SOME QUESTIONS

SÃO PAULO (incrível) – Depois de receber o seguinte release…

A Diletto realiza uma parceria inédita com o Instituto Ayrton Senna para recriar uma edição especial e limitada do picolé premium chocolate belga ao leite. O sabor era o preferido do tricampeão de Fórmula 1, que morreu em 1994 ao disputar o Gran Prêmio de San Marino, na Itália. A iniciativa visa prestar uma homenagem ao piloto e ajudar a educação pública do Brasil, já que cada picolé vendido terá parte do valor revertido para o Instituto. Hoje, a entidade tem projetos que beneficiam dois milhões de alunos no país. Os picolés estarão à venda a partir de novembro nos quiosques da Diletto em shoppings de São Paulo, Campinas e Rio de Janeiro.

…me pergunto: será que só eu acho que essa exploração não vai acabar nunca, será que alguém realmente lembra qual sabor de sorvete o cara gostava, será que só eu não consigo entender exatamente o que faz o tal instituto?

Comentários

  • Caro jornalista.

    Acho que cc deve ser uma pessoa amargurada com a vida.
    Vc deveria focar seu espaço e o seu papel de jornalista a serviço de algo que tenha relevancia para o pais.
    Nao existe no Brasil nenhuma outra ong tao respeitada como o Instituto Ayron Senna o que ele faz, realmente só vc mesmo nao deve saber.

    Eu tb me pergunto? Sera que esse jornalista é tao insignificante que precisa criar uma lemica em torno de um dos maiores idolos brasileiros para gerar mais audiencia nesse bloguizinho?

    Vai chupar um picole desse pois assim vc estara ajudando…

    Insignificante.

  • Fg, se o Estadão saísse nesta 2a feira com a seguinte manchete: “Lula não era o chefe da quadrilha” , o jornal estaria insinuando que Lula teve participação na quadrilha do seu principal ministro. Analogamente, seu post insinua que o Ias faz algo imoral. É o contexto quem manda. Dado que você admitiu sua ignorância numa resposta, retrate-se e seguimos em frente.

  • Acredito que cada empresa deva ter sua participação social da maneira que lhe convém. Se fosse uma padaria, provavelmente faria o pão que o Ayrton curtia. Se fosse uma fábrica de cuecas, faria a cueca do tri…e assim por diante. Se a exploração da imagem do piloto não fosse o alvo do Instituto, a primeira ação seria de se intitular Instituto “Qualquer nome”. A ação é válida e assim que acha uma loja dessa marca, com certeza pedirei um desse sabor.

  • Marcondes:O Brasil piorou muito após ser obrigatório curso universitario para jornalista.É a categoria que mais tem mediocres de canudo.É hilariante vermos jornalistas entrevistando e se perdendo quando a resposta do entrevistado não é bem aquela esperada.Jornalista tem que ter inteligencia,sagacidade,raciocinio rapido e principalmente o DOM.No caso do Flavio,voce deve estar gozando,pois o nosso RUBRO é simplesmente genial,pela facilidade com que escreve e pela tranquilidade com que transita por varios temas.É sem sombra de duvidas um dos 10 melhores que já apareceram neste pais,o unico senão é que gostaria que ele tocasse carros ingleses pois estaria Á DIREITA!!!!!!!!!!!!!!!

  • O Instituto Ayrton Senna, pelo que li e vi na TV várias vezes, é focado em oferecer ensino técnico de qualidade para jovens de baixa renda, através de parcerias, uma chance de oferecer oportunidades de ascensão social para crianças carentes. Para isso, eles se utilizam do dinheiro obtido através exatamente da exploração da imagem do Ayrton Senna com fins de gerar renda.

  • Tudo bem que explorar marca de sorvete preferida do Senna é exagero, eu concordo. Agora questionar que o Instituto Ayrton Senna não faz nada é exagero. Sabe pq vc não sabe o que o instituto faz? Porque eles não gastam milhões em propaganda.

    Esses políticos que vc vota usa dinheiro do povo para mostrar suas obras, aí vc vê o que eles fazem.

  • Por mais que você não goste da santificação do Senna (opinião da qual eu partilho), não deveria estender o seu desprezo à uma instituição beneficente da qual, pelas suas próprias palavras, você não conhece o trabalho. Se você desmerece o legado de uma pessoa simplesmente por não concordar com os seus fãs mais acéfalos, você desce ao nível deles.

  • Também não sei exatamente em que escolas, quais regiões do país, que tipo de melhoria, etc, esse dinheiro é empregado. Não que eu desconfie de alguma coisa, simplesmente nunca fui atrás para saber, ignorância pura mesmo. O que eu só quero saber agora é… se esse sorvete é bom como parece ser. Hummm.

    • Já trabalhei numa escola com “turmas de aceleração” do projeto. Funciona? Funciona! Mas não é (nem se propõe a ser) a solução definitiva de todos os problemas. Só pega uma turma de alunos com possibilidades de acompanhar a sala, mas que por algum motivo ficou defasada com relação à sala e coloca-os no mesmo nível (sejamos francos, eles ficam até um pouco melhores) que os colegas.

  • Como sou medium – aquele sujeito que vê, escuta e entende todas aquelas coisas que vocês não vêem, não escutam e, claro, não entendem, tenho a possibilidade de contactar-me com pessoas que estão, como diz o Rei Roberto, “Além do Horizonte”, ou, como dizia o finado Patrick Swayze em “Ghost”, “Além da Vida”, ou ainda, parodiando o Capitão Kirk, “Onde Nenhum Homem (vivo) Jamais Esteve”.
    Dia desses, pude bater um papo com o nosso saudoso campeão e perguntei-lhe como ia a vida lá por aqueles lados. Ele me disse que era “muito calmo demais” (sic.), pois lá não havia corridas de F1; não havia Jet Ski; não havia Represa Atibaia; não havia Xuxa – que inclusive ele tinha sérias dúvidas se iria para o céu; não ia haver – de jeito nenhum – Adriane Galisteu; e, pior de tudo, o paraíso não dispunha de um departamento de marketing para os “habitantes”, só pro “chefão”, coisa que ele achou um absurdo e estava só aguardando para entrar com requerimento junto ao “chefe” visando a aceitação de Duda Mendonça no paraíso, para juntos, abrirem a primeira agência por lá.
    Pelas tantas, perguntei qual era o sabro de sorvete que ele mais gostava, Ele pensou por um instante e respondeu: vai na DILETTO que tu vais saber, malandro.
    E então, tão misteriosamente quanto Saddam foi culpado pelo 9/11, a ligação caiu.

  • Flávio, trabalhei durante 4 anos no Instituto Ayrton Senna. Você e todas as pessoas que não sabem o que eles faz, se surpreenderia com a seriedade e competência dessa instituição. Também se surpreenderia com a realidade da educação brasileira. Se surpreenderia com os programas educacionais criados por esse grupo de pessoas. Para ter acesso a esses programas, as cidades interessadas em melhorar a qualidade de ensino de suas escolas, tem de, através de suas secretarias de educação, disponibilizar toda a documentação referente aos “investimentos” feitos na área. Não é raro as ptefeituras interromperem esse processo de acesso aos programas, já que tais documentos revelariam corrupção e mal uso do público. Eu não me surpreendo por você não saber o que Instituto faz, afinal não é um trabalho tão óbvio (não, eles não um grupo de professores que dão aulas de reforço escolar). Eu me surpreendo é com o desdém com que trata coisas que podem e/ou não devem merecer tal tratamento. Abraço

    • Eu, por meio de minha Empresa de Treinamento Empresarial, gosto de contribuir, comprando algo de meu interesse. Sem dogmas, sem picuinha, sem dramas….Simples assim….Pensamentos elevados para uma boa causa. Nunca vi Viviane Senna envolvida em qualquer merda, que pulula, na atualidade. E os produtos, são de qualidade, tanto quanto, o humano que criou a iniciativa.É instituto, não prostituto….Abs!!

    • Olha, Marcelo…

      Os funcionários de nível gerência do extinto Banco Econômico também achavam que a empresa ia de vento em popa, e, dificilmente acreditariam em argumentações desconfiadas.
      É a primeira regra do empresário esperto: “NUNCA DEIXE QUE ALGUÉM PUXE A SUA GRAVATA PARA EVITAR O ACIONAMENTO INADVERTIDO DA DESCARGA DO VASO. – A DIRETORIA

  • Pois é Flávio, compartilho da tua opinião, essa exploração não vai acabar nunca. É por essas e outras que acho Ayrton Senna um assunto tão chato, porque as pessoas perderam totalmente a noção e já passaram da linha que separa a admiração da idolatria faz tempo. A Diletto está errada? Não, ela só está comercializando o que o povo quer comprar. Porém, acho que comprar miniaturas ou documentários sobre o piloto refletem admiração e respeito pelo profissional que ele foi nas pistas e é normal e justo, agora querer tomar o sorvete que ele tomava já é idolatria demais pro meu gosto ou doença, para dizer o mínimo.

  • Curioso… Pergunte a maior parte das pessoasmque criticam, você vai descobrir que elas não fazem nada pra ajudar ninguém… Pena… Acho nobre que uma instituição ou pessoa tente fazer algo para os menos favorecidos… Ajudar na educação por exemplo…. Sem paternalismo…

  • bem, a partir do minuto 52 deste video “Ayrton Senna – The Right To Win”, vejam alguns projetos do instituto. Este numero de milhões de crianças, bem, não sei como a metodologia de contagem é feita. So sei q acho q se pegar todos numeros de crianças atendidas por estas ONGs chegamos a 2x a população de crianças brasileiras. Enfim, tirem suas proprias conclusões.
    http://www.youtube.com/watch?v=Wl7rPM8_FgQ

  • Diferente de muitas coisas nesses país, o instituto Ayrton Senna é uma instituição séria e ataca o grande problema da nação, que é a educação. É um exemplo para todos os níveis de governo.

  • O sabor era o preferido do tricampeão de Fórmula 1? uma homenagem ao piloto e ajudar a educação pública do Brasil ? cada picolé vendido terá parte do valor revertido para o Instituto?
    é Cada uma que essas empresas bolam para ter desconto em imposto de renda! o Senna gostava de pastel de queijo? vou fazer uma promoção dessas aqui na loja

  • Flávio, dê uma olhada no site do instituto na seção de programas: http://senna.globo.com/institutoayrtonsenna/programas/index.asp
    É realmente uma mega estrutura com um objetivo muito nobre, educação. Grande parte dos recursos da instituição são dos royalties ligados à imagem de Ayrtom Senna, que sozinhos não são suficientes para manter a instituição, e portanto estas parcerias são muito importantes.
    Talvez seu desconhecimento dos programas se deva ao fato de que a maioria deles se concentram no nordeste do país. Abraços.

      • Caríssimos,
        Não é bem assim…A cidade do Rio de Janeiro tem projetos do Instituto Ayrton Senna. A prefeitura do Rio utiliza tais projetos com o nome sugestivo de Aceleração…Bom, não sei quanto custa, mas é pago, bem pago. Esse papo que é no Nordeste no Norte, em cidades que não tem condições, bom não é só lá. Eu não sei como uma fundação que carrega o nome de uma pessoa tão bem sucedida não consegue se sustentar.

  • Caro Flávio, ainda falta muita coisa pra explorar.

    Senão, vejamos:

    a) Perfume de suvaco preferido;
    b) Suco de ‘caixa’ preferido (se não tinha na época, vão criar…);
    c) Creme pra cabelo preferido (CLEAR, oi?);
    d) e por aí vai…

    Essa lista aí só vai terminar… bem acho que não acaba, né?

    • Não sou contra explorar o nome ou marca de uma pessoa que ja morreu …Elvis quando morreu acho que tinha uns $500 mil dolares e muitas dividas a sua mulher e filha explorando o mito vendendo coisas tem hoje uns $10 milhões ou muito mais não importa e serve para perpertuar um nome que foi um Idolo para o País e bom exemplo etc etc etc ..Só acho que deveriam mostrar mais os beneficios que fazem as crianças ou coibir a natalidade como falei antes..Sempre falo não adianta a FIAT montar outra fabrica aqui e dar milhares de emprego por que o jovem que hoje esta desempregado …vai arrumar uma namoradinha ..alugar umacasinha e fazer mais 3 filhos ai vai precisar mais 3 Fabricas FIAT ..isso não tem fim ..oPlaneta não suporta tanta gente ..porisso vai ter a tal EXPLOSÂO SOLAR como disse o Diretor da NASA e matar 1/4 da população em 24 horas e 2/4 vai morrer de fome nos proximos 10 anos ..vai sobrar apenas 1/4 da população atual que vai viver normal sem brigas ..e vamos voltar ao seculo 19 …Ai acabou INSTITUTO etc etc etc..Os que são à favor do Flavio…ou os que são contra …então vamos aproveitar para dar opinião antes que acabe tudo ..abs

  • Fazendo o bem que mal tem? Não confundir filantropia com pilantropia ( O que mais tem neste imenso pais…) O País é fantástico e rico, pobre é o povo com raciocínio curto e lingua ferina…

  • Frases antes da morte: “…será que só eu não consigo entender exatamente o que faz o tal instituto?”

    Tá maluco falar uma coisa dessas por aqui, Flavio? Cuidado ao voltar pra casa hoje, hein?

    • Gosto desta coragem jornalistica do Flavio, Eu tambem sempre quiz saber o que faz o Instituto do Senna , como o do Barrichello e do Tony, do Criança Esperança e tem o Silvio Santos ( Tele tobs não sei ) para aonde vai todo dineiro arrecadado ???
      Cadê as crianças se beneficiando ???
      Não sei melhor fazer um Instituto ensinando os Pais e os pequenos Jovens à não ter filhos ? coibindo a natalidade ??? com camisinhas gratis, com operação do SUS gratis para ligar as trompas, ou circuncizão para homens ??? OU SEI LA O QUE ????A empregada do meu Pai tem 22 anos mora numa Favela tem 4 filhos um de cada marido ….e 3 maridos estão presos na cadeia…pergunto o que vai ser dessas 4 crianças ???
      Esse é o Brasil de hoje…O Pelé ja alertava nos seus MIL GOLS ..cuidem das nossas criançinhas…ja sobrava criança naquela epoca..hoje nem se fala .e .tem CRAK para piorar…e os governantes não fazem nada para COIBIR, EDUCAR, igual os governates da Europa fizeram na epoca que notaram que a população estava crescendo muito…e não ia haver hospitais,nem segurança e nem empregos, e nem escolas …IGUAL aqui …esta ZONA GENERALISADA …

  • Amigo Flavio,
    Por mais que seja Sennista (mas não pacheco chato) não vou passar a gostar do sorvete de “Chocolate ultra hiper belga” só porque era o que meu ídolo mais gostava…
    Acho que está aí um grande erro do Instituto – como provar que o Senna gostava da Diletto? Tem foto dele com um Diletto na mão? Usar uma imagem de que ele gostava de algo 19 anos depois foi uma grande bobagem…
    Por outro lado, não estou aqui querendo detonar a imagem do Instituto. Se uma empresa quer ligar sua imagem ao de um ídolo, tudo bem.
    Apenas achei que no caso da Diletto a maneira de abordar não foi legal. Bastava usar da filantropia – “compre um Diletto e ajude o Instituto Ayrton Senna” – simples.
    Abraços,
    Marcelo

  • Esses institutos sociais, ongs, etc são ferramentas de marketing. Claro que ajudam pessoas, claro que tem pessoas sérias trabalhando, mas no final das contas, sempre vão servir aos grandes grupos econômicos, perpetuando seus valores. É a privatização da dignidade humana, gestada na inatividade dos nossos governos.

  • Flávio, não se preocupe com essas pessoas que o criticam por não saber o que faz o Instituto. Quando você for Presidente do Mundo, e votarei em você, tem ao menos duas opções. Ou fecha o Instituto ou o Instituto fará um picolé em homenagem ao primeiro Presidente do Mundo eleito pelo povo! Beijos!

    p.s.: qual é seu sabor preferido?

  • Não sou fão do Senna, acho Schumacher e Piquet muito mais pilotos, mas ele já tinha um “instituto” quando era vivo, só que não falava para ninguém, sei, por parentes, que ele ajuda os outros mas era bem tratante, mas ajudava, não a turminha da estrela vermelha que você idoltra FG, acho que a Viviane usar o nome do irmão para arrecadar dinheiro para ajudar os outros é super justa, já que ela podia simplesmente vender a marca e ficar mais rica do que é. Até nos paises escandinavos tem institutos que ajudam quem não consegue o melhor que o país oferece, mesmo que no Brasil chegassemos a ser um lugar justo, ainda precisariamos de gente para melhorar a vida de alguns. Que vendam o que puder, se o objetivo for real.

  • Nenhuma ONG deve receber dinheiro público de forma nenhuma, é uma ONG não é ? Entonces deve se virar por conta própria e buscar os recursos que ” acha ” que precisa. Do jeito que está, temos a impressão de que todos os políticos são uma ONG também……. Vai ver é.
    Organização Não Governamental ?????????? Tô sem entender isso até hoje……