NO RÁDIO

RIO (legal, bem legal) – O Pedro Araújo me mandou o vídeo acima com a íntegra do GP da Alemanha de 2000, primeira vitória de Barrichello na F-1 — que fez 20 anos semana passada. Foi colocado sobre as imagens o som da nossa transmissão pela Jovem Pan. Alguns detalhes legais merecem ser lembrados. O Vander Luiz estava narrando a prova, com o afastamento temporário do Nilson César naquele ano — o amigo teve alguns problemas pessoais nos primeiros meses do ano. Eu não lembrava direito, mas nesse período eu fazia às vezes o papel de narrador, como se vê na largada. O Vander dava uma ancorada na transmissão e o Claudio Carsughi comentava. E assim seguiríamos até o Nilson poder narrar de novo.

Aos 47min do vídeo, momento chave da prova: a invasão da pista por um maluco que protestava contra a Mercedes-Benz — era um francês, ex-funcionário da empresa. A 1h20min, eu chamo o Vander e ele não responde. Tinha caído a linha dele nos estúdios da avenida Paulista. Eu percebo que tinha algo errado, toco o barco e de repente entra o Nilson para assumir a transmissão.

Reproduzo abaixo texto do Vander postado nos comentários do vídeo relatando o que aconteceu. Leiam, é bacana demais!

Além da primeira vitória de Rubens Barrichello, essa corrida tem uma passagem emocionante envolvendo a equipe de esportes da Jovem Pan e que explica o motivo de não ter narrado a bandeirada final. O Nilson César era o locutor titular da Fórmula 1 e no início de 2000 teve síndrome do pânico e ficou afastado do trabalho por um período. Felizmente ele superou o problema e aos poucos retornou às transmissões. Na sua ausência tive a honra de tentar substituí-lo na F-1. Narrei também vários jogos seguidos. É oportuno lembrar que foi o Nilson que me levou para a Jovem Pan em 1996. No GP da Alemanha, o Nilson estava na casa dele em Sorocaba e o seu Tuta (dono da Jovem Pan) combinou que ele faria algumas participações por telefone para que fosse pegando novamente o ritmo. A chamada embocadura. Foi aí que ocorreu um momento dos mais emocionantes. Aliás, dois momentos grande emoção. No comando da central técnica estava o Luiz Inaldo da Silva e a coordenaação da jornada era feita pelo repórter Fredy Júnior. Em certo momento, o Luiz Inaldo foi ao banheiro e o Arthur Figueroa ficou no seu lugar. Em uma das entradas do Nilson, o som do nosso estúdio (a gente não narrava do estúdio principal) perdeu a conexão com a central e não entrava no ar. Coisas do rádio. A gente dentro da rádio não conseguia entrar no ar. Tanto que o Flavio me chama e não respondo. Foi tudo muito rápido, como na F-1. O Rubinho perto da primeira vitória, o Fredy voando até o banheiro atrás do Inaldo e eu correndo para o estúdio principal. O Figueroa também foi muito rápido. Avisou o Nilson do problema técnico e falou que ele deveria assumir o comando da jornada e narrar a volta final. Já no estúdio e em condições de entrar no ar, não teria o mínimo sentido interromper a narração do Nilson. O momento era de torcer pelo Rubinho e pelo Nilson, os dois grandes vitoriosos daquele domingo histórico. Mas a história tem o capítulo final. Assim que tudo foi normalizado, voltei para o estúdio auxiliar ao lado do Carsughi. O Milton Neves já estava pronto para comandar o “Plantão de Domingo”, mas acho que a gente estendeu um pouco a jornada com as participações do Flavinho. Tudo era só alegria até que o Carlos Humberto Paulino, o Larinha (técnico de som), bateu no vidro com o telefone avisando que tinha uma ligação pra mim. Falei que não dava para atender. Estava no ar. Fiquei gelado quando o Larinha falou pausadamente e do outro lado do vidro. A leitura labial foi clara: “Atende que é o seu Tuta”. Caminhei até a central imaginando que vinha bronca. Acho que a central nunca foi tão distante, mas ainda não era o destino final. O Larinha falou que o seu Tuta tinha ligado em um telefone na redação. Foi outra longa caminhada, talvez mais longa que os quase 7 quilômetros do circuito de Hockenheim. Parece que todo mundo da redação estava olhando pra mim e que vinha uma gigantesca bronca. Pensei até em demissão. Afinal, o seu Tuta não era de ligar, muito menos para falar comigo. Falei, timidamente, “alô”. E ouvi a voz do seu Tuta acima do tom de costume dizendo mais ou menos isso: “Muito bom! O Rubinho ganhou e recuperamos o nosso locutor. Faz agora mesmo um texto para uma chamada com a volta final e coloca o máximo que vezes que puder!”. Foi um domingo histórico e não somente pela primeira vitória do Rubinho Barrichello.

O resto é história, como se diz. Depois disso, evento que a psicologia deve explicar como um gatilho emocional ou coisa do gênero, Nilson voltou a narrar com a competência de sempre e eu lembro que até chorei na sala de imprensa com a recuperação dele naquela situação. Sabia que estávamos vivendo um momento histórico — para a F-1, no Brasil, e para a rádio e o Nilson, em particular. Alguns colegas estrangeiros acharam que eu estava emocionado com a vitória de um compatriota, o que não era exatamente meu estilo. Mas explicar tudo aquilo para alguém, naquela hora, seria impossível. Então, que achassem o que quisessem.

Foi muito bom “rever” essa transmissão. E olha que eu não narrava mal, não!

Subscribe
Notify of
guest

12 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Eder Félix
Eder Félix
3 anos atrás

Vendo o retorno dos carros à pista após os acidentes, fica ainda mais provado que o rigor imputado a Vetel no Canadá foi exagerado (lembrando que o alemão teve seu segundo e definitivo ponto de inflexão após o ocorrido – o primeiro foi o erro sozinho na Alemanha). E a velocidade que os carros/detritos foram removidos, nada de 7 voltas de safety cara, sem falar que em 2 ocasiões sequer foi acionado, inimaginável para os padrões mimizentos / nutellísticos atuais. E o Zonta imprudente por 2 vezes. Fisichella parecia que não estava com a mínima vontade de frear na 1° curva e a Ferrari acaba sendo um obstáculo. Por duas vezes o pessoal atravessa na frente dos carros durante o movimento dos pit stops (novamente, sem mimimi). E se o louco invade Interlagos, como seria a repercussão?

Rodrigo
Rodrigo
3 anos atrás

Muito, mas muito bom….

Carlos
Carlos
3 anos atrás

Uma das melhores corridas de todos os tempos na F1.
Independente de ter sido com Rubinho, é delicioso rever a corrida.
As imagens estão ótimas e pra molecada mais velha conhecer o 3° cara que tem mais podiuns pela Ferrari (só perde pro Schumi e Lauda nesse quesito.
Pilotou como gente grande, e vê-lo peitar Ross Brown, torna ainda mais saborosa a vitória – improvável pelo risco altíssimo – que teve. Talvez a mais linda corrida de Rubinho.

Thiago
Thiago
3 anos atrás

É Flávio… é por essas e outras que eu leio, escuto e assisto você a tantos anos… além de um grande jornalista você é um grande ser humano, com certeza o teu respeito pelos colegas de trabalho, pelos atletas e pelos amigos te garantem tantas histórias e tantos anos cobrindo automobilismo. Só quem conheceu alguém com síndrome do pânico sabe o quanto é difícil sair dessa e a tua emoção ao ver um colega recuperado e retomando a vida me emociona aqui.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
3 anos atrás

Que Historia (com H maiúsculo, sim para mim entra para a historia do rádio) bonita.

Adoro o Nilson Cesar e é uma pena que a PAN não cubra mais as corridas de F-1.

Julio Cesar Reis
3 anos atrás

História fantástica! Pena que o Youtube tirou o vídeo do ar. Fui clicar para ouvir e fiquei só na vontade…

Julio Cesar Reis
Reply to  Flavio Gomes
3 anos atrás

Obrigado, Flavio! Comi bola, tão acostumado a tirarem esse tipo de conteúdo do ar.

Fabio
Fabio
3 anos atrás

Coincidentemente assisti no YouTube esse fim de semana essa corrida (mas não com a narração da JP).
Um detalhe muito bacana, que a gente vai esquecendo, era dificuldade de ultrapassagem.
O Rubinho ficou atrás do Trulli, em terceiro, uma boa quantidade de voltas. Embutia atrás na reta da floresta e não passava.
Hoje em dia com asa aberta o cara engole o da frente.
Uma pena que não tem mais a parte da floresta.

Bascuia
Bascuia
3 anos atrás

Putz, a F1 já bloqueou o vídeo. Que chatice isso.

Tiago
Tiago
3 anos atrás

Poxa vida. O vídeo não abriu. Parece que a FOM bloqueou

Chico
Chico
3 anos atrás

Que relato maravilhoso!
É difícil não incorrer no saudosismo piegas, mas que belíssima demonstração de companheirismo e espírito de equipe, o de vocês.
Há uma humanidade que precisa ser resgatada e relatos como esse ajudam.