De volta à Cortina de Ferro

SÃO PAULO (já está chegando) – Esse aí em cima é o Tatra 603, obra-prima da indústria checa. O blogueiro Roberto Octavio, que tem uma coleção de Skodas e vive na Bulgária, mandou este maravilhoso filme institucional da Tatra rodado em 1962.

É sensacional, porque do lado de lá da Cortina, onde tudo era cinza e duro, na mente distorcida de alguns, os caras faziam as maiores barbaridades de automóvel. Tirando uma da polícia. E isso no auge da Guerra Fria, e num filme institucional de uma empresa como a Tatra…

Mas desconsiderem meus juízos de valor e assistam. A primeira parte está aqui e tem 5 minutos. O complemento está neste outro link.

A trilha musical e a qualidade das imagens são surpreendentemente bons.

Comentários

  • caro 1GT.
    o Ledwinka participou da concorrência em sua faze inicial e conversou muito com o Adolf de quem era amigo.
    só não fez protótipos. a concorrência deve ter sido uma enorme maracutaia com tudo definido antes. a mercedes chegou a fazer um protótipo, mas desistiu sem reclamar nada e se não me engano ajudou seu antigo empregado e desafeto ferdinand.
    assim como nas concorrências dos aviões era tudo decidido antes e dividido. as decisões eram em cima dos projetos, ou seja, dos desenhos, depois se fazia os protótipos dos melhores colocados para checar. como aliás se faz hoje em dia.
    o empreendimento do carro do povo era muito grande para se dar para uma das fábricas existentes, Tatra inclusive. nehuma delas queria que o projeto fosse dado a um concorrente. solução, fazer um empreendimento estatal.
    o mais interesante foi a escolha do local da nova fábrica, foi tão bem escolhido que inundou.
    sem dúvida o 87 deve ter sido feito pelo Ludwinka para marcar posição de algumas soluções para depois requerer alguma compensação a mais, o que conseguiu após a guerra.

  • Grande Roberto Zullino..
    Sim eu sabia que o Ledwinka nunca tinha participado da concorrência pro Fusca…mas que o besouro foi literalmente uma cópia do 87 nem se pode negar…
    Muito da fama do Tatra foi que o autor da autobahns, cujo nome não recordo, disse que o Tatra era o carro ideal para elas…e os oficiais alemães do exército gostavam muito do carrinho…

  • SENSACIONAL!
    Valeu pela semana inteira… Agora os lacaios do capitalismo ianque já sabem de onde saiu o vidro traseiro do Corvette Stingray 63… A trilha é ótima e os veículos coadjuvantes também: aquela caminhonete Tatra da polícia era inédita pra mim – e a Jawa 350 (os tanques eram vermelhos-escuros com laterais cromadas) é a moto mais jeitosinha já feita até hoje. Quem disse que a Tchecoeslováquia é cinzenta? É um dos países de arquitetura mais bela do mundo. Aliás, vou ali na concessionária estatal Motokov 685 de Praga encomendar um Tatra 603 pra mim.

  • outra coisa. um comercial de 12 minutos, explica pq os comuna se deram mal…..não sabiam ganhar dinheiro, e menos ainda gastar…..sabe como é né?…tudo centralizado pela nomenklatura…..

  • só me pergunto qtos foram detonados pra fazer esse filme pq mole do jeito que é, entrando com td naquelas vielinhas.sei não….se a gente for olhar deve ter um monte de remendão por lá….e não se ve praticamente ngm nas ruas….acho que foram avisados antes….hahahaha….sai da frente que a traquinana ta chegando…..mas que é interessante o filminho…isso lá é…..

  • 1GT,
    o Ludwinka nunca fez protótipo para o “carro do povo”. as acusações de cópia foram baseadas nos desenhos submetidos oficialmente ao governo alemão e a outros carros fabricados pela Tatra que usavam soluções vamos dizer “inspiradoras”.
    vários fabricantes alemães concorreram ao projeto do carro do povo, inclusive a mercedes e a autounion, mas parece que a idéia era nenhum grande ganhar e se partir de um empreendimento estatal contentando a todos. quis o destino que o mais adequado era um pequeno escritório de projeto que no máximo tinha uma oficina de montagem meio boca de porco, assim pouco pode influenciar na montagem de um dos empreendimentos mais estelionatários da história. os detentores de direitos que pagaram para ter o carro acabaram enxergando-o de binóculo, jamais rceberam nada usando-se como desculpa a guerra evidentemente.

  • Se não me engano o Tatra que praticamente era um fusca com outro emblema era o 87…o 77 era bem maior, com aerodinâmica muitíssimo apurada para a época.
    O Tatra 77 já tinha o V8…o 87 era 4 cilindros.

  • apenas complementando. Hans Ledwinka e Ferdinand Porsche nasceram naquilo que se transformou na Ttcheco-Eslovávia depois da guerra do 14/18 e a nova divisão da Europa.
    como nasceram nos chamados sudetos alemães puderam optar pela nacionalidade. Hans virou tcheco e Ferdinand austríaco.
    sou fanático da marca Porsche, mas nem por isso deixo de me informar.
    A versão é que Ferdinand copiou as cartolas do câmbio, os semi-eixos e outros conceitos dos planos de Hans. como só existiam 3 pessoas que tiveram acesso e essa terceira era o Adolf, caiu sobre ele a suspeita da passagem. como os 3 já morreram, jamais saberemos.
    portanto, jamais houve o dedinho do Ferdinand em nenhum Tatra, mas não se pode dizer o contrário.
    de qualquer forma, o Adolf ao fazer a espionagem cometeu um de seus crimes menores, já que para processá-lo era necessário pegar senha.
    a alemanha não tinha tecnologia de usinagem de precisão e fundição de metais como o magnésio e alumínio, isso para produções em alta escala evidentemente. essas tecnologias de alta escala eram necessárias à produção dos VW. recebeu a primeira fábrica de Wolfsburg praticamente de presente de um notório simpatizante, Henry Ford. máquinas e tecnologia “vendidos” a preços de pai para filho.
    os Trataplan são originários do início dos anos 30 e mantiveram seus V8 refrigerados a ar por mais de 60 anos. aqui no país foram importados alguns nos anos 50, mas não cairam no gosto popular.
    outro que copiou os Tatraplan descaradamente foi o idolatrado Preston Tucker, uma americano que ficou rico na segunda guerra vendendo motores de barco e achava que tinha virado gente. não resistiu à primeira porrada das grandes, mas ganhou póstumamente um filme de hollywwod.
    o incensado Tucker era um projeto risível, um motor de avião Lycoming de seis cilindros refrigerado a ar e pendurado na rabeira. devia fazer uns 500 m com um litro. tinha sua inspiração no Tatraplan, mas nunca teve o refinamento dos carros do Ledwinka.

  • comparar um Tatra com Lada?
    Lada é um Fiat 124 de 1966, vendido num pacote junto com a fábrica de Togliatigrad, cidade assim denominada em homenagem a Palmiro Togliati, comunista italiano morto pelos fascistas `a base de óleo de rícino e manganelo (diarréia com porrada). o Fiat 124 ganhou o título de carro do ano e os russos só c.garam daí em diante.
    O Tatra foi feito por Hans Ludvinka, engenheiro genial, um tcheco dos sudetos alemães, eterno rival de outro tcheco chamado Ferdinand Porsche.
    Ambos disputaram o projeto do carro do povo e os carinhos do ditador, mas acho que o Ferdinand deve ter sido mais feliz.
    Ambos privaram da intimidade do Fuehrer que gostava de palpitar sobre carros, embora não soubesse guiar.
    Contam as más líguas que quem passou os planos do Hans para o Porsche foi Adolf himself.
    Pelo sim pelo não, a VW pagou uma enorme indenização ao Ledwinka. por que sera?
    se os Tatraplan fossem ruins não seriam procuradíssimos na Inglaterra, mas inglês não deve entender de automóvel como nós.

  • Essa coisa de ser tudo cinza não é mito, é o que declararam as pessoas da Berlin oriental quando da queda do muro.
    Agora só o que falta é tentarem chamar isso de “mito”, para defender os regimes comunistas.

  • Valeu pelo ‘cineminha’ de hoje à tarde!
    Os anuncios na TV da época eram bem baratos,inimaginável nos dias de hoje um comercial com 12 minutos.
    Como era bom o piloto da traquitana,ao manobrar pelas vielas com uma direção tão desmultiplicada.Outro detalhe que me chamou a atenção:hoje não temos mais carros para 6 passageiros,com 3 sentados à frente.
    Valeu mesmo!
    Abraços….