NAS ASAS

SÃO PAULO (que dó) – Fabiano Archer mandou o e-mail, o link e a foto. Reproduzo:

Sou leitor assíduo do seu (sensacional) blog e peço desculpas caso o tema já tenha sido tratado em algum dos seus posts. Trata-se da “desmontagem”, ou total destruição dos boeings 767 da saudosa Transbrasil no aeroporto de Brasília. Alguns dos 737 da também saudosa VASP já tinham sido tema de um dos seus posts, e sabendo da sua admiração (também) pela aviação, tomei a liberdade de enviar ao seu e-mail as fotos do Fórum ContatoRadar, com os devidos créditos do fórum e colaboradores. Sabemos da audiência e importância do seu blog, frequentado por leitores também admiradores da aviação, e quem sabe dessa forma ajude um pouco a preservar um pouco da memória da aviação nacional.

Gozado que hoje mesmo comentava com meu mais velho sobre a Transbrasil. Quando contei para ele que a origem da empresa foi a Sadia, aquela dos frangos, ele ficou genuinamente espantado.

767transbrasil

Comentários

  • Trabalhei na Oficina de Motores da TBA em CGH entre 97 e 99. Acho que fui um dos últimos a sair e receber tudo o que era devido, gente que saiu um mês depois não recebeu nada até hoje. Pedir demissão da TBA é um dos dias negros na minha carreira. A empresa era amada por todos e era uma verdadeira família, os “coemps” eram irmãos. Hoje trabalho na Embraer e não tem o mesmo clima.

    • Eu trabalhei na oficina de Maquinas Operatrizes de 93 à 99 em CHG . Sem duvida nos cruzamos várias vezes. Eu ia até lá com frequência tirar parafusos quebrados dos motores e equipamentos, economizei muito dinheiro para a empresa, hehe. Felizmente quando saí em 06/99 recebi todo o meu dinheiro sem precisar de nenhum acordo. Muitas saudades.

  • Trabalhei durante 1 anos no setor de depto. Pessoal da companhia, e posso afirmar que foi o melhor ambiente de trabalho que atuei. Não fiquei por mais tempo, porque a empresa já estava em maus lençóis, a mesma já era administrada pelo Celso Cipriani,
    Saudades daquela época.

  • Voei com eles para europa em 1995. A Transbrasil já não estava bem, as tarifas eram bem baratas. Lembro-me que faziam SP-Viena-Amsterdam. Era um bate e volta. Chegavam em Amsterdam, limpavam o avião, trocavam a tripulação e “de volta para o Brasil”. Não gosto destes aviões monstro de hoje em dia. Os menores são bem mais confortáveis, quase “familiares”. Tenho saudades.
    Dá pena vê-los terminarem assim…

  • A cada semana o Flávio posta uma maravilha dessas sendo desmontada e jogada às ferrugens. É realmente de partir o coração por tudo o que eles representaram para a humanidade…

  • Trabalhei durante quase quatro anos na Transbrasil na manutenção de Brasília. Foram inúmeras vezes que atendi, abasteci esses 767 da companhia. Faziam, geralmente, duas rotas: um ia de Guarulhos, passando por BSB e até Fortaleza e retorna fazendo o caminho inverso. Quando chegava em Guarulhos assumia a rota para Brasília (novamente), mas com destino a Manaus. Lembro que sempre abastecia ele quando iam para Manaus com algo em torno de 23 toneladas de querosene.

    Vez ou outra o dono da empresa (Omar Fontana) vinha pilotando um desses. Num dia aconteceu algo muito engraçado. Quando as aeronaves se aproximavam de Brasília, funcionava no antigo Hangar da empresa, o sivop (que na época era quem recebia a confirmação do horário de pouso e repassava ao pessoal de operações, carga e manutenção). Eu conhecia o rapaz que trabalhava lá. Nesse dia, o TAA acertou um urubu e o nariz do avião afundou e travou a antena do Radar.

    O azar é que o piloto do vôo era justamente o Omar Fontana. E tinha um outro 767 em check no Hangar (se não me engano era justamente esse o TAC) e como não havia peça no estoque, a solução foi retirar tudo do avião em revisão.

    Acontece FG que parafusos em superfícies de vôo são quase impossíveis de retirar de pronto, sobretudo para a manutenção de pisa. Então vc pense o desespero que foi tirar os parafusos de uma peça que recebe todo o impacto do fluxo de ar da aeronave. Obviamente o vôo atrasou.

    Mas, o mais engraçado foi que o comandante Omar perguntou ao rapaz do sivop: “.. Onde está a peça que será instalada ?”. E ele respondeu num tremendo ato falho:

    “… ah o pessoal tá arrancando do outro avião sucata que tá no Hangar…”

    Nisso o dono da empresa se assusta e diz:

    “… Como assim arrancando ?, que história essa de sucata ?…”. Aí deu um trabalho danado para explicar que focinho de porco não era tomada. Mas, já demonstrava que o patrono da empresa pouco sabia ou era informado da situação da empresa.

    Todos os três, TAA, TAB e TAC chegaram a fazer vôos internacionais (Miami, Orlando), mas quando chegaram os 767-300 (TAD e TAE) eles ficaram somente fazendo vôos domésticos. Quantos aos 767-300 lembro que o na época abasteciam o TAD com mais combustível em Guarulhos para pagar menos imposto em BSB (depois desisitiram disso), mas foi na mesma época em que houve o acidente do 767-300 da Lauda Air, então os reversores eram travados e o avião chegava com os discos de freio incandescentes. Levava quase uma hora só para esfriar um pouco.

  • Hoje de madrugada sonhei que caiu em avião de passageiros onde moro, Mogi das Cruzes. Acho que fiquei impressionado com vários aviões que caíram nos últimos dias, no final, a coisa fica no subconsciente sem a gente perceber. Ainda bem que foi só um sonho, desastre de avião é assustador, ainda mais quando cai em cima de residências.

    Toc, toc, toc…

    Nunca sonho com números da mega-sena…fiasco!

  • O alpha-charlie, o único a ser arrematado para permanecer inteiro e funcionar como restaurante, também foi picotado. E, para piorar, em seu desmonte mal-feito, quase deixaram haver contaminação radioativa do mecanismo que calcula a densidade do combustível nos tanques. Quem o estava desmontando não sabia da existência disso. Um caso de saúde pública e de polícia.

    Fotos do fato no excelente Aviões e Músicas:
    http://www.avioesemusicas.com/o-boeing-767-pt-tac-da-transbrasil-e-a-radiacao-fotos.html

  • Passei minha infancia e adolescencia la no hangar de Brasilia.. Meu era diretor de Imprensa… Na epoca so ela e a Lauda air tinha um dono dentre todas no Mundo.. Depois veio o Canhedo na Vasp(parte domprojeto de poder do Collor) A TransBrasil foi um marco… Omar Fontana um obstinado.. Ai morreu e seu genro em 3 anos assaltou a empresa… Celso nao sei das quantas… E deu no que deu… Uma pena!!!

  • Fui parte da “família” Transbrasil por quase 6 anos (isto diretamente, pois meu pai também trabalhou lá, então mesmo antes de eu entrar já fazia parte da família) e até hoje tenho amigos que não receberam absolutamente nada, tanto da empresa, quanto do Instituto Aerus, fundo privado de pensão administrado pela Varig. Se tivessem devolvido/vendido estes aviões, à época, ao menos uma parte poderia ser revertida para pagar aos milhares de funcionários que saíram com uma mão na frente e outra atrás. Mas eles (assim como os hangares e escritórios) foram depenados e hoje não passam de sucata. Ainda bem que eu entrei num PDV e consegui receber ao que tinha direito.

  • O FG está certo. A Transbrasil originou-se da Sadia. Eu trabalhei lá e toda história estava descrita no hall de entrada da empresa. Os aviões eram usados para transportar frigorificados do Sul até o Sudeste de forma rápida, já que na época não existiam caminhões refrigerados. Coisas da família Fontana, o que aliás foi genial.