ENIGMA DO DIA

SÃO PAULO (que calor é esse?) – No ano de 1900 e XX, que vocês terão de descobrir, a VW comprou a Chrysler aqui e jurou que iria manter todos os lindos Dodges em produção. O que aconteceu depois? Respostas nos comentários. E para quem não lembrava, sim, isso aconteceu. Assim como, no fim de 1966, a VW comprou a Vemag prometendo que os DKWs seriam ainda melhores. Um ano depois, fechou.

Quem postou no Facebook foi o Mário César Buzanfan.

vwchrysler

Subscribe
Notify of
guest
39 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Vitão
Vitão
6 anos atrás

Uma curiosidade : meu pai tinha um amigo que trabalhou na Mobil , e em 1978 foi fazer um trabalho na fábrica de motores V-8 da Chyrsler em Santo André ( onde hoje tem um Carrefour , perto do viaduto antes da fábrica da Pirelli, vizinha do prédio da TIM ), para verificar o fornecimento de óleo industrial . Ao fazer o inventário das máquinas , que tinham sido da SIMCA , é bom lembrar , constatou que várias tinham a plaqueta de identificação da FOMOCO – Ford Motor Company . Na década de 30 a Ford investiu na SIMCA em enviou o equipamento de produção dos motores V-8 para França – provavelmente equipamento sucateado nos EUA . Posteriormente, quando da implantação do indústria automobilística aqui no governo JK , a autarquia – GEIPOT eu acho , autorizou que a capitalização das empresas fosse feita com equipamento, e valorizou os equipamentos usados como novos , para dar fôlego para as montadoras, uma vez que o governo não tinha recursos para investir devido a construção de Brasilia. Portanto, as máquinas sucateadas que a Ford enviou para a SIMCA na França vieram para a SIMCA no Brasil e foram utilizadas depois pela Chyrsler até o final dos anos 70, portanto com quase 50 anos de uso.

Acarloz
Acarloz
6 anos atrás

Pra mim a VW só queria o terreno, hoje depósito das Casas Bahia.

vitorio brambilla
vitorio brambilla
6 anos atrás

Ainda tem otário que compra carro dessa marca NOJENTA chamada Volkswagen, useira e vezeira em enganar despudoradamente o consumidor. Vejam o caso da fraude na medição dos poluentes em seus carros a diesel (até nos Estados Unidos). E quem comprou na época da Autolatina um Pointer, um Logus ou um Apolo ? Se fudeu bonito. Em dois anos essas carroças saíram de linha e os trouxas ficaram na mão. E as partes plásticas do interior de qualquer Volkswagen brasileiro, hein? COISA VERGONHOSA ! Os carros mais vagabundos e mal-acabados do Brasil são dessa marca desgraçada. Se me derem um Volkswagen zerinho, eu vendo para um desmanche. A Hyundai vai acabar com essa porcaria alemã em dois ou três anos. FALÊNCIA, são os meus votos sinceros para a Volkswagen. LIXO .

Marcelo
Marcelo
Reply to  vitorio brambilla
6 anos atrás

Meu caro Vitorio, tenho um VW, discordo 100% do que você disse e creio não ser otário. Você tem todo o direito de detestar a marca e desejar sua falência, até. Mas creio que chamar de otário quem compra um VW extrapola, no mínimo, a educação que os demais leitores deste blog merecem. Não troco meu Jetta TSi por nenhum carro nacional. E, repito, não sou otário.

Andre Decourt
Andre Decourt
6 anos atrás

Na Argentina o Avenger foi mantido em linha, aqui certamente se bem trabalhado seria um rival para o Passat e família BX, pois já tinha ar e transmissão de 4 marchas, fora o belo painel de instrumentos das últimas unidades. Já os caminhões travestidos de VW continuaram e continuam até hoje

Andre Decourt
Andre Decourt
Reply to  Andre Decourt
6 anos atrás

Transmissão automática, diga-se..

Flavio Bragatto
Flavio Bragatto
6 anos atrás

Foi sacanagem mesmo, mas convenhamos: Os Dodges não tinham nada a ver com o s VW brasileiros da época. Eram na maioria carrões americanos ineficientes, com motores beberrões.
A caminhonete com motor V8 e cambio de 3 marchas! O caminhão Dodge tinha um problema crônico com os freios que endureciam e não freiava nem pelo caramba.
Talvez o Polara, mas a VW já tinha seu carro de sucesso na época (o Passat).
A grande verdade? Foi para eliminar um concorrente. Acho que está bom assim.

VARLEI
VARLEI
6 anos atrás

usaram os motores v-8 nos caminhões a alcool que dizem na época foram feitos para usar nas usinas de alcool ou alguem que quisesse compra-los, segundo informções fazia 1l/1km , só tendo uma usina de alcool mesmo, rs

Ricardo Dalmolin
Ricardo Dalmolin
6 anos atrás

A compra foi por volta de 79/80. Por coincidência, o prédio da Chrysler ficava bem em frente ao da VW, na Via Anchieta. Depois de fecharem a Chrysler, o prédio se tornou a primeira fábrica da VW Caminhões. Depois mudaram a fábrica de caminhões e venderam o imóvel, e aquela área é hoje um centro de distribuição das Casas Bahia. Quem te viu, e quem te vê…

Leandro Angelo
Leandro Angelo
6 anos atrás

Eu era bem garoto, mas esse anuncio me marcou muito.

Fiz uma pesquisa que contra a trajetória da Chrysler até aqui:

http://www.dodgev8.com.br/chryslerbr.html, sobre a aquisição por parte da VW, sugiro a leitura da parte IV.

Abs

Alessandro Foureaux
Alessandro Foureaux
6 anos atrás

Das fraud!!

Lucas Orly
Lucas Orly
6 anos atrás

É muito simples, uma empresa compra a outra para absorver o que tem de melhor, implementar sua metodologia de trabalho, ampliar lucros e faturar. Quando não atende aos interesses eles fecham. A Fiat comprou o que restou da Chrysler nos EUA e está fazendo seus Fiat 500x dividindo plataforma com Jeep Renegade

Luis
Luis
6 anos atrás

Eu entendo que a VW comprou foi a estrutura fabril da Crysler no Brasil e decidiu não dar continuidade aos modelos de uma forte concorrente, já que a Crysler e a Dodge são marcas da General Motors. Pena que foi pouco usada, porque em 87 criaram a Autolatina junto com a Ford.

Victor
Victor
6 anos atrás

Me ocorreu que talvez o V8 da Chrysler brasileira talvez tenha sido o primeiro oito cilindros do Grupo VAG.

Jean Rul
Jean Rul
6 anos atrás

Na Argentina durou mais tempo…

Paulo F.
Paulo F.
6 anos atrás

Não esquecer que na época da compra havia uma aguda crise de petróleo. Que o projeto dos Dodge fabricado no Brasil remontava à 1964. E não esta na foto, mas havia também as caminhonetes , que devem estar entre os autos mais raros do Brasil hoje.
Mas o motor 318 de fato possuía versão à álcool para caminhões. E consta que a fabrica de caminhões foi o real interesse da VW ao fazer a aquisição.
E não entendo por que a VW não produziu uma versão sohc do V8 para equipar seus veículos top de linha com cabeçotes projetados por Porsche ou Audi, usavam um motor de 5 cilindros que era uma gambiarra sem tamanho. vendido como “a última maravilha da tecnologia”.
Como Marx falava a História se repete. No caso da VW, primeiro com a DKW, depois com a Dodge no Brasil!

João Henrique
João Henrique
6 anos atrás

A VW comprou a Chrysler do Brasil em 79 e parou a produção em 81.

Diogo
Diogo
6 anos atrás

Mas a Volks não mentiu! Continuou a produzir o Dodginho na Argentina com o nome de VW 1500. Só parou quando lançou o Voyage (Gacel) no fim dos anos 80. Aqui no Brasil, o interesse real era a divisão de caminhões.

Rafael Mafra
Rafael Mafra
6 anos atrás

Curiosidades: Somente em 1988 outro carro nacional ganhou transmissão automática com quatro velocidades, o Opala Diplomata SE. Os outros nacionais com transmissão automática só tinham três velocidades.

A frente do novo Dart é igual ao Dodge Dart americano de 1974, já a frente dos Magnum, Le Baron e Charger R/T foi um projeto inteiramente nacional. A traseira de toda a linha é semelhante ao Dart americano de 1974. A nova frente do Magnum, Le Baron e Charger R/T eram produzidas em em fibra de vidro e as concessionárias receberam treinamento especial e kits específicos para efetuar reparos nestas áreas.

O Charger R/T era fabricado nas cores: marrom metálico com bege (interior bege), azul claro com preto e preto com prata (interior preto).

O Dodge Magnum encantava tanto os consumidores com seu conforto e design que ganhou o título de “Carro Status do Ano”. Algumas unidades chegaram a receber um adesivo de comemoração na tampa do porta-luvas.

Rafael Mafrara
Rafael Mafrara
6 anos atrás

Olha alí o raríssimo Charger r/t menos de 200 feitos em 1979

Nessa época o charger passou a ser, na verdade, pouco mais que um “upgrade” do Dart. Era o prenúncio do fim que se avizinhava, com a recente aquisição da marca pela Volkswagen do Brasil.

Rafael Mafrara
Rafael Mafrara
Reply to  Rafael Mafrara
6 anos atrás

Inclusive, nessa época os Dodges tinham as mesmas cores dos Volks. Outra coisa também bem rara é encontrar dodge 4 portas

Farid Salim Junior
Farid Salim Junior
6 anos atrás

A VWB fechou o negócio em 1980,tirou os carros no ano seguinte e, deixou os caminhões em linha até o final de 83. Foi um assassinato para o Dodge 1800 – que estava acertado em motor, câmbio e acabamento, mas concorria com o Passat. Pena, porque tinha tração traseira. Enquanto isso, na Argentina, usou o motor dela no lugar do da Chrysler e o Dodginho ficou ainda melhor! E, morreu…
Foi o mesmo com a Vemag. Prometeram que iriam melhorar os DKWs e mataram o carro… Dizem que a compra se eu por causa da vontade da marca lançar carros com tração dianteira e, aproveitar a tecnologia existente nos DKW. E o resto é história…

Eduardo
Eduardo
6 anos atrás

O Doginho ficou por muito tempo só que se não me engano na Argentina

laercio
laercio
6 anos atrás

Meu pai trabalhava la, um ano depois foi demitido, tinhamos um Polara amarelo que andava muito.

Deivid
Deivid
6 anos atrás

SEI LA.. MAS É SABIDO QUE OS 1800 (VULGO AVENGER) SEGUIRAM ATÉ 91, COM O LOGO DA VW – NA ARGENTINA

Luis
Luis
6 anos atrás

Desde meus tempos de criança fui apaixonado pela marca Dodge, pois cresci dentro de um Dart, em viagens memoráveis com a minha família.
Foi uma decepção essa compra.
Por esse fato que eu nunca comprei ou comprarei um VW…

Clayton Moura Belo
Clayton Moura Belo
6 anos atrás

O ano em que a negociação foi oficializada é 1979, quando estava quase indo à bancarrota, até que o engenheiro Lee Iacocca teve sua genialidade revelada. A Chrysler, que no Brasil já havia comprado a SIMCA, não viu muita rentabilidade no mercado brasileiro e resolveu “liquidar” sua filial brasileira. O resto, é história! Finalmente, faço uma pergunta: nestas três últimas décadas, vocês já contaram a quantas montadoras a Chrysler se associou? Acho que pelo menos umas quatro. E o pior, as japonesas e européias que fizeram parte dessas “joint-ventures” sempre se deram mal! Esperavam ampliar sua participação no mercado americano mas, no fim, tinham suas melhores soluções de engenharia, descaradamente, absorvidas pela co-irmã americana. Assim foi com Mitsubishi e Mercedes. Assim será com a Fiat. A próxima empreitada, quem sabe, será uma JAC-Jeep ou Lifan-Chrysler… E assim caminha a humanidade!!!

jbchaves
jbchaves
6 anos atrás

A VW sempre enganando…rsrsrsrs

miltão
miltão
6 anos atrás

Tive o prazer de dirigir todos os carros da foto inclusive alguns caminhões.
quando puder $$$$ compro um charger rt

Anderson
Anderson
6 anos atrás

Nascia assim a VW caminhões, atualmente pertencente à MAN.

Victor
Victor
Reply to  Anderson
6 anos atrás

Que por sua vez pertence ao grupo VAG. Trocaram só de bolso.

Paulo F.
Paulo F.
Reply to  Anderson
6 anos atrás

MAN que pertence a VW AG. Assim como a Scania.

MarcioD
MarcioD
6 anos atrás

Compraram em 80 e pararam com os carros em 81, acho que o caminhão foi até 84.
Não tenho certeza, mas parece que usaram o motor 318 convertido para álcool no caminhão VW canavieiro.
Também a Chrysler havia comprado a Simca em 67 e parou de fabricar Os Esplanada com o veoitinho e lançou o Dart sedã em 69.
O mesmo fez a Ford ao comprar a Willys em 67 parou de fabricar os Aero/Itamaraty em 70 mas continuou com o Jeep e a Rural e o projeto M(Corcel).

alexandre garcia
alexandre garcia
Reply to  MarcioD
6 anos atrás

Isso, compraram em 1980 quando os dodges ainda saiam com plaqueta chrysler, os ultimos 1981 eram com plaqueta VW caminhões. Vi isso ao vivo.
Idem pros caminhões, teve caminhão VW 6-160, 11-160 e 13-160 com motor dodge, quando morei em sorocaba em 88 dirigi um zero km com motor dodge a alcool .

paulo
paulo
6 anos atrás

Acho que foi 1982. Fechou logo em seguida. Juro que não entendo quem compra uma marca para fechá-la. Deve haver algum sentido nisso que eu desconheço. Mas esse anúncio que vc postou e que eu desconhecia ou não lembrava foi uma sacanagem.

Leonardo
Reply to  paulo
6 anos atrás

Comprar uma marca para logo depois fechar é para acabar com um concorrente que incomodava.

Rodrigo Vilela
Reply to  paulo
6 anos atrás

Paulo, sério que você não entende o porquê das montadoras fazerem isso?? Hehehehehe…

É bem óbvio: “Eles são nossos concorrentes, bom, a gente pode comprar a empresa deles, finge que continua dando sequência e depois fecha tudo, aí serão ‘obrigados’ a comprar os nossos carros”!

Acontece até hoje, em todas as áreas!!

Fabio Souza
Fabio Souza
Reply to  paulo
6 anos atrás

Existem algumas possibilidades: incorporação de tecnologia, aproveitamento de equipamentos para expánsão da própria marca (parque industrial), eliminação de concorrência (criando condições para abocanhar uma fatia maior de mercado com a ausencia do rival e aproveitando a infra adquirida pra atender essa demanda potencial), dentre outros mais que possam haver.