Carros que eu gosto: Dodge 1800

SÃO PAULO (falta um desses na Superclassic) – Mas é mais do 1800 que do Polara. Nunca curti os faróis retangulares, embora não sejam um crime total. Tem Polara bacana por aí, sim, e eram mais luxuosos e bem acabados que os primeiros 1800.

Mas quatro faróis redondos é um negócio muito especial, e esse branco com teto de vinil (nem lembrava que tinha Dodginho com teto de vinil) que pertence ao blogueiro Rodrigo Moreno, primo do Roberto Moreno, aquele da F-1, é esplêndido.

Apesar de curtir muito os Dodginhos, nunca me esqueço de uma história que um amigo me contou há anos, ele que trabalhara no marketing da Chrysler. Não sei se é verdade, mas vá lá.

Diz que a Chrysler soltou o Dodginho no mercado antes do tempo, para acompanhar a GM e o Chevette. Eram carros que concorriam na mesma faixa de mercado. Assim, o 1800 foi para as lojas sem ser devidamente testado.

Conta meu amigo que toda hora aparecia um 1800 no acostamento da Via Anchieta com o capô aberto, e lá ficava por horas, na frente da fábrica da Chrysler. Segundo ele, eram os concorrentes que davam uma grana para quem tinha Dodginho fazer propaganda contra, estacionando o carro ali e fingindo que estava quebrado, para impressionar (mal) quem passava pela estrada.

Mas, continua ele, os primeiros Dodginhos tinham problemas, mesmo. E um belo dia chega na Chrysler um novinho em folha, num caminhão, e estaciona no pátio. Dentro, um envelope enviado por uma proprietária do Rio, que tinha acabado de adquirir o modelo.

Senhora distinta, conhecida compradora de carros da Chrysler, perdera a paciência depois das primeiras semanas e devolveu o Dodginho com o seguinte bilhete, escrito em bela caligrafia: “Enfiem esse carro no cu”.

Não sei se é verdade, como disse, ma se non è vero, è bene trovato. No mais, não era tão ruim assim. Longe disso. Quem tem (ou teve) que testemunhe aqui.

Ah, e os palavrões são prerrogativa deste que vos escreve. Deixem que a falta de educação se restrinja à minha.

Comentários

  • Eu sou propietário de um 79 lindo, já foi me oferecido de tudo eu eu não troco, o pessoal atpe estranha eu com 22 anos gostando de um Dodginho, mas para mim não tem emoção maior do que virar a chave e dar um volta no meu polara, quanto ao rapaz aó de cima que reclamou do carro, ele deve ter um milzinho deixa ele, que os Polaras fiquem com pessoas que os merecemnão com alguns otários que nem esse cidadão!

  • O Junior.Guarde sua ignorancia só para voce.Os carros Chrysler,foram um dos pioneiros em monobloco de estrutura deformável.Seu vidro espirrou,pois não estava corretamente encaixado na borracha e com os pinos de fixação.As colunas do Polara são superdimensinadas e de acordo com o carro.Se seu amigo morreu,lamento mas não foi culpa do carro.Pelo contrário este carro é sucesso mundial,só no brasil que não foi.Era muito carro para um povinho de m…Saudações Moparianas.

  • Maravilha de carro!!! Coisa linda!!! Tive um que ao dobrar a esquina o vidro traseiro esquerdo espirrou sózinho do carro. Acho que o vidro não suportou o carro. Pior, perdi um amigo que tombou o carro à 60km/h(estourou o pneu e bateu no barranco e tombou). A coluna(estrutura do carro) dianteira não aguenta 100kg de peso. Tombou , morreu. Em matéria de segurança não ganha nem do Fusca. Brasileiro se contenta até com Doginho. Porisso é que o povo brasileiro é o melhor do mundo.

  • Faltava esse carrinho por aqui mesmo. Lindo o Polara. Meu tio tinha um, fez mais de uma viagem de São paulo para a Bahia com ele. Engraçado entre as pessoas que conheço a fama sempre foi de inquebrável. Lindo carro, quem sabe um dia não ganho dinheiro para comprar um

  • Paz para todos, olha sou um ex-propietário de Doginho polara gl, e o tempo em que fiquei com ele só me trouxe alegrias, pois era muito bom macio, muito parecido inclusive com o chevette, só que o motor e muito melhor, quanto ao carburador, era só trocar por um solex 32, ai ficava uma maravilha, tenho saudades dele, um forte abraço…

  • Tive um polara vermelho acho que 78 (se eu não me engano a primeira série dos polaras) comprado usado em 79. O carro estava inteiro era uma delícia! Andava muito e a tração traseira ajudava bastante a fazer umas curvas de lado. Era fenomenal! Para um garoto de 15/16 anos UAU! Mas não contente 1 ano depois pirei em um TS e enchi o saco do meu pai uma semana até que um dia quando ia saindo para escola ele me disse: hoje você vai a pé! Tá reclamando tanto deste carro! Então vai a pé!
    Bem lá fui eu emburrado a pe para a escola. Quando chego em casa na hora do almoço… o TS tava lá na garagem! UEBA!
    Mas do polara sempre senti uma saudade imensa!

  • Eu aprendi a dirigir num desses ai azul metalico (não, o teto não era de vinil) e a minha familia chegou a ter três deles ao mesmo tempo (um branco e um vermelho que eram Polaras).
    O carro era muito legal, lembro que era bom de curva por causa da rireção que virava mais do que os outros carros que eu conhecia (biblicamente) na época e que era um tanto beberrão, mas com certeza tinha muito mais personalidade do que qualquer chevete (carrinho ridiculo que só era interessante por ter tração traseira)

  • Ja me derreti aqui neste espaço pelos dodginhos mas nunca e demais falar bem dos quatro que tive. Comecei com um 77 e depois foram so Polaras . Um 78, outro 79 GL todo azul por dentro e por fora que era uma coisa de louco de inteiro e o ultimo foi um GLS vermelho que parou na minha mão com o motor 1500 argentino. Uma pena pois era a unica coisa que não prestva no carro (paralitico). Mas comecei a minha paixao por eles na adolescencia, nas roubadas do 1800 do pai de um amigão! Coisas incriveis foram feitas naquele 75! Aos colecionadores que lerem aqui um abraço e eu tenho em casa provavelmente o ultimo painel de instrumentos do GLS ZERO KM!!!! Ta no plastico da fabrica (Veglia). Alguem se habilita?

  • Comprei há uns meses um dodginho do meu irmão, o moleque estava sem grana para investir na oficina e eu fiz a caridade para ajudar ele. Resultado: tenho hoje um dos melhores carros que já tive! Reune TODAS as qualidades do Opala e do Chevette, e nenhum dos defeitos… Até minha mulher adorou, e olhe que eu vendi o carro dela para compar ele (por isso, teoricamente, o carro é dela). Ainda estou pensando em como vou fazer para compar outro carro para ela sem vender ele. Mas a garagem está ficando muito cheia (duas vemaguets, opala e o dodginho). E um detalhe: o meu dodginho é picape, foi transformado quase zero por um concessionário! Se depender de mim, nunca mais vendo!
    Um abraço a todos.

  • Os dodginhos nacionais tinham um desenho da capota e o vidro lateral traseiro ligeiramente diferente do avanger 2 portas inglês, mais moderno e circundado pelo friso cromado. Foi utilizado só no Brasil. O argentino era igual ao inglês.

  • Bom , falando do Doginho Polara tenho algo a acrescentar, quando eu morava no interiorrrrrrr, só conhecia e dirigia, Jeep, Rural, Fusca, Brasilia etc. Um belo dia foi a Salvador, e como todo mundo tem um primo rico , este então me pediu um favor , levar seu Polara pra sua casa , aceitei mas não sabia que o câmbio era automático, quando me vi sozinho dentro do carro e com vergonha de perguntar aos passantes como era que botava o bicho pra frente, comecei a suar igual a cuzcuz, mais depois de algum tempo de cabeça fria, liguei o danado e botei-lhe para andar, em resumo jamais imaginava que fosse o homem produzir carro mais interessante.

  • Esse Dodginho ai da foto é o meu primeiro. Já tive Dart 78, Magnum 80, atualmente tenho também um Le Baron 81 e posso afirmar que esse carinho é show. Já rodei 2.000km com ele desde que restaurei e nunca me deixou na mão. Sem contar que quando vou aos encontros com ele, junta um monte de gente para ve-lo e contar histórias sobre Dodginhos assim como está acontecendo aqui no blog.

  • FG, meu avô teve um 1800, cinza, pelo que me lembro. Nessa época ele morava na Praia Grande e várias vezes desci com ele para lá. Meu avô era um motorista habilidoso (fazer o que ele fazia e sair vivo só podia ser habilidade), mas pouco paciente. As duas coisas que me lembro dele fazendo com o 1800, descendo a serra em altíssimas (para meus 10, 11 anos) velocidades eram: trocar a marcha no tempo, sem usar a embreagem e chamar praticamente TODOS os outros motoristas de NAVALHA. Coisa que eu, de sacanagem, faço até hoje. Pena que quase ninguém entende…

  • Tive dois : um 1800 branco de capota preta de vinil e um polara beje . Na verdade meu pai teve os dois e eu herdei polara com o tempo . 22 anos , terminando faculdade , recem casado ( mulher conquistada com a ajuda dele , o Polara ) emprego na Bahia , e lá vamos nós , começando a vida de adulto a bordo do Polara . Sem a preciosa ajuda de papai e mamãe , que não gostaram muito nem do casamento precoce nem da mudança de Estado , o consumo dele finalmente me derrotou . Troquei no meu primeiro Fiat , um 147 branco . Bebia pouco , mas que falta eu sentia do cambio macio e de engate preciso do dodginho … Nunca tive grandes problemas . Agulha do carburador era , que eu me lembre , o único pepino recorrente . Mas que carro daquela época era perfeito ? ( lembrando que há havia se encerrado a produção do DKW , antes que o FG diga ) . Plano Cruzado , dinheiro no bolso , recem casado na Bahia e montado no dodginho . 2 coisas boas : a vida que levava a bordo deste Polara e a idade que eu tinha na época ….
    Ah, e deste Fiat 147 eu passei para um Lada Laika azul com 5.000km rodados . Minha esposa aprendeu ( ???) a dirigir nele . Depois se tornou ex-esposa , e a atual também aprendeu (????????) a dirigir nele . Como carro era uma b.o.s.t.a. , mas como maquina era muito bom . Guentou calado o que muito carro não guenta chorando …

    • amigao tive um diginho polara 74 único dono era o dono da piracema veículos. concessionária criesler carburador a óleo com diafragma. O primeiro 1.8 do Brasil. Saudades dos clássicos brasileiros.

  • Lançado em 73, o Dodge 1800, era uma cópia mal feita do Hillman Avenger inglês. No primeiro teste feito pela Quatro Rodas a alavanca de câmbio saiu na mão do repórter, creio que o Marazzi – havia quebrado na base!!
    Mas a Chrysler fez um trabalho de recuperação no carro ao longo dos anos, chegando a ser campeão paulista (e acho que brasileiro) na Div-1, categoria B, nas mãos de Fabio Sotto Maior. Também foi campeão Norte/Nordeste, com o cearense Maninho Brígido. ( esse carro acabou nas minhas mãos, literalmente). Na Div-1, disputava a Classe B enquanto os Passat TS se enquadravam na Categoria A. Mas na pista andava na frente dos TS.

  • Historinha rápida do Dognho do meu pai. Zero kilometro, tinindo de novo, acho que 74 ou 75, vamos a la playa e na primeira curva da serra…o volante saiu na mão…..!!! Se foi descudo de montagem, falta de qualidade de material, ruindade mesmo, o que sei é que nosso Doginho teve vida curtíssima, nos deixando com uma tremenda saudade do nosso Dart 73, com roda funil e escapamento duplo trocado em função dos anos de escassez de combustível…Abraços

  • Realmente eu acho que o de frente de quatro faróis é o mais bonito esteticamente,assim como o Passat TS mais bonito é o de quatro faróis redondos (na minha opinião,claro…).
    É inegável o avanço que esse carro teve ao longo da sua vida,e realmente foi páreo duro concorrer com os Big Dodges americanos,até mesmo nos EUA,onde esses carros chegavam com a alcunha de Plymouth Cricket.
    Faz parte da minha história de viaturas que acabei nunca comprando,mas sempre simpatizando,lembro-me que uma vez estava no Anhembi num dos vários domingos da Feira,procurando um TS pra viajar no final de ano,quando me deparei com um Polara ano 1977 (o último com essa frente) ,cor vinho e com interno na mesma tonalidade,de um senhor de aproximadamente 60 anos,impecável,com pouco mais de 20000 km rodados…
    Comentário do meu pai: ” que carro lindo,mas uma pena que o senhor não comprou um Passat nesse ano,se fosse assim eu compraria esse carro na hora”.
    Resposta do dono do Polara:”Eu não pretendia vender o meu Polara,mas tenho certeza que se tivesse comprado qualquer outro carro o senhor não estaria olhando pra ele agora…”
    Acabei não concretizando o negócio,mas um grande amigo meu comprou esse Polara,e o mantém como zero até hoje !!!

    Mário/RS

    PS: aqui na minha cidade tem um senhor de 84 anos de idade que possui uns 5 Polaras e uns 9 Big Dodges,ele sempre trabalhou nas concessionárias Chrysler da região,e vejo todos os dias ele comprando pão com um Polara 77 verde metálico,simplesmente zero,com sobrearos e tudo…Fantástico !!!!

  • Nem falo nada a respeito do Polara. Simplesmente tenho um pedaço da minha vida dentro de um, do qual vi meu pai comprar zero KM na revenda Chrysler em BH, mais precisamente em Fevereiro de 1980. Um Polara GL do qual vivi muito tempo vendo meu pai dirigir, e que foi o carro no qual aprendi a dirigir. Até hoje temos o carrinho. Motor com 400.000 km, tudo certinho. Manutenção da qual nós mesmos cuidamos….sem ter de ficar à mercê de mecânicos…..
    Coloquei um carburador Weber de corpo duplo do polara 81, ficou o capeta, mas bebe proporcionalmente. Voltei para o normal, com pistão, fácil de mexer e regular.
    Enfim, é um carro do qual faz parte da minha vida. Do qual cresci , aprendi a dirigir e a amar esse carrinho. Daqui um tempo, darei o merecido repouso ao guerreiro, que andou quase o Brasil inteiro carregando uma família, e que num futuro breve, será repintado, e reformado, sendo apenas utilizado para andar de fim de semana.

    Vida longa aos Dodginhos. que se f……a chrysler se ela não reconhece….tá lá o emblema…o resto é o resto.

  • Esse Dodginho das fotos é simplesmente lindo! Tem um charme todo especial. Parabéns ao proprietário!

    Mas pelas melhorias e principalmente pelo câmbio automático, eu teria um Polara dos últimos (apesar de não ser tão bonito quanto os de faróis redondos)…

  • Os primeiros Dodge 1800 lançados em 1974 apressadamente por causa da concorrencia de Chevettes e Brasilias, tinham varios problemas de acabamento e alguns torciam a carroceria acima do normal.
    Lembro de um que ao passar por uma valeta no bairro do Pacaembu, teve o porta luvas aberto e nem cristo conseguia fecha-lo novamente.
    A marca sofreu muito para recuperar o carro que ficou mal afamado.
    Apenas os Polaras mais novos já quase no final da produção, estavam bem acertados e bem acabados.
    E foram os primeiros carros com cambio automatico de 4 marchas no Brasil.

  • Lá pelos idos de 1985, tive um Polara 1977. O carrinho era bom, potente e, à exceção de uma verdadeira “via sacra” atrás de uma agulha do carburador, nunca deu problema. Pena que ele se acabou (e quase que eu tambem) grudado em um poste na famosa e hoje inexistente “curva do tomate”, em Curitiba…

  • Meu pai teve um, bem usado na verdade, mas muito novo… uns 7 anos de uso, mas inteiraço!
    O carro era automático e eu adorava dirigir ele, era gostoso no volante e entregava um sabor nostálgico mesmo na época.E olha que parecia que sempre soube isso.
    E era Polara que é claro , é muito mais lindo e melhor que este! Hehehe!!!

  • tive um gl 1980 com teto solar e roda de magnesio com pouco mais de 2 anos de uso
    morava em bh e ia ao rio todo final de semana,antes eu possuia um passat ts 76 alavanca de cambio longa que era o supra sumo da epoca sendo que eu fazia de bh ao rio em 4h40 min seguindo a caravana dos autos da autobet indo para o rio com o adalberto,ssanchao e alguns outros picaretas da epoca
    na semana que fui de polara o mesmo soltou a alavanca de cambio na minha mao ao passar de quarta para segunda em uma curva prox a barbacena
    o carro era uma %[email protected]$&@#os carb su nao afinava direito e flutuava dependendo da gasolina que se colocava,coloquei um carb solex e melhorou mas gastava quase igual a um 4100,fora o aquecimento pra subir a serra de petropolis lancado atraz dos passat.tinha que parar pra nao abrir a junta.depois eu encostava na parada da caravana em jfora
    isto era em 1982 ou 1983 no auge da autobet e de sanchao que deus o tenha em bom lugar
    pra mim foi um dos melhores preparadores de turismo que eu conheci
    saudoso tempo
    jose carlos sete lagoas

  • Ao contrário dos carros de hoje, os Polara eram muito bem acabados. No Jardim São Paulo (zona norte de São Paulo) tem um Polara GL branco, estofamento cor tabaco e cambio automático. Maravilhoso! O Dodge 1800 tinha o charme dos faróis redondos, mas se fosse comprar um, seria o Polara. Se não fosse pedir demais, um daqueles GLS com painel importado e carburação aperfeiçoada.

  • Flávio,
    Também adoro os Dodginhos, mas os de farois redondo como você. No mercado livre tem um igualzinho a este sendo vendido, só que marron metálico e impecável. Me lembro do campeonato brasileiro de marcas e pilotos quando os Passats TS dominavam até aparecerem os Polaras e eles darem um baile nos TSs que posteriormente, a Volkswagem comprou a Chrysler e acabou com a festa deles. Acredito que se continuassem a serem fabricados eles o teriam desenvolvidos e seriam carros muitos bons.

    Jovino

  • Esse carro é lindo, mais ainda prefiro o Polara! Opinião pessoal, mas aceito normalmente a opinião do Gomes. Prefiro o Polara porque a 10 anos sempre que vou comprar a Lasanha de um “alemão” que faz uma deliciosa lasanha, me deparo com um lindo Polara branco.