A NANICA

SÃO PAULO(a LF, quem sabe…) – Atenção aventureiros em geral: a FIA está abrindo inscrições para uma nova equipe na F-1, que seja capaz de disputar o Mundial a partir de 2017 (ou 2016, se forem mágicos) com “comprometimento” com a categoria — para evitar a repetição do último lote de nanicas, que não deu muito certo.

Bom lembrar que ano que vem tem Haas, equipe americana que já fechou parceria com a Ferrari. Andam dizendo que a ART, do filho de jean Todt, hoje na GP2, é forte candidata.

Nicolas, o filho em questão, é esperto e empreendedor. E tem as costas muito quentes. Não duvidem.

Comentários

  • Não se iludam.
    Se até a McLaren/Honda está se matando para acertar um carro competitivo, a Haas e quem mais entrar vai apenas ocupar o lugar que já foi da Manor/Marussia, Caterham, e outras que tentaram e fracassaram.
    Eu acho ´que tem de haver um “vestibular” para uma equipe ter carro no grid da F1.
    Vai fazer teste entre as nanicas e aí só entra no grid, no campeonato, equipe que TEM VELOCIDADE DE F1 e estrutura para o campeonato todo manter esse nível.
    Se é pra ser equipe lenta, com velocidade abaixo do mínimo para F1, como a Marussia hoje, nem pensar. Não entra.
    Pagar só não basta. Tem de ter carro de F1. Se não tem continue ou vá para a Gp2 e F3…

  • Flávio,
    Confesso que tenho muita curiosidade em conhecer os balanços financeiros da equipes de F-1. Será que uma equipe de Fórmula 1 é hoje um negócio (investimento?) sustentável?
    Sei não… mas gostaria de saber.

  • Se for rolar mesmo, acredito que o Vandoorne será o primeiro piloto.Os boatos sobre a entrada da ART são fortíssimos.

    Gostaria de sugerir uma pauta para o seu blog e/ou para o Grande Prêmio: um matéria – de preferência com muitas fotos, preço e onde adquirir por um bom preço – sobre as sapatilhas usadas pelos pilotos da F1 ou de qualquer outra categoria.Algumas são extremamente belíssimas e, claro, há também as feinhas. Se você quiser falar apenas sobre as sapatilhas que você usa/usou, acho que seria legal.