos tomar uma geladinha e bater altos papos.

    Sócrates e Gonzaguinha, peço sua licença, Fla, para exclamar que esses dois aí deveriam ser proibidos de morrer!
    Mas eles morrem. E nos deixam mais tristes e vazios.

    Nick B.
    (ouvindo Guerreiro Menino e lembrando desses dois aí que deveriam ser proibidos de morrer!)

  18. Clésio Luiz disse:

    Acho que o mundo nunca foi muito gentil, nossa percepção dele é que muda com o tempo. É sempre aquela coisa que todo mundo tem, de achar as coisas da sua juventude melhores que as atuais.

  19. Ubaldir Jr. disse:

    Quanto à entrevista, bem legal. Sócrates era um jogador realmente singular. Onde é que já se viu um jogador de futebol formado em medicina? Jogador de futebol com discurso político afinado, opinião forte sobre tudo o que o cercava e sobre uma realidade bem desagradável que envolvia seu país, em uma época em que ter opinião era perigoso.
    Outros tempos. Meninada de hoje pouco imagina do quão complicado já foi viver no Brasil. Não tiveram aulas de OSPB e Educação Moral e Cívica. Não têm que fazer fila sob a batuta do hino nacional todos os dias, de pé vendo a bandeira ser hasteada antes de entrar pra sala de aula.

  20. Cesar Simões disse:

    Ouvi a entrevista. Vou te plagiar: o cara era genial. Genial!

  21. Ubaldir Jr. disse:

    Guilherme Arantes é legal. Dia desses esteve aqui em Goiânia fazendo um show no maior Shopping da cidade. Toca teclado e canta ao mesmo tempo como poucos. Minha mãe é fã incondicional dele. Eu curti um bocado suas músicas na juventude também. “Olhos vermelhos” chega encheu o saco de tanto tocar na rádio… rs.
    Bons tempos, bons tempos… frase de quem está definitivamente, ficando velho… rs. Mas todos estamos, ora pois.

  22. Renan Nery disse:

    Queridos amigos, que sentido terá a vida senão das lembranças que nos marcaram? triste das pessoas que não aprenderam nestes momentos puros e ingênuos.
    Sou saudosista e muito feliz pelas recordações de quem sou eu, quem eu fui, o que fiz, pelas superações e o que fou fazer de mim, se estou preparado ou não é só um detalhe, mas certamente vou curtindo cada momento como se fosse o último.
    Abraços.

  23. Guest disse:

    Se não estou fazendo confusão, acho que o Wellington Oliveira está na RecordNews.

  24. José Brabham disse:

    Caraca.

    Para mim, um saudosista inveterado (mas não radical), ler seu blog é, às vezes, uma injeção de bom humor para começar um dia de trabalho!

    “Mas para mim.. A melhor musica que ele criou foi “Meu mundo e nada mais.. ”” concordo!

  25. victor freire disse:

    saudades dessa época, mesmo sabendo que tinha um imbecil (esse sim) governando e que quando eu nasci ele já tinha entregue o poder, e o pouco que eu lembro da década de 80 começa em 88. mas era uma época muito gostosa. era uma época em que eu, como criança, ainda brinquei com brinquedos da estrela e conseguia dar valor a carrinhos de lata vendidos na feira de caruaru, em estradas traçadas com carvão e giz no pátio da casa de minha tia. ingênua, como você disse, mas certamente melhor que hoje em dia, onde sabemos tudo e não se faz nada.

  26. Muchacho disse:

    Assisti um show dele há uns 6 meses aqui na minha cidade….fenomenal, clube lotado, o cara cantou por 2 horas ininterruptas, e quase sempre acompanhado pelo público.
    O cara tá gordinho e careca, já não tem a mesma voz, mas esbanjou carisma e humildade.
    Eu sempre curti, mas meus amigos (rockeiros) me enchiam o saco que o GM era fake, produto pronto da somlivre, o que é uma injustiça, pois o cara tem algumas canções muito marcantes e contemporâneas, por exemplo: Amanhã, Meu mundo e nada mais, Planeta àgua, Brincar de Viver, Xixi nas estrelas, Olhos Vermelhos, Deixa Chover, Êxtase, Coisas do Brasil, Lindo Balão Azul.

  27. Leandro Azevedo disse:

    Fantástica a entrevista… achei esses comentários muito bons:

    “O que você acha de Video Cassette? É a tecnologia…” Hoje um garoto de 15 anos não tem ideia do que se trata hehe

    “a palavra ídolo tenta colocar uma pessoa como um ser ideal… não gosto da palavra”

    “Eu tenho um sonho utópico. É ver todo mundo feliz.”

    O cara realmente era diferente… e as coisas que falou na entrevista INFELIZMENTE ainda se adequam a nossa realidade hoje. Pouco mudou com o “animal” homem.

  28. Burn Baby Burn.. disse:

    Nossa sou fã incondicional do Guilherme.. pode parecer suspeito porque sou pianista e tecladista.,. Mas este cara genial embalou toda uma geração. e me incluo nela também..

    Um mega hitmaker.. o cara compunha.. e o disco virava ouro.. platina..o que ele quisesse.

    Mas para mim.. A melhor musica que ele criou foi “Meu mundo e nada mais.. ”

    http://www.youtube.com/watch?v=fGYRo_IZUbg

    fuiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

    • Kiko Prada disse:

      Olá Burn, tem vários hits muito bons do Guilherme Arantes (A cidade e a neblina; Nave errante, etc…), mas ele também tinha um lado bem rocker. É só ouvir Coração Paulista, se não me engano com o Tony Ozanah fazendo a gaita do começo. Para mim, é a melhor música dele. Pena que as “rádios” não toquem…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>