Renault dançou

SÃO PAULO (refaz tudo) – A FIA considerou ilegais os amortecedores de massa da Renault. A equipe agora vai ter de rever suas suspensões. O dispositivo é instalado no bico do carro e equaliza as vibrações. Seu conceito é semelhante ao usado em pontes muito grandes e em edifícios construídos em locais onde é maior a frequência de terremotos.

Uma boa explicação, em inglês, pode ser encontrada aqui. Abaixo, uma pequena ilustração da pecinha. Pequena, mas eficiente.

Comentários

  • Sergio:
    Um jornalista não precisa entender de Engenharia pra falar sobre um assunto desses. Ele tem que saber ouvir e entender o que um engenheiro tem a dizer, pra depois explicar aos leitores, ouvintes, telespectadores etc. Eu critiquei o fato de ninguém aqui ter falado nestes amortecedores, antes de serem proibidos. E depois da proibição não apareceu nenhuma explicação dos chamados jornalistas especializados…

  • Caíque:
    Só um porém. O Piquet testou a suspensão ativa na Willians durante todo o ano, enquanto o Mansell ficava na boa vida. Qdo o carro foi pra primeira corrida o Mansell não conseguia se entender com o bicho, enquanto o Piquet dava um passeio. Acho que depois do segundo passeio do Piquet a Willians tirou o carro do Piquet, porque queria o Mansell campeão àquele ano. Se não me falha a memória, a primeira corrida ganha com um carro de suspensão ativa foi do Piquet.

  • Sergio, eu sou um leigo, na verdade na época dos atentados vi na TV um engenheiro que tinha feito sua tese de mestrado no projeto do WTC, e ele tinha uma maquete. Ele deixou muito claro que a maneira como os prédios caíram foi por causa dos blocos de concreto.
    Talvez, se não tivesse tal dispositivo, o prédio aguentasse um pouco mais (até por ter mais reforços estruturais) mas é difícil falar que não cairia.

    Sobre economizar, não falei isso de maneira pejorativa não, até por que economizar muitas vezes é sinonimo de realizar, e alta eficiencia é aquilo que me agrada quando observo a tecnologia. Pra mim encantya mais um carro que faça 100 km/l que um que faça de 0 a 100 em 4 s.

    Por mim, a F1 poderia ser mais lenta que a F mundial, não vejo problema. Ela não precisa ser a mais rápida do mundo, precisa ser a mais eficiente.
    Todos os problemas da FIA são nessa base: eles atacam a eiciencia e o profissionalismo, para fazer o esporte sobreviver sem se ornar mais lento.

  • a Fia e seus artificialismos, faz de tudo pra dar emoção a um campeonato que nem com o patrocínio do viagra decolaria…daqui a pouco a Renault vai ter de largar sempre no fim do grid…
    E a vida segue…mas que é interessante esse atenuador de vibrações ele é…

  • Cesar Costa:

    A tal imprensa especializada não é tão especializada assim. A F1 atingiu um ponto que só com formação de engenharia para efetivamente entender o que ocorre. E essa assunto “vibrações” é bem complexo. Um jornalista não vai entender tão fácil.
    Veja no gráfico em (http://www.gerb.com/en/arbeitsgebiete/arbeitsgebiete.php?&ID=140&kategorie=15) como um pico de amplitude de vibração é reduzido e transformado em dois outros menores.
    Se fala muito de aerodinâmica, motores que giram 20.000rpm, mas o que está por trás disso, é difícil para um leigo (mesmo que muito interessado). Não é a toa que só se fala em milhões $$$, milhões $$$…

    Pedro e Renato:

    O WTC tinha sim um desses sistemas. Somente o vento induz vibrações que não derrubam o prédio, mas são tão desconfortáveis que ninguem ficaria dentro (as pessoas “acham” que o prédio vai cair). Quanto aos terremotos, um sistema desse ajuda, mas existem uma infindade de outras soluções (http://en.wikipedia.org/wiki/Seismic_retrofit).
    Os blocos não são ligados por cabos e sim amortecedores gigantes (estes sim, como nos carros). Claro que o peso do bloco influenciou na queda do prédio, mas depois de horas de inferno, não poderia acontecer outra coisa.
    Sobre economizar estrutura, bom esse é exatamente o objetivo da engenharia. Seria utópico e economicamente inviável construir um edificio destas proporções sem essas soluções.

    Sobre interpretar as regras:

    É isso ai. A FIA sempre tenta equilibrar. Quando a Ferrari tava na frente fizeram muitas alterações. Vai ser sempre assim. Nas corridas do EUA ele usam o artifício da banderia amarela….

  • Ivo, A AUDI fez o que toda fábrica de automóvel deveria fazer: Nunca fazer motores para a F1. F1 não é carro , F1 não é automóvel, F1 é uma coisa esquisita feita para voar colada no chão. Se eu fosse investir em automobilismo e fosse Presidente de um Grande Fabricante, com certeza iria para o WTCC, FIA GT e Rallye, pois lá se vê automóveis correndo, o resto são gaiolas, Monopostos, etc. O Cara foi muito feliz na declaração.

  • Complementando o que escrevi abaixo, a unica coisa certa que me lembro de ver a FIA fazer nos ultimos anos foi a punição a MICHELIN por aqueles pneus que aumentavam a área de atrito, pois isto realmente burlava o regulamento e a Própria MICHELIN admitiu que aquilo acontecia, logo pegaram os caras com a boca na butija.

  • Cesar,

    A FIA proíbe tudo que possa dar a uma equipe uma vantagem sobre as outras. Acho que é uma maneira torta de fazer as coisas, mas os Max Mosley´s sempre fizeram isso. Me lembro do Carro com suspensão ativa – O Senna foi o primeiro piloto a vencer uam corrida com este tipo de suspensão, em Monaco, 1987, mas foi a Williams quem conseguiu a perfeição e a diferença foi tão grande que eles foram punidos com a proibição deste artifício. A McLaren quando começou a utilizar os motores Mercedes, tinham um canhão na maõ, pois Haug e sua tchurma colocavam Berílio nas câmaras de combustão e o motor da Mercedes arrasava e 3 anos depois a FIA proibiu a utilização deste artifício. Quando o Controle de tração foi proibido a FIA fez de tudo para acabar com ele , mas como isto é um Software que pode se auto-destruir até via box, Dona FIA desistiu. Como a Ferrari estava passeando de 2000 pra cá, Seu Moxley resolveu premiar o 2º colocado com mais 2 pontos e quase beneficiou o Raikkonen com essa maluquice, pois antigamente a diferença entre 1º e 2º era de 3 pontos e depois passou para 4, mas a FIA diminuiu na mão grande para 2 pontos. Essa joça funciona assim mesmo…mal, muito mal, acho que também o sr. Bernie está por trás disso.

  • Sinceramente, não é questão de maniqueísmo, mas há algo de muito errado nesta decisão da FIA! Parece até uma espécia de protecionismo à Ferrari que, conincidência, ou não, se deu bem justamente nos GP’s nos quais a Renault teve de abrir mão do louvável sistema de amortecimento. Desse jeito a F1 está retrocedendo bonitinho!!! Retrato disso é o pronunciamento do chefão da Audi recusando-se a injetar dinheiro na atual F1, visto que não há retorno algum para os carros de passeio. Mais uma vez a FIA erra a mão e deixa nebuloso o futuro da categoria. É uma lástima!!!!

  • Pedro,
    Pelo que sei, o WTC não tinha nenhum sistema de amortecedor, até mesmo pq em NY não acontecem terremotos. Tem uma carga de vento significante, mas sem necessidades para qualquer dispositivo de amortecimento.
    As torres caíram basicamente por causa da ação do fogo nas treliças metálicas das lajes, que não resistiram ao grande tempo com temperatura elevada.
    abraço

  • Desde o ano passado quando o antipático Alonso ganhou o campeonato eu pensava que este carro tinha alguma coisa de irregular .
    Principalmente no sistema de largada .
    É absurdo a maneira como eles largam nas corridas .
    Isto já deveria ter sido Investigado

  • Bem, não sei se isso interessa, mas nos atentados do 11 de setembro, dizem que os prédios caíram daquela maneira tão “implosiva” por causa dos amortecedores, que no caso dos prédios eram dois blocos de concreto, no teto, ligado pela lateral com cabos, e eles deslizavam, naturalmente sempre em frequência inversa às balançadas que o prédio dava por causa do vento. Graças à isso, puderam economizar um bocado em estrutura.
    Mas, Infelizmente, quando os aviões acertaram as torres, a estrutura não aguentou o peso desses enormes blocos, e eles implodiram.

    Mudando de assunto, acabei de ler a coluna do FG e digo que concordo com o absurdo de se proibir um dispositivo desses por influenciar a aerodinâmica e esquecer das barras da suspensão em forma de asa.
    Não é um equipamento tão importante, mas o fato é que a Renault usava ele para econimizar pneus, e isso derepente lhe foi cortado.

  • Regulamento foi feito para ser burlado. Se não, seria desnecessário.
    O que me deixa p* da vida é a falta de informação da tal imprensa especializada aqui no Brasil. Pela primeira vez entendi como a parada funciona (já desconfiava, mas por pura intuição). Pelo o que entendi, a Renault criou e o resto copiou. Eles só não conseguiram ainda copiar o sistema de tração da equipe francesa…

  • Numa estrutura que vibra pode-se montar um dispositivo chamado atenuador dinamico de vibrações (ou redutor…, ou absorvedor…, ou amortecedor…, neste ultimo caso o dispositivo deve ter um elemento que amortece – retira energia – do sistema). Isso é comum em pontes logas, edifícios altos (o WTC tinha, veja: http://en.wikipedia.org/wiki/Tuned_mass_dampers), não somente por causa de terremotos mas ventos já causam vibrações que podem ser desconfortáveis para os ocupantes. Em máquinas também é utilizado. Também em linhas de transmissão de energia elétrica (vejam em algumas linhas de transmissão um elemento fixado no cabo, próximo a fixação com a torre. Trata-se apenas de uma massa que é liga a estrutura num ponto adequado (de alta amplitude de vibração). Essa ligação é feita através de molas e, conforme o caso, amortecedores. Assim quando a estrutura tender a vibrar, ou melhor dizendo, se movimentar para cima e para baixo, quem se movimenta é a massa auxiliar, a amplitude de vibração da estrutura principal é desta forma reduzida. No caso do carro de F1 as suspensões são extremamente duras. Pode-se observar claramente em imagems da TV que o carro salta zebras e ondulações da pista e após os salto o carro tende a pular como uma bola de basquete. Pode-se assim montar simplesmente “sobre” o bico uma massa auxiliar (o agora famoso “mass damper”). O carro vai continuar saltando, mas o comportamento após o salto será melhorado (digamos que “a bola de basquete vai pular bem menos”, quem vai pular é a massa auxiliar). O sistema é somente preso na estrutura do carro e não é ligado às rodas, como já foi escrito em algumas reportagens. Claro que não vão montar “sobre” o bico, como eu escrevi anteriormente. Monta-se dentro do bico. Acredito que isso deve melhorar significativamente o desgaste dos pneus dianteiros. Como a Michelin não está bem no momento, isso deve fazer diferença (o carro com o mass damper pode usar pneus mais moles, mas sem o dispositivos a escolha recai sobre os pneus mais duros). Aparentemente os pneus moles da Ferrari resistem mais e o não uso do mass damper tem menos influência (acho que na corrida da Alemanha foi assim: a Renault de pneus duros e a Ferrari com os mais moles). Difícil é avaliar a influência na aerodinâmica do carro, suposto motivo da proibição. Claro, como o balanço do carro é reduzido, a posição aerodinâmica mais adequada é reestabelecida de forma mais rápida, melhorando o desempenho do carro. Mas acho que isso é minimo. Veja que a Ferrari sofreu bem menos a retirada do dispositivo. Pode-se alegar que o dispositivo é um “lastro móvel”. Tudo uma questão de interpretação. Como na F1 as coisas não são somente técnicas, são também políticas, fica difícil tirar uma conclusão sobre os motivos da proibição.

    Algumas páginas podem auxiliar o entendimento do dispositivo:

    http://www.gerb.com/en/arbeitsgebiete/arbeitsgebiete.php?&ID=140&kategorie=15
    http://www.formula1.com/insight/technical_analysis/race/2006/762/315.html (ver dia 28/07/06)
    http://en.wikipedia.org/wiki/Tuned_mass_dampers

  • Puxa vida, proibem um equipamento low-tech, de alta qualidade de acerto, que poderia sim equipar carros de rua…
    Mais uma da F1 indo para o buraco.

    E em nenhum momento se considera se a Renault, que usava o dispositivo legalmente, não está sendo prejudicada, propositalmente.

  • Inteiramente de acordo com o
    Flavio W, pq a fia permitiu e so agora proibiu?
    Se e movel, os amortecedores normais nao absorvem a vibracao tambem e para isso se movem do mesmo jeito?
    Sei nao a FIA e vermelha desde criancinha.

  • Se não me engano, os amortecedores de massa já existiam no 2CV…

    E não são amortecedores de massa, que nome mais ruim. Ele é “sintonizado” com as oscilações do carro de modo a anulá-las. Se o bico vai pra cima, tem uma massa no amortecedor que vai pra baixo de modo a miminizar as oscilações do bico.

  • e o cacete que a alemão vai dar no espanholzinho !!! quero ver os mecanicos da renault usarem aquela camisa ridicula aqui no brasil !! eles vão saber muito bem quem é schumacher !! octa na cabeça !!

  • chupa alonso , chupa briattore !!!ccarro irregular !! fora do regulamento !! tinham que perder todos os pontos !!!! agora faltam tirar o controle de largada que é irregular tb !! com se explica um carro ganhar até 6 posiçoes numa largada !! picaretagem !! do santo briatore e santo alonso !! agora nas 5 corridas que faltam veremos a verdadeira performance dos carros da renault !! schummy octa com ctz !!! chupa alonso e briatore safados !!!

  • Na minha opinião acho tudo uma pataquada, cada vez mais a FIA promove um deserviço ao esporte com essas decisões exdruxulas tipo era legal, mas agora não pode, ainda sob os argumentos mais patéticos do mundo, pois se esse “amortecedor de massa” é uma peça aerodinâmica móvel oque são então os amortecedores da suspensão ?
    Por favor não estou entrando no mérito de favorecimento ou não da Ferrari, só acho que a FIA tinha que ser pelo menos lógica e coerente nas suas decisões, mas no entanto essas atitudes seja para favorecer A ou B com decisões rídiculas terminam por combalir e manchar ainda mais, o pouco que resta ser manchado nesta categoria.

  • Calma, vamos colocar as paixões de lado, porque não era só a Renault que usava. A revista RaceTech mostra em sua edição de agosto de 2006, pág. 14, uma foto do mesmo sistema, só que a foto é do carro da Ferrari.
    Em suma, estava todo mundo usando, e desde o ano passado.
    Por que então ficar falando que era só a Renault, que foram campeões por causa disso, etc. A verdade é que sem o sistema a Renault sofre mais que a Ferrari, só isso. O resto é bobagem.
    Só um detalhe: em 1998 a Williams já testava um troço parecido e portanto não sei se não usaram antes que todos os outros.

  • Cacthus,

    No início dos anos 80 a LOTUS foi proibida de se utilizar de um carro com 2 chassis, na realidade uma carenagem presa por molas do tipo destes amortecedores, que ficavam entre a carenagem e o Chassi, fixos.
    Este expediente já é bem velho e a FIA detona estas armações. Vide Brabham, Tyrrel e BAR com tanques fantasmas, etc.

  • A FIA não pode, por força de regulamento e estatuto, tirar as vitórias e pontos conseguidos no ano passado e/ou se fosse o caso os desse ano se o Campeonato já tivesse terminado. O máximo que poderia acontecer seriam os pontos deste ano – antes que alguém ache um absurdo, lembrem-se que no ano passado, por descobrir uma trapaça na BAR, os pontos da equipe foram todos retirados, mas nenhuma equipe ganhou os pontos tirados da BAR – outra saída dentro do regulamento seria uma suspensão por determinado numero de provas, como fizeram com a BAR ano passado, pois foi suspensa e lhe tiraram os pontos. E por favor, parem com esse negócio de que estão querendo ajudar a Ferrari. Se existisse essa maluquice, a FIA não teria mudado a pontuação em 2002, dando ao 2º colocado 8 pontos.

  • Peraí, o mecanismo fica INTERNO ao chassis, não altera a forma do mesmo, aje para aumentar a ESTABILIDADE do carro, e das últimas “inovações” da F-1, parece ser uma grande candidata a tecnologia de carro de rua… e é proibida? Fala sério! Proibir asas móveis tudo bem, envolve segurança. Mas proibir tecnologia que pode ser aproveitada para alguma coisa fora da F-1 (e quem sabe até em outras categorias)????
    Aproveitando o espaço: sou de Fortaleza (onde costumava ir sempre ao autódromo ver corridas locais, F-3, …) e estou aqui em Recife (onde NAO vou ao autódromo porque é longe bagarai), e digo, tá díficil acompanhar automobilismo! O que nos resta aqui no NE são as provas da TV, e sinceramente não tem nenhum campeonato decente para se acompanhar, ou por culpa da própria categoria ou por culpa das emissoras!
    Fui!

  • Resta agora a FIA investigar o tal “controle de largada” da Renault.
    Ao que disse que a FIA não puniria caso fosse a Ferrari, vale lembrar que no começo do ano a Ferrari teve que modificar a asa dianteira , pois também era um objeto aerodinamico móvel.
    Abraço

  • Resumindo e abrasileirando, terminou em pizza… a fia retirou um equipamento de uso que ela mesma permitiu e agora não quer permitir mais, porém, não vai punir a equipe por usar tal equipamento pois isso seria um tiro no próprio pé…

  • Acabo de verificar no Grande Prêmio que a Renault utilizava os tais amortecedores desde o ano passado (no qual foi campeã dos mundiais de pilotos e construtores). Não seria este o caso de puni-la?
    Eu hein?! Tomara que a F1 não vire o Brasil das “futricas”…

  • Nesse mesmo blog, há algum tempo:
    “Em carro de corrida todo mundo dá um jeito de andar fora do regulamento”
    E agora, José?
    Como ficam os pontos, as regras, o regulamento, os concorrentes, o campeonato?
    Na F1 não tem vistoria técnica, não?
    Vão ter que ressucitar o vecchio Bruno Brunetti?

  • Amigos, gostaria da opinião de vocês sobre esta minha humilde dúvida/opinião. Sendo esses amortecedores ilegais, surge uma pergunta que realmente não sei a resposta: A Renaut estava usando estes amortecedores desde o início do campeonato? Se a resposta for afirmativa, não seria este o caso de a Renault sofrer uma punição, assim como a BAR sofreu em tempos recentes? Que dizer dos pontos conquistados durante o período de utilização (caso isso de fato tenha acontecido)? Não deveriam ser descartados? Espero que os caros colegas de blog que souberem sobre a aplicação desta punição, bem como se a Renault de fato utilizava os amortecedores desde o início do ano se manifestem, por favor, para eu poder entender esta situação esquisita. Obrigado a todos pela atenção!

  • Espera aí…
    O FG, não era soh a renault que tinha esse amortecedor neh?
    E que bela mancada, a F1 é a categoria que menos se pode ir buscar saídas porque eles podam sempre, o carro tem que ser uma coisa cheia de excessão.

  • A competência da Renault dá uma inveja na concorrência…
    F1 foi e deve ser sinônimo de tecnologia de ponta. Isso é Engenharia, a Ferrari deveria fazer o que sempre se fez: copiar a engenhoca e pronto.

  • Mais uma pérola do jornalismo automobilístico nacional no GP: “FIA dá o veredito: sistema da Renault é ilegal”. FIA DÁ O VEREDITO?? Como a FIA pode dar o veredito se ela é parte no processo??? Meu Deus, alguém no GP procure saber o que é a Corte Internacional de Apelação, por favor. Ela foi constituída por um estatuto da Federação mas não é, nem poderia ser de maneira alguma, parte dela. Ai, ai, ai… A única maneira de colocar FIA nesta manchete é seguir o que vários sites internacionais tem feito: “FIA vence apelação na Corte Internacional”, ou algo do gênero. Brincadeira….