De Fortaleza ao Chuí

SÃO PAULO (na volta, mais posts) – Jonny’O foi quem achou estas preciosidades. Fotos do Rali da Integração Nacional, não sei o ano direito, que ia de Fortaleza ao Chuí. A fauna automobilística é o máximo: Fuscas, Variants, TLs, Pumas, buggyes, Corcéis, Opalas, pelo visto tinha de tudo.

E os vencedores da Classe 1 foram nosso velho amigo Jan Balder e Alfredo Maslowski, com o Puma abaixo. Uma prova dessas hoje, mas de clássicos, seria divertidíssima. Só não sei onde iríamos arrumar tempo. O Jan é organizador de ralis. Quem sabe não se anima…

Comentários

  • nesta foto do Jean e do Naslowski, faltou falardo Genio ao lado do Jean que era o mago da Puma, O Sr Crispim, querido amigo que tinha “””mãos de fada””” para montar motores VW, Ele era o chefe da equipe de manutenção.
    Conhecí este genio da Puma.
    Quando vc comprava um Pum e queria “apimentar ” lá ia o Crispim falar com vc para ver o quanto vc queria “envenenar” o seu carro.

  • Vamos pensar em reeditar algo assim ? Por que não ? Eu, que humildemente participei do 1o. Rallye Mercosul em 2004 com meu Sedan VW1963, e foi um grande barato, o sucesso que ELE fez,e o prazer de dirigí-lo por quatro países e chegar inteirinho. . só que me sentí muito “peixe fora dágua”, no meio daquelas Pajeros e L200s com caras de má . .se fossemos todos mais “iguais”, além do charme, seria uma delícia. . .

  • Como seria bom ter uma prova dessas hoje. Além de muitos matarem a saudade, iria despertar muitos aficcionados.
    Se não me engano na Inglaterra e alguns países da Europa existe provas de rali reunindo a “velha guarda”, tanto pilotos como carros.

  • Esse eu vi de perto. Eu cruzei com o rali na ida e na volta. Era 1971, foi a primeira vez que fui de carro ao Ceará, de Niterói a Fortaleza, eu e meu pai dirigindo uma Variant 1600 zero km, azul pavão, aquela com dois faróis redondos na frente, e mais alguns outros faróis, de milha e neblina, enfim me sentia no clima do rally. Cruzei com a equipe oficial Ford do Greco, mas acho que além dos Corcéis, tinha alguma Belina também, me lembro de um Galaxie com tala larga, muito feroz, aquela viagem entrou pra sempre na minha história, não só por ter ido de carro até o Ceará rodando mais de 3 mil quilômetros, como pelas aventuras que dela surgiram, como o cavalo que atropelamos, quebrando todos os faróis, a rodada na chuva com pneu furado, já no estado do Ceará, e o encontro com o rally da integração nacional com seus carros super equipados e adesivados, na época, simplesmente o máximo, nunca dante visto. Inesquecível.

  • Só aqui, pessoal…
    Sidney Cardoso, Jan Balder…
    Quando na vida sonharíamos em ter depoimentos de uma turma desse naipe?
    Quando esperávamos ansiosamente a 4 Rodas, a Autoesporte, a Grand Prix…
    Hoje a tecnologia nos permite saber imediatamente o que há…
    Ler informações direto da fonte, escritas pelos protagonistas não tem preço…
    E parece que tanto o Sidney como o Jan estarão presentes no próximo sábado… Além do Edgard de Mello Filho, talvez o Bird, ou o Anísio Campos, o Bob Sharp… Vou levar meu babador-gigante.

  • Jan…grande amigo e piloto! Obrigado pela homenagem…e qto ao Joca, eu não sei de onde tirei esse Ti4, acho eu que estava fazrndo uma coisa e pensando em outra, isso tem me atrapalhado ultimamente, me desculpe pela derrapagem. Qto ao Bino vc tem razão tinha uns 90 cavalos, isso eu sei bem porque eu tive um kit desse em um duas portas GT em parceria com um primo. Agora a corrida em que o Joca fala, acho que foi em 69, qdo um quatro portas branco correu com o Pace e bateu forte na largada na traseira do fuca dos Fittipaldi. Essa cena o Jan conhece bem, ele estava lá…

  • Caros Amigos,

    Fiquei emocionado ao ver as fotos, qta saudade.
    Vou contar um pouco dos bastidores deste rally.
    O ministerio dos Transportes queria mostrar um Brasil asfaltado de Norte ao Sul e seriam permitidos apenas veiculos nacionais.
    O Alfred e eu julgamos que o melhor seria um Puma devidamente elaborado pois durante a prova seriam inseridos pela primeira vez trechos (primes) contra relogio e a performance seria importante.
    Tecnicamente penasamos num motor 1,6 com kit Puma(devia ter uns 70 cavalos) com cambio escalonado(Caixa 1) e pequenos acertos de geometria(cambagem traseira) e fomos até a Puma verificar a possibilidade.
    O Milton masteguim (um dos sócios da Puma) tinha um otimo relacionamento comigo. Ele me ajudará em algumas corridas de estreantes(DKW) e foi a pessoa que viabilizou a participação com um malzone nas Mil Milhas((Nota- Foi o rato que correu comigo……) e ele imediatamente adorou a idéia do rally e falou o carro entro, mas os custos vcs se viram. O carro virou jornal, apoio da Pirelli, varga, Cibié, e outros. O Norman Casari me ajudou para tentarmos a Brahma com carro todo Laranja mas eles não quiseram. Foi uma luta mas somando esforços deu tudo certo.
    O Miguel Crispim que trabalhava na concessionaria MM(tb da PUma) elaborou todo o carro e combinamos que ele acompanharia o Rally a partir do Rio caso estivessemos bem classificados. Ele foi com minha variant, dormiu no sitio do Norman em Itaipaiva e qaunta boa lembrança que ao chegar no Posto de gasolina em Petropoles toda turma nos aguardava, até o Onibus da equipe Brahma Casario lá estava.
    Que turma unida. O Peixotinho nos deu dicas quanto a subida de montanha contra relógio e nos alertava a onde começava a neblina pelo nosso livro de bordo(haviamos treinado na ida – fomos rodando até Fortaleza).
    A Ford fez de tudo para ganhar, tentaram usatr o tapetão, mas eles subestiram o rally achando que seria mole. Foram de Corcel Bino, acho que deviam ter ido com m otor Alpine) para tentar disputar conosco. O prório Greco percebeu antes da Subida- %[email protected]$&@#Omelete vc com este carrinho de plástico vai abrir muita vantagem- e repliquei estamos perfeitamente dentro do regulamento. Azar seu.
    mas quero na realidade usar este espaço do meu amigo Flavinho e seu braço Salomão para agradecer e homenagear mais uma vez o Milton Masteguim (hoje Chamonix) e o Crispim(hoje Maserati).
    Forte Abraço a todos
    Jan

  • A Variant atrás do Buggy é igualzinha a uma que eu tive. Comprei aparentemente acabada, pois o motor estava ruim e a lataria podre, mas estava no ponto certo para reformar. O motor foi a primeira retífica. a lataria, embora podre, não tinha batidas e nunca havia sido repintada. Ficou praticamente zero depois da reforma. Nunca deu um defeito sequer. Um amigo pediu emprestada para uma viagem ao interior e eu emprestei; quando ele voltou me devolveu o carro e não disse nada, estava inteiro; depois ele me contou a história….estavam numa estrada de terra roubando umas frutas quando o dono da terra apareceu…eles fizeram um rali improvisado….voando pelas estradas de terra. Num certo momento, perderam a estrada e entraram no meio de um canavial, abrindo uma estrada onde não existia….e o carro continou inteirinho…nenhuma marca sequer.
    Algum tempo depois troquei a variant 70 em om opala 79 (pau a pau). bons tempos

  • Zuquim, obrigado!
    Estás fotos são realmente de um dos livros da coleção O Carro, foi muito dificil achar esta coleção completa, foram muitas idas e vindas a SP, onde meu ponto obrigatorio era os cebos de velharias.
    Hoje em dia é muito mais facil , a internet facilitou muito.
    Mas é brincadeira né, o Gomes coloca uma foto antiga e aparecem os Joaquim, Salomão,Veloz,Brandão,Caique ,Nuvolari,etc etc…….pra detalhar tudo.

  • boa memoria joaquim,pra quem ia ao cinema antigamente,tinha o canal 100, o primo carbonari e o jean mazon que faziam documetarios,que passavam antes do filme principal, um desses tres (acho que foi o mazon)fez um documentario dessa prova que eu nunca mais vi em lugar nenhumtem imagens otimas dos carros passando em poças dágua cheios de lama,etc quem souber dê o toque onde encontrar ,vale a pena ver de novo

  • A prova seria deveras interessante, mas com as estradas que temos hoje, ela estaria mais para rali off-road do que rali de clássicos, ademais, será que os velhinhos aguentariam os buracos da 116 ou da 101 na Bahia (sou baiano e moro em Ilhéus)?

  • Salomão, considerando que o Alfa TI4 ainda não existia em 70, por acaso o carro do Olivetti não era uma Alfa 2150? Ou uma Alfa Giulia Super TI?
    Engate, ao que eu me lembre o kit Bino 1440 cc mal dava uns 90 HP e para empurrar uma tonelada do Corcel era fogo. Duas grandes participações do Corcel Bino: uma nas 12 Horas de Porto Alegre de 70 e aquele da Cisa, de BH, que andou nas mãos do Emerson e do Bóris Feldman. Alguns andavam em Tarumã, mas não me recordo dos pilotos. Abs. aos dois.

  • O Gomes tá inspirado ultimamente.
    Na época eu era um guri ensimesmado que comprava QR e ouvia rádios de SP, com a inerente estática. Por culpa exclusiva do Jan Balder comprei 2 pumas, um spider e um GT. Ah, Pumas, não falem nada, por favor.
    Joaquim, dás um banho!

  • Me lembro como se fosse ontem…meu primo passa na minha casa e me chamando aos berros, “Luiz, vamos se não perdemos a saída do prime da serra”. De Minas ele vieram para o Estado do Rio e fizeram esse prime entre Petropolis e Teresopolis, na serra antiga que liga as duas cidades. Saímos voando no Opala 3800, que ele tinha adquirido em SP, e preparado pela Envemo, para Itaipava. Qdo chegamos na alça que faz a ligação da estrada União Industria com a que segue para a serra, estava parado no posto de gasolina da Esso, o Puma do Jan e do Alfredo, e me chamou atenção umas gavetinhas que tinha na parte logo atrás dos bancos dianteiros. Paramos, meu primo foi falar com alguém, não me lembro quem, e partimos para o pé da serra. No caminho, estava o Fernando Calmon com uma bandeira alertando para todos para que todos diminuíssem a velô…logo adiante havia carros parados para a largada e o povo vinha pisando forte, inclusive nós, que quase mandamos o Calmon dessa para melhor…conseguimos chegar a tempo, olhamos os carros e ficamos no primeiro acostamento de pista, a umas três curvas, que dava para estacionar o carro para vermos a largada e a diante. Tinha carro espalhado até pela estrada secundária que vai até o Vale da Lua, um lugar de casas bacanas e de veraneio. É como o FG relatou, tinha de tudo, de bug a Dodge Dart…e alguns tinham até apelido, como O Olivetti, competiu de Alfa TI4, que o pessoal o chamavam de Frango da Sadia…o resto é história, mesmo com a pressão da Greco/Ford, o Puma venceu com maestria de campeão e, se repararem na segunda foto, o incansável, genial, prestativo e genio dos motores, Crispim, esta nela, ao lado do Jan…agora não sei se essa foto foi antes ou depois do Rai de Portugal, em que eles participaram com o mesmo Puma…bons tempos, abs…LS

  • FG, acho que voce deve saber, o Omelete atualmente organiza rallies náuticos. Faz a parte técnica. Claro que isso não ocorre todo mês, e por isso deve ter espaço para ele pensar em outra coisa. Do assunto eu sei que ele gosta e entende. O ultimo que ele participou foi no ano passado com um fusca 70, se não me engano, com um odometro adaptado. Terminou em quinto.

  • O I Rali da Integração Nacional, realizado em 1970, percorreria o Brasil de Norte a Sul, desde Fortaleza até o Chuí, num percurso de quase 5.000 km, intercalado por algumas provas de prime contra o relógio. Caracterizou-se pela enorme briga entre o batalhão de carros da equipe Ford (4 Corcel e uma Belina, todos com kit Bino de 1440 cc) capitaneados pelo Greco e o solitário Puma de Jan Balder/Malowski, que acabou vencendo na geral. Este rali nada mais era que uma tremenda propaganda do Ministério dos Transportes do Governo Médici, época do Brasil Grande, Ame-o ou Deixe-o, Dom e Ravel. O que não tira o mérito da ddupla vencedora. No Rali, duas vítimas: uma fatal, o piloto gaúcho Zaffari que capotou seu Dodge Dart. A segunda foi Tite Catapani que capotou seu Corcel perto de Gov. Valadares, sendo operado naquela cidade para retirada do baço.
    Enquanto isso, nos porões da ditadura o pau comia solto. Literalmente.

  • Se não me engano, essas fotos sairam num dos albuns da coleção Carro, da Nova Cultural, em plena década de 80. Tenho a dita cuja em casa, preciso conferir melhor, mais tarde “canto” o serviço.