MORTE EM INTERLAGOS

SÃO PAULO – Morreu ontem em Interlagos num acidente de moto o fotógrafo João Lisboa. O acidente aconteceu pela manhã na Subida do Café. Testemunhos dão conta de que ele bateu na barreira de pneus e a moto, em chamas, ricocheteou para o meio do asfalto. O atendimento foi rápido e até um helicóptero da PM foi usado, mas Lisboa não resistiu aos ferimentos.

Não o conhecia. Pelo pouco que pude apurar, Lisboa era especializado em motocicletas. Parece que estava fazendo um treino/aula de Superbike, mas como não tenho informações precisas, é melhor aguardar a cobertura no Grande Prêmio, que está apurando tudo. O problema é que ninguém quer falar nada, um saco. Mas estamos tentando ouvir o autódromo, a FBM, a que seria a escola de pilotagem, gente ligada ao motociclismo. Não para denunciar nada, não há o que denunciar aqui, a não ser que a moto estivesse com pneus velhos ou sem freio, ou se não houvesse ambulância no autódromo — e não era o caso. Queremos apenas saber o que aconteceu. Mortes no esporte a motor devem servir de alerta e trazem lições que podem melhorar a segurança dos praticantes.

No caso das motos, talvez seja o caso de, imediatamente, reativar a chicane que ficava na Subida do Café, usada no Mundial anos atrás. Aquele ponto sempre foi crítico. É uma subida com curva para a esquerda de plena aceleração. Carros costumam ser “jogados” para o lado de fora ali, daí os frequentes estudos para mexer no muro e na barreira de pneus, de forma a minimizar os riscos. Mas um carro bater no Café é uma coisa; entre o muro e o piloto tem um monte de lata e santantônio. Com moto é diferente. Por isso que a chicane foi construída para o Mundial, e ainda está lá. É só colocar uns cones e usar, no caso de provas e treinos com motos.

O espaço está aberto a vocês, do mundo das duas rodas, para se manifestarem e ajudarem a esclarecer exatamente o que aconteceu.

Isso tudo à parte, fica aqui, claro, todo nosso apoio e solidariedade a amigos e familiares do João Lisboa.

Comentários

  • Vou falar que por anos me arrisquei (e ainda me arrisco, pois ainda tenho uma scooter para deslocamento) com superbikes na rua. Para que eu parasse com isso, foi só eu adimitir que era viciado em velocidade (adrenalina). Como qualquer droga, nunca satisfaz e vc só vai aumentando a dose. Graças ao Eterno consegui parar de colocar minha vida em risco e a de outros. Na pista seria um lugar apropriado e politicamente correto, mas na verdade tb é para extravasar nossa adrenalina… Saiba ainda, adrenalina é DROGA e faz mal a saúde.

  • Olá. Triste notícia essa, e deixo aqui minhas condolências a familia.
    Andei por um tempo em interlagos em track days de R1. A curva do café é uma curva perigosissima! Meu tempo de volta em interlagos era de 1’55”, e eu contornava aquela vurva a 200 KM/h. O pessoal mais experiente e mais rapido na certa contornavam a 220, 230 KM/H, sendo que uma queda ali é fatal, a porrada no muro, que é o que mata na verdade. 1 mes antes desse acidente um amigo de amigo meu caiu no mesmo local, e ficou em coma por mais de mes. Felizmente se recuperou, mas com muitas sequelas.

  • Meus pêsames aos familiares do João Lisboa, que Deus o tenha em seus braços e que dê o conforto para a família. É uma história muito triste e acredito que precisamos refletir sobre o ocorrido e tentar tirar alguma lição desta história triste, não o conhecia, mas conheço o Roger que também sofreu um acidente (ou melhor sofreram um acidente com ele…). As pessoas precisam ter um pouco mais de consciência, é claro que todos nós quando entramos na pista assumimos uma série de riscos, incluindo as nossas limitações técnicas, problemas mecânicos, etc., entretanto existem medidas que podem mitigar o risco. No caso do Roger em especial foi uma situação lastimável, é claro que acidentes acontecem, mas ser derrubado em uma curva por um piloto profissional que sabe (ou deveria saber) exatamente o que está fazendo é pra deixar o cidadão MUITO NERVOSO… As pessoas decidem e devem assumir as consequencias de suas decisões, se você é um piloto profissional e está andando com amadores deveria ter algum bom senso, todos que conhecem Interlagos sabem que existem 2 lugares que são críticos, o Café e o S, aí o piloto profissional vê o cara dentro do S, força a passagem por fora, derruba e some… se o piloto precisa treinar porque no final de semana tem corrida, etc., é um problema dele, ele não deveria andar na pista como se todos fossem pilotos profissionais, ou melhor ainda, na minha modesta opinião ele nem deveria estar lá, deveria ter uma seção só pra isso, profissional junto com amador só se for para ministrar curso ou algo do tipo. Será que se houvesse uma seção só para pilotos todos estes acidentes teriam acontecido? Eu não sei a resposta, mas precisamos de alguma forma refletir e tentar aprender alguma coisa para deixar tudo isso mais seguro…

  • Primeiramente Meus pesames para Familia do João,conhecia o mesmo otimo profissional gostava o que fazia .
    Agora cai entre nós que o Autodromo está virando uma Mina de Ouro quem dá mais $$$$$$ aluga o Autodromo .A Morte do João foi uma Fatalidade mas essas escolas de Pilotagem de motovelocidade que tambem só visa $$$$$$coloca umas ciquenta motos dentro do autodro e da um pequena explicação e deixa os alunos andarem a vontagem sem acompanhamento o que o Diga o Promotor de corridas de Moto Bruno Corano esta pessoa que não deixa a CBM fiscalizar e faz as corridas sozinho só vizando lucreo$$$$$$$

  • o caso do joão foi parecido com o meu no mesmo dia apenas alguns minutos depois, ISSO PORQUE ANTES O BRUNO CORANO PAROU O TRACK DAY, chamou todos pra um bate papo serio e coimentar os perigos da pista e DAS ATITUDES de alguns pilotos que ouvem bem o briefing mas quando baixam a viseira ficam POSSUIDOS e mais nada veem pela frente……FUI VITIMA DO DANILO LEWIS na curva do S , simplesmente o kara POSSUIDO, sem preparo psicologico exigido de um PESEUDO PILOTO EXPERIENTE como ele deveira ser, no S eu ja deitado tranquillo , ele veio por fora e numa MANOBRA DE LOUCO POSSUIDO tentanto me ultrapassar por fora, vejam bem a coisa imaginem isso, eu por dentro ja deitado tudo certinnho o kara vem numa velocidade MALUCA e tenta me ultrapassar por fora e ainda sair na minha frente, oque aconteceu?….EU VI TENTEI TIRAR MINHA MOTO DELE AO MAXIMO POSSIVEL mas ele como se eu NAO ESTIVESSE LA, nem ai com a vida de um SER HUMANO, sem respeito minimo por nada, trouxe a moto dele pra cima da minha BATEU a RODA TRASEIRA DELE na minha da frente e aiiii…..fui pro chão com tudo , POR DEUS QUEBREI MINHA CRAVICULA ESQUERDA e minha moto algumas avarias…..ESSE E O ESPIRITO DESSE PILOTO, …o kara nem olhou pra traz foi embora e entrou pro box , nem foi saber oque tinha contecido, se estava tudo bem etc etc etc…….um ANIMAL na pista desprovido de qualquer respeito por algum colega…….mas e isso ai oque ocorre meus amigos……E O CASO DELE E DE VARIAS REINCIDENCIAS PARECEIDAS ….aqui em CURITIBA e outras pistas……..NUM TRACK DAY nao se pode misturar pilotos treinando para corridas com alunos e um absurdo…….bommm…..to bem me recuperando……..E LAMENTO MUITO PELO JOAO LISBOA…..que DEUS o tenha e conforte a familia….abrç a todos

  • Que Deus recebe nosso amigo João Lisboa de braços abertos e que de força,paz e conforte,Sonia ,Radames e toda a família do João com certeza o ceu não será mais o mesmo pois quem teve a oportunidade de conviver com o João sabe o “cara”legal ,feliz,profissional,animado,que ele sempre foi
    Vc fará falta
    Paz João

  • Po ora só no resta pensar no ocorrido, refletir um pouco. Pensar no ser humano que se foi e nos seus familiares….. Depois… Mais pra frente gostaria-mos muito que esse assunto retornasse a este blog.
    Pois tem muita coisa errada aí!!!
    Tem muita negligencia a ser “”escancarada”” ..!!!
    Infelismente por nada uma vida foi perdida… Esse é o “nada” que deve ser apurado, debatido,. E, combatido!
    Meus pezames aos familiares, e por favor recebam as condolencias de meus colegas também..

  • Esse cara que sofreu a “batida” por tras é de santos, tem uma cbr 600 preta, a moto dele não aconteceu nada, conversando com ele, ele disse que estava no fim da curva quando começou a acelerar as pessoas da frente tiraram a mao, ele tirou tbm, nisso ele sentiu a batida por tras do lado esquerdo, controlou a moto e quase caiu, quando olhou pra tras viu o piloto perto do muro e a hornet arrastando no chao pegando fogo!

  • Primeiramente deixo aqui meus pêsames à família do João Lisboa. O que posso dizer como um apaixonado por motos é que precisamos de mais segurança e mais responsabilidade de todos os envolvidos, o acidente aconteceu em um track day, onde as pessoas vão para se divertir, contudo infelizmente alguns fatores podem fugir do controle ocasionando acidentes e em alguns casos estes acidentes são fatais. Gostaria apenas de fazer uma reflexão, uma colocação de fatos. O que meus amigos me relataram é que naquele dia em especial havia um total desrespeito e abuso por parte de alguns pilotos, forçando ultrapassagens, dividindo curvas, etc. Quem já fez algum curso de pilotagem sabe que existem regras para este tipo de coisa, aqui coloco as minhas primeiras observações, para pilotar em um autódromo todos deveriam ter feito algum curso? Se não tem curso, a pilotagem deveria ser assistida por um instrutor? Quem supervisiona tem a qualificação necessária? O que a Federação tem a dizer sobre isto? Qual a responsabilidade de quem organiza o evento? O que de fato acontece é que temos um desequilíbrio de forças, quem organiza se exime de qualquer responsabilidade porque o participante assina um termo que isenta a organização por qualquer problema, inclusive os relacionados a sua própria falta de organização, como por exemplo colocar amadores e pilotos profissionais na mesma seção, piloto profissional que está buscando performance, redução de tempo, etc., tem que andar com piloto profissional e não com quem vai simplesmente fazer o track day como forma de entretenimento, se o piloto profissional quer andar com os amadores tem que respeitar as regras. Determinadas coisas são inconcebíveis, o resgate não pode demorar, sempre deveria haver uma UTI móvel no local, se não houver uma ambulância o treino não pode recomeçar, enfim alguém tem que colocar ordem nesse negócio, afinal isso não é bom para ninguém, não é bom para o esporte, para as pessoas que gostam, será que se houvessem mais regras isso teria acontecido? É claro que todos que estavam lá assumem riscos, porém já existem riscos demais para serem agravados por falta de fiscalização, não cumprimento de regras e falta de organização. Pode até ser que o falecimento tenha acontecido por uma complicação no hospital ou algo do tipo, mas lembrem-se onde tudo começou…

  • Concordo com a idéia da chicane.
    Especialmente em cursos de pilotagem.
    Ajudaria bastante, pois no Café quando se vem rápido mesmo, com as suspensões carregadas, as motos balançam muito, as vezes destracionam um pouco.
    E quando chove, então…
    Nada de anormal, se não fosse pelo muro que ocupa o espaço de uma área de escape ali.
    O uso da chicane acaba com a graça de “fazer o Café” forte e da freada do S do Senna , mas uma erradinha ali é fatal.
    Conheço bem o Bruno, sei que ele toma todos os cuidados, respeita todos os procedimentos de segurança, pois tambem temos uma escola de pilotagem para motos aqui em Curitiba e sempre conversamos sobre esses cuidados.
    Assim como ele, achamos que toda segurança ainda é pouco, no caso de motos em alta velocidade.
    Aqui em Curitiba, as UTIs móveis chegam em até dois minutos e meio no acidentado!
    Mas, pelo que soube, foi um acidente infeliz, pois o piloto foi atendido, removido a tempo e corretamente, mas acabou morrendo por conta de deficiencias cardíacas dentro de um hospital.
    Agora, imaginem sem esses treinos, que acontecem com toda a segurança, quantos não estariam tirando os recalques nas estradas, matando inocentes?
    Lugar de moto esportiva é dentro de um autódromo.
    Foi para isso que elas foram feitas.
    Como todos aqui, adoro Interlagos, mas o muro do Café e as motos não combinam.
    Assim como os muros de Londrina; a curva Um e as freadas do Laço e do Tala Larga em Tarumã; a area de escape da Um, do Bacião e da curvinha de alta atrás dos boxes em Cascavel; areas de escape das curvas Um, a saída da Dois e a do curvão em Guaporé; a area de escape do Retão, da segunda perna do S de alta, da curvinha em subida antes do Pinheirinho em Curitiba; etc e tal, por todas as pistas do Brasil.
    Aliás, circuito seguro para motos, é seguro para qualquer outra categoria de esporte a motor.
    Mas, se já está dificil manter essas pistas, imaginem sem elas?

  • Teve sim!
    Acho que foi em 1992, eu assisti a corrida e todos os treinos, no final da reta oposta.
    E, no sábado (acho) Carlos Cardus, piloto da JJ Cobas, caiu ali perto do Café por conta da chuva, a moto escorregou para o meio da pista e pegou fogo.
    Os bombeiros e as ambulancias demoraram, se não me falha a memória, a Cobas perdeu a moto.
    Um perigo!
    A corrida aconteceu normalmente, mas nunca mais Interlagos viu o Mundial por lá.

  • É amigos, meus pêsames a família do João Lisboa que eu não tive o prazer de conhecer, só sei que ele tinha a mesma paixão que tenho, andar de moto.
    Estive ontem andando em Interlagos, passei pela moto dele em chamas e vi o piloto ao chão.
    Na mesma hora entrei no Box e fiquei na torcida para que nada de grave tivesse acontecido, infelizmente aconteceu.
    Por acaso do destino quebrou meu pedal de cambio e fiquei de fora do restante do Track Day, mais isso não interessa.
    O que realmente interessa é saber qual o próximo passo?
    O que fazer para podermos ter mais segurança praticando o esporte?
    Não sou advogado da escola que promove o curso e nem estou aqui para defende-los, mais também não sou juiz e não vou acusá-los. Quem sabe o que passa na cabeça de um piloto que entra na pista? Pelo que tenho visto posso responder que tem pilotos que não passa nada na cabeça, falo isso pela forma que vejo a “tocada” dos mesmos na pista. Responsabilidade nenhuma, cuidado nenhum, cumprimento as regras pré estabelecidas no briefing nenhum.
    Quando entro na pista, sou responsável pelo meus atos, mais percebi que não estou sozinho, o meu risco calculado não é nada pois outros pilotos podem me acertar, isso aconteceu com um amigo no mesmo autódromo no mesmo dia no “s” do Senna e pasmem, a sua moto foi tocada pela moto de um piloto profissional, onde está o profissionalismo desse piloto, por graça do bom Deus meu amigo só quebrou a clavícula e está entre seus familiares.
    Promotores, vamos sentar pra conversar, vamos estabelecer regras mais duras, vamos fazer no mínimo que as poucas regras sejam cumpridas, vamos penalizar os infratores, acredito que se as coisas endurecerem todos os pilotos sérios e responsáveis vão aplaudir e agradecer, vamos zelar pela segurança do próximo.
    Não existe uma regra onde se diz que não é permitido dividir curvas?
    Não existe outra regra que deve-se manter uma distância mínima durante as ultrapassagens?
    Já fiz o curso duas vezes, todos os dias antes de entrar na pista ouço a mesma orientação.
    Então porque 2 acidentes de colisão em curva?
    Parem, pensem, reflitam, vocês vão continuar andando? Eu vou.
    Vocês querem ter a tranqüilidade de saber que estão cercados de pilotos conscientes? Eu quero. Vocês acham que todo infrator deve ser retirado imediatamente da pista? Eu tenho certeza que deve.
    O que vocês querem pra poder andar de novo? Escrevam vamos nos unir e reunir com os promotores.
    Vamos solicitar que coloquem observadores na pista para retirarem os infratores antes que os mesmos causem acidentes.
    Quero idéias dos pilotos e atitudes dos promotores, somente assim vou poder ter tranqüilidade de sentar em minha moto e entrar na pista tranqüilo de que não serei atropelado por um imbecil que se intitula piloto profissional ou amador, para mim basta os riscos do esporte eles já são suficientes pra me deixar preocupado, não quero me expor aos riscos extras proporcionados por idiotas.
    Essa é a minha opinião pessoal.
    Fica aqui mais uma vez minhas condolências e sentimentos a família, e lamento por não ter escrito este e-mail antes, mais peço desculpas pela minha falta, é que sou novo no esporte e só acordei para a triste realidade na data de ontem.

    Abraço a todos.

  • Dias atrás, o Gilberto Pentado, piloto das antigas e que conhece tudo, colocou no Youtube um vídeo com denuncias, e o vídeo foi retirado do ar.
    Muito se falou que era jabá dele, e coisas e tal, favorecendo outra escola de motociclismo.
    O que sei, de conhecer o Gilberto Suzuki, desde quando éramos moleques e ele corria pelo Salvatore Balestrieri, de quando ele conta até hoje emocionado como levaram o Helinho na Variant para o hospital em Goiânia, com o Jacaré desesperado, mostra um pouco da nossa história.
    Que é diferente de quando moleques amaciarmos motos para as 24 horas de Interlagos, descendo o retão a 180 senão o fiscal de pista sacaria a parada, pois hj. uma moto sobe a junção numa cavalaria impressionante, acidentes acontecem com frequência, como os da Itaipava 2010.
    Seria uma morte anunciada ou fatalidade?
    Prefiro a hipótese da morte anunciada, pois no Brasil e dos que andam em Interlagos, só um cara sabe realmente o que é segurança em circuito, e prever o que pode acontecer.
    Este vídeo do Alex http://youtu.be/zHxLjul0rYQ mostra o que é o Café.
    Outo dia tinha um vídeo no Tube de um cara num “track day” no pinheirinho, PASSANDO POR CIMA do outro que havia caido na frente.
    É isso, a atual administração de Interlagos fortalece a receita, autódromo locado e seja o que Deus quiser.
    Só uma coisinha: Quando vieram com o papo do Mundial de Moto GP em Interlagos no inverso, andamos e aceleramos, de Hornet.
    Subir o S do falecido, ver o muro da arquibancada, e descer a junção, é coisa para se escapar, ir para ou no Largo 13, ou lá na Usina do Rio Pinheiros.
    Falar da FPM então..
    Puta tristeza o João ter ido.

  • Lamento pela morte trágica de uma pessoa, mesmo que eu a desconheça, condolências a familia… Mas, já que pegaram pesado com o circuito de Piracicaba….Ué, não é o tal de Interlagos esse circuito da tragédia, o bam-bam-bam dos circuitos do Brasil? Não deveria esse circuito, tão glamoroso, ser interditado as motos? Vá entender o juízo dos formadores de opinião…

    • pura fatalidade o que aconteceu, quantos acidentes fatais de moto voce conhece em interlagos para criticar o autodromo dessa forma?
      não conheço o circuito de piracicaba, mas pelo que me falaram aquilo está mais para kartodromo doque para autodromo, interlagos sempre foi desafiador para os pilotos, no antigo tinhamos a fatal curva 3, neste temos a subida do café, (que já existia antes), mas talvez o exesso de confiança e um pouco de imprudencia façam dessa curva um desafio a ser vencido a qualquer custo, e ela cobra caro os que a ousam desafiar.
      Por ser em subida e feita em alta velocidade a tendencia é sair de frente indo em direção ao muro, alie-se ao fato de que acumula sujeira, escorrega-se mais, bate-se no mjuro que nos joga novamente para a pista correndo o risco de sermos albarroados pelo competidor que vem atrás, deveria se fazer algo para a segurança dos pilotos, mas o que?

  • sou amigo do João , um piloto experiente , poeta e fotógrafo. A curva do café é traiçoeira por causa do muro , por isso nunca existiu prova de moto GP ali. Resumindo , uma fatalidade , que deixou todos que compareceram em sua despedida hoje a tarde perplexos e entristecidos. Adeus João !

  • Infelizmente, de um modo geral, o abandono das pistas brasileiras as torna impróprias até para os carros. Que dirá das motos, que exigem certos cuidados extras.

    Não me consola saber que morreu fazendo o que gostava. Seria melhor viver fazendo o que gostava.

  • Fiquei muito triste com a notícia. Conhecia o João pessoalmente, grande profissinal. É uma grande perda.
    Acho Interlagos uma pista Incrível, mas perigosa para motos. Acompanhei o Campeonato Brasileiro de Motovelocidade de perto por 5 anos. O “S” do senna também é perigoso para motos. Mas infelizmente não há opções seguras no Brasil em relação a autódromo/motovelocidade.

    Volta e meia ouço boatos de mortes em treinos e corridas de moto em Interlagos, mas nada se confirma. Dessa vez se confirmou, e com um querido amigo.

  • Os cursos sérios como o do Alex, do Cercciari e outros tem um briefing de segurança. Aquele ponto é tão ruim que é por causda dele que a FIm não homologa Interlagos para o Mundial.

    Mas quem ache que nestes cursos sérios a segurança não vem em primeiro lugar está engadano, pois vem. Mas é um fato que quem está pilotando pode exagerar, não tem como controlar isto. Bater no muro ali, mesmo de 125 machuca forte.

    O João não era nenhum irresponsável sei disto pq sou fotógrafo e ando de moto faz muitos anos (mesmo). Quem cobre corridas como ele sabe muito bem como é a coisa. Acidentes acontecem. Quanto a ninguém falar nada, eu entendo e acho mesmo que não é o momento. Calma deixem o pessoal passar estes momentos e depois saberemos.

  • o q eu vi num forum de motos que frequento, de gente que estava lá:

    Em um o cara de R6 caiu sozinho no café e parece que quebrou a perna, a moto ficou parecendo um lego desmontado… Mas o piloto tá bem.
    Ja no outro um cara de Hornet acabou encostando em outro cara, saindo do café pra reta, perdeu a direção e bateu na mureta. Se quebrou todo, o Corano falou que até teve fratura esposta. A moto dele pegou fogo no meio da pista e ele foi resgatado de helicoptero, mas dizem que não corre risco de vida. =/

  • É uma pena, toda e qualquer morte dentro das pistas hoje em dia, com a tecnologia e experiência das pessoas, é praticamente injustificável.

    Aquele muro, desde a morte do Rafael Sperafico, deveria ter sido recuado, e com barreiras mais modernas.

    Sou a favor de colocar brita naquele ponto, pois em qualquer categoria, a velocidade ali é sempre proporcionalmente alta. Ou seja, o risco é sempre alto.

    Espero que a CBA e a FBM comecem a trabalhar juntas.

    Que Deus o tenha.

  • E mesmo com um monte de lata e santantônios, ali num ricochete para o meio da pista, vitimou-se o Sperafico. E Alonso e Webber tb bateram ali muito feio. Será que a chicane não seria válida para os carros ?

  • Muito triste FG.
    Ando de moto e sei como é perigoso. E olha que isso aconteceu em um circuito de alto nível, onde tudo é bem controlado, dentro das possibilidades.
    Agora imagina nas estradas, onde tem gente que anda a velocidades absurdas até mesmo pra um carro….
    Não é a toa que tá cheio de vídeos na internet de pessoas indo dessa pra melhor em cima de suas superbikes.

  • Flávio, conhecia o Lisboa de nome até por gente do meio pois tb sou fotógrafo.Meus sentimentos a família.Não conheço a moto escola mas acho meio absurdo liberarem os alunos pra acelerar sem limite, tb tenho moto(além do meu Niva) e sei como é isso nós somos os parachoques da moto, o capacete ajuda e muito mas o principal numa queda são as pernas e a coluna.Acho que para um evento desse deveria ter uma sinalização mais bem feita e até um briefing de segurança antes do treinamento.
    Enfim, espero que essa perda não seja em vão.

    Abraços
    Fábio Mandrake

    • Isso não dá pra saber ainda. Ele pode ter tido briefing, a moto ter limitador, um monte de coisas, mas nego morre de moto a 80km/h nas ruas aí.

      Acho irônico é o cara morrer fazendo algo onde se podia fazer e com a estrutura e sem arriscar a vida de ninguém, enquanto o moleque lá anda na rua e sai ileso.

  • A lamentar a fatalidade no track day de motos.
    Lembro que para o último GP de Fórmula 1 foi instalado na Curva do Café (e seguindo por quase toda a extensão do setor A) o muro tecnológico chamado ‘softwall’ (utilizado nas pistas ovais americanas), que é uma estrutura recheada por espuma prensada para amortecer o impacto e justamente evitar que um carro seja arremessado de volta ao traçado do circuito. Acredito que o ‘softwall’ ainda esteja lá e não me recordo dele ter sido “estreado” por nenhum carro.
    Mas pena que toda esta tecnologia da engenharia não tenha validade para as motos…

  • É, morte no esporte a motor é sempre triste, independente das circunstancias. Mas é aquilo que você mesmo falou, que a lição seja aprendida e usada para ajudar a evitar novas mortes. Mas o incrível mesmo é como tudo tem que ser coberto por panos quentes neste país. Ninguem mete a cara e assume porra nenhuma.

  • Flavio!

    É lamentável, eu curto muito moto e recentemente voltei a andar, depois de muitos anos. Ñ conheço Interlagos, só por foto q tenho várias, mas foi no mesmo local do acidente do Sperafico, sinal q algo precisa ser feito. Com a tecnologia de hoje, tenho a impressaõ q muro já era. Parece q tem umas caixas com água ou algo assim que seria menos mal. Li em uma revista faz tempo tb. A tal chicane tb fizeram em Tarumã, na entrada da curva nove, com a intenção de matar a velocidade na curva um, mas acho q matou a pista, pois só no final do ano passado os kras voltaram a andar e, parec q foi uma coisa de amigos, sei lá.
    Ai vai uma pergunta quanto o tb acidente da estoque como tu fala. A tal pista é homologada pela FIA?

    • Andei muito pela chicane em Tarumã…Mas em 96e anos seguintes já não usavamos mais a chicane…Mesmo pq entre a chicane e a pista tinha um bueiro…E não mudava muito a chegada na “UM”…Ja andei em Interlagos, mas nunca com chicane…