Carcará, 40

SÃO PAULO (A indiferença é o peso morto da história. É a bala de chumbo para o inovador, é a matéria inerte em que se afogam freqüentemente os entusiasmos mais esplendorosos, é o fosso que circunda a velha cidade e a defende melhor do que as mais sólidas muralhas, melhor do que o peito dos seus guerreiros, porque engole nos seus sorvedouros de lama os assaltantes, os dizima e desencoraja e às vezes, os leva a desistir de gesta heróica.) – Deixei para o fim do dia, porque é tema por demais caro para ficar perdido entre minhas pequenas baboseiras.

Hoje faz exatos 40 anos do vôo do Carcará. E digo isso com a felicidade de ter visto duas grandes matérias sobre o assunto, na “4 Rodas” e na “Clássicos”. E digo isso com a felicidade de saber que Paulo Trevisan fez o Carcará II. E digo isso com a felicidade de saber que Toni Bianco e Anísio Campos estiveram envolvidos, assim como Jorge Lettry e Crispim. E digo isso com a felicidade de saber que até miniaturas do Carcará há. E digo isso com a felicidade de carregar na lateral do meu carro o rosto do rapaz que o pilotou, e seu número, que será sempre dele. E digo isso com a felicidade de tê-lo conhecido, de ter visto e tocado na capa que cobriu seu carro, de ter visto e tocado o volante que ele tocou.

Os 40 anos do Carcará certamente não foram mencionados no Jornal Nacional, nem serão lembrados em Interlagos na Stock, ou em Curitiba no WTCC, ou em Indianápolis. Mas falarei do Carcará nos seus 41 anos, nos seus 42 anos, encherei o saco de muita gente contando sua história, martelarei sua saga enquanto for ouvido.

Afinal ele pega, mata e come.

Comentários

  • Pela primeira vez estou opinando no Blig, e tem a ver com o grande número de comentários a respeito do Carcará II. Vai ser apresentado e andar no Rio em 12/08/06 e provavelmente exposto depois em SP, em programação sendo conduzido por Bob Sharp e Anísio Campos. Quero registrar aqui, que o Flávio Gomes um entusiasta com todas as letras, vai andar sim no Carcará II no RJ (a não ser que ele não queira). É importante registrar, que nosso objetivo nunca foi de fazer uma réplica exata e muito menos de bater recordes. Tenho como todos os entusiastas de verdade, um profundo respeito às pessoas que conquistaram aquele feito em 1966; e essa memória deve ser preservada. Nosso grande desafio foi construir a nova versão, numa técnica de encarroçamento com alumínio que só o Toni Bianco domina. E o segundo desafio é fazê-lo andar rápido, e isto já está acontecendo, podem acreditar.
    Um abraço e estou a disposição para qualquer informação adicional.

  • ow anonimo…calma lá cara…
    o Sérgio foi bem educado e não perdeu a linha, mesmo expondo seu ponto de vista…..
    Ele tocou apenas no prisma da originalidade e da autenticidade, caso queriam construir uma réplica, e deu o exemplo do museu da Ferrari.
    Calma aí cara…..pega leve bicho!

  • Aqueles que já não são tão jovens devem se lembrar daquela propaganda de um xampu anti-caspa chamado Denorex.
    A propaganda que passava na TV dizia que ele parecia xampu, cheirava como xampu, agia como xampu, mas na realidade era um remédio para caspa. A chamada da publicidade da TV e nas revistas era: “Denorex, aquele que parece, mas não é.”
    Me desculpem por discordar dos colegas mas o Carcará II pra mim é o mesmo que o xampu Denorex. Parece mas não é.
    Acho louvável algum apaixonado do automobilismo produzir uma réplica de um carro famoso, principalmente quando o original não existe mais. Mas pelo que vi, o Carcará II não é uma réplica e sim um carro com melhorias mecânicas, dimensões diferentes do original e sensíveis diferenças estéticas e aerodinâmicas em relação ao veículo original. Ou seja, ele apenas parece com o Carcará.
    Qual é o valor histórico de se criar um carro apenas parecido com um outro famoso.
    Nessa acho que o Paulo Trevisan pisou na bola. Devia ter mandado fazer uma réplica perfeita do Carcará, exatamente como ele era em todos os detalhes e não um Carcará Denorex. Quando eu soube da notícia, achei que ele iria fazer como foi feito com o fórmula júnior com mecânica DKW, ou seja, um carro exatamente igual (se é que estou enganado e esse também é um legitimo Denorex)
    Pelo que me consta, o Paulo Trevisan tem um museu do automobilismo no Brasil, o que é uma atitude bastante louvável. Mas o Carcará Denorex, vai para o museu? Porque, se ele é um carro novo e não é uma réplica de valor histórico? Vai bater o recorde brasileiro de velocidade? Não vai por que os 212 km/hora já forma de longe superados e o novo carro deve andar apenas próximo disso. Então qual a finalidade do carro?
    Aqueles que já foram ao museu da Ferrari tiveram a oportunidade de ver um exemplar da primeira Ferrari, a 125 S. Não é um carro original, pois foram construídos apenas um ou dois em 1947 e eles não existem mais. Então a Ferrari construiu uma réplica idêntica ao original em todos os detalhes e esse único exemplar está exposto no museu da Ferrari em Maranello. Isto sim tem valor histórico. Já pensou se a Ferrari fizesse um carro apenas parecido? Que graça teria?
    Eu acho que o Trevisan perdeu uma grande oportunidade de dar mais uma excelente contribuição à história do automobilismo no Brasil, mas enfim, o dinheiro é dele e ele que o gaste como bem entender.

  • Veloz:
    Vê se não falat dia 15, pô…
    O bicho vai pegar…
    Voce, mais Brandão, Joaquim, Caíque, Johnny, Arquimedes e mais uma montanha que esqueço agora, junto de parte da velha guarda vai ser dose…

  • Calma, Lawrence, dá pra fazer isso sem colocar em risco a vida de ninguém. Basta usarem barra estabilizadora (com ela o carcará era até bom de curva, já que era um fórmula DKW com carroceria) e não usar os pneus diagonais de nenhuma vemaguete.

  • Para o pessoal que gostaria de ver o Carcará correndo denovo…

    Eu tb adoraria ver o Carcará correndo novamente, quem não gostaria???

    Mas mesmo correndo o risco de ser o “estraga prazeres do blog” eu gostaria de lembrar que esse tipo de carro é extremamente instável e perigoso.

    Fica o alerta, nenhuma comemoração vale arriscar a integridade física de alguém!

    Não sei quanto custa, mas hj em dia a aerodinâmica pode ser testada em túneis de vento, tornando o Carcará2 mais seguro ou estabelecendo os limites de segurança para o carro!!!

    Abraços!

  • Bem amigos da Rede Gomes, boa noite.
    Até que enfim é sexta-feira e posso visitar o meu pedaço preferido do Brasil com calma e alegria.
    E digo isso com a felicidade de saber que nós nesse blog pertencemos a uma exceção à regra brasileira de repudiar medíocremente a cultura e memória sobre qualquer assunto que não seja futebol ou carnaval.
    E digo isso com a felicidade de saber que agindo como agimos, fazemos algo real para mudar esse quadro infeliz da nossa sociedade, pois creio que nesse tempo todo de existência do Blog do Gomes, muitos jovens aprenderam muitas coisas sobre carros, motos, histórias, costumes, mas principalmente gostarm de “saber”, gostaram da sensação de “saber”, da deliciosa emoção do descobrir.
    E digo isso com a felicidade de me sentir feliz “sabendo” e “ensinando” a cada visita que faço nesse blog junto a todos vocês.
    Creio que estamos todos de parabéns por podermos honrar os nomes dos nossos primeiros professores : Casari, Lettry, Crispim, Fittipaldi, Balder, Camilo, Landi, Cayres, Bird, Heins, Pace, Senna, Piquet, Tucano, Casarini, Nivanor, Barros, Adu….
    Aos nossos mestres com carinho e desafio, como foi o vôo do Carcará no primeiro recorde brasileiro de velocidade, paixão, ousadia e coragem.

  • e digo isso com a felicidade de ter podido ler sobre isso; e digo isso com a felicidade de saber que, de alguma forma, mesmo que seja só lendo, tivemos todos algum contato com tudo isso e com toda esta gente importante que mostrou o seu valor….

  • Claro que o FG não deixaria tal data passar em branco. Aliás, ele deve ser que nem casal em começo de namoro. Deve comemorar 1 mês, 2 meses, 3 meses…
    Essa foto é a mais linda de todas que eu vi sobre o Carcará.

  • Teve um jogo da Estrela que também se chamava Carcará, vcs se lembram?
    De qualquer forma,tb sou fã dessa aventura toda e do carro em especial.
    Mas…no meu coração, o carro de corrida mais bacana que eu já vi foi Maverick Holywood preparadopelo Orestes Berta e pilotado pelo grandíssimo Luisinho Pereira.
    Vou procurar algum link sobre ele ee já volto.
    Abs.

  • Valeu Flávio. Você não só reaviva memória dos matuzas e outros mas também faz com que pessoas como eu, que nunca ouviram falar do Carcará passem a admirá-lo, e a admirar todo o pessoal envolvido. Muito Obrigado.

  • Olha Flavinho: BOM DIA, é sexta-feira.

    Então: não me interesso por antigos nem entraria em nenhuma luta para preservação de ‘passados’, de qq espécie. Leio o seu ‘blig’ desde o primeiro post e descobri que não faria isso, eu, pela falta ‘de coração’ impressa em nós: pela sociedade, desd’a colonização.
    Por isso: PARABÉNS(!!) por ser diferente e, estar demonstrando que ainda é viável impôr uma gotinha de coração às coisas…continuarei lendo por aqui e, começo a entrar na onda defensivista…
    Continue nos “enchendo” de cultura e informações: de base…
    e, ‘PARABÉNS ao CARCARÁ tb!!’

    Abrass,
    a todos
    http://www.barriganamiseria.zip.net

  • Caro André Grigorevski.

    Por favor me fale onde vc viu essa ALFA GTV detonada. Estou procurando uma para transformar em carro de corrida pra Super Classic.

    Um abraço

    Márcio Estaliano

  • Pra quem não conhece o Rio, essa estrada hoje tem até oito pistas em alguns lugares. rss
    E lá naqueles morros como já disseram está um dos lugare smais lindos do Rio e que não está em nenhum cartão postal. (Ainda Bem).
    Quanto ao Carcará, PARABENS A TODOS QUE PARTICIPARAM DESTA SAGA E ENTRARAM PRA HISTORIA E PARABENS GOMES PELA PERSISTENCIA EM MANTE-LA VIVA E NA MEMORIA DE TODOS NÓS.

  • E viva o museu do automobilismo do Paulo Trevisan. E digo isso com a felicidade, pois estou “no lado” de Passo Fundo-RS. E digo isso com a felicidade, pois ontem ganhei de presente, de uma antiga funcionaria do Trevisan, o livro O Automobilismo no tempo das Carreteiras. E digo isso com a felicidade, pois tem muitas fotos legais….

  • Já pensou o Carará II na superclassic,em 1937 era reaberto o circuito de Avus ,aquele que o Gomes foi visitar para ver sua incrivel curva inclinada,pois bem , tanto a Mercedes quanto a Auto Union usaram nessa corrida seus modelos “streamliner”,eram carros de quebrar recordes de velocidade bem aerodinamicos estilo Carcará ,como Avus era um circuito com apenas duas curvas e duas longas retas ,os streamliners se deram muito bem ,inclusive estabelecendo o record de velocidade ,com media de 276Km/h que só foi alcançado 40 anos depois em Indianapolis.Por isso acho perfeitamente lógico um dia ,quem sabe ,ter nosso historico Carcará em um prova da Classic ,uma forma de comemoração anual ,tai minha sugestão.

  • Isso aí, Flávio! Longa memória aos malucos que se dedicam à utopia de querer fazer as coisas de uma maneira diferente, num lugar esquecido de Deus, principalmente quando todo mundo acha que não dá pra fazer…
    E gostaria de dar uma sugestão:
    O Carcará II poderia ser convidado a participar das corridas de Classic como carro-madrinha na volta de apresentação de voces. Com um pouco de divulgação, com certeza isso criaria um fato jornalístico que poderia justificar a cobertura da mídia, e os holofotes sobre esses e outros feitos do nosso automobilismo. Que tal o Copersucar como carro madrinha de alguma categoria como a Super classic? Ou uma das carreteras? Ou os Alpine (se ainda existirem)?
    Fica a sugestão, afinal, tudo é festa para quem gosta de carros, não é?
    abraço a todos.

  • Essa Clássicos Qr mencionada foi o importante para eu começar a gostar de carros antigos – fácil para quem sempre gostou de carros desde as fraldas – e a matéria é de um primor irretocável; vida longa ao Carcará….bom, mudando um pouco de assunto (mas pertinente: Clássicos), futricando no controle da teve ontem, no episódio da Feiticeira (arghhhh…..foi acidente), me fixou a atenção rápidas imagens de um festival de Corvettes Stingray conversíveis em alguma cidade perdida de lá, nas ruas e um rápido plano nas estradas….muito legal, carros de 40 anos atrás novos em folha na tv, e mais alguns coadjuvantes v-8. Interessante pano de fundo para a história (corrida da carrinhos de lomba).

  • Gomes, como a memória do povo é curta, seria simplesmente maravilhoso você “martelar” nossas cabeças com essas histórias. Se o resto do automobilismo não vai se lembrar, é porque vemos que temos cabeças insignificantes em seu meio, e isso é triste. A História nos faz pensar em quem somos, de onde viemos, e quem sabe, pode nos ensinar aonde ir. Isso sim, é sabedoria, e como se sabe, sabedoria é uma forma de felicidade.

  • Não há nada de novo sob o sol, pelo menos aqui na terra brasilis, e nada de surpreendente também se divisa no horizonte. Portanto, temos mais é que preservar a memória dos nossos grandes feitos e daqueles que os realizaram. Parabéns, Norman, Jorge Lettry, Crispim, Anísio e Bob Sharp, que emprestou as rodas dianteiras de sua Vemaguet particular, pois sem elas, o redorde não teria sido possível.

  • Parabéns, amigo FG.
    Pela lembrança, pelo post e pelo seu esforço em manter viva a memória do automobilismo brasieiro. Conte com o nosso apoio e saiba que terá sempre o nosso respeito e admiração pela pessoa e pelo profissional que você é.

  • Oi Gomes,

    Acho legais essas citações que você põe às vezes, em itálicas e entre parêntesis, mas acho que ficou faltando dar o devido crédito. Senão, fica parecendo que você está se apropriando de coisa que você não escreveu, sobretudo as letras de canções em inglês. Eu imagino que esse não seja seu objetivo, mas é melhor deixar claro, sobretudo nesse mundo internético onde presumivelmente os pertences de cada um estão aí para serem violados.

    Espero que compreenda a crítica como construtiva.

    Abraços e continue na sua via, pois este é um dos melhores blogs brasileiros, na minha opinião.

  • Se continuarmos a dar suporte à história automobilistica como temos feito, comportaremos em breve uma exibição priveé do Carcará II. Uma pena é não podermos contar mais com a presença de Norman, mas os demais envolvidos ainda estão por aí, e com certeza, ávidos por compartilhar suas histórias.
    Mal posso esperar pelo dia 15…

  • É isso aí.
    Um acontecimento desses, não pode passar em branco.
    Mais uma vez Flavio, obrigado por ter criado esse espaço.
    Sempre vai haver uma meia duzia de tres ou quatro malucos lembrando esse feito do Carcará.
    Conte com a gente!

  • É isso aí, FG.
    Tem que ser teimoso e intransigente.
    Voce, que criou este espaço e é pioneiro da Internet, tem mais é que socar o pé no acelerador.
    Sabe que tem todo o nosso apoio.
    Use-o.

  • E imaginar que quase todo dia durante uns cinco anos passei na mesma estrada onde foi o recorde, morava exatamente no pé do morro a esquerda perto da entrada de grumari. imaginar tudo aquilo sem prédios, casas, shoppings, trânsito literalmente só com o céu por testemunha e os homens que ousaram sonhar é de arrepiar !