MENU

Tuesday, 30 de July de 2013 - 12:53Nas asas

NAS ASAS

boeing73orlySÃO PAULO (passou batido) – Faz alguns dias, mas ainda é tempo de lembrar dos 40 anos do primeiro grande acidente da aviação brasileira que teve repercussão mundial, a queda do Boeing 707 da Varig na aproximação de Orly, em Paris, em 11 de julho de 1973.

Foram 124 mortos, como indica o pequeno memorial ao pé de uma árvore no campo de cebolas onde o avião em chamas pousou. Salvaram-se 10 tripulantes e um único passageiro. O incêndio começou num banheiro, onde alguém jogou uma bituca de cigarro acesa. O fogo deu origem a uma fumaça negra que matou praticamente todo mundo intoxicado.

Os caminhões dos bombeiros do aeroporto demoraram para chegar porque entre a plantação de cebolas e a pista de Orly há uma autoestrada e não tem jeito de cruzá-la sem fazer um retorno de muitos quilômetros. E os bombeiros da pequena vila onde o Boeing conseguiu descer não tinham equipamentos adequados para combater um incêndio num avião.

O comandante daquele 707, quando voltou a voar, desapareceu num cargueiro da Varig sobre o Pacífico, anos depois. É um dos maiores mistérios da história da aviação mundial, já que nunca se encontrou nenhum vestígio da queda.

No Boeing da Varig de Orly estavam muitas pessoas famosas. Entre elas Antonio Carlos Scavone, talvez o maior responsável por trazer a F-1 para o Brasil. Um relato detalhado do acidente está no livro “Caixa Preta”, de Ivan Sant’anna (Objetiva, 2000). Vale a pena ser lido.

66 comentários

  1. sou maquetista e fabrico maquetes de aviões comerciais ,grandes novos e antigos.preço entrarem no meu site walter-maquetes.webnode.com e qualquer informação no meu email [email protected]
    grato
    walter cardoso assis

  2. Veinho says:

    Pessoal, no acidente de Orly também morreu o militante revolucionário argentino Joe Baxter, na ocasião viajava com um passaporte falso. Dizem que levava 40 mil dólares destinados a frente sandinista de liberaçao nacional.
    O Filinto Muller além de carniceiro do Getúlio, foi o fundador presidente do Arena.
    Se tem alguma história por trás da fumaça, deve ter a ver com um deles.

  3. Luis says:

    A esposa do Gilberto Araujo, Wilma Fogarolli, procurou por conta propria algum indicio do marido desaparecido no voo de 1979 em ilhotas do oceano pacífico

  4. Wolf says:

    Agostinho dos Santos partiu nessa…….estava a caminho de sua 1a turnê internacional….

    http://letras.mus.br/agostinho-dos-santos/687188/

  5. jose carlos says:

    me expliquem porque a tripulacao de narita a san francisco ou los angeles foi sabatinada e mantida em sigilo por longo periodo pelo FBI
    secaiu no mar deveria ter um misero pedaco de espuma
    o cerebro do mig estava a bordo como pecas de toyota pois a varig tinha este contrato de transporte e foi o caminho que eles encontraram pra levar as pecas pro usa.quem falou e viveu estava la dentro

  6. charles says:

    O Mato Grosso é “tão loco” que tem uma avenida em Cuiabá com o nome de Filinto Muller.

  7. Rafael Friedrich says:

    É, e ninguém se lembrou de Leila Diniz, faço aqui a referência a esta mulher a frente do seu tempo.

    • filipe says:

      Se está falando do desastre de Orly, provavelmente você tá fazendo confusão entre a Leila Diniz, que morreu em 1972, também em um acidente aéreo e a Regina Leclery, que estava no RG 820.

  8. Harry says:

    FG
    Fiz o primário e ginásio de 1973 a 1980, e a escola municipal que estudei em 74 passou a chamar Celso Leite Ribeiro Filho que foi um jornalista morto no acidente.
    No YouTube é possivel ver o rescaldo-salvamento do acidente
    Abs
    Harry

  9. Thiago Sabino says:

    Só tentando esclarecer as teorias da conspiração:

    O PP-VJZ que fazia o trecho Japão-EUA e desapareceu, e possuia em seu interior, peças de Manabu Mabe. Não levava MIGs, não levava nada do que é dito. Essa história de ter sido abatido não procede.

    O PP-VJK que fazia Rio – Orly teve seu incêndio propagado por fogo no revestimento , e JAMAIS levou cápsulas de assento ejetável dos recém-comprados Dassault Mirage, que irromperam o fogo a bordo. Quem entende o funcionamento de assento ejetável, sabe o que quero dizer, e do quão “conspiratória” é essa tese.

    Mas normalmente, em eventos deflagrados pelo “desconhecido” , as teorias conspiratórias conseguem se aconchegar, instalar-se, e por vezes, quase virar uma “verdade”.

    • Luiz says:

      PP VJK se acide tou em Abdjan, em Jan 1987. VRG 820 VJZ e o de Orly.
      Ha uma semana faleceu o CMT Fusimoto, herói de Orly. Então Co piloto daquele vôo. RIP.

      • Francisco Cesar says:

        Em 2.017 um sobrinho do Cmte Fuzimoto soltou uma nota desmentindo a morte dele. Disse que quem faleceu foi um irmão dele José Fuzimoto e não Antonio Fuzimoto.

  10. Francisco says:

    Bem lembrado pelo Ricardo Sarmento, Filinto Muller, tem até nome de ruas, praças e avenidas homenageando essa coisa. Quem já leu o ótimo, Olga, do Fernando Morais, sabe.

  11. Luis Eduardo says:

    Ontem, dia 29, fez 40 anos também daquele terrível acidente do Roger Williamson no GP da Holanda, em Zandvoort. Aquele em que o companheiro de equipe tentou inutilmente salvá-lo, do fogo e da incompetência dos bombeiros. Aquele julho de 1973 realmente foi trágico.

  12. retka says:

    flavio: pelo que li no livro caixa preta, ele caiu numa plantação de repolhos e não de cebolas como vc relatou!

  13. Hiperfanauto says:

    Neste avião estava também estava a pantera e sociality mineira, Leila Diniz que estava gravida e foi musa de uma das musicas do Erasmo Carlos no seguinte estrofe: ” como diz Leila Diniz, homem tem de ser durão. Se ela não chegar agora não ………….. ”
    Em razão do clima de “tempos de chumbo” que pairava aqui no Brasil em razão do regime de governo autoritário existente, houveram muitos boatos cavernosos sobre o tal acidente, e somente após intensas investigações por entidades internacionais de segurança aérea é que ficou comprovado que o acidente ocorreu em razão de um incêndio que começou no sanitário traseiro da aeronave originado por um cigarro mal apagado.

  14. Nelson says:

    Nunca toquei neste assunto a não ser com familiares e alguns amigos chegados, mas vendo agora e depois de tanto tempo vou aproveitar a oportunidade: Foi minha primeira viagem à Europa, tinha ido pela Air France pois era final de maio e estava difícil conseguir voo. Fui também
    em um 707,mas novo,brilhando,tudo no lugar. Quarenta e poucos dias depois, voltando de Londres com escala em Paris, entrei em um 707 da Varig e voltei. Aqui chegando, comentei que vim em um avião velho,sujo,qualquer turbulência mínima fazia a maioria dos compartimentos de
    bagagem dos passageiros se abrirem e isto aconteceu varias vezes. O banheiro estava detonado,
    se via as partes mal fixadas. Resumindo estava um lixo. Para minha surpresa este avião voltou à
    Paris no dia seguinte e caiu!!!!. Era o mesmo e dei muita sorte. Duvido muito até hoje desta história do cigarro devido ao estado do banheiro. Realmente se existe um sobrevivente ele pode confirmar o que falei. Foi realmente a queda de um avião sem conservação!!!!!!!

    • EMERSON says:

      Quem garante que era a mesma aeronave. Só pelo número do voo? Pode ter sido operado por outro avião, pois não necessariamente uma mesma aeronave faz o mesmo voo seguidamente.

  15. Marcello says:

    Nesse vôo morreu também o grande Jörg Bruder, brasileiro, tri-campeão mundial da classe Finn, grande e inesquecível velejador.

    • Fernando Amaral says:

      boa lembrança , sabia de um velejador mas não lembrava do nome; se não me engano foi também medalhista olímpico em 1972.

      • Marcello says:

        Viajava para buscar o tetra, aliás, a taça, que estava em seu poder, foi embora junto com ele, campeão mundial da Finn por três anos consecutivos, feito só igualado pelo igualmente grande Ben Ainslie.

        Acho que não chegou a ser medalhista olímpico, mas foi também vice-campeão mundial da Star. Morreu cedo, poderia ter trazido vários outros títulos para o mais vencedor dos nossos esportes, a Vela.

      • Fernando Amaral says:

        Legal isso da taça ser única e passar de um vencedor a outro até que algum vencesse 3 campeonatos – a copa do mundo era assim (não mais, que eu saiba), o GP da Bélgica era assim, Fangio foi o primeiro piloto a conquistar essa taça definitivamente.

  16. Marcelo Melo says:

    FG,

    Só na edição do dia 03 de FEV 1979 é que alguma coisa foi sair nos jornais. Aqui o link do JB (indicação sua há algum tempo atrás) que mostra uma nota, no 2º clichê, no alto à direita da capa.

    http://news.google.com/newspapers?nid=0qX8s2k1IRwC&dat=19790203&printsec=frontpage&hl=pt-BR

  17. vitão says:

    neste acidente faleceu também o Wallace Franz, brasileiro campeão mundial de motonáutica offshore . A vida dele merecia um livro. Os barcos dele ficavam na empresa dele, não me lembro se no Jaguaré ou Vila Sonia.

  18. Carlos Cwb says:

    Conheci o Cmte Gilberto, depois desse acidente, no Aeroclube de São Paulo. Algum tempo depois, sumiu no Pacifico.
    É muito azar pra mesma pessoa…

  19. Alguém tinha que fazer uma entrevista com o único passageiro sobrevivente, Ricardo Trajano.

  20. Harerton Dourado says:

    Interessante que José Sarney escapou de estar nesse voo, pois, se não me engano, chegou atrasado no aeroporto!

  21. jose carlos says:

    o piloto que voltou a voar foi abatido por caças pois ele tinha a bordo o segredo dos mig que fugiu para o japao
    passarinho passou e me buzinou isto pois o cerebro do caca russso estava desmontado e embalado como pecas de auto japones

  22. YPVS says:

    Esse acidente mudou a certificação de materiais de poltrona, incluiu a exigência de detector tb se não me engano.
    Outra coisa interessante foi que o sobrevivente só se safou porque desobedeceu as ordens da tripulação, saiu lá do fundo e respirou pela fresta da porta do cockpit.

  23. Cacá says:

    Faleceu tb, neste vôo, o grande Julio Delamare.

  24. No livro “Às margens do Sena”, do Reali Júnior, em depoimento ao Gianni Carta, ele conta como foi a cobertura. Havia chegado pouco tempo antes em Paris para ser correspondente do Estado e da Pan (depois virou aquele canhão, “…junto à Maison de la Radio…”). Disse que foi a primeira grande cobertura dele na Europa. O livro é ótimo e conta com excelentes histórias, recomendo.

  25. Esqueci do Júlio de Lamare, então diretor de esportes da Globo e narrador das corridas de Fórmula 1 transmitidas pela emissora.

  26. Roberto Costa says:

    O Co-piloto que ajudou no pouso forçado já promovido a comandante acabou morrendo poucos anos depois quando outro 707 cargueiro da Varig “sumiu” após decolar de Narita no Japão. Anos depois possou-se a desconfiar que tal avião pode ter errado a rota e penetrado no espaço aéreo da antiga União Soviética e sido abatido pois isto ocorreu com um Jumbo da Coréia que por ser de passageiros e maior e os destroços e corpos chegaram as prais do Japão.
    Até hoje não se tem uma versão oficial do desaparecimento deste avião.

    • Alexei says:

      Não foi o co-piloto quem sumiu, mas sim o comandante.
      O co-piloto Fuzimoto foi o ninja que conseguiu pousar o avião em chamas no campo de cebolas sem nenhuma visibilidade, e com isso salvou quase toda a tripulação e o passageiro Ricardo Trajano. Ninguém morreu por conta da queda ao que consta, mas sim por asfixia ou queimaduras.

  27. Morreram também nesse desastre o cantor Agostinho do Santos, o maestro e arranjador Carlos Piper e o então senador – e antigo torturador nos tempos do Estado Novo de Vargas – Filinto Müller.

    • JP says:

      Agostinho dos Santos, um dos maiores cantores do Brasil.

      • Fernando Amaral says:

        pode crer, “Estrada do Sol” na voz dele eh uma gravação maravilhosa – voz que ressoava potente, da impressão que nem precisava de microfone.

      • Eduardo Britto says:

        Putz, pensei que ninguém fosse falar do Agostinho dos Santos, uma das vozes mais lindas da nossa MPB, o “nosso” Johnny Mathis. Criança, lembro dele tomando café numa padaria do lado de casa, no Bixiga. Foi uma grande perda!

      • Fernando Amaral says:

        legal mencionar johnny mathis na comparação , que obviamente tem implícita a época em que ambos tinham sucesso, anos 60; foi do norteamericano o primeiro disco, LP, que comprei na minha vida – mas em retrospecto, agora aprecio mais a voz do brasileiro.

  28. ERNESTO GOMES says:

    Neste acidente estava também Filinto Müller (que o diabo o tenha). Carniceiro de mão maior, torturador, e etc…

  29. JP says:

    “Placa Comemorativa da Catástrofe”? Talvez a tradução não seja ao pé da letra, mas que é estranho, é.

  30. Ricardo Reno says:

    Além de tudo, neste cagueiro, havia uma coleção de obras de arte, que fizeram parte de uma exposição no Japão, do artista Manabu Mabe.

  31. Ricardo Bigliazzi says:

    Isso mesmo, esse acidente da Varig em Orly foi muito estudado pelas principais agencias reguladoras de aviação do Mundo. Os relatorios gerados a partir dos dados coletados possibilitaram uma verdadeira revolução do tipo e qualidade dos revestimentos internos utilizados por todos os fabricantes de aviões no Mundo, Pelo menos no mundo da aviação as lições são aprendidas quando da ocorrencia desse tipo de tragédia.

    Imperador.

  32. Ricardo Sarmento says:

    Tava também o Filinto Müller, que foi chefe da polícia política da ditadura Vargas e posteriormente senador.

  33. Vitor Fazio says:

    Pelo menos serviu pra matar o Filinto Müller…

  34. Thiago Sabino says:

    Este foi o primeiro acidente de grande proporção da aviação brasileira, muito embora não tenha ocorrido em território brasileiro.

    E ainda permanece como o acidente com maior quantidade de vítimas, com aeronave brasileira, fora do BR.

    O Cmt Gilberto estava no PP-VJZ desaparecido Oceano Pacífico afora, o qual não acharam até hoje, nenhum vestígio do avião. O interessante de tudo, é que , peças de aeronave que flutuam por dias, às vezes até meses, não foram achadas. Exemplo: o leme direcional permanece por muito tempo flutuando, pois é praticamente oco. Outro: todas as espumas de revestimento – as mesmas que praticamente tocaram fogo no PP-VJK – também flutuariam por muito.

    O Cmt Fuzimoto aposentou-se pela VARIG (a de maiúsculas, não essa mixórdia-karaokesca de hoje em aviões da Gol), começando sua carreira nos Douglas DC-3, e terminando no Boeing 747. Foi um dos herois desse acontecimento.

    O fato deles pousarem naquele quadrado em que existia essa plantação de cebolas, sem visibilidade externa, com alta concentração de fumaça dentro da cabine, e não ter provocado vítimas em terra, já é por si só, um assombro.

    O único passageiro sobrevivente – o Ricardo – teve uma atitude muito assertiva, ao deitar-se ao rés do chão, condição em que a fumaça não desce, por mais pesada que seja. Teve várias queimaduras, pulmões atingidos, mas sobreviveu. Incrivelmente, tempos depois, fez outro voo desses, nos mesmos Boeing 707.

    Acho que, da tripulação deste voo, ainda estão vivos o Cmt Fuzimoto, o Cop Basso, e uma comissária, a qual não me lembro o nome.

    Bela lembrança Flavio, essas coisas não podem passar em branco.

  35. petrafan says:

    já li os três livros do Ivan Sant’Anna, Caixa Preta, Plano de Ataque e Perda Total.

    o Caixa Preta, devo ter relido umas 15 vezes.

    no caso do acidente de Orly, os bombeiros pouco poderiam fazer, pois os passageiros já estavam mortos ou fatalmente intoxicados no momento em que o avião caiu no solo.

  36. says:

    Scavone foi um dos que ajudou Luizinho a participar do GP de 73. Pagaram U$ 50 Mil, cinquenta mil dólares, para John Surtees alugar um Fórmula 1.

  37. JC Kloske says:

    Dizem que o Cargueiro 707 foi abatido pelos russos, por transportar peças para os EUA, de um Mig que havia desertado no Japão.

  38. fernando duarte amaral says:

    Prezado Flavio,
    acidentes aereos sao, em nosso meio, a aviacao, algo assustador. Quando o cargueiro da Transbrasil caiu na aproximacao de GRU, em 1987 (salvo engano), eu estava no inicio da minha carreira e, voltando do almoco, vi o aviao caindo na Vila Fatima. Terrivel eh a palavra que melhor define a experiencia.
    Quanto ao livro referenciado, eh otimo, assim como todos os livros do Ivan….mas em especial, sugiro a leitura do Plano de Ataque, deste autor, sem duvida uma aula de investigacao e narrative, que mostra que nossos colegas ianques nao sao tao zelosos da seguranca como imaginamos.
    Normalmente finalizo meus comentarios com um viva a Lusa….mas hoje estou muito puto com os rumos que nosso amado clube e time tomou….quem sabe crio coragem para ir ao Caninde amanha ?
    abracos

    • Sandro Macedo says:

      Você viu o cargueiro caindo? Nossa… deve ser das imagens mais aterradoras do mundo, principalmente você que trabalha com isso.

      Esse livro Caixa Preta é muito bom, fiquei com vontade de ler de novo.

    • FTrack says:

      março de 1989

    • Fernando Amaral says:

      olá xará – o acidente que vc presenciou teve também outra testemunha, era um fotografo num helicoptero fazendo um trabalho de fotos aéreas , que declarou ter visto um reflexo prateado, grande se movendo sobre as casas; imediatamente disse ao piloto para ir até lá: fez fotos do avião estatelado no solo, iniciando seu incêndio, a cabine dos pilotos sobre uma rua onde tinha uns carros parados, tinha um que de absurdo na imagem.
      essas foto saiu no jornal da tarde do dia seguinte, talvez até impressa em 2 páginas, minha lembrança e de ter o avião inteiro, de ponta a ponta na foto – mas isso pode ser ‘deformação ‘ da minha memória.
      mas não me lembro do nome do fotografo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *