NAS ASAS

SÃO PAULO(velhas histórias, boas histórias) – O comandante Ma2Tos mandou essa em seu grupo de discussões sobre aviação. Alguém aqui já ouviu falar de “Gimli Glider”? Em 23 de julho de 1983, portanto quase 30 anos atrás, um 767 da Air Canada voava de Montreal para Edmonton com escala em Ottawa. Houve um piripaque qualquer no mecanismo de cálculo de combustível, que foi feito manualmente. Como a primeira perna do voo 143 se deu sem problemas, a tripulação, confiante, recalculou o que era necessário até o destino final. Mas o combustível acabou a 41 mil pés de altitude. Consta que a confusão se deu por conta da mudança dos sistemas de medição de libras para quilogramas.

Com as duas turbinas desligadas, sistemas hidráulicos e elétricos inoperantes e tendo de achar um lugar para pousar, a tragédia era iminente. Mas o piloto se lembrou de uma antiga pista da Força Aérea, onde ele tinha servido, e resolveu descer ali mesmo. Como voava planadores, usou toda sua experiência para aterrissar no local escolhido. Só que ele não sabia que a base de Gimli (daí o apelido de “Planador de Gimli” dado ao Boeing) estava desativada e tinha virado pista para provas de dragster. E era dia de corrida!

O vídeo acima, uma reconstituição da quase tragédia, mostra como ele pousou o 767 sem que ninguém se ferisse. É inacreditável. Dando uma pesquisada na internet, descobri que o avião só saiu de operação 25 anos depois e, neste ano, foi a leilão.

Quem será que ficou com Gimli Glider?

Comentários

  • Olá senhor Flávio Gomes, sou o Martins, ex-paginador da Empresa Folhas da Manhã, na época em que sua pessoa era o titular em cobrir automobilismo. Sabedor de sua paixão por aviação, gostaria de sugerir uma matéria sobre o comandante Gilberto Araújo da Silva, talvez, o mais emblemático piloto da história da aviação comercial brasileira. Se vivo estivesse, o comandante Gilberto, como era conhecido no seu meio, estaria completando 91 anos neste 12 de novembro. Devido ao curto espaço, é provável que não haja tempo hábil para esta empreitada, porém, fica a dica.

  • Muito bom! O piloto teve grande presença de espírito.

    Já tenho medo de altura e medo de avião…Acho que se me visse como passageiro numa situação dessas, morreria de susto antes do avião tocar na pista.

    E esse moleques são uns bestas mesmo!

    Não é mais fácil sair pela lateral da pista, saindo da frente do avião, do que pedalar com o coração na boca olhando para trás??? rsrsrs

    Se fosse no Brasil, teria um doido segurando na asa do avião “pegando carona” sentando na bicicleta…e outro ‘surfando’ no teto do avião deslizando pela pista…

  • Por falar em erros de conversão, aqui vai outra história baseada em fatos reais muito interessante.

    A Sonda Mars Climate Orbiter foi o exemplo histórico de que o Sistema Imperial Britânico de medidas deveria ser banido do Universo.

    Como todos sabem, os EUA, Inglaterra, Libéria e Birmânia insistem neste padrão de medidas ultrapassado. Em 1998 esta sonda foi lançada a fim de fazer o levantamento das variáveis atmosféricas de Marte e ajudar os cientistas a entender melhor o clima do planeta vermelho.

    Contudo, em 1999, a sonda foi destruída na atmosfera de Marte devido a um erro de navegação. A sonda deveria entrar na atmosfera do planeta a 150 km de altitude, mas entrou a apenas 57 km, o que causou a perda da sonda por fricção com a atmosfera marciana.

    O erro foi causado pelos nasenses terráqueos que fizeram o uso de medidas inglesas para calcular os parâmetros para a manobra inserção orbital, enviando-os à nave, cujos sistemas, contudo, apenas realizavam cálculos no sistema métrico. Quanto custou este erro? Impressionantes 125 milhões de dólares! O melhor time de navegadores espaciais de toda a Via-Láctea desde Star Wars errou na hora de converter os sistemas métricos!

    Americanos e ingleses são estranhos. Lá eles abastecem o carro em galões, bebe cerveja em pint, mede o peso em libra ou onça e medem a temperatura no bizarríssimo Fahrenheit.

    E ainda chamam os Russos de estranhos e esquisitos…

    • isso tá começando a mudar. a temperatura nos EUA em diversos setores já é medido em Celsius…

      um vizinho meu me disse que é uma tentativa de fazer a transição para o sistema métrico e se adequar ao mercado mundial…

      tecnicamente não foi erro de cálculo e sim erro de interpretação. ele é pre-setado para um único sistema, 57 para o computador era 150KM ou 57NM, o engenheiro pensou que a unidade lia no sistema imperial e selecionou o valor em NM, o computador entendeu em KM e a merda foi feita…

      o problema é que na Aviação o sistema de medidas é semelhante ao náutico, distancias em NM, velocidade em KTS, altitude em FT, pesos em LB. mas em vários países usa-se pesos em KG e volume em Metros Cúbicos ou Litros…

    • Alguém me disse um dia (mas provavelmente é brincadeira) que os fazendeiros americanos também não querem a conversão para sistema métrico, pois desvaloriza suas terras. Ao invés de ficarem a “apenas 5 milhas” da cidade, ficariam mais distantes, “uns 8 quilômetros”. Ao invés de terem 50 acres, agora passariam a ter apenas “uns 20 hectares”. Também “gastariam mais combustível” em litros do que em galões. E por aí vai….

      • isso vai mudar logo logo porque os Latinos que estão nos EUA não usam o sistema imperial. é só ver nas embalagens de produtos vendidos nos EUA, as instruções em Espanhol dão medições no sistema métrico…

        o Canadá passou a usar o sistema métrico e tá todo mundo muito tranquilo. claro que houve um período de transição mas segundo eles não foi tão complicado assim. hoje em dia eles vivem falando “porque não adotamos isso antes?”

  • Flavio

    História fantástica, que celebrizou-se diante do ineditismo – à época – de um procedimento destes. O Boeing 767 era novinho, e dificilmente, uma pane dessas (a qual chamamos de dual flame-out) é raríssima. O comandante, que tinha a vivência do voo planado ( o qual chamamos de voo-a-vela) não se surpreendeu, já procurou um campo pra pouso, e veio.

    Tempos depois, mais pro começo dos anos 2000, outro desse evento aconteceu, com um Airbus A330 da Air Transat, que teve um vazamento de combustível, saindo da américa do norte, pra europa. A uns 180km da ilha de Faro, os dois motores pararam, e o Airbus veio planando também, até chegar em terra firme.

    De fato, aviadores que tem a experiência de voar planadores, refinam muito sua técnica de voo, bem como também praticar acrobacias.

    Espetáculo a lembrança desse episódio. E a pena foi que, um avião desses tinha que ir pra algum museu, coisas assim….

    Abraço!

  • Dei muita risada com os pilotos correndo com um extintorzinho de 1kg após esfregar o nariz de um Boeing 767 no asfalto por 2km…
    Licença poética à parte, a gliçada foi uma manobra de mestre e mereceu o final feliz.

    • Não é a fonte mais confiável, mas na wiki consta que foi o pessoal da pista que correu com seus extintores para apagar o princípio de incêndio. Seria bem estranho mesmo os pilotos descerem correndo pra fazer isso.

  • Uma história espetacular, eu evitava sempre de contá-la por ser quase inacreditável. E consta que nos momentos finais, planando em silêncio, a tragédia foi evitada por um garoto que viu o bruto descendo e saiu de bicicleta gritando para as pessoas liberarem a pista.

  • Ele deu uma glisada, manche pra um lado, pedal pro outro, muito usado no garimpo, vc chega muito alto por causa da copa das arvores e a pista é muito curta. Quem tava atrás do avião deve ter se cagado todo, parece que a traseira quer passar a dianteira.

    • verdade. MAS nem todo passageiro gosta disso, e dependendo do tipo de carga que você carrega não dá pra fazer isso porque glissar faz a carga se mover dentro do Avião. se o avião tiver “cauda pesada” como o C210 isso pode ser um problemão…

      o Gimli fez isso como último recurso, usar o spoiler/ground-spoiler é preferível quando se tem alguma margem de segurança porque não faz a carga passear lateralmente. se a pista fosse maior ele não teria glissado…

    • se é tão fácil porque os EUA se recusam a adotar o sistema métrico?

      1) porque os EUA gostam de ser diferentes

      2) porque uma vez redneck sempre redneck

      3) porque assim deixam o mundo inteiro putos da vida ao ter de fazer embalagens nos 2 sistemas de medidas…