MENU

domingo, 25 de maio de 2014 - 18:18Indy, IRL, ChampCar...

RHR NO FIM

chegada2014indy500RIO DE JANEIRO (só imaginando) – Não posso deixar de registrar a vitória de Ryan Runter Rey, Hunter Haian Heines, Hey How Honey, como quiserem, por míseros 0s060 sobre Helio Cas Troneves em Indianápolis, na segunda chegada mais apertada da história das 500.

Victor Martins e Evelyn Guimarães, lá no Meio Oeste, contam tudo aqui. Depois vou procurar o vídeo das últimas cinco voltas que, pelo jeito, foram de matar.

Não vi nada da corrida, passei o dia enfurnado nos estúdios da FOX no IBC, e RHR que me desculpe, mas pouco posso falar sobre seu incrível triunfo.

Então falem vocês que vou lendo por aqui!

81 comentários

  1. eduardo disse:

    O Helinho disputou a prova com a determinação que vinha faltando nos ultimos anos quando deixou a agressividade da juventude de lado. O Hunter-Reay para mim é o melhor piloto da categoria

  2. Julio Cesar Ruthes disse:

    Eu gostei da corrida! Como alguns já escreveram por aqui, começou um pouco chata e foi melhorando com o passar do tempo. As últimas voltas foram realmente incríveis! Quanto à transmissão do Band, louvável não abrir mão do final, mesmo já no horário do futebol. Até porque no Bandsports a prioridade do dia era o Roland Garros.

  3. Anderson disse:

    Na categoria da Indy Ligth o final também foi sensacional. Razio foi quarto colocado.

    segue o link das três ultimas voltas.
    https://www.youtube.com/watch?v=JGE0gpGeOTk

  4. Issac Nemach disse:

    Preciso entender esse regulamento da Indy:

    1) Bandeira vermelha a 8 voltas no final não encerraria a corrida?

    2) O diretor de prova tem poder para dar bandeira vermelha só para a corrida não acabar em bandeira amarela?

  5. Caipira disse:

    Show de RHR, de Helio, de Andrettinho e da Band. D+

  6. Paulo disse:

    O mais lindo foi dois amarelões disputando a vitória até o fim! Como eu gostaria de ver essa pintura no carro do Hélio pelo menos até o fim dessa temporada! Melhor pintura “ever!” Alguém consegue lembrar de dois amarelões tão competitivos assim na história do automobilismo mundial?

  7. ALEX B. disse:

    Sensacional! Que bom que as chegadas da F1, GP2 e outras, fossem assim. Valeu a espera! E qto ao Hélio, ganhasse umas e perdesse outras….mas foi bem o cara!

  8. Renato Mesa disse:

    A Band mandou bem e grande parte do crédito se deve ao Nivaldo Prieto narrando. O Téo Jośe berra muito e transforma a corrida em um terror!

    Quanto à corrida, foi sensacional mesmo. O Hélio fez o que tinha que fazer, e o vencedor mereceu, fez uma manobra espetacular na penúltima ultrapassagem.

  9. Enio Peixoto disse:

    A corrida foi legal, como sempre em Indianápolis.
    E claro que é melhor que GP de Monaco. Não dá para comparar uma coisa com a outra. Corrida em pista de rua é ridículo. As únicas coisas que salvam em Monaco são o visual e o charme. A corrida poderia prestar nos anos 50. Agora não passa de uma procissão em baixa velocidade. A mesma coisa são as ridículas corridas de rua da Indy. Cada uma pior que a outra.

    Já a Indy 500 é outra história. Tanto é que o autódromo está sempre lotado, ao contrário das outras corridas desta categoria. Mas está faltando potência nos motores. Todo mundo andando com o pé cravado no acelerador durante 100 % da volta e ninguém consegue se destacar. Se tivesse mais potência, o piloto pelo menos teria que soltar o acelerador antes das curvas. Agora é pé embaixo o tempo todo. Um piloto só consegue ser mais rápido se estiver no vácuo. Vence quem estiver em segundo na penúltima volta.

    • beto disse:

      É isso mesmo! Assino embaixo.

    • Mavex disse:

      Faltando potência? Com os carros fazendo 365 km/h de média? Tiravam o pé totalmente na entrada das curvas que levam às retas menores, com trafego chegavam a frear até. O que tem é que os carros são muito semelhantes, o que fazia a diferença mesmo era o acerto de asa para as condições de cada parte da corrida. Mas foi uma corrida chata no começo, só pegou fogo mesmo nas ultimas 40~50 voltas. O publico que teve ontém em Indianapolis talvez seja maior que a soma de toda a temporada da F1.

      • eduardo disse:

        Corridas em ovais grandes só valem as ultimas voltas o resto da corrida é só um ensaio tanto faz na Indy como na Mascar,em Talladega o piloto pode liderar todas as voltas mas se não tiver um bom vacuo no final é atropelado pelo pelotão

      • Enio Peixoto disse:

        Há 20 anos atrás, a média era superior, usando um chassi inferior.
        Em 2014, Ed Carpenter foi pole com média de 231,067 mph = 371,87 km/h.

        Foi mais lento que as poles de 1992, 1995, 1996, 2002, 2003.
        Em 1992, o pole Roberto Guerreiro foi pole fez com média de 374,13 km/h.
        Em 1996, Scott Brayton fez a pole mais rápida da história com média de 233,718 mph = 376,13 km/h.

        Em 1997 houve redução de potência. Arye Luyendyk foi pole com média de 218,263 MPH = 351,26 km/h. E a média foi subindo gradativamente com a evolução de chassis e pneus.

        Há 20 anos, já não era necessário usar freios nas curvas de Indianápolis. Apenas tirar o pé do acelerador. Imagina hoje, com carros mais evoluídos e motores menos potentes.
        Por isso, de uns anos prá cá, o pelotão anda junto e nenhum líder se destaca.
        Antes, quando o piloto tinha um carro melhor, ele disparava e mantinha a ponta sem problemas. Só perdia a vantagem nas bandeiras amarelas.
        Em 1989, Emerson liderou a prova quase toda, andando sempre na frente com grande vantagem. No final passou apertado, pois perdeu toda a vantagem na bandeira amarela e ainda tinha o carro mais pesado por erro da equipe no abastecimento .

        Em 1990, Emerson largou na pole e disparou na frente. Só perdeu, porque teve problemas de pneu e teve que fazer uma parada extra.

        Em 1994, Emerson chegou a dar uma volta sobre o segundo colocado, seu companheiro de equipe.

        Teve várias outras situações com outros pilotos.

        E quando os carros andavam junto, não era tão fácil ultrapassar.
        Agora, o líder é constantemente ultrapassado. Igual às corridas de Indy light de tempos atrás.

        Público de Indianápolis sempre foi grande. Mas não é público da fórmula Indy. É só de Indianápolis.

    • Rafael Marinho disse:

      Ta bem por fora da indy, hein rapaz?

      Long beach bateu recordes esse ano em publico. Assistir mais e se informar mais evitam falsas verdades proliferadas como verdade.

      Repetindo: recorde em long beach.

  10. Rodrigo Amaral disse:

    Só digo uma coisa, acompanhem mais a INDYCAR, está foda demais, desde que mudaram os chassis para o DW12 só temos tido corridas boas.

  11. Rafael disse:

    Corridaça. Vi da primeira à ultima volta.
    Muito diferente essa primeira amarela apenas na volta 150.

    Estou pensando em ir no ano que vem…Ficar uma semana por aqueles lados.

    A cidade é legal? Tem muita coisa pra fazer, fora do autodromo?

    • Rallyman disse:

      Bom, já faz muito tempo, foi em 1984, passei 30 dias em Indianápolis, e vi uma cidade muito pacata, tipicamente americana, sem turismo estrangeiro e sem vida noturna. Era um cidade muito grande em área, e a maioria de suas edificações são casas, havendo apenas um pequeno centro com edifícios, basicamente bancos e empresas. Sua principal avenida, a Méridien, exibia inclusive grandes quarteirões inteiros plantados com trigo e não havia iluminação noturna na maioria das ruas. Para dar uma ideia melhor, a cidade parece um grande aglomerado de estradas vicinais, impecavelmente asfaltadas e limpas, com muito verde entre as casas de telhados brancos e sem muros. Mas já tinha bons hotéis e bons malls. Dispor de um carro nas mãos é mandatório. Vale a pena visitar o Hall of Fame, um museu dentro do autódromo, que expõe uma grande quantidade de carros que lá venceram ou correram desde 1911, além de fotos e materiais dos pilotos vencedores da prova. Vale a pena dar uma volta na pista, o que é feito bem devagar num miniônibus, com ticket bem barato. Não sei se houve grande mudança na vida pacata da cidade, daquela época para cá, mas soube que cresceu bem mais até hoje. Uma boa pedida é passar a maior parte do tempo disponível em Chicago, a 300 km de distância e a 3 horas de carro.

    • Antonio disse:

      Indianápolis é bem legal mas eu fiquei hospedado em Chicago.
      Divide entre as duas cidades

  12. marco de yparraguirre disse:

    Bela corrida e transmissão da Band idem. Acho que faltou ao Helio mais audácia, no final,agora é torcer pra ele ganhar o campeonato.
    Marco de Yparraguirre

  13. Wanderson Marçal disse:

    Corrida fantástica. Ano que vem os carros virão com Kits diferentes e parece que com mais um motor, a Cosworth. Vai ficar ainda melhor. Mas o Tony e o Castroneves já estão na casa dos 40. Periga ficarmos sem pilotos na Indy e na F1. Maldita CBA!

  14. Ron disse:

    É muito fácil dizer que era questão apenas de esperar mais uma volta para o Hélio ultrapassar o Hunter Reay, mas tinha o Marco na cola dele. Valeu pela emoção no final (achei meio chatas as primeiras 150 voltas, praticamente um comboio).
    Uma pena o que houve com o Tony. Como disseram na transmissão: se fosse na KV…
    Pode ser a idade chegando, mas juro que entendi o repórter da Band dizendo que o Villeneuve era francês.

    • claudio palestra disse:

      Ron

      O repórter realmente falou que o Villeneuve era francês e não canadense.
      Outra: chamou o autódromo de estadio, pois este repórter normalmente cobre eventos do futebol. Quanto a corrida foi muito boa e o Hélio foi bem. Imagina se Ele ganha dos quatro carros da Andretti que estavam próximos a Ele no final da corrida. Vivaria LENDA!!!!!!

  15. Alvaro Ferreira disse:

    Beleza de corrida, os primeiros 3/4 sem nenhuma bandeira amarela, numa velocidade absurda. Depois um pega fantástico no final. Pena que dessa vez não deu pro Helinho, mas corrida é assim mesmo, o RHR mereceu.
    Boa transmissão da Band, sem exageros e com muita informação.

  16. Roberto Mota disse:

    Só eu vi que na transmissão do GP de Mônaco hoje, o Reginaldo Leme disse,ao ver Alesi na transmissão,que o mesmo era muito amigo de Nelson Piquet, pois foram companheiros de equipe na Benetton….de onde ele tirou isso?

  17. edubassan disse:

    Assim como ano passado, estive esse ano novamente na corrida e, mesmo com os problemas do Tony e a derrota do Hélio na linha de chegada, posso dizer que valeu cada dólar investido. Realmente um espetáculo! Quem é fã do esporte a motor precisa ao menos uma vez na vida fazer esse programa. Abs!

  18. Ademilde Fonseca disse:

    Da série “Assuntos fundamentais”:

    Acho que deveria ser feito um concurso no blog para eleger as melhores grafias para a alcunha “heliocastroneves”… alguma sugestões:

    Helioc Astro Neves
    Heli Ocastro Neves
    Heliocast Roneves
    He Lioca Stroneves
    Hel Iocastrone Ves

  19. Francis disse:

    Poderia até ter esperado mais uma volta para ultrapassar o Hunter-Ray e assim estar na ponta na última volta, porém, o Marco Andretti também estava na briga e o Helio corria o risco de perder o 2º lugar para ele ao invés de tentar o 1º. Bem mais emocionante do que a fila indiana de Mônaco.

  20. Essa foi a melhor corrida do ano até agora, e pena que terminou com uma ponta de frustração do Helinho. A quarta vitória escapuliu por pouco das mãos do Helinho, mas ficou próxima. O Luciano do Valle também viu essa lá do Céu. Valeu Helinho!

  21. Avanti Alonso! disse:

    Show do Giaffone, uma aula de automobilismo. Bem diferente do concerteza do Rubinho que não fala nada com nada. Que dificuldade tem o Rubens de se expressar, meodeos… Prefiro o Burti. Sobre a corrida, foi legal, mas achei os carros estão muito pregados, pareciam em trilhos. Esse dw12 tem muito potencial nos ovais.

    • Alex disse:

      é verdade. Muito bom comentarista e pela grande experiência como piloto ele esclarecia na hora, tudo o que estava se passando. Um jornalista especializado dificilmente perceberia detalhes que o Giaffone percebe e o telespectador ficaria perdido.

      • Avanti Alonso! disse:

        Oval é outra escola, achava que os carros vinham para a linha de dentro por causa da aerodinâmica. Mas não, como os carros são alinhados assimetricamente, não faz sentido manter o carro em linha reta nos retões, deixando o volante livre se tem menos arrasto, mas não arrasto aerodinâmico, e sim mecânico. Valeu Giaffone, fiquei seu fã!

  22. Jean Paul Jones disse:

    ReyHunter foi fantástico hoje!

    • allan disse:

      Exato. Carro e piloto em sintonia, além da equipe e da sorte (tudo em doeses maiores do que dos outros concorrentes) dá em vitória. Por exemplo: o Marco Andretti teve sorte e equipe iguais. O carro não sei, parecia que tinha algo muito veloz também, mas o piloto ali fez toda a diferença.

  23. oba-oba disse:

    Eu gostei da narração do Nivaldo Prieto. Nunca o tinha ouvido narrando corrida, sóbrio como sempre, muito bom. E o Giaffone também comenta legal, como das outras vezes.

  24. Caramba, sua divertida embananada com o nome do RHR me deu uma nostalgia do Luciano do Valle. Hoje confesso que fiquei alguns minutos achando que ele iria assumir a narração dali a pouco…

  25. Filipe disse:

    Flavio

    Alguma previsão de uma versão mobile para o Grande Prêmio?

    Se não, poderiam analisar a possibilidade. Até tentei ler a notícia no celular, mas o navegador trava toda hora.

  26. lelo guimarães disse:

    Corridão do Hélio! Bandeira vermelha atrapalhou…

  27. Marcio disse:

    Perdeu uma corridaça Flavio, mas trabalho é trabalho. A cobertura da Band foi bem melhor este ano, principalmente por ter um narrador que se preocupou um pouco em saber do que estava falando.

  28. Sil C San disse:

    Fazia tempo que não me divertia tanto assistindo uma corrida, ainda mais depois do pé no saco que foi a corrida de autorama em Mônaco. Curto demais corrida em ovais, e estas 500 Milhas foram empolgantes. Hélio andou demais, fez o que pode mas não deu, mas o brasileiro foi brilhante sim com o carro que teve. Show também de Kurt Busch, conquistando a 6ª posição. E cá entre nós, o Felipe Giaffone manda muito bem nos comentários.

  29. Fernando Monteiro disse:

    Quais são os motores, de um de outro??? Alguem sabe aí, eu não pude acompanhar a corrida.

  30. Fuel disse:

    Elogios para a dupla prieto/giaffone. Um outro ato falho que não prejudica a boa transmissão. Loucutor sem papagaiadas comentárista que entende e câmeras on board apena com com o som do motor.

  31. Daniel disse:

    Ver a indignação da derrota por parte de Hélio Castroneves por ter chegado em 2o lugar é o que me faz acreditar que o automobilismo brasileiro ainda tem um ídolo. me irrita ver a passionalidade de Massa…

  32. Rafael Chinini disse:

    foi muito bom. consegui assistir do início ao fim assim como ano passado, e quase fui “recompensado” novamente.
    a primeira bandeira amarela foi na volta 150!!!
    o Hélio estava muito bem, calculou as votlas finais, passou, fechou mas RHR aproveitou o vácuo e deu um passão por fora. Hélio mandou muito bem, foi aquela derrota com gosto de vitória, com honra! parabéns aos dois.

  33. Ricardo Bigliazzi disse:

    A Indianapolis 500 faz o GP de Montecarlo parecer uma corrida de patinete num caminho de rato no meio da favela…

    Os americanos sabem se divertir.

    • Ulisses disse:

      E os americanos também sabem utilizar um “protocolo” como ninguém, sempre contribuindo para o espetáculo! Os “caras” são mestres!
      As 500 Milhas de Indianapolis “fazem” parte de um culto à velocidade durante todo o mês de Maio, e a prova em si, acaba sempre se transformando em uma apoteose com um final cinematográfico!
      Por mais que tentem, FIA, Ecclestone e companhia não tem esse tipo de competência.

  34. Thiago Elero disse:

    Assisti toda a corrida, achei que o Helio foi muito afoito, se ele esperasse mais uma volta para ultrapassar seria o ideal, o cara não iria dar o troco na ultima volta ele seguraria.
    Mais eu sei que não tem como você planejar isso depois de 200 voltas, foi uma bom final de corrida, xinguei muito!

    • LucioSp disse:

      Poutz, comentei com meu pai a mesma coisa….mas vai saber neh, numa dessas dava uma amarela faltando 2/1 volta e ele ganhava (alias se eu nao epae engano um ano ele ganhou sobre o TRacy assim)…ficamos xingando uns 10 minutos tb!!

    • Luiz Guimarães disse:

      Thiago, acho que ele não podia esperar. O Andretti estava nos calcanhares dele e, naquela altura da corrida, se ele caísse para terceiro perderia qualquer chance de vitória.

    • oba-oba disse:

      Também fiquei com essa impressão, ele devia ter deixado pra passar na penúltima volta. Se bem que, se pintasse outra amarela antes da ultrapassagem, de nada adiantaria. Complicado!

    • Eder Ferraz disse:

      Tb achei que ele poderia ter segurado mais uma volta em segundo. De qualquer maneira foi uma corrida belíssima. Pena o que aconteceu com o Kanaan tb.

    • Rafael Chinini disse:

      eu acho que ele calculou até certo.
      mas é fato que o RHR deu dois belos passões. ele deu uma por dentro com tudo, que nem eu acreditei quando ele meteu o carro ali. foi pra fora da linha

    • Igor Dusse disse:

      O Giaffone foi muito feliz para explicar a ultrapassagem.
      O primeiro colocado sempre anda de cara para o vento, portanto mais lento, enquanto o resto do pelotão fica no vácuo. Portanto é obrigação do 2° passar, pois caso ele não passe o terceiro colocado passa ele.

  35. disse:

    Lá no céu, na rodinha com os amigos, Luciano narrava e dava risada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>