¡TEQUILA! (3)

Pérez, terceiro, abraça seu pai: festa mexicana

ITACARÉ (reverteu) – O pequeno soluço da Red Bull ontem, perdendo a pole e a primeira fila inteira para a Mercedes, foi curado hoje no autódromo Hermanos Rodríguez. Max Verstappen saiu de terceiro no grid para primeiro na primeira curva e, com enorme tranquilidade, ganhou pela terceira vez no México, nona no ano, 19ª na carreira. Com Lewis Hamilton em segundo, sua vantagem na classificação subiu de 12 para 19 pontos na classificação: 312,5 x 293,5. Sergio Pérez, com o outro carro da Red Bull, ficou em terceiro, para delírio da apaixonada torcida local.

O campeonato, a quatro provas do final, começou a ficar com as cores do time austríaco e da bandeira holandesa. Vai ser difícil para a Mercedes dar a volta por cima. A próxima etapa acontece no Brasil daqui a uma semana, onde tanto Max quanto seu time são favoritos, também, pelas características da pista e por causa da altitude de São Paulo em relação ao nível do mar. No caso da capital paulista, são 800 m, o que favorece os motores Honda em relação aos Mercedes como no México, mais alto ainda (2.385 m).

Verstappen: largada excepcional e nona vitória no ano

A largada foi esquisitíssima. O pole Bottas partiu bem, mas depois de alguns metros deu a impressão de que estava esperando Hamilton chegar à primeira curva na sua frente. Verstappen percebeu o vai-você-que-eu-vou-depois, pegou o vácuo do finlandês, jogou o carro para a esquerda e passou os dois por fora de forma espetacular. Valtteri, com um olho no peixe e outro no gato, acabou não vendo o canguru. Tocou em Ricciardo, ou foi tocado, o que nesse caso dá na mesma, e rodou. Caiu para a última posição e teve de ir para os boxes, assim como o australiano da McLaren. Ambos aproveitaram e colocaram pneus duros. Mais atrás, com os abandonos de Mick Schumacher e Yuki Tsunoda, que fizeram um sanduíche de Ocon, o safety-car foi chamado logo na primeira volta para arrumar a bagunça toda. Os que mais lucraram na confusão foram Giovinazzi, que apareceu em sexto depois de largar em 11º, e Russell, em nono, ganhando sete posições.

Na relargada, na volta 5, Verstappen pulou rápido e conseguiu abrir um pouco de Hamilton e Pérez, que vinham logo atrás, sem dar chance ao inglês de pegar um vácuo — o que ajudaria bem. E três voltas depois, com Max 2s5 à frente, Lewis fez seu primeiro boletim radiofônico direto do cockpit: “Ele está rápido”. Pois é. Te vira, jovem. (Parece que essa foi a resposta, mas não foi ao ar.)

A segunda mensagem de Hamilton para sua equipe, já na volta 14, tampouco foi muito animadora. “Meus pneus estão virando drops!”, gritou (ele usou “dropping”, que quer dizer outra coisa, mas costumo fazer traduções livres aqui). “Dulcora?”, replicou o engenheiro. “Não, esse não existe mais!” Em terceiro, em outra frequência do dial, Pérez tranquilizava sua equipe: “Meus pneus estão mehorando, melhorando o tempo todo”, cantarolou no ritmo de “Getting Better”, dos Beatles.

Verstappen se mantinha em silêncio e só acelerava. Na 20ª volta, sua diferença para Hamilton chegou a 7s. E, nas muretas de Mercedes e Red Bull, integrantes das duas equipes começaram a ensaiar os primeiros atos da ópera “Who Will Undercut — An Aztec Rhapsody”.

Torcida animada: 372 mil ingressos em três dias

Após os acordes iniciais, Hamilton soltou sua voz de barítono e entoou os primeiros versos da canção “These guys are obviously too fast for us”. “Não consigo escapar deeeeeele”, cantou em tom dramático, apontando para Pérez, o terceiro colocado. “Checo, let’s close it up”, soltou do pitwall o contratenor da Red Bull, em falsete muito elogiado pelos entendidos. “Mais seis voltas, mais seis voltaaaaas”, respondeu o tenor da Mercedes na volta 27 indicando o momento da parada de seu piloto. E era mentira, uma coisa meio teatral, porque já na 30ª Hamilton parou, colocou pneus duros, voltou em quarto e foi ultrapassado por Leclerc, que tinha pneus mais aquecidos. Charlinho parou na volta seguinte e deixou Lewis em quarto, mais de 30s atrás do líder imperturbável.

Verstappen parou na volta 34 sem preocupação nenhuma com a cotação do peso mexicano e já pensando nas tequilas que tomaria à noite. Pérez assumiu a ponta, para alegria do povo que, em três dias, lotou o autódromo comprando nada menos do que 372 mil ingressos. A corrida já não era mais entre Verstappen e Hamilton, mas sim entre Checo e o britânico pelo segundo lugar. A Red Bull resolveu manter o piloto da casa na pista por mais algumas voltas, para ter pneus melhores que Lewis na parte final da prova e, quem sabe, ganhar sua posição.

Parada de Bottas: domingo para esquecer

Na volta do pit stop, Max manteve sua vantagem confortável para cima do #44, acima de 7s. Em quarto vinha Sainz, que também não tinha parado, como o líder Pérez, seguido por Gasly, Leclerc e Alonso — outro que, por ele, não faria nenhum pit stop. Não era uma boa corrida. As poucas brigas lá atrás, como entre Bottas e Ricciardo, assemelhavam-se àquelas lutas de boxe em que os pugilistas trocam jabs, mas não acertam um golpe sequer no oponente. Para piorar, Valtteri, coitado, perdeu mais de 11s com uma trapalhada da Mercedes em seu segundo pit stop.

Pérez parou na volta 41. Quando saiu dos boxes, estava mais de 9s atrás de Hamilton, mas com pneus 11 voltas mais novos que o vice-líder do campeonato. A tendência era começar a descontar tempo para tentar um ataque no fim. Mas era preciso paciência, já que a diferença caía a conta-gotas. Dez voltas depois da parada, o cronômetro mostrava que ele ainda precisaria de 6s para encostar no inglês. O mexicano só chegou perto mesmo na volta 58, quando começou a se insinuar para cima de Lewis em busca de uma dobradinha para a Red Bull. A diferença caiu para menos de 2s. Nessa hora, só para não deixar passar em branco, a Ferrari ordenou uma troca de posições entre Leclerc e Sainz, que assumiu a quinta posição. Gasly era o quarto, correndo sozinho. Depois eles destrocaram.

Sainz pede passagem: Ferrari atende, mas depois devolve a posição a Leclerc

Mas quem estava ligando para a Ferrari e AlphaTauri nessa hora? As arquibancadas do Hermanos Rodríguez passaram a empurrar Pérez para cima de Hamilton, já em sua alça de mira. Lewis olhava no retrovisor e via sombreiros, tacos, fajitas e mariachis. Não ia ser fácil segurar o piloto e um país inteiro atrás dele.

A distância entre Hamilton e Pérez caiu para menos de 1s na volta 61, permitindo ao mexicano a abertura da asa móvel. Lewis, no entanto, resistia. Um retardatário aqui, outro ali, uma folguinha para dar uma resfriada nos pneus, e Pérez ali, babando guacamole. “¡Llegar es una cosa, pasar es otra!”, decretou ao microfone da Televisa o narrador Galván Bueño, cunhando uma frase que certamente entrará para os anais das transmissões esportivas. Enquanto a caça continuava, a Mercedes chamou Bottas aos boxes duas vezes para colocar pneus macios e fazer a melhor volta da prova, tirando o ponto extra de Verstappen.

No fim, Pérez não passou e chegou mesmo em terceiro. Mas no Foro Sol, antigo estádio de beisebol montado dentro da curva Peraltada, a festa dos torcedores para seu piloto foi enorme. Verstappen entrou na onda e ajudou seu companheiro a desfraldar uma bandeira do México. A Red Bull encostou na Mercedes no Mundial de Construtores. um pontinho atrás apenas: 487,5 x 477,5. Gasly, Leclerc, Sainz, Vettel, Raikkonen, Alonso e Norris fecharam a zona de pontos.

“Fiz o que pude”, disse Hamilton. “Estou grato de ter chegado em segundo. A pressão foi grande de Checo no fim, mas estou acostumado com isso. Se alguém como Checo chega no seu rabo, é porque o carro deles está rápido demais”, completou, sem se dar conta do teor um tanto deselegante da declaração. Pérez se tornou o primeiro piloto mexicano a subir no pódio em uma corrida de seu país. “É uma sensação inacreditável! Eu conseguia ouvir os torcedores de dentro do carro. A gente queria uma dobradinha, mas infelizmente não deu. De qualquer forma, meu coração está com eles aqui”, falou emocionado, apontando para o público. Max, por sua vez, evitou cantar vitória no campeonato: “Ainda tem muita coisa pela frente, mas as coisas estão parecendo boas para nós no momento”.

Estão mesmo. Acho que nunca estiveram melhores.

Comentários

  • Saudações, Flávio! Peço licença para fazer um comentário totalmente aleatório sobre um achado no YouTube que quero compartilhar. Achei fantástica a corrida e, sobretudo, a primeira volta desse tal de Lucas Freitas na F1600. Não conheço o piloto em questão. Não acompanho nenhuma categoria de base, ou melhor, exceto a Fórmula 1, não acompanho categoria alguma. Mas por algum motivo o YouTube me sugeriu esse vídeo que acredito que, como qualquer apreciador de automobilismo, você irá gostar. Isso se já não o viu antes….

    https://youtu.be/XG5UWKx2S_o

  • Ainda bem para alguns, que não dá para encontrar lógica em opinião de torcedor. Afinal, como explicar ser demérito para um ganhar títulos com um carro um segundo mais rápido e não ser demérito quando o carro assim está com o “rival rápido (por que mesmo, hein?) e consistente” do primeiro?

  • Pérez não passou o Hamilton, mas fez ele forçar o motor do começo ao fim, enquanto Verstappen poupava equipamento.
    E Bottas, com motor novo, ficou lá atrás forçando o carro e reclamando de aquecimento em todo o conjunto (pneus, freios e principalmente motor).
    A situação está cada vez mais complicada para a Mercedes.

  • Impressionante como todo grande campeão recebe esse tipo de comentário, ne? “sem o melhor carro não faz nada”.

    Hamilton e Verstappen estão guiando muito, num nível altissimo. Aparentemente vai dar Max, mas não será vergonha nenhuma pro Lewis ser vice.

  • Corrida sem sal, e baita vitória do MAX. Sem um carro 1 segundo mais rápido e com um rival rápido e consistente, o “melhor de todos os tempos” não está achando nada. Está levando um chocolate. E como eu tenho dito: se a Mercedes não bater de propósito no Max, o títula está no saco.

  • Para Mirto resta ganhar todas as corridas e, com Verstappen chegando em segundo em todas, terminaria Octacampeão com 9 pontos de vantagem.

    Se Max fizer as 4 melhores voltas, a diferença vai cair para 5.

    Querer campeonato melhor que esse é impossível!!!

  • Acho que já era para Hamilton.
    Num campeonato equilibrado, onde os carros não quebram, as equipes não falham e onde ultrapassar na pista é quase impossível.
    Ia esquecendo, com o segundo piloto da equipe estendendo o tapete vermelho para o adversário feito um gato lambido.

  • Bottas se mostrando cada vez mais um “cupanheiro”, entregou a paçoca no GP da França, não ofereceu nenhuma resistência ao Verstappen na Russia e ontem só faltou estender um tapete vermelho pro Verstappen na largada.

  • Pelo jeito Ricciardo ainda é piloto Red Bull. Uma tosquice o que fez com Bottas, juvenil ao quadrado, quase um retardado. Em vez do australiano focar no seu trabalho de ser um ajudante de Norris na luta contra a Ferrari, ele prefere dar emoção na luta do titulo de construtores. Ricciardo pilota hoje parecido com os anos em que perdeu para Vergne e Kvyat.
    Max fez uma largada espetacular almoçando as duas Mercedes. Pérez também em uma de suas melhores apresentações, com o apoio da torcida, um momento fantástico deste ano de 2021.
    Gasly (que é melhor que Pérez) pedindo passagem para entrar em uma equipe maior.
    Leclerc demorou para ceder posição à Sainz, a Ferrari havia pedido 4 voltas antes e o monegasco não acatou de imediato. Sainz chegaria em Gasly, porém a Ferrari (que tem dois pilotos de alto nível) ultrapassou a Mc Laren no mundial.
    Palmas para os veteranos que de novo pontuaram.
    Embora não seja meu piloto favorito, não há como negar que Max esse ano já alçou seu status para piloto genial. Pouco viram isso, mas na primeira tentativa da Mercedes tirar o ponto da volta rápida de Max, o holandês “marcou” Bottas, atrapalhando o finlandês em sua volta rápida reduzindo a velocidade na parte do estádio, depois deixou Bottas ultrapassar para depois ficar na cola obrigando as bandeiras azuis entrarem em ação e novamente ficar à frente para atrapalhar na volta seguinte. Coisa de gênio.
    Em tempo: mais uma pérola da narração torcedora. Na volta 53 Max faz a volta mais rápida e o querido narrador solta “-Volta mais rápida de Max, como é danado esse Super Max, sensacionaaaaaaal.” Na última volta Bottas tira o ponto de Max ofuscando o torcedor narrador, que lastimando do fundo do coração diz “-E a volta mais rápida é de Valteri Bottas por incrível que pareça senhoras e senhores, falamos mal aqui do Bottas e vejam o que ele fez.” Infelizmente né narrador???

  • Corrida só durou da largada até a primeira curva. Foi duro aguentar mais de 70 voltas de uma corrida ruim. Tava tão chata que o Comandante Hamilton perguntou pelo rádio se tinha alguém da equipe dele ainda no circuito ou se já tinham ido embora.

  • Se Hamilton/Mercedes não reagirem no Brasil Max/Red Bull vão começar a jogar com o regulamento debaixo do braço nas últimas 3 provas, só marcando o Hamilton e chegando em segundo se for necessário.

  • Prezado F&G : A vitória de Max Verstapen, foi consagradora, gostei das palavras humildes dele, sim é muito difícil para Lewis Hamiton reverter o prognóstico , mas não é impossível. o Destaque vai para P. Gasly, fez um excelente trem de corrida. A Equipe Ferrari fez a lição de casa e desbancou a Maclaren. o que foi muito legal na zona de pontos três ex- campeões mundiais S.Vettel, K. Raikonen e El Fodon ( F.Alonso), Lando Norris fez boa recuperação . O pior da corrida, o que eu chamo de episódio Sorte/azar , foi o toque de Daniel R. em V. Bottas , na minha ótica foi um toque afoito de corrida, sem previsão mas que a lei da física sempre normatizou dois corpos nunca ocupa o mesmo espaço. Sim o GP – São Paulo-( Brasil), vai ser preponderante no seguinte aspecto se caso MAX estiver no Pódio o título e dele. O GP do México foi um sucesso, parabéns para Sérgio Perez, torcida maravilhosa, o Piloto Sérgio Perez, esteve no pódio nas três últimas corridas, portando Christians Horner, pode comentar para o Diretor técnico executivo e CEO Hemut Marko, fiz uma boa aposta ou não em escolher Sérgio Perez!!!

  • na boa, parece q o bottas fez de propósito … basta ver q ele, ao invés de ficar na frente do verstappen, puxa o carro para o meio … foda hein … enfim, esse ano já elvis para o hamilton (que deveria estar largando na pole, diga-se … menos roupas ridículas e mais simulador ….)

  • Esse ano não é pro Hamilton. Muito legal ver o Perez no pódio em seu país. Mas quem estou achando legal acompanhar é o Schumacher filho. Vem andando bem nos treinos. Uma hora os pontos vêm.