BUS STOP

SÃO PAULO (paraíso) – Um dia depois do anúncio da morte do líder Kim Jong-Il, uma pequena homenagem sobre rodas a um dos últimos bastiões socialistas do planeta. Este álbum tem fotos de carros, ônibus, caminhões e tratores norte-coreanos, desconhecidos do resto do universo. Escolhi, para ilustrar, esse trólebus Pégasus do início dos anos 70 lindíssimo.

Sobre a Coreia do Norte, é sabido, para quem tem mais de dois neurônios funcionando, que é o país que mais sofreu e sofre com as mentiras da propaganda ocidental em todos os tempos. São 60 anos de ataques. Normal a retração, fechar-se como um caramujo. É incrível como a imprensa, inclusive a nossa, fala com propriedade sobre uma nação onde ninguém quase nunca põe os pés. Chamam Jong-Il de todos os nomes possíveis (porque era baixinho, usava sapatos altos e óculos escuros, um curioso senso de julgamento estético; Berlusconi, com seus ternos bem cortados, é tratado apenas como um rufião inofensivo…) sem informação alguma, já que ninguém sequer entende o que ele fala para dizer alguma coisa.

Eu também não coloquei meus pés lá, por isso não digo muito. Mas vejo e leio o que posso e tenho algum senso crítico, ainda. O sofrimento do povo norte-coreano ao anúncio da morte de seu líder deveria indicar alguma coisa aos leitores de “Veja” e similares que vão aparecer aqui em 5, 4, 3…

Vão dizer que é propaganda oficial e tal. OK. Aí eu recebo dezenas de vídeos por dia, desde a Copa, com gente gracejando sobre a cobertura que a TV estatal deu ao Mundial da África do Sul, e que o governo disse ao povo que a Coreia tinha derrotado o Brasil. Legal, muito engraçado. Alguém entende coreano para fazer uma tradução fiel? Alguém viu esses vídeos de verdade ou se baseia nas coisas postadas no YouTube com legendas como aquelas brincadeiras que fazem com um vídeo do filme sobre Hitler? No quê essa disseminação de mentiras para milhões, bilhões, é diferente do que chamam de “propaganda oficial”? Por que acreditam nessas bobagens e não acreditam, por exemplo, no vídeo abaixo? Ah, porque é propaganda oficial. OK.

O que acontece, na verdade, é que as pessoas não aceitam as diferenças. A Coreia do Norte é diferente. As pessoas têm outros interesses, necessidades e ambições. Deste lado do mundo, todos ficam chocados com os desfiles militares nas ruas de Pyongyang, mas ninguém se assusta com os trilhões de dólares que os EUA gastaram nos últimos dez anos para invadir e subjugar o Iraque. Chocam-se com filas para comprar, sei lá, arroz, mas acham o máximo as filas para comprar o último modelo do iPhone. Espantam-se com o culto à personalidade do “ditador de cabelos espetados” retratado em estátuas e esculturas (era assim no Leste Europeu, também), mas não com o culto a, sei lá, Jesus Cristo — a imagem do Cristo Redentor não espanta ninguém, ao contrário, e quantas atrocidades já foram cometidas no mundo em nome deste e de outros deuses? Qual a diferença entre o culto a um líder político vivo e a um líder religioso morto? Não servem, ambos, aos mesmos propósitos?

Por essas e outras, talvez, as pessoas não entenderão nunca o choro de Jong Tae-Se quando tocou o hino de seu país antes do jogo com a seleção do Dunga em Jo’Burg. Algumas coisas, para os ocidentais, são aceitáveis. Outras, não. O povo norte-coreano vive do jeito que está habituado a viver por conta de algo que não criou, a divisão de seu país em dois. É preciso entender que não deve ser fácil um país pequeno optar por um sistema político sendo bombardeado dia e noite por aquilo que o Ocidente acha que é melhor.

Não nos esqueçamos que a divisão da Coreia foi consequência direta de uma guerra que os coreanos não causaram, bem longe dali, na Europa. Acabou a Segunda Guerra, americanos e soviéticos expulsaram de lá os inimigos japoneses, que haviam ocupado a península, e resolveram dividir o país em dois. Cada um, então, decidiu fazer de sua metade o que quis. E aquela terra distante virou palco de experiências e, aí sim, propaganda de lado a lado. Em 1950 explodiu a Guerra da Coreia e o mundo esteve perto de acabar — o conflito, em certa medida, foi bem pior que o do Vietnã, até pela proximidade com a Segunda Guerra e pela necessidade das duas potências de demonstrarem força. Mais de três milhões de coreanos morreram por causa da brincadeira da Guerra Fria. Centenas de milhares de famílias foram separadas por uma fronteira fictícia. Quando acabou, queriam o quê? Sorrisos? Os norte-coreanos se fecharam. Os sul-coreanos se abriram. A única coisa aceitável, do ponto de vista humanitário, seria hoje uma reunificação. Mas como fazer, como curar as feridas, como promover a paz depois de tanta crueldade?

E assim a Coreia do Norte tomou seu caminho, e ele diz respeito somente aos norte-coreanos. É bom? É ruim? Não cabe a nós, que não conhecemos nada, julgar. E, sinceramente, duvido que Pyongyang seja pior do que a Cracolândia, por exemplo. O fato de a economia da Coreia do Sul ser 36 vezes maior que a de seus vizinhos do norte não deveria ser motivo para júbilo, e sim de tristeza e vergonha. Como se chegou a esse ponto? É culpa exclusiva do baixinho de sapatos altos e óculos escuros?

Ah, escrevi muito, dane-se. Cada um acredita no que quer.

Subscribe
Notify of
guest
473 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Pedro Jungbluth
Pedro Jungbluth
7 anos atrás

O melhor de tudo é que o povo Norte Coreano é quem decidiu todo o estilo de vida deles, afinal lá existe uma democracia plena. Para se ter idéia, na última eleição, o atual governo conseguiu 100% dos votos! Impressionante e mostra claramente toda a liberdade do povo norte coreano.

Pedro Jungbluth
Pedro Jungbluth
Reply to  Pedro Jungbluth
7 anos atrás

Pelo mesmo raciocínio, o dia que vermos uma mulher sendo estuprada por um grupo na rua não devemos interferir, afinal não cabe julgar o estilo de vida que ela tem. É isso?
O povo norte coreano não decidiu viver como vive. Aquilo é imposto, Mesmo que vivesse eu em um paraíso, se me tolhessem a liberdade preferiria ir para um lixão. É como vivo, e como gosto de optar poder viver.

Guilherme
Guilherme
9 anos atrás

Otimo texto! Boa reflexao!
Obrigado.

geraldo kimberr
geraldo kimberr
9 anos atrás

FG, gostei do seu texto e de fato as famigeradas comparacoes iphone x arroz e religiao x ditadura sao apropriadas, quando encaixada no contexto. A primeira quer dizer que a falta que o iphone novo faz pra algumas pessoas eh tao importante quanto do arroz… se trocasse arroz por cocaina, acho que o contexto ficaria o mesmo….nada contra, cada um cada um….Agora a outra comparacao eh muito apropriada….basta abrir qualquer livro de Historia meia-boca que esta lah… cruzadas, guerras, colonizacoes… tudo matanca…. espero ir pra CN em 2014, como experiencia, jah conheco os 5 continentes em 30 anos viajando, mas sinto que isso me falta como experiencia de mundo….

Serjão
Serjão
9 anos atrás

Muda pra lá, brow…precisa nem de visto.

Antonio Edson
Antonio Edson
9 anos atrás

Para muitos idiotas lobotomizados pelo neoliberalismo, a democracia e um sistema político que serve ao monopólio do capitalismo ocidental. Democrata, no entanto, no verdadeiro sentido do termo, e quem tem a capacidade de aceitar a autodeterminação de um povo de viver como quiser. Exatamente o que nao fazem a veja, a folha e o estadão: veículos de comunicação que se dizem a serviço da liberdade e da democracia, desde que, claro, os detentores do poder democrático se subjuguem ao poder econômico do mais forte. Agora mesmo, todos eles, e mais a Globo – esse baluarte da “cultura nacional” – estão empenhados em “libertar” a Venezuela da “ditadura” chavista. Esses veículos, e os idiotas que os acompanham, curiosamente os mesmos que perdem tempo com tufões, carminhas, boris casoys da vida e xuxas que vão para onde merecem: a latrina da história. Mas por favor, nao se esqueçam de, antes, dar desgarra e apertar aquele spray de bom ar para que o ar da planeta fique mais respirável.
Estou contigo e nao abro, Flávio!

Ubaldir Jr.
9 anos atrás

Realmente a incapacidade de grande parte de nós respeitar opinião alheia é latente, não?
O que vejo na Coreia do Norte é o problema que praticamente todos os países com regime dito comunista enfrentou após a URSS se dissolver. Sozinhos no mundo, fica tudo mais difícil. Ter que tentar ser autosuficiente é uma tarefa muito dura pra qualquer nação. Não dá pra se produzir de tudo, em especial quando o seu território é exíguo.
Mas, deixando a luta ideológica de lado, me parece ser a Coréia do Norte uma nação em que os ideais comunistas se perpetuaram com uma certa aceitação saudável da população. Digo isso, porque me parece claro que não há ninguém nesse mundo em sã consciência que seja capaz de dizer que o ideário socialista não seja, ao menos em teoria, o ideal de consumo que deveria ser perseguido em nosso planeta. A doutrina prega princípios de igualdade que, se funcionassem na prática, por certo que tornaria nosso mundo um lugar bem melhor de se viver.
Mas e porque não funciona? Aí está o “X” da questão sob meu ponto de vista: o ser humano é uma verdadeira “merda”. Tentar colocar em pé de igualdade um exército de humanos tão distintos é algo que só funciona na utopia. Pra fazer funcionar esse ideário, só mesmo sob regimes ditatoriais, por um motivo simples: nós não queremos ser “iguais” uns aos outros. Parece que temos a necessidade de disputar posição social, a necessidade de estar “melhor”, ao menos na aparência, que o vizinho do lado. Pra aceitar ser um pouco mais “igual” ao próximo, só mesmo por obrigação, sob a tutela de um estado forte demais. E quem gere estados socialistas são também seres humanos, que com um poder gigantesco nas mãos, acabam sucumbindo sempre à corrupção, à tirania e à intolerância. Não é atoa que estados socialistas só se perpetuam em regimes onde o que chamamos de “democracia” passa longe. País socialista com eleição de verdade ainda está pra nascer.
Na Coréia do Norte, ao menos parece que a população se adaptou bem a esta realidade. Não parece haver revolta, nem ao menos de uma parte dos norte-coreanos quanto à sua condição. Tudo bem, o Estado é totalitário, o que normalmente implica em doutrinação constante da população. Mas ao contrário do que se vê na grande maioria dos países que foram submetidos ao socialismo, não parece haver aquela parcela de revoltosos, que vira e mexe tentam mudar a situação, tentam fugir do país, tentam bradar gritos de “liberdade”.
As informações que nos são passadas sobre países socialistas desde a cruzada Mcartista americana da década de 50 são tudo, menos confiáveis. As que são obtidas a respeito do comunismo pelos socialistas são um tanto quanto distorcidas também, já que a realidade da vida nos países socialistas sempre nos foi apresentada por meio de informações obscuras e que pouco representam a realidade. É preciso muito discernimento para se estabelecer uma posição quanto ao assunto que não seja permeada pela ideologia exacerbada, tanto para um lado quanto para o outro. O que podemos depreender de tudo que pudemos vivenciar ao longo do século XX é que o ser humano tem o capitalismo impregnado em sua essência. O socialismo é um “sonho” muito bonito. Mas não é algo tangível por essa coisa estranha e ao mesmo tempo interessante que chamamos de Humanidade. Me parece simples assim.

Fernando França
Fernando França
Reply to  Ubaldir Jr.
9 anos atrás

Muito sábio as palavras e colocações Ubaldir,
Mas este regime perdura não porque o povo o aceita, mas porque é obrigado a aceitar. Os regimes totalitários não aceitam questionamentos e quem discorda normalmente é mandado para um campo de prisioneiros nos moldes nazistas, sem direito a defesa ou julgamento. Uma boa leitura é Fuga do campo 14, escrita por um norte coreano que nasceu dentro deste verdadeiro inferno e foi o único até então que conseguiu fugir para a China e após Coreia do Sul.

Mauro Andres
Mauro Andres
9 anos atrás

Logo após o video há uma frase no post que começa assim: “O que acontece, na verdade, é que as pessoas não aceitam as diferenças….”.

O que assusta nos comentários dos leitores não é o fato de concordar ou não com a colocação do Flávio, mas a falta de entendimento das pessoas em ver que uma quetão está sendo levantada e achar que a situação lá não é tão ruim quanto se pinta pelo ocidente (leia-se NÓS) não significa apoiar mortes, atrocidades, etc.

Alguém viu o video do português que conheceu praticamente o mundo inteiro? Passou num programa da tv portuguesa e o camarada justamente levanta essa bola de que as coisas são bem diferentes do que se pinta. E ele esteve lá. Vamos apedrejar o cara por isso? Infelizmente eu não tenho o link da matéria, mas o Flávio já publicou por aqui em algum momento.

Eu SOU chileno. Sei muito bem o que o foi a ditadura no país onde nasci. Convivi com a minha família que vive lá durante e após a ditadura. Se eu disser que minha familia (e o povo) viviam bem – apesar do ditador – alguém vai querer me queimar em praça pública.

Quando o Flavio menciona sobre “quem tem mais de dois neurônios” é a mesma coisa. Eu não aprovo as atrocidades que o Pinochet fez, entretanto é um fato que o país evoluiu na mão dele e a economia e o povo tiveram melhores condições do que em muito tempo. Quem não tem capacidade para entender isso e perceber que são dois temas diferentes, precisa urgentemente se reavaliar.

De novo: Nada justifica as atrocidades – pergunte para quem perdeu um familiar na ditaduta dele – porém é FATO que a condição do país ficou boa depois disso.E o que fazemos? Queimem todos por isso? Tenham repúdio pelas pessoas que sobreviveram ou nasceram durante a ditadura?

Se as pessoas na Coréia do Norte vivem bem e são felizes assim – com ditador, policia em cima de turista, fechados ao mundo – quem somos nós pra dizer que isso é ruim? Somos exemplo de algo? Liberdade de expressão alguém dirá!! Ok… e o que acontece com a liberdade do Flavio em se expressar quando alguém não concorda com ele? Tudo depende do lado em que estamos, certo? É a mesma liberdade do torcedores imbecis que quase lincharam uma menina por pedir a camisa do seu ídolo. Talvez devéssemos mostrar isso a Coréia do Norte. Belo exemplo de um país evoluído não?

Precisamos aprender aceitar as diferenças e ter o mínimo de senso crítico em avaliar aquilo que lemos, ouvimos e ter em mente que isso não significa que temos que concordar.

Entretanto a intolerância indiscriminada é a chave pra decadência de qualquer comunicade. Seja de um regime, de um povo, país, torcedores de futebol. Ou mesmo leitores de um blog.

Mauro Andres
Mauro Andres
9 anos atrás

Logo após o video há uma frase no post que começa assim: “O que acontece, na verdade, é que as pessoas não aceitam as diferenças….”.

O que assusta nos comentários dos leitores não é o fato de concordar ou não com a colocação do Flávio, mas a falta de entendimento das pessoas em ver que uma quetão está sendo levantada e achar que a situação lá não é tão ruim quanto se pinta pelo ocidente (leia-se NÓS) não significa apoiar mortes, atrocidades, etc.

Alguém viu o video do português que conheceu praticamente o mundo inteiro? Passou num programa da tv portuguesa e o camarada justamente levanta essa bola de que as coisas são bem diferentes do que se pinta. E ele esteve lá. Vamos apedrejar o cara por isso? Infelizmente eu não tenho o link da matéria, mas o Flávio já publicou por aqui em algum momento.

Eu SOU chileno. Sei muito bem o que o foi a ditadura no país onde nasci. Convivi com a minha família que vive lá durante e após a ditadura. Se eu disser que minha familia (e o povo) viviam bem – apesar do ditador – alguém vai querer me queimar em praça pública.

Quando o Flavio menciona sobre “quem tem mais de dois neurônios” é a mesma coisa. Eu não aprovo as atrocidades que o Pinochet fez, entretanto é um fato que o país evoluiu na mão dele e a economia e o povo tiveram melhores condições do que em muito tempo. Quem não tem capacidade para entender isso e perceber que são dois temas diferentes, precisa urgentemente se reavaliar.

De novo: Nada justifica as atrocidades – pergunte para quem perdeu um familiar na ditaduta dele – porém é FATO que a condição do país ficou boa depois disso.E o que fazemos? Queimem todos por isso? Tenham repúdio pelas pessoas que sobreviveram ou nasceram durante a ditadura?

Se as pessoas na Coréia do Norte vivem bem e são felizes assim – com ditador, policia em cima de turista, fechados ao mundo – quem somos nós pra dizer q, bom pra eles. Nós aqui no Brasil somos um país feliz? Modelo de algo para o mundo?

A falta de aceitação das diferenças – nas opiniões, na maneira de ser, no time que torcemos, etc –

Allvaro Martins
Allvaro Martins
Reply to  Mauro Andres
9 anos atrás

A dinastia Kim pode ter feito algo de bom pelos norte coreanos, mas nunca saberemos?

Pode até ser verdade, mas tenho grandes dificuldades em aceitar como “bom” qualquer regime que puna seus cidadãos quando eles se atrevem a dizer que ele é “ruim”.

luiz roberto
luiz roberto
Reply to  Allvaro Martins
9 anos atrás

Perfeito.

rodrigo alves
rodrigo alves
9 anos atrás

Caro jornalista Flavio Gomes,é a primeira vez que escrevo para seu blog e estou verdadeiramente decepcionado com a sua opinião sobre a Coreia do norte. Assisto você na ESPN , leio seu blog , gosto de suas reportagens sobre automobilismo , concordo em muito com suas opiniões, mas querer dizer que esta ditadura sanguinária é um lugar legal para se viver é por demais , como direi ridículo para não dizer coisa pior. Que decepção meu caro amigo(posso de chamar de amigo ou não).

Luiz
Luiz
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Flávio, não conheço quase nada da Córeia do Norte, não tenho embasamento para falar sobre o assunto. Não sou petista e tampouco PSDBista, mas odeia a maneira como a Veja se posiciona, acho nojento. Leio seu blog a anos, concordo com muitas coisas, discordo de outras tantas, mas admiro suas opiniões e sinceramente, gostaria de um dia poder conversar com você, pois em temas tão “polêmicos” são tantas questões que gostaria de saber seu ponto de vista, afinal, a gente se interessa por quem é interessante.
Abs.

Guilherme
Guilherme
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Não precisava ironizar o cara bicho…

Quanto ao texto, magnífico ! lavou minha alma, tô cansado dessa humanidade intolerante que acha que tá sempre com a verdade e o resto do mundo é culpado de tudo, menos ele e família dele é claro. Não sou comunista, socialista, stalinista… mas to cansado dessa satanização existente com a esquerda, abordagens maniqueístas, como se o capitalismo não tivesse horrores até pior que a esquerda. Fulano fica chocado com a repressão de guias em cima de turistas, mas não se chocam com o fato de nos Estados Unidos haver rua somente para brancos, outras para negros, e que vc é discriminado se entrar na rua de outra etnia.

luiz roberto
luiz roberto
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Não é democrática, pronto. Se fosse essa maravilha que vc pinta seria democrática, seria aberta, seria pluralista, teria inteligência, literatura, debates, dialética. A cultura ocidental pode ser ridícula, algumas vezes, mas é a cultura de cada um e é onde existe liberdade, até para vc escrever um texto como esse. Lá, meu caro, ninguém escreve nem bilhete. E, não se engane, existem centenas de relatos de fugitivos, que contam uma história bem diferente dessa em que você está tentando acreditar. Difícil pensar que um jornalista em pleno século XXI, ainda ache difícil encontrar material verossímil até sobre um país fechado como a Coréia do Norte.

Mattos
Mattos
9 anos atrás

kkkk pessoal leva tudo como ataque, sem chance alguma de entender o porque o Flávio se deu o trabalho de escrever isso, é divertido a nossa forma democrática de debate, sempre agressiva, sempre para poder ganhar uma peleja mental, já que não podemos sair no tapa…(Realmente assuntos assim, merece uma lida nos comentários para as respostas a La Seu Lunga). Mas, eu já pisei em Pyongyang (antes que falem, por todo lugar, e sem aval de policia alguma), e o que temos é um povo interessante, em um estilo de vida que agente não pode ter, simplesmente por ser de outra percepção, e isso tá longe do que grana compra, sim meu povo, fiquei com uma certa inveja do sentimento de comunidade deles, de sentir o que é respeito com o que o outro está passando, é impressionante as praças, pessoas se reunindo ao final do dia, para coisas simples como tocar acordeon(muitos), poesia, contar sobre o dia, parecia até cidade de interior dos anos 60. Ah! é um estilo bobo e sem desafios? sim é bobo, é lindo, seguro e feliz… sem desafios? difícil não ter, eles buscam sempre um ótimo trabalho, até em coisas simples, eles são orientais esqueceram? tudo tem algo zen envolvido, isso é uma filosofia que casou bem com o governo, tive a mesma impressão quando fui a Bolívia, todos adoram falar mal da Bolívia, é um lugar pobre? sim, mas não é um país indigente como o nosso, mas passado um tempo em Pyongyang, nunca serei dono da verdade, digo que é um lugar diferente, quando perguntam, nem certo nem errado, simplesmente é a Coreia do Norte, que permaneça assim… recomendo a todos, até para os que compram iphone…

Diego de Freitas Espinoza
Diego de Freitas Espinoza
9 anos atrás

Muito bom FG! Sou novo no blog é so agora li esse artigo. Triste é ver que tem uma cambada incapaz de interpetrar um texto. E depois dizem que por aqui vivemos livre! Não é de se espantar o dado que diz que 75% dos alfabetizados, são analfabetos funcionais! Pelo visto o número é maior.

daniel setenove pereira furtado
daniel setenove pereira furtado
9 anos atrás

Putz grila, como a ignorancia colou no cerebro na maioria das pessoas. Leio este post somente agora e tambem comentarios. Fica claro o baixo nivel de cultura e o pior, a falta de capacidade de interpretar textos que povo do país apresenta, ou seja, entender o que se está lendo (configura um outro nivel de analfabeto).
Expor segundas opiniões e trazer questionamentos sobre um fato que é dado como “verdade absoluta” não significa que o autor do texto seja defensor ferrenho de um ou de outro posicionamento politico. Pode até ser que ele seja, mais no que se diz respeito a este post, em nenhum momento é feito a defesa do país ou de sua política, mais sim expondo alguns fatos cotidianos do país.
Alguns exemplos relativizando os estilos de vida (iphone x arroz) me serve para pensar: não tem alguem certo ou errado nesta história, tudo tem os dois lados.
Vejo o post apenas como uma fonte para nós pensarmos a cerca das “verdades inquestionaveis” expostas pelas midias e fontes oficias ocidentais e as questionar. Mais daí e pedir demais…

Cassio
Cassio
10 anos atrás

Ola Favio, sempre acompanhei os seus comentarios, mas não posso deixar de lamentar o conteudo do seu topico. Agradeça a liberdade que vc tem para poder postar esse seu texto no nosso país, pois se vc morasse nesse paraiso o qual vc se refere, ja estaria preso por no minimo começar a contrariar o regime, desculpe, mas vc esta caindo na vala comum da imprensa brasileira, que so ve ditaduras e crimes nos regimes ditos de “direita” . Pra vc , ficar 17 anos no poder é ditadura, como no Chile, mas ficar mais de 50 anos torturando as pessoas na ilha presidio do caribe não é né? Seja sincero seja justo e entrevista a blogueira Yoani Sanches e pergunta para ela o que ela acha dos irmão castro. E francamente, vc colocar esse video ridiculo propagantista sobre o governo norte coreano é risivel. Vc diz que não podemos falar de lugares onde nunca colocamos nosso pes, mas duvido que vc não seja mais um adorador dos irmãos castro. Muito me admira o Sr, um profissional da imprensa, elogiar tb por tabela um ditador maldito como Hugo Chavez. De novo, seja imparcial e entreviste seus colegas venezuelanos sobre a censura do Sr Chapolin. Mas pensando bem, pra que ne? Vc como a maioria da imprensa, continua viuva do muro de Berlin, continua ignorando os crimes do Stalinismo, e de todo o lixo comunista da europa do leste. Muito facil elogiar Cuba, indo se hospedar em Varadeiro, quero ver elogiar Cuba sendo cubano. E a hipocrisia é maravilhosa não? Criticam o golpe de 64, mas idolatram regimes que estao ha mais de 50 anos no poder, que coisa linda….Lamnetavel sr Flavio, lamentavel, e antes que vc fale, não leio veja, e não sou americanofilo.

Miguel
Miguel
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Adoro o poder da liberdade, sem contar que muitas vezes é hilario!

Antonio Edson
Antonio Edson
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Nao, você nao e americanofilo. Só andou assistindo big brother demais, comendo hámburguer demais, tomando coca-cola demais, lendo a folha, a veja e o estadão demais… Bem, por que você nao experimenta se desintoxicar? Se nao der certo recomendo que você enfie a cabeça dentro do forno (nao do micro-ondas, me entenda bem já que você parece ser meio lerdinho da cabeça) daquele alimentado a gás. Ligue o gás e espere, digamos, umas cinco horas antes. Garanto que você será outra pessoa depois disso. Vai lá, tenta vai…

Gonçalves
Gonçalves
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

FG um bom jornalista esportivo, com um ótimo gosto musical e estúpido no trato com as pessoas que discordam das suas utopias políticas… como todo comunista diga-se de passagem.

luiz roberto
luiz roberto
Reply to  Gonçalves
9 anos atrás

Excelente.

Luan
10 anos atrás

Oderia o POST e não conhecia seu blog que agora passarei a acompanhar!!!

Abraços!

claudia
claudia
10 anos atrás

“onde ninguém quase nunca põe os pés.” pelo que eu saiba nem tem como por os pés naquele lugar e muito menos filmar não é mesmo? Você critica as pessoas que falam da CN sem nunca ter colocado os pés la… Porque não critica o modo como os membros do partidão norte coreano trata quem quer por os pés para falar alguma coisa??? Porque não critica o confisco de cameras fotograficas quando alguém quer mostrar a realidade daquele país?
Porque não critica os filhos de Kim, que usaram passaportes falsos para se deleitarem num parque de diversões capitalista???? Porque não critica o luxo em que a familia vive, impondo a seus cidadãos, casinhas chulas como essa mostrada no video?

claudia
claudia
Reply to  Flavio Gomes
10 anos atrás

Revoltada por que? Só porque falei algumas verdades?? É só isso o que você tem a dizer sobre o que eu disse acima?
Fale sobre o assunto. Aborde sobre o tema…Me chamar de revoltada é muito pouco para quem se acha expert no assunto…Você, por acaso, ja colocou seus pezinhos na CN para falar que la é um paraíso??? NÃO? como pode falar com tanta certeza então?

Pedro
Pedro
10 anos atrás

Sempre achei vc um cara meio sem paciência com as pessoas. Agora, vendo esses comentários, entendo porque. Não justifica totalmente, mas me dá uma outra percepção. É mais divertido ver os comentários dos ‘odiadores’ e como vc responde.

Fico feliz que tem gente que consegue ver por trás das telinhas normais o que acontece em outros lugares e ainda mais sendo parte da mídia. Obrigado.

Sei que vão me chamar de comunista e esquerdinha, mas né? Sempre tem.

Boa, Flávio, realmente não esperava isso assim de você, curti mesmo!

claudinho
claudinho
10 anos atrás

flavinho, ce saiu da folha por causa dessa integridade de visão sua e a deles um pouco mais reaça? (hj mesmo publicaram um artigo com terríveis acusações ao kim). conte aí pra gente como foi.

Adalberto
Adalberto
10 anos atrás

FG, sempre sensacional. Voce e o Kajuru são dos poucos que ainda conseguem chocar certa parte da sociedade mais acostumada a chocar a todos nós por seus pensamentos cegos e tendenciosos.
E o que também é sensacional é que voce responde aos leitores, o que é raríssimo na mídia.
Ditadura é sempre ruim? É. Mas eu, sinceramente, prefiro uma ditadura da Madre Tereza de Calcutá, de Jesus Cristo ou de figuras menos unânimes, porém que eu julgo interessadas no bem coletivo (Hugo Chaves, por exemplo), do que democracias que visam unicamente o lucro, como a democracia bélica do Bush, como a democracia dos ministros corruptos do PT, como a democracia da privataria tucana (leiam o livro) e como a democracia egoísta e indiferente com a fome e a miséria alheia que temos em todos os ricos países capitalistas tidos como exemplos pela Veja e pela Globo.
Entre uma ditadura de esquerda que garanta comida, saúde e educação para todos (como a cubana) e um regime democrático que ofereça liberdade de expressão mas ache normal que boa parte morra nas filas de hospital, passe de ano sem saber ler e escrever e padeça de fome, prefiro a ditadura de esquerda. É menos cruel.
PS: a ditadura de direita, como a que tivemos aqui em 64, não entra nem em discussão, pois, alem de causar todos os prejuízos típicos de qualquer ditadura, ela ainda não se dispõe a oferecer nada de bom para a população (nem saúde, nem educação, nem qualquer direito).
No entanto, se alguem conseguir viabilizar um regime democrático que não se baseie apenas no lucro, oferecendo educação, saúde, comida, lazer e cultura para todos, certamente terá a minha preferência absoluta.
Feliz ano novo!

Sérgio
Sérgio
10 anos atrás

Você tem razão em alguns pontos. Entretanto, os esquerdistas brasileiros possuem uma esquisitíssima atração por enaltecer regimes totalitários ou até guerrilhas que sequestram e matam inocentes. Assim como é errado querer se intrometer na cultura de outro povo antes de entendê-lo minimamente, é a coisa mais fácil do mundo ser comunista de carteirinha, ideológico, vivendo no Brasil. Muito gostoso idolatrar Cuba, elogiar o “Regime”, defender a pena do “paredon”, mas no máximo passar umas temporadas curtinhas por lá, antes que a Havana real comece a incomodar. Sobre a Coréia, fica difícil até de começar a entender, já que as pessoas não tem sequer o direito de se manifestar livremente, a não ser com o choro a um ditador que promove lavagem cerebral em seu povo.

Raul Muricy
Raul Muricy
10 anos atrás

Pelo jeito o Flávio descobriu que os norte coreanos são ETs….. Pena que não tenham Blogs, nem pessoas discordando ou concordando.Normal a retração de um país como um caramujo. Existe algum outro no mundo que seja normal como a Corea do Norte? Comparar um ditador, ou seus filhos, que adora a disneylandia japonesa com Jesus Cristo? Na minha opinião este post foi muito infeliz, decepcionante.

Bush
Bush
10 anos atrás

E quem paga seu salario e a ESPN que é da onde mesmo?? de Cuba né, vai cata coquinho
comunista de merda, vá viver na Venezuela ou em Cuba melhor some pra Coreia do Norte aproveita e leva a ladra de banco com você.

filipe
filipe
10 anos atrás

um pouco de informação te faria bem. evitaria esse teu post constrangedor, pra dizer o mínimo:
http://sergyovitro.blogspot.com/2011/12/alvaro-pereira-junior-os-monstros-da.html

Raul Muricy
Raul Muricy
Reply to  Flavio Gomes
10 anos atrás

E quais são as suas fontes???

Raul Muricy
Raul Muricy
Reply to  Flavio Gomes
10 anos atrás

a Coreia do Norte, é sabido, para quem tem mais de dois neurônios funcionando, que é o país que mais sofreu e sofre com as mentiras da propaganda ocidental em todos os tempos. São 60 anos de ataques. A todos que discordaram, você cobra as fontes ou pergunta se já estiveram lá, além do fato que de cara chama de burro (dois neurônios) quem não concordar. Eu sou leitor de seu blog ha mais de ano, e nunca vi um post seu e respostas tão raivosas e prepotentes. Tá tudo bem??

Andre
Andre
10 anos atrás

Flávio,

você já foi à Coreia do Norte?

Marcelo A.
Marcelo A.
10 anos atrás

Puta que o pariu, comparar fila de iPhone com fila de arroz é de uma babaquice impressionante… vai morar lá.

Marcelo A.
Marcelo A.
Reply to  Flavio Gomes
10 anos atrás

hhahahahahahahahahaha

Jair
Jair
10 anos atrás

Filho sucedendo o pai(que, por sua vez, já era sucessor de seu pai) no poder de um país “”””””DEMOCRÁTICO”””””, depois de passar décadas no poder.

OPS MAS EU NÃO POSSO AFIRMAR ISSO POIS NÃO TENHO PARENTES NA CORÉIA, FOI MAL FLÁVS.

Na Coréia do Norte não existe nem censura nem repressão. Não podemos falar o contrário porque não temos parentes lá. E se formos contra isso, somos soldados da Veja/Globo.

José
José
10 anos atrás

Quem quer que queira saber a verdade sobre a Coréia deveria ver este documentário. É chocante. Não há como argumentar e ter idealizações depois de ver isto.

http://topdocumentaryfilms.com/children-of-the-secret-state/

Fabio
Fabio
10 anos atrás

Realmente na Coréia as pessoas são diferentes: todas reféns. Engraçado que nunca conheci alguém querendo fugir pra lá, mas conheço vários casos de pessoas que fugiram de lá! Igual em Cuba, antiga URSS, Alemanha oriental…

Eles não são diferentes, são pessoas como nós, mas que são vítimas de um estado totalitário.

Ricardo
Reply to  Flavio Gomes
10 anos atrás

E daí quem ele conhece? Você não é capaz de criticar o conteúdo do relato do Fabio ao invés das pessoas envolvidas nele?

Itamar
Itamar
10 anos atrás

Prezado Flávio, vejo que a maioria dos seus leitores são repetentes de vestibular por não saberem interpretar textos, pois, pelo que li em cerca de 100 dos comentários enviados, salvo uns 10 %, os outros já te escolheram como candidato a presidente em 2014 pelo PCO. Parabéns! Não pelas suas comparações e citações, estas opiniões são muito pessoais e assim sendo, devem ser respeitadas, mas parabéns pelo ponto de vista de que não devemos enxergar o mundo como a imprensa mundial nos mostra todo santo dia, mas sim, como realmente nós vemos e sentimos diretamente.
Certamente, com exceção dos 10% que souberam interpretar o seu texto, independente de concordarem ou não, os outros 90% APOSTO E GANHO, que sequer conhecem a realidade do país em que vivem, achando que as matérias que assistem no jornal Nacional retratam fielmente o Brasil em que vivem.

andré frej
andré frej
10 anos atrás

Escreveu bem. O problema é que a maioria das pessoas insiste em se manter alienada, não observam a realidade por outro ângulo, não procuram a essência das coisas, porque ver por fora é fácil e vão.

Carlos Cardoso
Carlos Cardoso
10 anos atrás

Essa imagem justifica o texto: http://bit.ly/rr15aM

Elvis Pfützenreuter
10 anos atrás

O regime militar aqui dava a mesma desculpa: que era uma forma “diferente” de democracia. Obviamente ninguém que não fosse energúmeno, ou então *pago* para defender o RM acreditou nisto :)

Liberdade é liberdade, não tem “sabores” de liberdade. Ao menos no regime militar havia a opção do aeroporto internacional. Os norte-coreanos nem isso têm.

Carlos
Carlos
10 anos atrás

Caro FG,
Falando sobre carros vc é inigualável. Acesso seu blog quase todo dia. Agora o “mas”: mas em política vc é um inocente útil. Outro mas: mesmo assim continue falando o que vc pensa; é seu direito. E como vc disse no final: cada acredita no que quiser.
Boas festas.
PS: ainda bem que tem fila pra comprar peru; pior se não tivesse.

J
J
10 anos atrás

Concordo com várias coisas ali (e discordei de outras), mas a babaquice de comparar fila pra comprar iPhone e fila pra comprar arroz não pode passar em branco. Fila pra comprar iPhone é escolha de quem é ridículo (e rico) o suficiente para tanto (nada contra o iPhone em si, mas morre se esperar uma ou duas semanas pra comprar?). Fila pra arroz é escolha de quem… precisa comer. E acabou o capim pra sopa.

Tiago Mio
Tiago Mio
10 anos atrás

Sei que isso ñ tem nada ver. Alguem conhece a fabrica de carros Daewoo Motors? Alguem sabe se ela é pertence a Coréia do Norte ou do Sul?

Guilherme
Guilherme
10 anos atrás

Leia o que o Elio Gaspari escreveu:
http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.asp?cod_post=422689&ch=n

Essa porcaria de ditadura, conseguiu transformar um país rico (Norte) em uma tragédia humanitária, enquanto o Sul (que também era uma ditadura logo após a divisão e por alguns anos a mais) de pobre para um das nações mais bem educadas do mundo.

E veja bem, não adianta falar “Foi graças a grana dos EUA!”, porque o auxílio da URSS ao Norte foi também substancial.

Thiago
Thiago
10 anos atrás

Sério… você critica o capitalismo e coloca um vídeo onde a narradora fala que o socialismo deles é melhor e que tem que ser protegido por armas? Tudo bem que você goste de carros antigos, mas não precisava se rebaixar e defender uma ditadura para mostra a foto de um ônibus velho, que era muito útil na época dele!

E não sabia que a Veja era tão poderosa ao ponto de manipular informações mundiais… vai ver, o governo americano está usando a revista para propagar as verdades do capitalismo selvagem né?

Bem, já achava você um jornalista parcial em alguns aspectos, mas depois desse texto tenho certeza! Bem, continue trabalhando em uma empresa com marca americana e fundamentada no capitalismo, recebendo seu salário em dia e sendo a favor do socialismo… Afinal, tem maluco para tudo nesse mundo né?

Daniel Pescadinha
Daniel Pescadinha
10 anos atrás

Flávio,

Convido vc e quem mais quiser se dar ao trabalho de visitar o site http://www.antinovaordemmundial.com. Tem muita baboseira, afinal é um fórum de postagem livre, mas muito material interessante para quem quer ter informação diferenciada. Pelo visto vc é um dos poucos que aceita que as coisas muitas vezes não são exatamente do jeito que nos contam…

Reinaldete.
Reinaldete.
10 anos atrás

Flávio,

Acho que escreveu um monte de besteria (acho que houve trechos bem
infelizes que não resistiram a uma reflexão de sua parte), Duvido que vc de fato acredite naquele grau de essencialidade do arroz X ipad, ou de Jesus X o ditador.

A propósito, tudo parte da premissa que a situação é essa por escolha dos norte-coreanos.
Se acredita que sim, ótimo. Continue acreditando.

Mas no final vc se redimiu e foi ao cerne da questão,
ao afirmar que a única saída humanitariamente viável é a reunificação.
A questão é saber agora se parte meridional topa pagar a conta.

Jair
Jair
10 anos atrás

Existem boatos e invenções, sim. Mas o que se passa na Coréia do Norte não é uma dinastia de ditadores? Não precisa entender coreano pra saber disso.

Ditadura é ditadura. Se as pessoas lá são fanáticas pelo “Grande Líder”, isso não tem a ver com alienação e controle da mídia?

Ah, e pra mim pouco importa se o baixinho era excêntrico. Um texto da Carta Capital afirmava que a “Direita” só tinha esse argumento contra o cara. Isso é o de menos.

O que importa é a repressão, censura, xenofobia e obviamente falta de democracia política que existe na Coréia do Norte. Mas você provavelmente dirá que não tem como se provar isso.

Só me surpreende uma pessoa inteligente como você, que, sabiamente, critica o Ricardo Teixeira, defender um regime desses.

Marco, de Brasilia
Marco, de Brasilia
10 anos atrás

Valeu pela foto do ônibus.

Thiago
Thiago
Reply to  Marco, de Brasilia
10 anos atrás

O post só valeu pela foto do ônibus mesmo… se bem que o ônibus poderia estar no museu, onde seria o melhor lugar para ele…

Ubaldir Jr.
10 anos atrás

Sei não. Nesse tipo de discussão realmente prefiro não emitir opiniões formadas. Assim como quando se fala de Cuba ou de Venezuela. Concordo com essa parte do texto do Gomes, ninguém tem conhecimento de causa suficiente pra dar opiniões sobre a Coréia. Ao menos ninguém que vi comentar nesse blog.
Por isso prefiro não me atrever a dizer que nós vivemos certo, ou que os coreanos vivem errado. O mundo é muito estranho, muito torto. O que é errado em um lugar é certo em outro. Tem país que come cachorro, e tudo bem. Em outro acham um absurdo a gente comer carne de vaca. Cultura é algo muito esquisito. às vezes me pergunto porque nos é tão absurdo tirar a vida de um cão e tão normal tirar a vida de uma vaca ou um porco? Criamos aves em casa as quais temos imensa afeição, mas matamos galinhas à rodo pra nos alimentarmos. As pessoas nascem acreditando em uma coisa e aquilo vira a verdade inabalável, vira o “correto”.
Na minha modesta opinião, cada pessoa tem ao seu redor uma, duas centenas de entes próximos que podem e devem ser cuidados e bem tratados por ela. Se cada um se preocupasse com estas pessoas que o rodeiam incondicionalmente, o mundo seria um lugar magnífico. Ficar gastando preocupação com lugares e pessoas que estão em um local em que provavelmente nunca visitaremos, com certeza não fará um mundo melhor.
Que os coreanos cuidem de si próprios. Que se resolvam com seus valores e suas certezas e verdades. Não somos nós que vamos provar pra eles que a democracia é uma necessidade. Todo povo tem que achar esse caminho por conta própria, senão não dá certo. Se um povo se sujeita ao totalitarismo, é porque isso está arraigado em suas entranhas. Não é o ocidente, ou mesmo os coreanos do sul ou os japoneses que vão demonstrar a eles que devam viver nos moldes do capitalismo.
Não havendo conflito, meus amigos, acho que cada povo deve viver como quiser. O certo e o errado nesse mundo é sempre algo relativo. Aquele que se acha dono da verdade, seja ele defensor de qualquer lado da moeda, provavelmente encontra-se a anos luz de uma resposta correta pra qualquer das dúvidas de nossa existência nesse universo.
Mente aberta é uma necessidade nesse nosso mundo louco. Não é um termo acessório.

Carlos
Carlos
Reply to  Ubaldir Jr.
9 anos atrás

Legal. E vc. que vive no Braziu, não é impedido de andar nas ruas pelas armas tb.?
Você sai pra passear as 2hs da manhã por qualquer rua do centro de SP ou do RJ? Se não, faça isso e sinta a segurança no ar.
E as pessoas só não deixam essa merda de país pq não tem recursos pra isso, pq quando conseguem não querem voltar pra essa latrina da América nem pra passear. Preferem passar fome na Europa do que viver aqui sem segurança nenhuma.
Andar livremente nesse país, é só pra otário acreditar. Assim, como tem alguns que acham que vivemos em uma democracia.

OSKAR
OSKAR
10 anos atrás

Vc levantou uma coisa que sempre me incomodou. Estas nações, aí incluiria o Irã, não serão mais felizes, a despeito de seus regimes, ou então em razão deles, do que nós, frutos da civilização ocidental, com sua carga imensa de violências de todo tipo, incompreensões as mais diversas? O legado cultural ocidental típico destrói as pessoas, imbeciliza as relações, promove o ódio e infelicidade geral, é o que vemos mas não admitimos. A democracia e livre acesso á informação deu em que? no Ratinho, funk, Rafinha Bastos, Panico na TV, programações ridículas, etc. Mais uma coisa, parabéns pela coragem, porque será provavelmente crucificado, mas no fundo vc está certo!!!

1 3 4 5