MENU

quarta-feira, 18 de novembro de 2009 - 15:58ESPN Brasil

O IMPORTADO NACIONAL

ti4SÃO PAULO (um luxo) – Está no ar na página do “Limite” a matéria que fiz na semana passada sobre o Alfa Romeo 2300 ti4. Esse carro do vídeo pertence ao brother Marcelo Giordano, alfista de quatro costados. É 1985, totalmente original, pouco rodado, uma graça de automóvel. Como quase sempre, não fotografei, e uso outra imagem apenas para ilustrar. Aliás, na busca por imagens encontrei este ótimo blog sobre FNM, Alfa e afins.

Na matéria, não sabia se chamava de “a” Alfa ou “o” Alfa. E conclui que certos carros são bissexuais. Alfa, por ser italiano, é uma “macchina”. Mas tem Romeo no nome, aí sei lá. Frangota.

Os meus carros são bem resolvidos em sua sexualidade. Tem “os” e “as”. E não aguento quando alguém fala “a Fuca”, “uma Porsche”, essas coisas meio suburbanas. Quando for falar o nome de um carro, pense bem no gênero. Tirando as/os Alfas, todos os demais são bem definidos.

47 comentários

  1. Earth Dreams disse:

    A pouco ainda tinha uma Pálio Weekend. Seria “uma”, como dizia eu, ou “um”?

  2. Paulo Proença disse:

    Eu tenho dois deles, um 1975 e um 1985 e são carros fantásticos ainda hoje, com equipamentos como o freio a disco nas 4 rodas, que poucos carros tem hoje em dia e ele já tinha em 1974.
    Como curiosidade, hoje conhecemos o 2300 1974 mais antigo, que está aqui em Brasilia, no Museu do Nasser, chassis 0015 e motor 001 e o último fabricado, surpreendentemente, em 1987. O Renato Cunha, presidente do AlfaRomeoBR, o fotografou no Rio Grande do Sul. É preto e está estampado na plaqueta de identificação o ano de fabricação 1987. Foi o último e o único produzido em 1987.

    Abraços

    Paulo Proença

  3. Marcos Vaiksnoras disse:

    Na condição de possuidor de uma Alfa 2300 TI4, gostaria de acrescentar ao leque de características que diferenciam esse carro o fato do estepe vir montado numa roda idêntica às rodas normais do carro e não nessas coisas horríveis usadas hoje (rodas de aço pretas).

    Já troquei pneu furado e saí rodando como se nada acontecera.

  4. Sandro Alves disse:

    O correto é “O” Alfa Romeo, embora na Itália seja La Alfa (porque é La Macchina).

    O ALFA dos Alfa Romeo é uma sigla (Anonima Lombarda Fabbrica Automobili), então é “O”.

    E independente de ser “A” ou “O” Alfa, é uam máquina especial. Pena a Fiat interromper a sua importação ao Brasil.

  5. Leonardo Mansur disse:

    Meu pai teve um exatamente igual ao da matéria, preto ano 1985. O carro era da diretoria do SESC de Vitória/ES, novíssimo. Era uma verdadeira “macchina”, super confortável e andava demais. Lembro de uma vez que meu pai levou o carro na mecânica pra revisar a carburação do carro, e os mecânicos se assustaram com o tamanho deles! eram 2 Solex 40, se não me angano… Esse carro deixou saudade aqui em casa.
    Um abraço, FG!

  6. Luiz Paulo DF disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkk
    tenho um primo que so fala A santana kkkkkk e nem e quantun e o sedan mesmo

  7. Quando eu era criança morava em cidade pequena, e na cidade só havia dois Alfa 2300, ambos de um médico amigo do meu pai, um cinza e um verde, e depois o cinza começou a dar problema, ele não conseguia peças e acabou encostado para virar doador de peças para o outro. Depois mudei de cidade e o um vizinho, avô de um amigo meu, tinha um prata, mas esse era biodegradável…
    Hoje tem alguns bons aqui em Londrina, que tem um Clube Alfa Romeo, mas ainda a maioria que vejo está em mau estado de conservação.

  8. Maurice Stambouli disse:

    A perua DKW ou o DKW Vemaguet? E aí. Está bem definido?
    Hummmm!! sei não.

  9. Bela Alfa!

    Aliás, noto que não só a Ferrari e Alfa, mas outros carros italianos são chamados de “A”. Só dói os ouvidos ouvir “aquela Uno”.

    Pior ainda? “A minha passatera”. PQP…

  10. Beto disse:

    FG, Parabéns mais uma vez pela matéria, gosto muito de ver essas matérias de carros clássicos. Se possível, gostaria de pedir apenas para melhorarem um pouco o som, ele é muito baixo…

  11. Eduardo Cruz disse:

    Sem dúvida nenhuma, essa matéria foi o “plus” do programa, se é que você me entende…
    hahahaha

  12. Hernani TI4 disse:

    Eu sou suspeito para comentar sobre essas maravilhas…rs…vide minha assinatura…

  13. Luis H disse:

    Flavio

    No Blog do Fenemê que vc pos no link, o autor se refere ao ruido “O seu ronco grave, sincopado, era inconfundível e inigualável, e quem teve o prazer de ouvi-lo, não esqueçerá jamais. ”

    Fiquei pensando nos sons inesquecíveis que a gente escuta quando criança e leva pra toda vida… Isso dá reportagem, hein!

    Eu me lembro que tinha um vizinho que era sitiante e tinha uma caminhonete C-10 ( +/- 1974) que do escapamento saía quase um assobio… encontrei uma na rua outro dia e fiquei andando do lado só pra escutar esse barulhinho – (o cara não entendeu nada….)

    abraços

  14. Eric disse:

    Nosso grande Rodrigao possui uma prata lindissima,com direito a placa 2300.

  15. Levi Davet disse:

    Esse é um carro foda. Sabia que existia, mas não sabia que era tão bom quanto foi mostrado na matéria!

  16. Christian S disse:

    Tive 4 destes um 75, um 76, um 78 e um 80. Tive também outras maquinhinhas dodge charger, opala 6cc, maverick v8 e outros menos musculosos e sem sobra de duvidas o Alfa era o mais rápido. Não tinha a melhor final, nem a melhor aceleração, mas o conjunto era tão superior que o tornava muito mais rápido. Os freios…. eram incriveis, além da rotação mais alta. Este negócio de apodrecer parou em 79 quando a FIAT assumiu a produção. Nunca davam pau, eram eternos. Só saber manter. Hoje só ando de moto nem tenho carro mais desde 95 e vou falar uma coisa só se for um Alfa, um Maserati ou uma Ferrari para me fazer ter carro de novo.

  17. Marcelo ChiVas disse:

    Nossa… Que vontade.. Acabei de comprar uma 77… Dourada, lindona…. Nesse feriado vou colocar o pé na estrada com ela pela primeira vez…. A Matéria só me deixou com mais vontade….

    Quem for fã, e gostar de trocar experiências sobre o modelo, podem me mandar e-mail (mh.rodrigues@uol.com.br).

    Abs!

  18. Daniel disse:

    Olá Joao Jungmann,

    Não sou dono da verdade, tampouco algum master da lingua portuguesa… mas acho que seria isso mesmo, “um Brasilia” (apesar de soar bem estranho!!!)

  19. Luis Fernando disse:

    Eu ia adiconar, mas os companheiros, Dú e Renato já o fizeram. Faltou falar que foi o primeiro a utilizar freio a disco nas quatro rodas. Tínhamos um verde 1978, só que era o 2300 B. Excelente carro. De 74 à 76, eles tinham a pedaleira igual a do fusca, no assoalho, isso era muito ruim. Depois que a pedaleira foi mudada para cima, o carro melhorou em muito sua dirigibilidade. Andava pacas, usávamos apenas a 1ª, 3ª e 5ª e era sem forças nada. O nosso tinha até TV, saia com as meninas e levava para ver novela na praça do pôr do Sol, tempos bons…

  20. petrafan disse:

    é a Ferrari. por definição.
    a Belina, a Brasilia, a Kombi. por serem peruas.
    e o Alfa, o Porsche Cayenne, e o para todos os demais carros.

  21. Pedro dos Opalas e do Kadett disse:

    Pior é que direto falam: “nossa que bonita sua Opala”.. Eu finjo que nem vi.

  22. Joel Gayeski disse:

    Bela matéria. Opala who?

    Sobre gênero, quando se fala em carro é O, é só pegar o dicionário.
    A não ser que se esteja se referindo A perua por exemplo.

  23. Daniel Bronzatti disse:

    Mais uma bela reportagem, como é bom ver os carros que fizeram parte da minha infancia/adolescencia… só estraga o asfalto né FG…rs

  24. Valente disse:

    Definição dos gêneros… boa!!!

  25. hahaha, apareceu uma foto minha na matéria. Aquela Alfa azul, que serviu de plano de fundo, fui eu quem fiz..

  26. Renato Campestrini disse:

    E essa macchina ainda vinha com disco de freio nas quatro rodas!!!

    RC*

  27. Joao Jungmann disse:

    Muito bem, FG. Mas lembremos que no caso do Porsche existe uma exceção: a (Porsche) Cayenne. Certo?

  28. Eduardo disse:

    O pior é aguentar as pessoas que colocam o A antes do Maverick. “Que bonita A sua Maverick!”

  29. Valmir Passos disse:

    Boa matéria, belo carro. Só faltou falar com que, além do preço muito elevado, o carro tinha vários problemas mecânicos. Tivemos na família, e era uma dor de cabeça incrível, o que acabou queimando a marca. Outra coisa, enferrujavam muito, muito fácil.

  30. ALEX B. disse:

    Indy Gomov cada vez melhor! Spasivo, danke, kamerade!

  31. Bem, que eu saiba, o gênero deve concordar com o substantivo comum, mesmo que subentendido, que define ao que se refere o substantivo próprio. Ou seja, O (automóvel) Alfa, ou A (macchina) Alfa.

    Então eu trataria um 2300 ti4 como masculino e um(a) Spider no feminino.

  32. Lucas Carioli disse:

    Sempre existe essa discordância quando falam de Mercedes e Ferrari.

    Para mim, os Mercedes são carros claramente “machos”. Quanto à Ferrari… bem, fica mais bonito de chamar “a Ferrari” do que “O Ferrari”. Mas a sensualidade das linhas, não deixa dúvidas quanto ao gênero do carro…

  33. disse:

    Se o Alfa está todo maquiado e perfumado para a produção, o carcamano dono DA Fiat 147 que corre NA Classic Cup deveria assumir uma posição. É um carro transformista para os padrões da época, e o FG nem comentou que ele foi o, ou a 1ª a assumir os 4 discos.

  34. Mario Mesquita disse:

    Muita boa a matéria, como sempre. Meu primeiro carro foi um Alfa B 78 (pra mim é masculino, todos), tive um TI 80. Carros muito bons. Achar um bom hoje não tá fácil, adoravam apodrecer…

  35. Edu H@rmel disse:

    Bela matéria e belíssimo carro… O Giordano deve estar orgulhoso da reportagem.. parabéns aos três (FG, Giordano e o carro é claro… )

  36. David FNMfan disse:

    Esse já é pós-FNM, quando a marca não foi mais usada. Tinha um cara aqui na cidade (Uberaba) que teve vários desse, além de Maveric´s e outros carros. Ele andava no carro até ele parar, quando paravam, ele os encostava num ferro-velho que parecia um cemitério. Além de carros, tinham vários caminhões,caminhonetes etc lá, lembro de ver FNM’s Mercedinhos cara-chata, dodjão, infelizmente o “cemitério” não existe mais…

  37. Claudio Ceregatti disse:

    Dúvida:
    A Puma?
    Uma Puma?
    O Puma?

    Puma não é bicho?
    Se é bicho não tem dois sexos (um de cada vez, ou talvez não)?

    Então pergunto:
    Como sexuar uma obra de arte?

  38. Fernando C disse:

    Meu pai teve um desse, Cinza Argentio!
    lembro pouco, mas o carro era bonito!

  39. Marcelo David Macedo disse:

    Uma dúvida me persegue há anos.

    Como se diz: a Uno ou o Uno?

  40. Bento disse:

    Pior que utilizar o gênero feminino em carros “masculinos” é chamar o coitado com nome de mulher…

    Opala “Diana”, Plymouth “Chrystine”, Fusca “Zefinha” e outras barbaridades que nem me lembro mais.

    Impresso no certificado de propriedade já tem o nome do automóvel. O nome que a fábrica escolheu já está bom demais

  41. Daniel disse:

    Muito legal a materia sobre o Alfa Romeo!

    Sobre a confusão dos generos, acho que todo carro é masculino… Pois todos, DKWs, Alfas, Fuscas são antes de tudo, automóveis, carros. Logo, é “o automovel”, “o carro” (e não “a automovel”, “a carro”)…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>