Alcides, 63

SÃO PAULO (a redenção pela velocidade) – Morreu ontem, aos 63 anos de idade, Alcides Diniz, um dos herdeiros do Grupo Pão de Açúcar. Correndo em dupla com o irmão Abílio, ele venceu as Mil Milhas de 1970 com uma Alfa GTAm. Esse carro hoje pertence a um grande amigo.

Alcides mantinha um autódromo particular no interior de SP e um acervo de grandes carros de corrida, como um Ford GT40, uma Mercedes que correu em Le Mans e outras muitas preciosidades de sua equipe Capuava.

Não o conhecia. Nos anos Collor, ele foi um dos arquitetos da Operação Uruguai para livrar a cara do presidente-bandido.

Alcides lutava contra um câncer havia bastante tempo.

Comentários

  • lamento a morte do Alcides. seus carros de corrida e autodromo monstram que ele era um cara bacana.muito boa a foto da alfa e muito bacana tambem a pintura dos carros atuais do team Capuava.
    terá continuidade o time ?

  • Hilário Alencar, taí não sabia do envolvimento do Cidão com o projeto do “Miss Global”, veleiro do Eduardo Louro na regata Solitário Volta ao Mundo, que abandonou por quebra do leme de direção, logo após cruzar o Equador. Aliás, o Eduardo Louro deu um dos maiores shows de pilotagem, ao navegar o barco ultra-sensível somente com a regulagem das velas de proa e mestra. É…sou Matuza também na vela, fazer o quê, né ?..Abs.

  • Assisti em 69 e 70 este mesmo carro correr os mil quilômetros de Brasília, não me recordo se foi ele quem venceu, pois tinha duas alfas GTA, uma nº 25 e outra nº 27, acho que pilotada pelo José Carlos Pace e o Paulo Gomes. Os carrinhos andavam uma barbaridade, no meio da BMW do Jan Balder, DKWs, Patinho Feio do Alex Dias Ribeiro, entre todos outros que corriam nas ruas de Brasília.

    Jovino

  • HILARIO,

    SUA SEGUNDA MIL MILHAS, FOI UMA BOA PROVA .
    SALVO ENGANO ,NELSON ( COM BMW ) , E BOESEL TAMBEM PARTICIPARAM .
    ENTRE OUTROS ,ACHO QUE TINHA UM GRINGO COM UMA BMW ( UMA EQUIPE MUITO BEM MONTADA )
    FOI MESMO UMA BOA PROVA.
    BONS CARROS , DE DIFERENTES CATEGORIAS, E BONS PILOTOS.
    É O QUE ME LEMBRO.

  • Alcides Diniz foi um cara inigualavel no desenvolvimento do automobilismo nacional, mas fazia parte dessa elite besta que adora concentrar renda e assistir de camarote a miséria popular.

    Tem méritos no que fez e deméritos pelo que poderia ter feito.

  • Essa prova que os Diniz ganharam sempre fez parte da minha memória automobilística pois foi a primeira vez que fui a Interlagos assim como foi a minha primeira Mil Milhas. A seguinte seria aquela que os Fitipaldi ( Cristian e Wilsinho, de Porsche ) ganharam. Tinha Rubinho de Escort Cosworth 4×4, tinha Dave Donohue de BMW-M5, aliás, pra mim, o mais agressivo na pista, mas a velocidade dos GT2 era absurdamente maior, não dava pra nenhum outro chegar junto. Eram então uns 3 ou 4 Porsches GT2. Tinha um Nissan do Dimas Pimenta que não largou, enfim, uma prova inesquecível também. Quanto ao Alcides, penso que perdemos nosso principal mecenas do automobilismo de competição, algo quivalente a morte do Lauritz Von Lachman para o iatismo brasileiro. Ele foi nosso principal incentivador e mecenas, há muitos anos atrás, entre outras coisas ligadas ao iatismo, construiu e bancou um barco para correr a regata de volta ao mundo em solitário, com o Eduardo Louro como unico tripulante a bordo, mas infelizmente o barco teve problemas e abandonou a regada logo na sua primeira perna. Enfim, sempre ouvi as histórias dos carros do Alcides, e sempre morri de curiosidade de saber quais e quantos eram, se era verdade mesmo, ficava ansioso para chegar janeiro para ver as novidades que estariam acelerando nas Mil Milhas. É uma perda irreparável para todos nós. Obrigado Cidão por mexer com o nosso imaginário, nossos sonhos como amantes do automotilismo de competição que somos, e realizá-lo. Descanse em paz.

  • Alguns são afortunados pelo dinheiro que possuem e nada fazem para seu deleite, mas outros o são pelo que podem dele usufruir, em nome de uma paixão. Neste caso o Cidão foi imbatível. Fez e aconteceu, trazendo os melhores carros do mundo para acelerar por aqui. Soube também que estava na fase final de fabricação de um protótipo para Le Mans, fabricado em titânio, e outras “cositas más”.

    Tive a enorme sorte de conhece-lo através de um amigo, o Mario Martarello que com ele trabalhou na produção de um sem número de peças de fibra de carbono. O Mario produziu um kit completo de paralamas, capo etc para a segunda Mercedes DTM, comprada do Alesi, dentre outros trabalhos. Tive também a sorte de sentar no Lister Storm de rua, que o Cidão comprou de famoso prefeito desta capital, reformou e adicionou em kit de carbono de chorar!!!.

    Que Deus o acolha em sua infinita bondade e que o Cidão possa acelerar com Ayrton, Pace e tantos outros que só nos trazem saudades.

  • OS DINIZ SAO E SERAO ASSUNTO NO AUTOMOBILISMO NACIONAL.

    PREFERENCIAS POLITICAS E OU COMERCIAIS . NAO DEVEM SER CONSIDERADAS.

    SÒ UMA FOTO DESTAS ALFAS TEM UM ENORME VALOR PARA O SEGUIMENTO.

    OBRIGADO ALCIDES.

  • Fui duas vezes na Capuava
    Sou amigo dos filhos dele
    O cara era maluco tinha todos estes carros e mais 15 ( bugatti,lambo,ferrari, aston etcc) e outra coisa animal era o campo de golf com 18 buras
    Um cara maluco mas gente boa

  • Cidão não era mais herdeiro nem dono do Grupo Pão de Açúcar, há anos Abílio comprou a parte dele. Com a bolada Cidão construiu a pista, remodelou a fazenda e adquiriu as caras máquinas que faziam sua paixão.
    Com surpresa recebi a notícia, nem sabia que ele estava doente. Tem gente que parece que não vai morrer nunca.
    Rest in Peace, pilot.

  • Nos 500 km de Interlagos de 2003 (acho), tava nos boxes antes da largada e vi no box da equipe Capueava ao lado do Lister Storm um GT 40.. Pensei, nao, nao deve ser real deve ser uma copia em fiber glass ou coisa assim. Foi quando vi bordado nos banco concha o nome de Alcides Diniz no esquerdo. Ai pensei bom e de verdade.. Coisa linda maravilhosa, um dos carros mais bonitos do mundo. Fiquei por ali admirando o carro uns 5 minutos estatico, quando de repente aparece o Alcides la de dentro da area VIP para chegar como estava o Lister. Pensei essa e a minha hora.. Quando ele tava entrando de novo pra area VIP gritei : Alcides ( como se o conhecesse!) ele olhou pra tras procurando quem era, levantei a mao e ele acenou com a cabeca como que dizendo : -Que voce quer?
    Disse : – Liga o GT 40 !!!
    Ele negou com a cabeca.. Novamente pedi : – Por favor so uma funcionadinha..
    Ele simpaticamente negou novamente, pediu desculpas sorriu e sumiu… c’est la vie ..
    Quanto ao autodromo em Vinhedo, o tracado da pista e o nome Diniz, ele tem muita coisa la.. O GT 40, Mercedes CLK DTM ( que ele correu os 500 km, tem uma outra Mercedes CLK GTR, que so tem 400 no mundo, e quando trabalhava na Mercedes ele foi na fabrica busca-la, e depois pediu pra gente traduzar o manual em alemao.. Ele dizia que as vezes pegava ela de madrugada e ia ate a casa do Guaruja, so por diversao… Ele vivia e aproveitava muito bem sua paixao..
    R.I.P.
    Canina

  • É muito triste o passamento do Alcides Diniz, um homem que teve no automobilismo mais que um hobby, uma paixão. Espero que os herdeiros não dilapidem o patrimônio automobilístico da família e, se possível, montem o Museu Alcides Diniz para que o público possa ver as maravilhas mecânicas que ele possuía.

  • Caro Veloz HP, já hoviu aquele dito que no fim da festa, se voce é o ultimo a sair, sempre se pode achar uma nota de 100 Reais perdida, pois é, 2hs da matina voce achou um montão de notas, que sorte em meu amigo!!! Belo texto, deveria ir para a Retrovisor junto com nossos queridos Matusas.

  • Alcides Diniz !
    Ficarão as boas lembranças, desde os tempos do kart, com aquele belo Scarab, na categoria 200 cc. – Só mesmo um 200 para carregá-lo…
    Com a Lamborghini Miura laranja no km lançado da Marginal.
    Ao volante da bela GTAm.
    Meu tributo a um Grande Cara !
    Pé na tábua, Cidão !

  • FG !
    Presidente-bandido ?
    Lamentável o seu comentário !
    Quem é você para julgar isto ?
    A minha opinião sobre o ex-presidente Collor também não é muito favorável. Sempre o achei meio maluco, visionário e falastrão.
    Mas a competência para julgamentos é alçada dos tribunais !

  • Sobre paixão…
    Tenho um grande amigo do meio automobilístico, profissional atuante na área.
    Semana passada, em conversa com ele, fiquei sabendo da doença do Alcides Diniz… Embora fosse pública, eu desconhecia completamente a gravidade.
    Segundo este meu amigo, quando ele soube da doença, resolveu que faria tudo o que gostava de fato: Fuçar de vez com carros e com corridas…
    E deu vazão total a esse seu sonho: Construiu uma pista particular, chamada por muitos de “Ilha da Fantasia”, com tudo de melhor que cerca um autódromo de fato.
    Tinha uma coleção de carros de corrida, e vira e mexe sentava e acelerava.
    Os almoços eram servidos por garçons uniformizados, em área específica nos boxes… Chamava os amigos para acelerar, e para conversar….
    Estranha, essa paixão que temos todos… E que nos une de alguma forma…
    Não era fã dele, muito pelo contrário.
    Mas quando soube dessa paixão imensa e o que fazia com ela, estranhamente passei a vê-lo por outro angulo… Nem melhor nem pior, apenas pensei o quão parecidos somos todos nós, apaixonados…
    O texto do Veloz HP caracteriza bem o que digo, que o amor pelo automobilismo faz todas as barreiras caírem…
    Esse meu amigo reproduziu quase exatamente as mesmas palavras do Veloz: Quando se tratava de cuidar dos carros, falar de corridas, lembrar de causos, o camarada renascia…
    Meio assim como me senti – e muitos outros novos amigos – quando nos encontramos em Interlagos…
    Estranho, esse amor. Muito estranho.

  • bom dia.
    Estou muito triste em saber da perda do Alcides. Curiosamente, no pre qualify das mil milhas deste ano eu estava nos boxes da equipe dele. Uma cena muito engraçada foi ve-lo chegar em um Bentley (ultimo modelo mas nao lembro o nome) com o Raul Boesel. Eles desceram do carro, o Alcides abriu o porta-malas e comecou a tirar um verdadeiro “pique-nique”, tinha de tudo: comida, bebida. Uma cena hilária que ilustra bem o tipo de temperamento dele “sem frescura”.
    Imediatamente, varios pilotos e outras pessoas presentes rodearam o belo Bentley, entraram no carro, acenderam os farois, abriram o capô e o “Cidão” lá sentado, assistindo tudo e imagino, se divertindo com a cena, pois parecia uma crianca vendo seu brinquedo $$ novo na mão de todos. Fiquei naquele momento literalmente “puto” da vida comigo mesmo, pois, eu tinha terminado a replica em autorama justamente da Alfa que ele venceu com o Abilio as Mil Milhas de 1970 e naquele dia eu cheguei a colocar o carrinho na caixa para levar ao autodromo afim de conseguir o autografo do piloto( como sempre faço com minha coleção). Anter de sair de casa acabei achando que ele nao ia e(como sou burro) nao levei o carrinho….

    Bem, tomara que um dia destes eu “encontre” por aí o Abilio e possa mostrar o carro como uma humilde homenagem a estes pilotos que tiveram o merito deles. No caso do Alcides principalmente, nao é qualquerr um que tem peito para colocar na pista um carro de USD 3.000.000,00 como o Lister, Aston DBR9 para disputar com carros que as vezes atingem metade da velocidade “de cruzeiro” deles.

    Acho que o Aldices deu um incentivo importante ao nosso esporte e realmente lamento a perda.

    Graças a ele tive a oportunidade de ver um GT40 de perto e correndo em Interlagos, coisa que nunca achei que faria na minha vida.

    Que descanse em paz e que sua familia tenha serenidade e conforto no coração para enfrentar este momento.

    Ricardo Bifulco

  • Ele venceu aquelas Mil Milhas contra uma Ferrari 512
    que corria no Mundial de Marcas, um dos carros de corrida mais lindos já criados e isso foi um grande feito. Enfim, me lembro de ler a repostagem na Quatro Rodas e ficar abismado em ver como uma Alfinha daquelas conseguiu vencer. Me lembro também deler os nomes dos pilotos, mas só muito tempo depois fui ligar os nomes às pessoas.
    Se era um cara legal ou não, isso eu não sei.Mas que faz parte do meu imaginário de criança que adorava carros e motores e corridas, não há como negar.

    Abs

  • Cidão,
    Descanse em paz. Toda força à Tata, sua esposa.
    Gostei de dar um passeio, aos 17, em sua Lamborghini Miura laranja.
    Engraçado, duas semanas atrás, estávamos conversando sobre seu autódromo particular e os carros que lá havia. Pensamos em marcar um racha entre amigos, sem ele, pois guiava mais e conhecia a pista, não valeria.
    Não deu. Pena, teria sido uma despedida apropriada.

  • Momento triste…na próxima prova de autos antigos vou pleitear com a direção de prova um minuto de silencio. É pouco, mas é saudades…força para meu amigo Willian que coordenava toda estrutura da sua garagem, corridas etc…

  • Vamos ficar somente com o piloto: em 1971, em dupla com o irmão Abilio, venceu também as 12 Horas de Interlagos, pilotando a Alfa GTAm, motor 2 litros, versão da Alfa GTA para o campeonato americano de turismo. Que descanse em paz.

  • Aos poucos vamos perdendo os grandes incentivadores do automobilismo brasileiro. Infelizmente as pessoas são menos duráveis do que as coisas.
    Tive o prazer de estar entre os que viram a vitória dos irmãos Diniz nas Mil Milhas Brasileiras de 1970, saliente-se que havia uma Ferrari 512 S na prova….teve muitos problemas esta Ferrari, mas estava lá….

  • Encontrei recentemente o Alcides em Interlagos, e da ultima vez (Mil Milhas) infelizmente ele já não estava com uma aparencia muito saudável.
    Há varios anos lutava contra a doença, intercalando bons períodos, com outros nem tanto, demostrando estar debilitado pela doença e pelo tratamento.
    Atualmente mantinha em seu autódromo particular, belos carros da Equipe Capuava Racing, como a Mercedes, O Ford GT-40 e Lister Storm.
    O Mercedes e o Listyer participaram de algumas Mil MIlhas recentes.
    Infelizmente, se vai mais uma figura importante do cenário automobilistico brasileiro, que junto com seu irmão Abilio fez bons pegas no nosso circuito de Interlagos.
    Que descanse em paz.

  • Tive o prazer de conhecer e trabalhar com ele um bom tempo.
    Grande esportista como todos da familia, foi um amante e praticante do automobilismo até os ultimos dias.
    Recentemente ele cedeu o seu autodromo particular para a seleção de pilotos da stock car jr, materia postada no blig do gomes.
    Como esportista foi impecavel, basta isso.

  • Boa noite galera.
    Mal abro o blog e vêm essa gelada de ânimo ao lêr a notícia da morte do Alcides.
    Eu o conheci pessoalmente a 13 anos atráz na Banca Cidade Jardim, hoje livraria Siciliano, de uma forma casual e até engraçada.
    Eram umas 2 horas da manhã num sábado para domingo, e na volta da casa da namorada passei por lá para comprar minhas revistas, e quando me dirigi ao caixa para pagar ele estava lá com sua esposa, e enquanto sua conta era somada pelo caixa, ele começou a olhar disfarçadamente as revistas que eu havia comprado, todas de carros e motos, e então, aproveitei a deixa para fazer um comentário nostálgico do tipo : Que saudades da Alfa GTA e do cheiro da gasolina verde, heim ?
    Nesse momento ele olhou para mim do alto dos seus 1,96m e disse : Você lembra disso ?
    Bem, daí para frente não paramos mais de conversar, lembrei de tudo o que podia e a cada lembrança minha outras 3 despertavam a memória dele e assim fomos até às 7:30 hs da manhã do domingo, para desespero dos seus 8 seguranças que aguardavam silenciosamente o patrão parar de falar com aquele estranho e irem embora para casa.
    Ficamos mais de 5 horas conversando sentados, primeiro no capõ da sua Mercedes e depois dentro dela, com a esposa dele indo periódicamente comprar refrigerantes, guloseimas e sanduiches no Argeu, a loja de conveniência que fica ao lado da livraria e também participando ativamente da conversa, pois ela viveu todos aqueles momentos velozes do marido.
    O mais divertido, fora a ótima conversa que estávamos tendo, era ver a cara de curiosidade das pessoas para comigo, pois ele todos conheciam mas eu, quem era eu, quem era esse cara sentado no carro do Alcides no maior papo alegre e extrovertido ?
    Na hora que nos despedimos, sua esposa muito emocionada veio me agradecer por tudo e quando perguntei o porque, ela me disse que fazia semanas que não via o marido sorrir devido a extrema tensão que vivia com as crises familiares e as consequências desastrosas do envolvimento com o governo e aquilo tudo o estava matando por dentro, e aquela conversa comigo era algo extremamente raro na vida deles, pois estavam sempre cercados de gente interesseira, com conversas interesseiras, com espertos safados de todos os lados, sem poder baixar a guarda dos espíritos um segundo sequer.
    Entendi então como é dificil e pesado viver nesse mundo dos altos negócios e privados daquilo que qualquer ser humano tem de básico, que é a conversa franca e desarmada de interesse maior além da troca de informações e emoções.
    Trocamos endereços e telefones mas nunca telefonei para eles e nem eles para mim.
    Nos encontramos outras duas vezes anos depois, uma no Restaurante Pandoro e outra no Restaurante Bolinha, e em todas elas mais papo, mais lembranças e muitas risadas.
    Quando ele mudou-se de vêz para a sua fazenda nunca mais os ví, apesar do convite do casal para uma visita.
    Essas são as lembranças que tenho do Alcides, um ótimo piloto, do tipo rápido e seguro, e um ótimo papo, literalmente gente finíssima, mas que vivia um tormento pessoal terrivel e que sua doença, consequência disso tudo, acabou por levá-lo.
    Que descanse em paz e sua família tenha harmonia e união nessa hora.

  • Parece que a pista de Indaiatuba tem até irrigação para simular chuva.
    E o GT 40 vermelho belíssimo, o qual tive a honra de sentar, dizem que fazia parte da esquadra de competições que ganhou em Le Mans, como carro reserva na fábrica.
    Quanto ao Diniz, é de se lamentar a morte de um amante do automobilismo.

  • Flavio, a Pista fica em Indaiatuba entre as grandes propriedades que existem por lá, estive um dia na casa do pintor do capacete do Nelson Piquet e familia em Vinhedo, não me lembro do seu nome, e ele tinha umas fotos dessa pista, o box feito em lindas pedras, no interior essa Mercedes DTM fantastica e varios carros, a pista tem 3 km e pouco, pena que é particular pois estaria a 15 minutos de todos os Campineiros, pelo que me disseram era um cara muito bacana o Alcides, me disseram.Abraço