MENU

segunda-feira, 17 de abril de 2006 - 15:22Arquitetura & urbanismo

Todas as formas

SÃO PAULO (pensando bem, é bela) – Paulo Mendes da Rocha acaba de ganhar o Pritzker, o maior prêmio mundial de arquitetura, feito que só havia sido conseguido por um brasileiro, antes, com Oscar Niemeyer.

Domingo, o “Estadão” publicou ótima entrevista com ele, no caderno “Aliás”. Assina o texto o jornalista Fred Melo Paiva.

Pincei algumas frases desde capixaba que esbanja sabedoria e modernidade aos 78 anos. Acho que ajudam a entender um pouco a relação entre arquitetura, urbanismo, civilidade, convivência, natureza e espécie humana.

“O arquiteto não inventa a forma de ninguém viver — ele ampara a vida que já se deseja há muito tempo.”

“(…) São Paulo é uma cidade belíssima. Pela força de sua população — com tanta diversidade, todo dia esses 20 milhões levantam e trabalham serenamente, apesar de tudo. (…) A cidade flui. Há comida para todos os dias. O Ceasa abastece essa porcaria toda (…).”

“Toda cidade está condenada a ser belíssima (…). Onde moram pessoas é sempre uma maravilha, uma presença monumental. (…) São todas belas como realização — bem ou mal — desse ancestral sonho dos homens de, juntos, construir seu hábitat.”

“Uma cidade exige a transformação da natureza. (…) Então, o homem não pode habitar a natureza. A natureza é ingrata, pode-se dizer que é um desastre. O homem só pode habitar coisas construídas por ele mesmo — seu hábitat é um projeto humano.”

“O que a cidade presume, antes de mais nada, é desencadear a imprevisibilidade da vida.”

Um dos privilégios de se viver em SP é poder ver, na rotina do caminho para lá e para cá, obras como a loja da Forma, nos Jardins. Ou o MASP (de Lina), ou o Copan (de Oscar).

Hoje estou de bem com minha cidade.

24 comentários

  1. Thiago Azevedo disse:

    Carlos Alberto

    Não creio que a preocupação dele seja tornar a sua ou a minha vida melhor. O cara quer vender o produto, o trabalho dele. Passou sobre ele no Fantástico, e quando o repórter perguntou a ele: O que o prêmio vai mudar sua vida?, ele respondeu: Terei maior alcance, maior mercado (não são estas as palavras exatas, mas o significado é este). Acho que ele esteja errado, ou melhor, não achava até ler o que o Gomes pinçou de sua entrevista. Na medida que ele não tem respeito nenhum com o meio ambiente, para mim é uma ameaça. E pior, agora é uma ameaça famosa que o povo aplaude. O objetivo dele não é melhorar o mundo, é simplesmente encher o próprio bolso. Não vejo problema nenhum em enriquecer, mas não concordo que seja em detrimento de outro, ou no caso dele, do meio ambiente. Ou você acha que ele acordou hoje cedo e disse: vou tornar o mundo melhor para o Carlos Alberto. Certamente não, nem para você nem para nenhum de nós. Somente para ele e para algum cliente dele. É uma pena que nem todos tenham discernimento para perceber isto.
    Um abraço

  2. HA disse:

    Pinça de ouro do mestre Flávio Gomes… colhidas a dedo as citações. e viva a polêmica!

  3. F.Rodrigues disse:

    Respeito o talento e o conhecimento deste senhor recem premiado. Mas muito me entristece ler que gente como ele, que poderia colaborar para um mundo melhor, detesta a natureza – parece que ficou bem claro isso ao chamá-la de desastre. Felizmente os arquitetos realmente modernos já provaram que é perfeitamente possível aliar luxo, conforto, funcionabilidade à nartureza sim. Só assim poderemos sonhar com grandes metrópolis mais limpas, arborizadas e menos poluídas. Vide o anti-exemplo disso que é Brasília……..fria, cinza, sem graça, ninguém quer morar lá.

  4. Daniel Carlos Nava disse:

    Aos que choram que a arquitetura só visa o lucro, o Niemeier é comunistossauro.

  5. Raimundo Nonato disse:

    Os dois arquitetos modernosos citados ODEIAM árvores e natureza, vide Brasília, Memorial da AL, etc.
    Quando colocaram uns coqueirinhos no deserto que era o Parlatino, Oscar N. esperneou e chorou.
    Assim, não me surpreende que quem projetou aquela coisa horrível que é o Museu da Escultura (PM Rocha) diga asneiras como essas..
    Aliás, só premiam esses babacas, por quê?

  6. mm disse:

    Tá explicado porque o PM da Rocha é um dos melhores do mundo : vive assistindo sessão da tarde e se inspirando em ” citações filosóficas ” de filmes do Rambo . E só podia mesmo ser ” contra a natureza ” de tanto ver seu herói sofrer nas matas asiáticas combatendo aqueles vermes comunistas .

  7. Flavio Chinini disse:

    As pessoas tem opiniões diferentes. É necessário entender estas opiniões, e principalmente, respeitá-las.
    O que chateia neste blog é que, dependendo da opinião, vem uns e criticam, chamam a pessoa de burra etc.

  8. Flavio Chinini disse:

    O progresso não visa o bem estar comum, mas sim, gerar cada vez mais lucros.
    Isso se reflete na arquitetura moderna, onde existe cada vez menos espaço para o verde, caracterizando as cidades como um espaço de concreto armado, poluído e sufocante.
    Não estou criticando a obra do arquiteto premiado, citado pelo FG, mas sim pelo que ele disse.

  9. Carlos Alberto disse:

    Caro Thiago,

    Certamente, enquanto você estava decorando as falas do seu herói Rambo, o ilustre Paulo Mendes da Rocha estava preocupado em fazer a nossa vida, sua inclusive, melhor e mais evoluída. Pena que você, como tantos outros do seu universo, nao tenham alcance para perceber isso…

  10. Flavio Chinini disse:

    É claro que, ainda mais nos dias de hoje, o homem vive sob suas contruções.
    Mas o que me incomoda são os arquitetos ditos progressistas, ou modernistas, que trocam todo nosso verde por concreto.

  11. menos burro disse:

    às vezes me pergunto o que esses apedeutas fazem da vida. Um bando de alienados que não se toca que tudo o que está à sua volta é produto do homem. É triste, mas é real. O país vai de mal a pior justamente por essa falta de educação e cultura que assombra.

  12. Daniel Carlos Nava disse:

    Aos que acham que não se deve alterar a natureza, o que acham de viver em cavernas, caçar com mãos e dentes, procurar os vegetais que a natureza espalhou pela mata e viver até uns 30 anos? Sem a tecnologia atual teríamos muito mais gente passando fome e a poluição, para os 6 bilhões de pessoas da terra, seria catastrófica. Basta ver que os piores problemas para a natureza estão nos países menos desenvolvidos.

  13. Tohmé disse:

    Flávio, infelizmente você não colocou no blog a parte em que esse cara falou na Rádio Bandeirantes, que não utiliza o verde em suas obras e que isso pouco importa aos cidadãos. Como o estúoido do seu mestren (aquele que fez Brasília), para ele só interessa concreto, concreto e mais concreto.

  14. Thiago Azevedo disse:

    Concordo com o Flávio Chinini. É esta transformação realizada pelo homem que causa as inundações, alterações climáticas, etc. Ingrato somos nós (e o tal de Paulo, muito mais).
    Este discurso de alterar a natureza não tem nada de moderno, já que isto tem sido feito desde sempre. Aliás, é arcaico e imbecil. Moderno será conseguirmos nos estabelecer sem causar alterações que desequilibrem o meio ambiente, coisa que estamos longe de conseguir.
    A primeira frase ele tirou e adaptou do filme do Rambo (eu lembrei por causa do filme Top Gang, que tira sarro disto). No Rambo, aquele general amigo dele, tentando convencê-lo a continuar lutando, diz que ele não vai conseguir ficar parado, pois lutar é o destino dele e blá blá blá. Aí ele cita um escultor que diz: “Eu não fiz a escultura, apenas a descobri. Ela sempre esteve lá…” É interessante saber de onde este arquiteto tira sua inspiração. Provavelmente da sessão da tarde.

  15. Humberto Anastasia disse:

    Outro privilégio é saber que existem por aí olhos que ainda se encantam, e gente que se deixa tocar por tudo isso. Obrigado, Flavio. A sociedade agradece.

  16. mm disse:

    Bela e oportuna nota , Flavio . Enriquece muito teu blog.

  17. Rikho disse:

    Sinceramente, nao achei grandes coisas o que o arquiteto disse, nao. Falando em arquitetos, me lembro de uma piadinha muito recorrente que diz o seguinte: arquiteto é o tipo de cara que nao é macho o suficiente pra fazer engenharia e nem tem coragem bastante pra assumir e ser decorador… ;-)

    Abçs

  18. Joao disse:

    Gomes, fala a verdade. Tu queria mesmo é ser arquifresco. Quer dizer, arquitreco!

  19. Serginho RJ disse:

    longe de querer criar polêmica RJ x SP, acho SP um lugar muito feio…

    pelo menos o q conheci até hj.

  20. adu disse:

    AGORA O FG SE ACHA ENTENDIDO EM ARQUITETURA TB. ERA O QUE FALTAVA!!!!

  21. Flavio Chinini disse:

    Discordo completamente do Paulo Mendes Rocha, quando ele diz: “A natureza é ingrata, pode-se dizer que é um desastre. O homem só pode habitar coisas construídas por ele mesmo — seu hábitat é um projeto humano.”.
    O homem faz parte da natureza, e ele deve respeitá-la acima de tudo. A natureza não é ingrata, mas nós não soubemos devolver aquilo que ela nos emprestou. Creio que será tarde quando o homem se der conta disso.

    A falta de adaptação do homem à natureza é que gera todo este desbalanceamento que presenciamos, em nosso clima, nosso ar, e nossas águas.

  22. Valter Franco disse:

    Me orgulho muito de nascer e viver aqui, só não aceito quem não sabe respeita-la, quem suja, quem picha, quem enche de barraquinhas de contrabando e a tornam o lugar dos mal educados, dos ousados, dos foras da lei, dos que acham que ela é obrigada a aturá-los. São Paulo é tudo isso….uma pena que muitos não saibam mantê-la mais bela!!!!.

  23. Alexandre Reis disse:

    Gomes, na minha humilde opinião e forma de conduzir minha vida. Mesmo quando estamos sendo criticos com o nosso pais e nossas cidades, jamais devemos (e graças a Deus eu não consigo) deixar de gostarmos e admirarmos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *