COM EMOÇÃO

Chegada da Toyota: dobradinha menos tranquila do que pareceu

SÃO PAULO (sempre assim) – Apesar da aparente facilidade com que fez 1-2 em Le Mans, a Toyota esteve prestes a perder as 24 Horas. Faltando umas seis horas para o final da prova, um problemaço de bomba de combustível teve de ser reparado com o avião em pleno voo. O #8 de Buemi/Nakajima/Hartley, que já tinha tomado uma pancada na primeira volta — praticamente saindo da luta direta com o #7 –, acabou sendo usado como carro de testes para simular o que poderia ser feito em termos de gestão do defeito, de modo que o time japonês não precisasse parar o líder para reparos. Conserto que, segundo a equipe, levaria no mínimo 25 minutos.

Assim, o #8 foi apertando todos os botões possíveis para passar informações ao #7 de Kobayashi/López/Conway, que repetia os procedimentos. O ritmo dos dois no fim da prova foi bem abaixo do normal por isso. Mas deu tudo certo, e finalmente o #7 ganhou, depois de três vitórias seguidas da tripulação do #8 nas últimas edições da corrida.

Foi a primeira experiência com os Hypercars. Pena que a Toyota esteja correndo sozinha. Le Mans, para vencer, depende de investimento. Porsche e Audi, com quem a Toyota brigou nos últimos anos, saíram do WEC, empobrecendo demais a disputa. Mesmo assim, é vitória para comemorar. Sempre. A Toyota não tem culpa se os outros desistiram.

Agora, susto, mesmo, foi na bandeirada. Tradicionalmente, os vencedores se agrupam e fica todo mundo devagar para a festa da quadriculada. Só que na LMP2 a disputa ainda estava sendo travada entre o Oreca #31 da WRT, pilotado por Robin Frijns, e o Oreca #28 da Jota, com Tom Blomqvist ao volante, após a dramática quebra do dominante #41, também da WRT, nos minutos finais da corrida. A diferença foi de apenas 0s727 e o diretor de prova, que tradicionalmente vai para o meio da pista para fechar a prova, quase foi atropelado na chegada.

Essa bandeirada teatral no meio da pista, certamente, terá de ser revista para o futuro.

Final perigoso: diretor quase foi atropelado pelo #31 de Frijns
Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Pedro
Pedro
8 meses atrás

olá, flavio!

não sei se a comparação é descabida, mas nos tempos da corrida em adelaide o coroa que dava a bandeirada quase se jogava nos carros. na hora em que vi a chegada de le mans, me lembrei dele. que perigo.

um dia hei de ver essa corrida ao vivo. deve ser a coisa mais maravilhosa do mundo.

marcos de souza alencar
marcos de souza alencar
8 meses atrás

Pois é.. Acho q não a bandeirada será revista, mas devem costurar um acordo, informal ou algo do tipo “ngm passa ngm na última curva…” pra manter a tradição.

Simão
Simão
8 meses atrás

FG, como explicar pros filhos netos e bisnetos… que um cara bate o carro na primeira curva numa corrida de 24 horas?
Inacreditável a burrice de uns ali.
Abraço

DIOGO DA SILVA LIMA
DIOGO DA SILVA LIMA
8 meses atrás

Acompanhei a prova inteira pelo canal do Rodrigo Mattar. Coisa fina os boletins dele.

Sobre o risco no final, se eu me assustei na hora, imagino o cara.

Sanzionovisk
8 meses atrás

O correto seria que eles mudassem a linha de chegada “oficial” para logo depois da chicane e dessem a bandeirada na linha de chegada propriamente dita, já não valendo mais para a disputa e obrigando os carros a diminuir a velocidade e passar em fila dupla da metade da pista pra arquibancada, criando uma “safe zone” para o diretor de prova.