Ó, PÁ (3)

Hamilton: 97 vitórias e liderança ampliada

SÃO PAULO(mais ou menos…) – Olha, de cara, é bom que se diga: não foi uma corrida boa, essa de Portugal. Faltaram brigas e dramas. Sobrou o talento — de Hamilton, de novo. E, também, alguns muxoxos. Afinal, Verstappinho perdeu a pole, ontem, e o ponto extra de melhor volta, hoje, por conta dos limites de pista. É meio chato, isso. Mas regras são regras. Max também perdeu a corrida do Bahrein pelo mesmo motivo. Ele que aprenda a andar dentro da pista. Ah, mas a regra é besta? Pode até ser, mas existe. Então, não encham.

Hamilton ganhou a corrida fazendo duas ultrapassagens na pista, sem precisar de undercuts, overcuts ou ordens de equipe. Deu uma bobeada no início, perdendo a segunda posição para Verstappen, mas foi buscar. São 97 vitórias na carreira, duas neste ano, e a diferença que era de um ponto a favor na liderança do campeonato sobre Max subiu para 8. Há quem diga — quase todo mundo — que a Red Bull tem o melhor carro do ano. Começo a achar que não é assim tão simples, não. Se alguém duvidava da capacidade de reação da Mercedes, que fez uma pré-temporada ruim e começou o ano com um automóvel instável e imprevisível, é melhor não duvidar mais. O carro pode não ser mais tão melhor que o de sua principal adversária. Mas é bom o bastante para vencer corridas, ainda mais com um piloto como Hamilton ao volante.

Verstappen, segundo: pontos perdidos além dos limites das pistas

O GP de Portugal começou tranquilo, com Bottas se mantendo na frente depois da pole de ontem e Hamilton em seu encalço sem arriscar nada até o primeiro (e único) safety-car do dia, causado por uma barbeiragem inacreditável de Kimi Raikkonen no fim da primeira volta. Lá no pelotão da merda, na reta dos boxes, tentou passar Giovinazzi, errou o cálculo, tocou no pneu do companheiro, quebrou a asa, abandonou e encheu a pista de detritos.

Quando aconteceu a relargada, na volta 7, Verstappen aproveitou uma ligeira bobeada de Hamilton e assumiu a segunda colocação. Um pouco mais atrás, Pérez passou Sainz, que o tinha ultrapassado na largada, mas foi superado por Norris (me pareceu por fora dos limites da pista, mas os comissários nada disseram).

Em terceiro, Lewis respirou fundo e foi atrás de sua presa. Verstappinho fazia o que podia para tentar alcançar uma Mercedes, do líder Bottas, e fugir de outra, de Hamilton. Prensado entre os dois carros negros, acabou cometendo um errinho na volta 11 e dessa vez quem deu o bote foi o inglês, retomando o segundo lugar.

Lewis recupera o segundo lugar: na pista, sem undercut ou overcut ou cut-que-pariu

Bottas, Hamilton, Verstappen e Pérez eram os quatro primeiros na volta 16, quando o mexicano foi para cima de Landinho e recuperou a posição perdida na relargada. Paciente, Lewis seguia na cola do companheiro sabendo que mais cedo ou mais tarde tomaria dele a liderança. Porque a Mercedes ia mandar? Não, porque é melhor.

E, na volta 20, o heptacampeão abriu a asa, viu a chance e jantou o parceiro sem dificuldade. De terceiro para primeiro, com duas ultrapassagens na pista. Dali em diante, era só não cometer nenhum erro, parar na hora certa e levantar mais um troféu.

Na volta 22 começaram os pit stops. Para todo mundo a estratégia-padrão seria colocar pneus duros na parada única, mas a Ferrari não achou isso e no carro de Sainz, que largara de macios, espetou os médios. O espanhol terminaria a corrida se arrastando, sendo ultrapassado até por que tinha se empanturrado de bacalhau com batatas ao murro na véspera. Na hora da troca, Carlos era o sexto colocado. Receberia a quadriculada em 11º.

Leclerc, sexto: com ele, a Ferrari acertou nos pneus

Charlinho, seu companheiro, escolheu os pneus certos e acabou a prova n’Algarve em sexto. Mas nem sei por que falei dele, já que não foi um protagonista do domingo ensolarado no sul da terrinha. Acho que só para justificar a foto acima.

Voltemos ao que interessa.

Quase todo mundo do meio do pelotão para trás já tinha trocado pneus quando Verstappen foi para seu pit stop na volta 36. A ideia era dar um drible estratégico em Bottas para, pelo menos, ganhar a segunda posição. Valtteri foi chamado na volta seguinte e conseguiu sair dos boxes à frente. Mas como todo bom banana finlandês, não resistiu ao primeiro ataque — coitados dos finlandeses, eles não são bananas, mas achei a frase boa. Max aproveitou uma rabeada de Sapattos, tracionou melhor numa saída de curva, foi para cima e passou.

Aí a corrida meio que acabou. O líder, na volta 40, era Pérez. Mas ainda não tinha trocado pneus. O mexicano, desde os tempos dos astecas, é um dos melhores gestores de borracha da F-1. Receio, inclusive, que quando ele se for desta para a melhor daqui a uns 90 anos seu perfil na Wikipedia trará a informação: “Sergio Pérez foi um dos melhores gestores de borracha das primeiras décadas do século 21 e também piloto de corridas”. Um bom gestor de borracha só troca pneu num GP porque é obrigado. Se não fosse, iria até o fim com um único jogo e ainda disputaria a etapa seguinte com os mesmos pneus.

Hamilton voltaria à liderança antes mesmo da parada de Pérez, na volta 51, passando o segundo carro da Red Bull na pista, mais uma vez. Checo só foi para os boxes na 52. Voltou em quarto, e lá ficou.

Ocon, sétimo: bons pontos para a Alpine, que ainda teve Alonso em oitavo

Pérez colocou pneus macios porque faltava pouco para o fim e ele poderia ganhar o pontinho extra da melhor volta. Naquela altura, o mais legal da corrida era a escalada de Alonso por pontos, o que acabou conseguindo depois de passar uma Ferrari (de Sainz) e uma McLaren (de Ricciardo) para terminar em oitavo. Foi legal, a Alpine deu uma melhorada.

Na volta 64, a duas do final, a Mercedes chamou Bottas para colocar pneus macios e buscar o ponto extra — ele estava léguas à frente do mexicano e não perderia a posição com a parada. Na seguinte, a Red Bull fez o mesmo com Verstappen, já que Hamilton era inalcançável e Bottas estava bem atrás. Valtteri fez a parte dele: 1min19s865 na volta 65. Max, na última, cravou 1min19s849 e deu o troco. Mas, na hora, deu para ver que tinha saído dos limites da pista na curva 14. Durante a corrida, a direção até tolerou algumas escapadas. Mas quando essas saídas resultam em alguma vantagem para o piloto — uma ultrapassagem ou, no caso em questão, um ponto extra –, ou se pune, ou se cancela a volta. Foi o que aconteceu com Max.

33 + 44 = 77: pódio matemático em Portimão

O holandês foi informado da perda do pontinho por Paul Di Resta, que fez as entrevistas antes do pódio. Ficou com cara de cu. Feio, isso, né? Cara de cu. Mas é o tipo de expressão que não encontra equivalência em nenhuma outra de nosso rico idioma. Como estava sem máscara, deu para notar a cara de cu.

Depois de três etapas, Hamilton lidera o Mundial com 69 pontos, contra 61 de Verstappen. Depois vêm Norris (37), Bottas (32), Leclerc (28) e Pérez (22). Faltou registrar o resultado da corrida, então vamos lá: nos pontos, Hamilton, Verstappen, Bottas, Pérez, Norris, Leclerc, Ocon, Alonso, Ricciardo e Gasly.

A prova teve muita gente apagada, é bom que se diga. A dupla da Aston Martin, por exemplo, com Vettel em 13º e Stroll em 14º — a equipe é, sem dúvida, a maior decepção do começo do campeonato. Outros que não andaram nada no fim de semana: Gasly (décimo) e Tsunoda (15º), da AlphaTauri. E Ricciardo, imerso num oceano de discrição em nono enquanto Landinho, lá na frente, busca os pontos que a McLaren precisa.

Semana que vem tem mais, em Barcelona. E hoje à noite tem “Fórmula Gomes” no meu canal no YouTube, analisando a corrida numa “live ao vivo” a partir das 19h. Apareçam!

Comentários

  • Max reclamando dos limites de pista, do asfalto, do vento. do Vettel, do Norris, do Rosberg, de Portugal. Enfim tudo e todos são culpados pelas merdas que ele faz, menos ele mesmo. Inclusive a pista só era escorregadia pro carro dele e só ventava nele. Alias antes de chamar Vettel de cuzão ele poderia ganhar pelo menos UM TÍTULO pela mesma equipe em que o “cuzão” ganhou QUATRO.
    Seria bom a Aston Martin começar a trabalhar no bólido de 2022, esse ano foi pro saco, o caldo desandou e seria bom Vettel aproveitar as férias de verão e ir até a Bahia e tomar uns passes. Poha se chover Xuxa, cai um Pelé no colo dele.
    Colocaram pneus errados no carro de Sainz “por engano”. Imagina um piloto ferrarista andando na frente de Charlinho, não foi esse o acordo entre Mattia e Todt.
    Helmut Marko SS deve ter imposto a Franz Tost colocar uma saca de cimento dentro dos carros da Alpha Tauri. Tipo phoda se o Tsunoda, o que não pode é Gasly sequer ameaçar Verstapinho no time irmã mais velha rabujenta.

  • Fica a pergunta: O Ocon será para o Alonso a versão remasterizada do novato Hamilton nos tempos da Mclarem?

    Lembro que o inicio do Hamilton na Mclarem foi surpreendente e muita gente dizia: “calma, daqui a pouco o Alonso dá um jeito nisso…”.

    A bem da verdade antes da temporada começar o Ocon nem era levado em conta dentro da Alpine por grande parte dos jornalistas especializados em F-1.

  • Boa noite Flavio.

    Você acha que a Mercedes já superou a RBR e para as próximas provas veremos mais do mesmo visto em Portimão? Ou a pista lusitana proporcionava algum tipo de vantagem para Scuderia germânica? Qual espectativa para o GP da Espanha? Duelos ? Equilíbrio?

  • Parece que o Max, no final da corrida, afirmou que não gostou do fim de semana inteiro por causa dos níveis de aderência, e que espera não voltar a Portimão.
    A ser verdade, é claramente uma falta de respeito a todos os seus fãs portugueses e só mostra que a convivência com o Helmut Marko lhe esta a fazer muito mal. Se calhar começa a ficar frustrado por no inicio da temporada ser apontado como o favorito a vencer e agora num com DRS consegue se aproximar dos Mercedes, como se viu em Portimão.

    Abraço

    visitem: https://estrelasf1.blogspot.com/

  • Foi legal ouvir a frase: O Schumacher Passou!….
    Depois de 8 anos, é legal ver Schumacher voltar a correr e fazer sua primeira ultrapassagem na F1 da Era Híbrida.
    Nostálgico, de certa forma.

  • Se querem os carros dentro do asfalto, coloquem material desvantajoso fora. Brita, zebra, lombada, o inferno. Essa coisa de ficar deletando volta e punindo piloto que está dando o que tem na pista pode ser a regra, mas a regra é uma merda. A gente via o pessoal indo lá fora em temporadas passadas e não tinha essa putaria.

  • Vale lembrar que o Schumacher passou na pista uma Williams, o que, com uma Haas lixo, é um grande feito.

    A Mercedes parece-me um pouco à frente da Red Bull. Percebe-se inclusive (já que comparar Hamilton com Verstappen é complicado) porque o Bottas fica com facilidade na frente do Pérez, mas não me parece melhor piloto assim.

    Ricciardo pela primeira vez “erra a mão” numa equipe, sempre tem sido melhor que o companheiro, e também o Norris não me parece tão fenomenal para ficar tanto à frente do australiano.

    No mais, nessa Formula 1 que ficam dizendo sempre que “carro dirige sozinho e piloto não faz diferença”, Hamilton, Verstappen, Leclerc, Gasly, Norris, Russel e Schumacher estão muito à frente de seus companheiros. Os veteranos Alonso e Vettel começaram tomando surra também, mas parecem estar tirando essa vantagem. O outro veterano, Räikkönen, também tem equilibrado os duelos com o Giovinazzi.

    Boa semana a todos.

  • Se Pérez é cuidador de borracha e piloto forte em corrida, deve ter alguma cláusula no contrato dele que o impede de andar próximo de Hamilton, Verstappen e Bottas. Os três andaram 80% da corrida na mesma tomada de câmera, enquanto o mexicano estava 20, 30 segundos atrás.
    Onde estão a enxurrada de críticas ao sorridente Ricardão, por estar sendo massacrado por Lando Norris? E para comparativo, Lando Norris não é nem sombra de Lewis Hamiton.
    E os especialistas que achavam que Sainz daria um calor no Leclerc?
    E Russel???? Levou um passão do Latifi que até Sergio Mauricio se enrolou para achar as palavras ao narrar cena tão patética. Em tempo Shumizinho de Hass passou o ridículo canadense.
    Os vovôs Vettel/Alonso/Kimi, estão conseguindo a proeza de perderem para os companheiros. Alonso ainda tem a desculpa de ter rival. Já os outros dois…… podem aposentar.
    E Tsunoda? Teve um brilhareco na primeira corrida que a “imprensa especializada” ficou paralisada de tanta felicidade com o japonezinho. Piloto muito, muito comum.
    Mazepin não precisa se esforçar em ser o grande vilão da F1. Ele toma em média 1 segundo por volta do companheiro, é praticamente um motorista passeando pelos circuitos. Pior. Não tem a mínima noção do quanto atrapalha os demais nos momentos de bandeira azul.

  • Flávio – Mazepin terminou mais de um minuto atrás do Mick? Não há mecanismos para remover um “piloto” tão abaixo dos demais? Acho, de verdade, que ele é um perigo para eles mesmo, para os demais pilotos e para os comissários e demais pessoas que ficam na pista. Grande abraço !

  • A Mercedes deu uma ajudinha pra verstappen, com uma parada de 3,3s para bottas. Este seria superado de qualquer forma? Acho que sim. Mas foi a diferença pra verstappen ficar abaixo de 1s de distância enquanto bottas ainda precisava aquecer pneus.

  • Impressiona a força da unidade de potencia da Mercedes. A RBR com asa aberta na longa reta em Portimão, mas mesmo assim Max mal conseguia incomodar os carros Mercedes. Max só ultrapassou bottas pois esses ainda estava com os pneus frios. Se tivesse perdido essa janela de oportunidade, ja era.

  • Hamilton guiando o fino.

    Hamilton e Vertapen em “otro patamar”.

    São três provas em que os dois avaliaram todos os riscos em cada uma das disputas, Vertapen ainda está errando em algumas curvas por alguns centímetros… que custaram os 08 pontos de diferença para o líder, mas mesmo assim se mostra um adversário implacável.

  • A melhor notícia do GP de Portugal será o envio nesta segunda-feira, pelo escriba deste blog e de sua simpática rapariga chamada Laene, do livro Imola ou Imola 1994, algo assim. Que venha, pois. De preferência, recheado de brindes como ingressos para o GP de Mônaco deste ano e um test-drive na Aston Martin do Vettel, por exemplo. Coisas de menor valor não serão aceitas.
    Sobre a CORRIDA em si: Portimão é legal e tals, mas fã de F1 gosta mesmo é de Estoril. Não custa nada para a Liberty Media fazer um rodiziozinho entre essas duas pistas em Portugal, custa? Não.
    Outra coisa: organizadores das provas, Liberty Media, Papa Francisco, Joe Biden, Xi Jinping et caterva devem extinguir esse troço de track limits, os tais limites de pista. Chega. É muito chato. “Aiiinnn, mas daí você quer que o piloto tenha uma vantagem ilegal?” Olhem aqui, nunca teve esse treco na F1, se o piloto quiser usar a arquibancada ou viaduto da Chá que use. Ou coloquem brita onde seria a tal zona off limits, por assim dizer.
    Chega dessa palhaçada. Deu. Acabou.

  • Não vai acontecer nada de diferente ali na frente este ano… Bottas faz o papel que se espera dele na equipe, Verstapen e outros não têm carro para duelar com a Mercedes. A única coisa diferente e boa este ano na F1 foi a mudança para a Bandeirantes. Essa sim, uma mudança muito bem vinda.

  • Não teve jeito o Verstappen tentou de tudo, mas o dia era mesmo do senhor absoluto Hamilton.
    Uma das duas maiores lambanças desse GP foi do Vovô Haikkonen acertando o parceiro na traseira no início num fogo cruzado amigo, e a outra foi com o último dos últimos Mazepin que fechou a porta em cima do então líder Pérez naquele momento.

  • RBR teve o melhor carro apenas na primeira prova do ano; hoje vimos – com clareza – que a Mercedes evoluiu bastante e voltou à frente, por margem pequena, mas em termos globais é o melhor carro.

  • Saudações Flavinho !!!
    Uma corrida que define bem como será este campeonato… Acabaram os 15 minutos de vestapinho e o que vimos hoje, foi um Hamilton mostrando a todos quem é o melhor.
    Você notou que os aziões sumiram :
    Cadê o Costa? o pior do Blog…

    abs

  • Pra variar, mais um texto de puro deleite…

    “[…] Lá no pelotão da merda…”
    “[…] sendo ultrapassado até por quem tinha se empanturrado de bacalhau com batatas…”
    “[…] Mas nem sei por que falei dele…”
    “[…] Mas como todo bom banana finlandês…”
    “[…] Sergio Pérez foi um dos melhores gestores de borracha das primeiras décadas do século 21 e também piloto de corridas…”
    “[…] iria até o fim com um único jogo e ainda disputaria a etapa seguinte com os mesmos pneus…”
    “[…] Como estava sem máscara, deu para notar a cara de cu…”

    É por essas — e muitas outras — que não dispenso a leitura dos seus textos, Flavio. E, na medida do possível, também acompanho as suas “lives ao vivo” ao vivo!

    Obrigado por continuar escrevendo!

  • Prezado F&G : Não é só o fantástico talento do comandante Hamilton, a Equipe Mercedes- Benz, fez o dever e a lição de casa, ao passo que Max V. fez aquela cara de cão chupando manga, por ter perdido o ponto extra. Ficou patente do erro da Ferrari com o piloto Carlos Sanz, aliás e patente erros da Equipe Ferrari . O Piloto S. Vettel, foi sutil e reverente com seu colega de equipe sendo Lance Stroll ( Aston Martin), que precisa comer ainda muito mingau para ter a capacidade de pilotagem de um campeão de F-1. Até o presente momento temos a clássica viradinha 2X1, Hamilton Versus Max, mas ficou interessante a F-1, no grupo A-1, no grupo F-1Chave B, a Mclaren esta tensa , foi bem Lando Noris e deveu com Daniel R. . Destaque fica para o desempenho de hoje para Equipe Alpine, gostei muito de trem de corrida de Esteban Ocon e do piloto Antonio Giovinazzi ( Totó), foi muito bem. O pior da prova de Portimão o Babaca do Nikita Mazepin.

  • Melhor início de temporada do Max, uma vitória, 2 segundos lugares. Podia estar melhor se não tivessem garfado a vitória do Bahrein e a volta mais rápida de hoje. Lembrando que Hamilton excedeu os limites da pista na curva 4 em metade (!!!) das voltas do GP do Bahrein, e o Max que foi punido…

  • O que tem de torcedor do Piquet chateado com o mundo todo prestando homenagens ao melhor de todos os tempos… Não vou nem falar o nome pq elas sabem qual é kkkkkkkk sobre a prova só o que todos sabem Hamilton melhor que o holandês e Bottas muito fraco.