De chorar

SÃO PAULO (e esmurrar o chão) – Na boa, quem é capaz de não gostar disso? Quem mandou as fotos foi o blogueiro Irapuã Pereira, de Palmas, que esteve no Sul-Brasileiro deste ano em Caxias do Sul. Registrou o GT, e como eu pedi esta semana fotos legais de GT…

Esse não entra nos “Carros que eu gosto”. Porque esse aí eu adoro!

Comentários

  • nesta época, la pelos ides de 1981/82 começaram sair versoes esportivas do corcel II, lembro que estava inclinadissimo pra comprar um pretao que tinha por modelo serie os campeoes, tinha uns detalhes em dourado, coisa mais linda do mundo…..passou nao comprei, depois a ford me tentou novamente com a serie 5 estrelas….lindo tambem mas acabei comprando um passat sport preto q tambem era show de bola, pena q ainda nao tinha saido caixa de 5 marchas como no gts.

  • O Corcel foi lançado com motor 1.3, em 1968/69 (68 hps) em 73/74 veio o 1.4( motor XP do GT de 71/72, mas com carb. simples 74hps.) o GT tinha 80 hp’s(carb.corpo duplo e admissão especial) . Em 79 já como Corcel II veio o motor 1.6 e o câmbio de 5 marchas com overdrive.

  • É que o comando fica no bloco, aí tem uma corrente pequena ligando o virabrequim ao eixo comando, que aí sim aciona as válvulas no cabeçote via varetas. A corrente existe sim, é só consultar em livros de mecânica mais antigos.

  • Exato, Bianchini, o CHT é o E-Max modernizado para o lançamento do Escort americano, daí aproveitaram a tecnologia aqui.
    Muitos donos de Corcel 1 transformam seus 1.4 em CHTs.
    Mas ele não aciona o comando por corrente, que eu saiba. Se não, não precisaria de varetas para acionar.

  • O CHT nada mais é que um E-Max com câmara de combustão e dutos de admissão e escape modernizados, o resto do motor é igual: comando de válvulas no bloco acionado por corrente, 1.555cm³ de deslocamento (o limite brasileiro para esse motor, os franceses chagaram a 1.565cm³ – vide os primeiros Clio vindos da Argentina e os Renault 19), tudo igual.

  • Boa Bianchini, valeu!! Não tinha atentado ao fato de a Lotus usar os DFV´S na época, agora faz todo sentido!!!
    Mas Pedro, os CHT´s derivam desse motor “E-Max”? Acho que por isso que muitos confundem e acabam generalizando (inclusive eu…. (risos))…

  • CHT significa Compound in High Turbulence, que significa mistura com alta turbulência, isso na câmara de combustão. Por isso o motor responde tão bem em baixa aceleração, e por isso que economiza.
    OHC não tem nada a ver, é o lugar do comando de válvulas. Pode ser no cabeçote (OHC – Overhead Camshaft, que significa Comando no Cabeçote) ou no bloco (OHV – Overhead Valve, que significa Válvula no Cabeçote)

  • Se não me falha a memória os motores CHT (de Combustion on High Turbulence) só foram feitos a partir de 1983 (ou 84) quando saíram os primeiros Escort. Os Corcel acho que eram OHC (que eu não lembro o que significa).

  • Fernando Marinho, esse Corcel II todo preto com filetes dourados era da série especial “Os Campeões”, se não me engano homenagem às Lotus JPS, que na época usavam motor Ford Cosworth.
    Esse GT da foto é uma raridade total, é do primeiro modelo do Corcel II, lançado em 77 como ano modelo 78, a versão 79 já era mais “tradicional”, apenas com uma faixa preta abaixo do vinco inferior da porta. O conservador público brasileiro achou muito ousado esse negócio de capô e teto pretos.

  • Alguém se lembra de uma série que foi lançada, um preto com filetes dourados embaixo da janela (ia de um extremo ao outro do carro). No fim do filete, na parte traseira, havia uma inscrição, se não me engano, “campeões”? Já me disseram que ela se chamava “JPS”, outros me disseram que era “campeões” mesmo. salvo engano o ano dele era 81 ou 82…

  • ESSE, EU TAMBÉM ADORO. A FORD PODERIA TER MELHORADO O MOTOR. QUEM COMPRA ESPORTIVO, NÃO ESTÁ PREOCUPADO COM CONSUMO, EMBORA ESSE MOTOR SEJA ECONÔMICO, NÃO GASTE NEM ÓLEO, O DESEMPENHO É FRACO.

  • Ah… sem contar os litros de “paraflu” (será que ainda existe?) que ele colocava no reservatório do radiador… que era digamos, “blindado”. Agora bonito mesmo era o som do motor…

  • Ombudsman,
    por gentileza, não confunda pouca paciência com grosserias e falta de educação.

    Creio que vc. deva moderar comentários e não agredir os visitantes.

    Se quiser ser respeitado, haja com mais educação.

    Obrigado

  • Puxa belo carro… lembro da minha infância, aqui em casa foram 3 Corcel II, um verde escuro 1.6, outro branco 1.4 e outro bege 1.6… todos na versão L e a álcool… sem contar uma Belina II que tivemos também, L 1.6 álcool… na mesma época tínhamos um vizinho com um Del Rey série ouro… babava aquele painel dele… com o Corcel verde viajamos de Brasília a João Pessoa e 2 dias… no meio do caminho o radiador furou… meu pai fazia remendos a sei lá… cada 200 Km rsrsrs. Ae Flávio, você podia fazer uma seção dessas com o Gol GT, um carro que gosto muito também!! Um abraço!!

  • Belíssimo exemplar! Respondendo ao colega André, o Corcel II saiu com lanternas lisas em 77 e 78. Em 79 ela ganhou uns “gomos” horizontais bem estreitos e de 80 até uma das últimas séries ela tinha um filetezinho preto entre os “gomos” (eram as mais bonitas). Se não me engano a última série (acho que em 84) saiu com luzes separadas para freio (vermelhas) e setas (amarelas). Para completar, os GT tinham 4 HP a mais que os outros modelos Corcel (que eram Luxo, LDO e GT). O Corcel foi vendido inicialmente com motorização 1.4 e 1.6, mas depois de 1979 apenas com motor 1.6. Em relação aos três parafusos para fixar as rodas, isso era herança da Renault, de onde vinha o projeto original do primeiro Corcel. Quando comprou a Willys, nos anos 60, a Ford incorporou também o projeto do Corcel, que era fruto da parceria que aquela tinha com a Renault.

  • Não importa se gostamos ou não de um determinado carro.

    Eu pelo menos sou Passatófilo juramentado e não sou muito chegado aos Corcéis, mas é obrigação de qualquer um reconhecer um trabalho bem feito, com profissionalismo, amor e carinho e este carro está simplesmente MARAVILHOSO !!!!

    Parabéns ao proprietário e a quem teve o prazer de ver este automóvel.

  • Concordo com vc. Feijão.
    Já que vc. mencionou Opala……outra coisa legal do Corcel era o bocal do tanque de combustível escondido atrás da placa traseira.
    Esteticamente perfeito. Que inclusive gerou muitas histórias na época, pois muitos frentistas naum sabiam por onde colocar a gasolina……………tinha que avisar que era atrás da placa.

  • Sam, Tres parafusos seguram sim as rodas. Mas nao sao suficientes pra tranferir com seguranca o torque potencia de motores de verdade. O corcel com um motor de 1500cc nao precisava de mais de tres. Ja os opalas tinham 5.

  • Geralmente eu e o Gomes combinamos em gosto de carro, mas esse é muito feio!
    Já disse aqui que não curto muito as linhas do Corcel II, mas essa frente aí é legal.
    O capô preto… agressivo, legal, mas a linha vermelhinha e essas rodas de desenho estranho acabam com o carro!

  • Corcel é um belo carro, mas esse em especial consegue a proeza de ser mais bonito ainda!

    E ainda é dos que usam lanternas lisas. Em que ano essas lanternas foram usadas? 78? 79?

  • Lindo!

    Reparou nos filetes em degradê fazendo a transição do preto para o prata da carroceria? Na maioria das cores, como no carro da foto, os filetes eram vermelho, laranja e amarelo. Mas o GT de 1978 também era vendido na cor verde escuro. Nesses, os filetes eram em tons de verde.