PINGOS NOS IS

SÃO PAULO(sei, sei..) – Recebi trezentos e-mails de gente me avisando que o Corolla completa 45 anos hoje e tal. E que já foram vendidas 35 milhões de unidades em 150 países nesse tempo todo, que é o carro mais vendido do mundo e tudo mais.

Oh, que lindo.

Agora vejam abaixo uma foto do primeiro Corolla, de 1966. Depois procurem o último, que é fabricado inclusive no Brasil. Aquela coisa mais sem graça que pão com margarina, símbolo da mediocridade automotiva. Dá para dizer que é o mesmo carro?

Claro que não. Esse aí em cima é até bonitinho, eu teria fácil. Os novos são horrendos e não são evolução de nada, não têm nada a ver com o original.

Portanto, meu veemente protesto aqui contra os marqueteiros que usam essa mentira como peça de venda. O Corolla não faz 45 anos. Aquele carro de 1966 é outro. O Corolla não é o carro mais vendido de todos os tempos. Isso é tudo cascata. O NOME Corolla, sim, está completando 45 anos. O NOME Corolla pode ser, sim, o nome de carro mais comercializado em todos os tempos. Nem sei se é. Mas não o carro. Lamento.

Quando se fala dos carros mais vendidos/produzidos de todos os tempos, só dá para citar dois: Fusca e Lada, o sedã. O Fusca foi praticamente o mesmo a vida toda, com algumas variações de motorização, acabamento, tecnologia, detalhezinho estético. Mas quando você vê um Fusca 1950 e um Fusca 1990, percebe que se trata do mesmo carro. O mesmo se passa com o sedã soviético, que é igual desde 1970, com uma ou outra modificação. Até de nome, diga-se. Aqui era Laika, no Leste era Riva, no Canadá era Signet, na URSS era 2101, 2105, 2107. Mas sempre o mesmo sedã impecável e inesquecível. Você olha para um 1970 e para um 2011 e a identificação é imediata. Quase 20 milhões fabricados. E contando.

Portanto, corollentos, não encham.

Comentários

  • Sou louco por carros antigos e meu pai inclusive já teve alguns,como fusca,landau,maverick,ele amava antigos,mas antes de falecer ele comprou um corolla 2009,que conviveu lindamente com o fusquinha 66 verde amazonas impecavel e um corcelzinho 70 bege. Cada um na sua,com diferentes idades. Acho o corolla um carro maravilhoso,temos ele até hoje e quem tem dificilmente troca. Ah,o fusquinha e o corcel ainda estão la na garagem fazendo companhia pra ele. Que trio!

  • Minha garagem é orgulhosamente dividida por um Corolla XEi 2.0 2011 e um Fusca 1300 1969 vermelhinho. E eles são como “Eduardo & Mônica”. Um me leva pro trabalho, o outro me leva pra passear. Um é econômico e sem graça, o outro queima um pouquinho de óleo e chama a atenção por onde passa. Um tem conforto sem status, o outro, status sem conforto. Um é silencioso e estéril como um chão de centro cirúrgico, o outro é barulhento e cheira a gasolina como um chão de fábrica. Enfim, não dá pra criticar nenhum dos dois: cada um na sua.

  • Como citaram aí em cima, Kombi também merece entrar, a despeito da mudança de motor. Sua s alterações são pontuais apenas para se manter vendida (já que, por exemplo, com motor a ar não conseguiria passar nos testes “verdes”).

    Citaria também o 911, já que apesar de não ter um parafuso com o de 67, vá lá, mantém o desenho clássico.

    Quanto ao Vovorolla, vale dizer que até a tração “migrou” da traseira para a frente.

    É o mesmo que dizer que o Beetle é a continuação do Fusca. De fato, carros extremamente distintos em quase tudo.

  • Em compensação, enfie a cara em um poste com um Corolla e com um Fusca. O motorista do Corolla provavelmente sairá com uns arranhões por causa do AirBag, o do Fusca irá direto para o necrotério.

    O Fusca é uma aberração da engenharia, pouco mais do que uma carroça com rodas, não tem estabilidade, não tem aerodinâmica, não tem segurança, não tem conforto e ainda permaneceu desse jeito por décadas. E as tentativas de moderniza-lo resultaram em monstrengos como TL2, Brasília e outros lixos produzidos por aqui.

    O Toyota sempre foi um carro muito bem projetado, sem erros grotescos, seguro, durável, com recursos atuais e seguiu ou mesmo ditou a moda do estilo.

    O Fusca é produto de engenheiros vagabundos ou incompetentes, o Corolla é fruto de gente que não tem medo de trabalhar, simples assim.

    • Assino embaixo !
      O unico atrativo do fusca é que qualquer idiota consertava aquilo.
      Que me perdoem os entusiastas do fusca mas ele é :
      Ruim de estabilidade
      Ruim de porta mala
      Ruim de conforto
      Ruim de consumo
      Ruim de visibilidade
      Etc, etc….
      O Corolla novo pode não ser um exemplo de beleza, mas no conjunto da obra é sim “UM PUTA CARRO”.

  • Já tive um Corolla e é um carro que me deixa com muita saudade. Realmente olhando um na rua tiro as mesmas conclusões sobre ser um carro extremamente sem sal. Mas a sensação que eu tinha do meu Corolla era uma esposa perfeita.Te conquistava no dia a dia. Uma gueixa que não chama a atenção dos outros homens, mas cuida e atende a todos os desejos do seu dono como se tivesse pensado em tudo antes. Creio que não só nome completa 45 anos, mas sua filosofia de construção.

  • Eu vou um pouco mais longe: Corolla é carro de quem quer apenas lata sobre rodas, com ar-condicionado, direção hidráulica e que seja macio. Resumindo: é pra quem não liga para estilo, além de ser o carro preferido dos vovôs e vovós, como são todos os outros carros japoneses da mesma categoria. Vc sabe quando um cara de 40 anos é mais velho do que é quando ele tem um Corolla (eu tenho 40 anos). Um dos argumentos que mais ouço para a compra desse carro é que ele não quebra. Mas que carro quebra hoje em dia? Eu posso até achar (mas não acho!) que ele seja confiável, mas vejo que depois de um tempo o carro desmonta! Eu até tenho um campanha para triplicar as vendas do Corolla (alô Toyota!). Vou
    sugerir a engenharia da montadora a inclusão de alguns opcionais como: porta bengala, porta fraldão geriátrico, assento retrátil para enfermeira entre outros. Ah, e na compra de Corolla 0km você recebe até o resto da vida (o que não deve ser muito tempo) o suprimento
    inteiramente grátis de Corega. Podemos até sugerir uma versão especial do carro! Imaginem uma série limitada chamada Corolla Bingo! Ou Corolla Pampers (não tem o Peugeout 207 Quicksilver?).
    Brincadeiras à parte, estive recentemente em Londres, a meca dos carros exclusivos e top de série, e não vi nenhum (nenhum!) Corolla. Vi Toyota Prius, Honda Civic etc, mas nenhum
    Corolla, nem para xingar o “mardito”. Eu já gostava de Londres e dos londrinos, agora gosto mais ainda. Parabéns aos súditos da Rainha. God Save the Style!
    É simplesmente o carro mais sem estilo do mercado. Estou com você, Flávio!

  • Eu acho que essa tradição de manter o nome através de gerações de carros não precisa ser escorraçada desse jeito. O que o caro FG falou é verdade: não são nem de longe o mesmo carro. Mas não é isso que as montadoras pretendiam ao manter o nome. O nome não está atrelado a um projeto em si, mas ao conceito oferecido pela montadora. Quando a Toyota diz que está vendendo um Corolla, ela estará vendendo um sedã médio familiar, com a tecnologia presente na época. O nome é como se fosse uma “tocha olímpica” que um projeto vai passando ao outro ao longo dos vários aprimoramentos tecnológicos. E por mais que o saudosismo de alguns faça que desprezem totalmente os modelos modernos, se algum carro avançar uma preferencial e acabar colidindo com vocês, ou qualquer outro tipo de acidente de razoável gravidade, com certeza ninguém vai gostar mais de estar no Corolla antigo em comparação com o novo. Não façam pouco caso da engenharia moderna.

  • O Corolla é um carro das massas, popular a despeito do preço no Brasil. E assim como o Big Mac e a Coca-Cola, não se espera nada de especial, apenas o frugal. Essa é a proposta deles. Quer um Toyota exclusivo? Compre um Lexus LF-A, só existem 300 no mundo, todos já vendidos.

    O Fusca tem um design único, assim como o Citroen CV2. Mas quem disse que eles lá eram bonitos? O Lada dispensa comentários, é pura idissincrassia sua.

  • Realmente, se pra considerar o Corolla o carro mais vendido do mundo é preciso incluir o Toyota Corcel da foto… o Fusca obviamente continua sendo o carro mais vendido da história. Uma coisa é reaproveitar um nome pra aumentar as vendas de um carro novo. Outra coisa é usar desse expediente para mentir descaradamente. Alguns podem considerar uma inocente estratégia de marketing. Eu considero um desrespeito com a história automobilística.

  • E o Porsche 911? Está longe de ser o mais vendido, mas é tido como o carro esporte mais longevo da história. Só que, do 911 original (901), resta somente o conceito de carro esporte com motor e tração traseiros. Nenhuma peça do 911 original sobrevive na versão mais recente (o recém-apresentado 991). Só o design é semelhante. E aí, dá pra dizer que o 911 é o mesmo?

    O caso do Mustang, que é um ano mais novo que o 911, é ainda pior. Tirando o design, o novo Mustang não tem absolutamente nada a ver com o pioneiro. Usa eixo rígido na traseira, e só.

  • Flavio, concordo plenamente. O Corolla é um carro ruim? Não, não é.

    Mas uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Como você disse, o Corolla não criou nada. Não é um carro que traz inovação, não é o carro que traz a nova face da Toyota, não é tão ‘esportivo’ (suspensão firme e direção muito direta) ou bonito quanto o Civic mas é durável (durável, isso lá é qualidade considerável? Civic também é isso tudo).

    Não trabalho na Honda e nem tenho um Civic, nem gosto tanto assim (é que o Civic sempre foi o parâmetro pro Corolla), mas o Toyota é um frankenstein da indústria automobilística. Dessa forma, com o apelo do senso comumm, obviamente seria o mais vendido da história. Mas compare-o com o Golf (também um dos mais vendidos da história). Impossível discutir qual o automóvel possui mais personalidade, mais carisma…

    • vc teria uma visão melhor da lateral do carro, pois aumentaria o raio de visão…

      em algumas SUVs japonesas é utilizado principalmente porque você poderia ver crianças que poderiam estar próximas as rodas dos carros na parte dianteira…

      pode parecer brincadeira, mas aqui isto é muito sério (anos atrás houve uma morte de uma criança aqui no Japão quando um pai foi manobrar uma SUV e não viu o filho que estava sentadinho próximo a roda dianteira).

  • Sempre digo, contagem de gente grande não de merketeiro barato.. Não sei como aqui levam em conta nome, ja que a cultura de nome uncio começo há pouco tempo. Acho que o primeiro carro a herdar nomes atravás das carrocerias foi o Gol e agora o Uno… (80 e 84)

    Fusca com 23 mi
    Lada com 18++ mi (Fiat, Tofas, Seat, e os que voce citou)
    Ford T com 15 mi

    Aliás, não acho uma contagem exata para os decendentes de 124.

    E gostaria de saber o que vem na sequencia de carros únicos… imagino Kombi, 2CV, Peugeot 404, Mini … só coisas belas e sonhos de consumo consciente.

  • Olá Flávio Gomes, bom dia!

    Moro no Japão e umas das maiores dificuldades aqui é saber quais são os modelos e as marcas dos carros. Tenho descendência japonesa e aquela velha brincadeira de que japonês é tudo igual se encaixa perfeitamente aqui…rs! O nome do carro permanece mesmo que ele sofra transformações absurdas e não se pareça nem um pouco com o DNA original. Coisas de um mundo globalizado, infelizmente.

    Abraço e tenha um bom dia!

    • Exatamente. Acho uma graça quando o camaradinha abre a boca e diz, com orgulho besta: “eu tenho um Corolla”. Ele não sabe, mas seu carro “de luxo” eh na verdade um carrinho de estudante. Kkkkkkk

      • E a Volkswagen vai perder um nome desses?
        É a mesma coisa do Corolla, é um nome que não dá para perder, pois VENDE para a turma que acredita nesse tipo de propraganda.
        O carro é ruim? Claro que não… pelo contrário, dizem que é muito bom…
        Mas que coisinha sem graça… É que nem bunda, todo mundo tem, mas essa é murcha, muito murcha.
        Tem certos carros que eu não compraria nunca!
        No Brasil, o Corolla estaria em 2º lugar.
        Existe coisa muito mais bunda murcha do que ele.
        O tal do Logan. Houve uma pesquisa não sei onde e ele ganhou disparado como o carro mais feio do Brasil.
        E ainda tem o nome do whisky que o presidente + fdp gostava.

  • Como fã da Volkswagen, quero registrar que os carros Polo, Golf e Passat conseguiram manter o DNA de seus originais, com mudanças sutis de geração para geração. O exemplo mais notável para mim é o Golf, e sua coluna traseira protuberante. Claro que não são de todos fiéis, mas os alemães respeitam suas identidades, por isso só compro VW pensando em um dia ter uma Mercedez…

  • Eu gosto bastante de pão com margarina!! ainda mais se o pão estiver quentinho…

    Quanto aos Corollas, concordo que não é o mesmo carro. nem a pau.
    Mas não acho o carro esse horror todo. Não compraria um, mas acho bem melhor que umas minivans medonhas que se vê por aí, ou muitos outros carros horríveis atuais.
    Meu pai tem um e acho até confortável para dirigir. Mas ainda assim não compraria um.

  • É, o carro de 66 é simpático. E, realmente, o corolla de hoje não tem absolutamente NADA a ver com suas origens a não ser o nome. O mesmo vale para Passat, Jetta, Golf, Cinquecento, Mini e tantos outros

  • O carro pra mim tanto faz, muito sem sal mesmo. A maior má impressão que guardo dele é do público brasileiro que representa seu uso. Quase sempre emergentes que não receberam educação tentando esbanjar uma classe social que o poder aquisitivo por si só não mostrou.

  • Bonitinho esse da foto, tenho um desses na “garagem “(1/64 da Tomica). E não venha dizer, Flávio, que pão-com-manteiga é sem graça. Passado na chapa (ou na frigideira mesmo) é um trem bão dimais, sô ! Sem graça é essa porcaria a qual surgem aos montes nos semáforos de SP…
    Corolla (de 3 ou 4 gerações para cá) é horrível.

  • Pera lá! Eu gosto muito disso, é perfeito… ainda mais se for um pão quentinho e margarina com sal.
    Já o carro, hoje em dia estes sedãs da Toyota, Honda, KIA, Hyundai são todos iguais. Cada uma tem seu sedã medíocre com muito custo x benefício e pouca (ou nenhuma) personalidade.

  • Pior que é verdade…mas os Honda Civics também padecem desse mal…se olhar um deles da década de 70 – que até é parecido com esse Corolla antigo – também são carros totalmente diferentes…só que venderam menos que os Corollas, principalmente nos EUA, no que se refere às últimas gerações para os dias atuais.

  • O carro da foto lembra bem um chevette. Quanto a confiabilidade dos Toyotas, a namorada de um amigo meu, tem um corola e com menos de 30.000 kilometros teve que trocar a embreagem… que confiabilidade…

  • Boa! Chega dessa cascata de “mais vendido de todos os tempos”.

    Sequer a arquitetura é igual à de 1966: os primeiros carros com o nome Corolla tinham motor longitudinal e tração traseira. Os atuais têm motor transversal e riscam com as rodas da frente…

  • Não adianta subir nas suas lusitanas tamancas. O fato do Corolla não lhe agradar não muda em nada os fatos. A incrível confiabilidade dos Toyotas aliada ao preço popular do Corolla (no resto do mundo…) o faz naturalmente um campeão de vendas.