Isso era Silverstone

SÃO PAULO (valia a pena madrugar) – Para quem viu a chatice da corrida de domingo em Silverstone, dêem uma olhada neste pequeno vídeo do GP da Inglaterra de 1993. Senna versus Prost versus Schumacher.

Ayrton tinha o carro menos potente dos três. Contra a Renault da Williams não tinha nem graça, mas ele deu uma bela canseira em Prost. A Benetton tinha um Ford de uma geração mais recente que a McLaren. Michael nem teve tanto trabalho assim. O barato de Ayrton foi dar uma zoada em Alain. Com Schumacher, só uma dificultada de leve. Suficiente para deixar Briatore pê da vida. E Tom Walkinshaw, ao seu lado, um picareta que, apesar de tudo, entendia de corrida, morrendo de rir.

Cortesia do blogueiro Johann Falbo.

Comentários

  • É isso aí Pedro Jungbluth!!!
    Vivo falando isso, o que mata a F1 de hj em dia é o excesso de paradas. Não se ganha mais na pista, se ganha nos boxes e isso é uma chatice!!!
    Quanto ao Senna, ética o escambau, ele estava era se divertindo. Aliás se os pilotos fossem um pouco menos sérios hoje a F1 já recuperaria muito da sua graça…

  • Stefano Modena:
    Desculpe discordar, mas não vi nada anti-esportivo no que o Senna fez. Ele não fechou a porta dançando na frente de ninguém, nem adiantando freada feito um maluco, como faz o Alonso.
    Ele acertou suas tangências de curva para pontos em que não seria ultrapassado, e entrou de maneira bem limpa e redonda nas curvas.
    Atraia os pilotos para pontos de ultrapassagem ruim, mas não utilizava de violência para forçar ninguém.

    Foi por isso que bastou uma manobra dessas para um piloto genial como Schumacher conseguir a ultrapassagem.
    P.S. O carro do alemão era infinitamente pior que o de Prost, fica nítida aí a diferença de talento dos dois.

  • Tem muita coisa envolvida, mas não dá para negar as questões técnicas. Prost e Schumacher não se aproximavam só pelo motor, mas sim pelo vácuo. Hoje em dia o vácuo é tão disperso, e a turbulência tão prejudicial às entradas de curva, que um carro perde muita aderência ao encostar em outro.
    Quem viu Raikkonen, bem mais rápido, atacando o Fisichella, percebeu isso. Simplesmente não podia aproximar, tinha que ficar beirando.

    Mas o principal problema é no número de paradas. Os pilotos têm que acertar o carro para seu desafio, se o desafio for passar nos boxes (ou impedir ser passado nele), assim será acertado.
    Ano passado, com os pneus tudo iguais, teve bem mais ultrapassagem na pista (e parece que ninguém elogiou).

    Assim concluo que o grande vilão atual são o exesso de pit-stops, e paradas muito rápidas.

    Se voltassem a colocar chicanes nas entradas dos boxes, e limitassem a velocidade à uns 60 km/h, as estratégias ideais levariam a menos paradas, menos paradas trariam pneus mais duros, e menos farofa na pista. Com isso veríamos mais condições técnicas para ultrapassagens.

    Mas ao contrário disso a cada ano a velocidade no pit lane é aumentada, e as entradas dos boxes são facilitadas (lembram de Magny-Cours, e sua reforma?? Ela possibilitou que Schumacher vencesse lá com 4 paradas!!!).

    Andam para trás, na nossa querida F1.

  • pro Rafael, que postou ali embaixo: o Prost não era banana, era bandido. Bom piloto, dos melhores, mas não era honesto. E amarelava ao disputar com o Senna.

    O fato é que nessas disputas desses videos, dá para ver que mesmo nessa droga de Silverstone cheia de chicanes é possível uma disputa boa, quando tem pilotos de bom nível.

  • Fazendo uma pobre comparação com o esporte bretão que anda tanto em voga: as corridas de hoje são que nem jogos terminados às toneladas em 0 a 0 ou 1 a 0 – dá pra perceber que o gol, nesse caso, é a ultrapassagem. Troca de posição nos boxes é um gol que não se vê. Muito chato…

  • Dizer que as modificações limitaram as disputas é balela, pois foram idealizadas para reduzir custos, sem comprometer a segurança e dirigibilidade dos carros, o que seria então das disputas de posição quando Fangio punha a barata lado a lado com alguem? pneus diagonais, sem pressão aerodinâmica, etc… o problema é de anatomia, tá faltando é braço e peito!
    Senna, saudades …

  • Interessante como as pessoas aqui julgam fácil fazer uma ultrapassagem… vocês não tem idéia de como é difícil dividir uma freada… mas de qualquer forma, a grande diferença para o que vimos nesse vídeo é que os carros, nesta época, conseguiam andar juntos na curva… hoje em dia, nem pensar… ai me digam… se não tem como entrar colado na reta, passar como??? Só pelos boxes mesmo…

    Quando a F1 rever os seus conceitos de aerodinamica, permitindo que os carros andem juntos, garanto que isso vai melhorar e muito o espetáculo.

  • Senna tirou aquela temporada de 1993 apenas pra carimbar o previsível título de Prost, essa foi a verdade. Lembram-se do famoso veto imposto por Prost e seus advogados a que Frank Williams contratasse Senna para 1993 e repetisse a dupla da Mclaren 88-89? Prost levantaria seu quarto título se isso tivesse acontecido? O SE não existe, mas algumas vezes dá o que pensar… Mas que foi divertido ver Prost sofrendo na disputa contra aquela Mclarenzinha tampão, foi.

  • Bons tempos tenho em VHS… 90, 91, 92….. as vezes bate a saudade…..

    Acho que se aumentar os Pneus…. Padronisar os freios…. Deixar os motores parecidos…. as corridas voltariam a ser melhores….

  • O engraçado é ver o Briatori puto da vida com o Senna e o Pessoal dele atrás dando risadas. Realmente, o Senna fazia a diferença, mesmo com um carro nitidamente inferior ele perturbava bastante os seus adversários.

    Jovino

  • Humor negro ( ou afro descendente como queiram ), da semana : O Senna queria tanto o ” carro do outro mundo “, que o carro do outro mundo literalmente o levou para o outro mundo. Antes que as histéricas puxem os cabelos, é só uma piadinha tá…

  • Essa temporada foi o divisor de aguas entre a F1 de hoje, sem graça e monotona e a F1que a gente assistia babando, lindo de mais esse pega, tenho a fita, vou até assistir hoje……Querida faz um macarrão com frango para o jantar, tem corrida hoje!!!