NÃO TÃO PURA (3)

Sainz vibra em Singapura: ótimo GP, sem Red Bull para atrapalhar…

SÃO PAULO (delícia de ver) – Se a Red Bull não existisse, talvez a F-1 fosse mais divertida. Pelo menos neste ano. Porque a Red Bull não existiu no GP de Singapura. E, sem ela – na verdade, sem Max Verstappen –, o que se viu foi uma corrida disputada até os últimos metros por pilotos de três equipes diferentes. A vitória foi da Ferrari, com o pole-position Carlos Sainz. O espanhol teve uma atuação brilhante desde a largada, controlando a prova e mostrando um sangue frio acima da média nas últimas voltas, ao manter o segundo colocado Lando Norris, da McLaren, a menos de 1s de distância, para que ele conseguisse se defender da maior ameaça ao seu resultado, a Mercedes de George Russell.

Russell acabou batendo na última volta e o terceiro lugar no pódio foi herdado pelo outro carro da Mercedes, de Lewis Hamilton. Verstappen, que teve seu pior fim de semana na temporada, terminou em quinto depois de largar em 11º. Foi a primeira derrota da Red Bull no ano. Para Sainz, a segunda vitória na carreira – a outra fora em Silverstone no ano passado.

Sem a Red Bull – na verdade, sem Verstappen –, o circuito de Marina Bay teve corrida com muita gente participando dela atrás do que interessa: vencer. Sainz recebeu a quadriculada 0s8 à frente de Norris, que por sua vez cruzou a linha 0s4 à frente de Hamilton. Chegadas assim são sempre emocionantes. Mas, até ela, aconteceu bastante coisa. Então, deliciem-se.

Stroll fora: resultado do acidente de ontem

O dia começou com o anúncio da desistência de Lance Stroll de participar do GP de Singapura. O canadense acordou todo dolorido e, como é filho do dono da Aston Martin, pode se dar o luxo (ou “ao luxo”, as duas formas são aceitas) de escolher se corre ou não corre. “Paiê, tá doendo tudo, hoje vou não vir, tá?”, foi a mensagem que mandou para Lawrence. É geralmente o que acontece depois de uma pancada forte. Na hora, o piloto não sente nada – o corpo está “quente”, como se diz. No dia seguinte, dói até a alma.

A escolha de pneus para a largada recaiu sobretudo nos médios. Três escolheram os duros: Verstappen, Pérez e Bottas. Outros três, macios: Leclerc, Tsunoda e Zhou. Os macios de Chaleclé foram muito úteis para pular à frente de Russell ao apagar das luzes vermelhas, como diria aquele antigo locutor de rádio.

Deu certo e, assim, graças a uma boa largada de Sainz, o pole, os dois carros da Ferrari saltaram na ponta e foram embora, enquanto mais atrás Russell se ocupava da defesa de sua posição, cobiçada por Hamilton e Norris. Lewis passou ambos por fora da pista na primeira curva. Pouco depois devolveu o lugar a ambos, para não ser punido. Sainz, Leclerc, Russell, Norris, Hamilton, Alonso, Ocon, Magnussen, Verstappen e Hülkenberg, na quinta volta, eram os dez primeiros. Max, 11º no grid, ganhou duas posições no início e, na sétima volta, passou Magnussen e assumiu o oitavo posto. Até que seu ritmo de corrida, diante do fiasco de ontem, não era tão ruim.

O espanhol da Ferrari na frente: controle absoluto do começo ao fim

Na Ferrari, tudo estava combinado desde o GP da Itália, onde Leclerc parecia um maluco atrás de Sainz, colocando em risco o pódio da equipe correndo em casa. O comportamento do monegasco foi visto com algumas ressalvas pelo espírito atento de Enzo Ferrari. Por isso, em Singapura, ordens explícitas foram delineadas após a definição do grid. O papel de Charlinho, caso Sainz mantivesse a ponta na largada, seria de escudo para o companheiro. Nada de ataques. Ele seria, como alertou o engenheiro de Russell ao seu piloto, “sacrificado” pelo time vermelho.

Chaleclé assentiu calado. Emprego não está fácil por aí, ainda mais com carteira assinada, vale-transporte, férias e 13º. No caso da Ferrari, tem até tíquete restaurante. Mesmo com pneus mais rápidos, permitiu que o espanhol, na altura da 14ª volta, abrisse 1s8. Sua preocupação seria Jorginho em terceiro. A Ferrari queria cobrir qualquer possibilidade de uma perda de posição nos boxes, afastando o inglês do líder da corrida. Para isso, pediu a Leclerc que ficasse 3s atrás do companheiro. “OK, pessoal”, respondeu educadamente o garoto das comunidades de Mônaco. “Mas, caso isso aconteça, quem se fode sou eu”, emendou, já não tão educadamente assim.

O primeiro terço da corrida não foi grande coisa. O circuito de Marina Bay não é dos mais fáceis para ultrapassagens e, por isso, as posições se acomodaram com todo mundo à espera das primeiras paradas. Ou, quem sabe, de alguma barbeiragem que resultasse num safety-car. Leclerc seguia recebendo instruções pelo rádio. “Agora, mon cher, queremos cinco segundos de tranquilidade para Carlos”, pediu o engenheiro. O piloto, conformado, suspirou e não disse mais nada.

Russell: candidato à vitória até o fim, sucumbiu na última volta

Falávamos de uma eventual barbeiragem, e ela aconteceu na volta 19. Sargeant bateu de leve no muro, quebrou o bico, espalhou detritos pela pista e a direção de prova decidiu acionar o safety-car na volta 20. Todo mundo foi para os boxes colocar pneus duros. E a Ferrari, como de hábito, se atrapalhou com um de seus carros. O de Leclerc. A parada demorada, de 5s7, foi explicada ao piloto como necessária “por causa do tráfego”. Charlinho suspirou de novo. Perdera duas posições, para Russell e Norris.

Quando disse, acima, “todo mundo”, não fui lá muito preciso. Quem estava com pneus duros desde a largada não parou, escalando o pelotão. Isso significa que, ao voltar para a pista e olhar no retrovisor, Sainz viu atrás dele…  Verstappen em segundo! Pérez aparecia em quarto. Bottas, em décimo.

Carlos ficou apavorado. “¡É ele! ¡É o Max! ¡Cabrón! ¡Hijo de puta! ¿Cadê o Charles? ¡Preciso do Charles!”, começou a gritar, com exclamações e interrogações de ponta-cabeça, o que foi interpretado por seu engenheiro como uma espécie de confusão mental por causa do calor. “Calma, Carlos, ele está com pneus velhos, o carro está ruim, não dormiu bem. Fique tranquilo.” Na relargada, na volta 22, Max sustentou a posição por uma volta e meia. Russell, com pneus novos, conseguiu passar e foi para cima de Sainz. Pérez também perdeu posições para Norris e Hamilton. A estratégia da Ferrari começou a ficar ameaçada. Porque atrás dele não estava mais o parceiro para segurar todo mundo. Nem Verstappen com pneus velhos. O problema do espanhol se chamava George Russell, louco para ganhar uma corridinha.

Norris, segundo colocado: festa da McLaren

A borracha desgastada de Verstappen permitiu a ultrapassagem também de Norris, que assumiu o terceiro lugar. Hamilton veio logo depois e fez o mesmo. Max caiu para quinto. Aí veio Leclerc. O carro da Red Bull era presa fácil, com pneus velhos e um carro surpreendentemente ruim. Soube, pelas minhas fontes, que o holandês xingava todo mundo desde a largada, mas o rádio fora desligado. Por isso não sabia nem em qual volta teria de parar para trocar os pneus.

As posições se acomodaram novamente. Russell, em segundo, se espantava com o ritmo contido de Sainz na liderança. “Ele está querendo segurar a gente, percebo uma estratégia premeditada de impedir que imponhamos nosso próprio ritmo, e isso tem um pouco a ver com questões históricas entre italianos e alemães desde a Segunda Guerra, o desprezo que os germânicos dedicavam aos parceiros do Eixo, admirando muito mais os japoneses por sua resiliência e, por que não dizer?, suas tendências suicidas que eram tratadas como corajosas nas figuras dos camicases…” Foi interrompido pelo engenheiro, que encerrou aquela ladainha abruptamente: “George, você é inglês e ele é espanhol, você gosta de críquete e ele de touradas, vai tocando aí que depois a gente se fala”.

Mais atrás, Pérez x Ocon x Alonso foi um dos bons momentos da corrida. O mexicano tinha pneus velhos e segurava todo mundo. Fernandinho teria de cumprir 5s por cortar a entrada dos boxes no pit stop. O francês fazia aniversário, 27 anos. Nas voltas 38 e 39 os três ficaram trocando posições e ofensas com Ocon se saindo melhor, passando ambos. Na 40ª volta, finalmente, Pérez parou para trocar pneus. Caiu para último. Na 41ª, Verstappen, sexto, parou também. E foi parar em 15º. O fim de semana da Red Bull era o pior desde o dia em que Dietrich Mateschitz colocou as latinhas de energéticos no mercado austríaco, em 1987, depois de uma lisérgica viagem à Tailândia para vender pasta de dente.

Segunda vitória de Sainz: corrida perfeita

Na volta 42, Ocon quebrou. Estava em sexto e esmurrou o volante, de raiva. O safety-car virtual foi acionado. E aí? Parar ou não parar, eis a questão. A Mercedes resolveu parar. Colocou um jogo de pneus médios novo, novo, novo no carro de Russell. Outro no de Hamilton. Sainz, Norris e Leclerc eram os três primeiros quando, na volta 45, a prova foi retomada. Russell caíra para quarto, 13s4 atrás do monegasco, mas com pneus novos.

Verstappen, na volta 48, entrou de novo na zona de pontos ao ultrapassar Zhou. A meta da equipe passou a ser “não sair daqui no zero”, o que representaria um vexame ainda maior. Depois, passou Hülkenberg e Lawson, assumindo o oitavo lugar. Na ponta, Sainz seguia tranquilo, mas Norris aparecia em seu retrovisor. Leclerc, desanimado, era o terceiro. Russell, babando, tirava 2s por volta do monegasco e rapidamente chegaria para brigar pelo pódio.

A dez voltas do final, George estava 2s atrás de Leclerc. Para sonhar com uma vitória, não poderia perder tempo atrás da Ferrari #16. Ainda teria Norris pela frente e uma possível briga com Sainz. A vantagem do piloto da Mercedes eram os pneus mais novos e velozes. Os três primeiros colocados tinha pneus duros gastos.

Russell passou Leclerc na volta 53. Hamilton fez o mesmo na 54. O alvo seguinte da dupla mercêdica era a McLaren de Norris, 6s à frente. Os dois carros pretos vinham feito alucinados para cima de Lando. Mas faltava pouco para terminar a prova. Seria necessário passar o automóvel papaia e, depois, atacar o espanhol. Que, presumivelmente, defenderia a ponta com a vida e a honra, se preciso fosse.

(Verstappen, àquela altura, na volta 58, assumia a sexta posição ao passar Gasly. Uma recuperação aceitável, não mais que isso. E terminou em quinto. À espera de dias melhores. Se possível na semana que vem, em Suzuka. Sua sequência de dez vitórias foi encerrada. A invencibilidade da Red Bull no campeonato, também.)

Russell chegou em Norris na volta 59. Inteligente, Sainz permitiu que o inglês ficasse a menos de 1s dele, para poder abrir a asa móvel e se defender de Jorginho. Os quatro primeiros, então, ficaram colados. Lando resistiu. Carlos monitorava a turma atrás dele de forma surpreendentemente fria e calculista.

Foi um fim de prova belíssimo, tenso, nervoso. Tanto que, na última volta, Russell bateu. Norris nem acreditou. Hamilton não teve tempo de atacar o jovem mclariano e ficou com o terceiro lugar no pódio. Leclerc, Verstappen, Gasly, Piastri, Pérez, Lawson e Magnussen completaram a zona de pontos. Palmas para Piastri, que largou em 17º e chegou em sétimo. E aplausos efusivos para o jovem neozelandês da AlphaTauri. A equipe tinha três pontos no Mundial em 14 corridas. Ele marcou dois em seu terceiro GP. Será titular em 2024. Ricciardo e Tsunoda que lutem.

O resultado elevou Hamilton ao terceiro lugar no Mundial de Pilotos, ultrapassando Alonso – que zerou pela primeira vez na temporada: 180 x 170. Verstappen foi a 374, contra 223 de Pérez. A má performance da Red Bull não afetou o campeonato em nada. No máximo, a autoestima da equipe. No Mundial de Construtores, os 37 pontos anotados pela Ferrari acirraram a briga pelo vice. A Mercedes, que fez 16, tem 289, contra 265 dos italianos.

Semana que vem tem mais, no Japão. E as coisas devem voltar ao normal.

Subscribe
Notify of
guest

76 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
André
André
5 meses atrás

Cadê o sobre ontem?

Marcus
Marcus
5 meses atrás

https://www.youtube.com/watch?v=Tj1opl7-Ros

E já dirigindo um Mustang.

Jorge Luis
Jorge Luis
5 meses atrás

Otimo texto … O Jorginho pelo radio é impagável …. kkkkkkkk … Obrigado.

Ednaldo
Ednaldo
5 meses atrás

Flávio, sua primeira colocação estava correta: a RB é que não compareceu. Max estava lá e até correu muito bem, mas como mais um competidor num carro cinco degraus abaixo do normal e dois degraus abaixo dos vencedores Ferrari, McLaren e Mercedes.

Jão Bom Jovem
Jão Bom Jovem
5 meses atrás

Pô, cadê o “Sobre Ontem” de Cingapura? Você já foi mais eficiente, Senhor Gomes. Seus ávidos leitores estão aqui atualizando a página a cada 5 minutos esperando o “Gostamos e não gostamos”. Vamos lá, mexa-se!!!

Atenciosamente,
Mais um ávido leitor seu

Marcelo
Marcelo
5 meses atrás

“Não tão pura”. Fraquinha essa. Depois da Genial 1 chopp, 2 pastel, essa acho que foi a piorzinha

Fernando (Pai do Clark)
Fernando (Pai do Clark)
5 meses atrás

Legal que a hegemonia rubrotaurina caiu numa corridaça, sem eventos artificiais.
Exceto pela invenção daquele safety car patético no lance do Sargeant, aquilo foi brincadeira para tentar trazer o Max pro jogo. Não é possível.
#masifeelings

Décio Reis Jr.
Décio Reis Jr.
5 meses atrás

Quero ir com meu filho no próximo evento da Parinet (07/10). Sou fã do LH por ser um cara de sucesso, no sentido amplo da palavra, pois nessa vida não basta só ganhar $$$$$$$$ e sim, pensar no próximo pq todos nós habitamos o mesmo planeta, seja plano ou redondo. ;} Moro em Santos mas estou sempre em Sampa/Moema devido ao trampo de meu filho. Tô no aguardo de um convite. Vaaaaaaaaleu!!!!!!!!!!!

André
André
5 meses atrás

George, você gosta de críquete e ele de croqueta!

Talles
Talles
5 meses atrás

o segundo comentário:
Max ficou fora dos holofotes, mas o que ele fez na corrida foi impressionante, e não apenas ok.
A estratégia da RedBull foi muito acertada por conta do carro que não estava bom.
Alguns dados:
Max estava a 45s de Sainz quando saiu do box na volta 41. Terminou a corrida a 19s.Saiu do pit em p15 e terminou em p5.
O ritmo alucinante só não foi mais eficiente devido ao número de carros que teve que ultrapassar e porque perdeu 3 voltas com o VSafety Car.
Terminou a prova 33s à frente de Perez. Antes do pitstop estava a 9s e perdeu 2,5s porque parou 1 volta depois.
Ao final da volta 57 ele estava a 19s de Leclerc. Cruzou a linha de chegada 5 voltas depois trocando marcha da Ferrari.
Só não dá para dizer que ele foi o melhor piloto da corrida porque o Sainz deu AULA de frieza, paciência, ritmo e inteligência. Foi uma ótima corrida.

O crítico
O crítico
Reply to  Talles
5 meses atrás

Putz, dois comentários que nao valem um.

Talles
Talles
5 meses atrás

Hoje vou fazer 2 comentários.
O primeiro: Lewis foi diretamente responsável pelo pit ruim de Leclerc. Ele diminuiu a velocidade na chegada da sua casinha, já que o Russell estava fazendo a sua troca. Depois ficou parado bloqueando a saída do Leclerc. Algo que deveria ser analisado e alguma punição deveria ser aplicada (nesse caso à equipe e não ao piloto)

Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
5 meses atrás

Uma coisa que a transmissão não mostrou, mas o ALB vinha na zona de pontos disputando com o PER e houve algum incidente entre eles, ficando a Williams pra trás… alguém viu o que aconteceu?

TYRRELL
TYRRELL
Reply to  Ricardo Lopes
5 meses atrás

Parece que o Pérez bateu no Albon e o mexicano inclusive tomou 5 s de penalizarão

Paulo
Paulo
5 meses atrás

‘era o pior desde o dia em que Dietrich Mateschitz colocou as latinhas de energéticos no mercado austríaco, em 1987, depois de uma lisérgica viagem à Tailândia para vender pasta de dente.”…Pqp. onde você busca isso? Ahahaha

Yuri
Yuri
5 meses atrás

Russell fica maluco quando vê o 44 chegando no retrovisor, na Holanda quase rodou sozinho e em Cingapura essa barbeiragem ai…

Zé pequeno
Zé pequeno
Reply to  Yuri
5 meses atrás

Hamilton fez com o Russell o mesmo que o Leclerc fez com o Sainz em Monza, a diferença é que o Russell peidou.
Mas realmente o 44 era mais rápido naquela altura da corrida

Sandro
Sandro
5 meses atrás

Alonso: 100.231 quilômetros percorridos! 😮
Em Monza tinha completado exatas 20.000 voltas! 😮Agora já está em 20.062!

Wendell Oliveira
Wendell Oliveira
5 meses atrás

Muito claro que a corrida foi a mais disputada até aqui nesta temporada que é a pior que eu já assisti da Fórmula 1.

murilo
murilo
Reply to  Wendell Oliveira
5 meses atrás

2000-2004 foram de longe os piores anos (que eu assisti). Poucas ultrapassagens, domínio da Ferrari do Schumacher. E a rede Globo criando expectativas sobre o Rubens, um saco.

Ilmar
Ilmar
Reply to  murilo
5 meses atrás

Pelo menos os carros eram mais bonitos do que feios, usavam motores de verdade, os capacetes dos pilotos e o sistema de pontuação eram mais simples, e as áreas de escape costumavam ser de brita.

Fabiano Lima
Fabiano Lima
5 meses atrás

Flávio, sei que vc vai omitir o paradeiro de uma fonte tão precisa e importante para a sua carreira .

Mas o que aconteceu com vosso informante Gola Profunda? Morreu? Esta nas minas de tomate? Amarrado com espaguete Nº8?

Antonio Seabra
Antonio Seabra
5 meses atrás

Desde a segunda troca, LH era o mais rápido na pista. Se fosse o Hamilton de 10 anos atras, teria passado Russel 2 ou 3 voltas antes dele “achar” o muro, e dai, Norris e Sainz, de pneus duros e velhos, seriam presas possíveis.
No momento atual, teria precisado da MB mandar o Russel dar passagem (se fosse a RB teria mandado) pra poder partir pra cima da McLaren, pelo menos.
Curioso pensar que uma ordem dessas poderia ter gerado, no mínimo, um segundo e um quarto lugares, garantiria mais pontos para equipe e salvaria muitos euros que serão gastos na reforma do carro 63…

LEANDRO MONTEALVERNE SANCHEZ MARTINS
LEANDRO MONTEALVERNE SANCHEZ MARTINS
5 meses atrás

Nao vi em nenhum site, mas Ocon correu demais, fez varias ultrapassagens e lembrando q a Alpine estava pior ainda nessa pista…nao gosto muito dele mas fez uma corrida muito forte!!! Infelizmente o carro quebrou.

Megas Alexandros
Megas Alexandros
5 meses atrás

Loucura a queda de desempenho do Lance. Se o pai dele quiser continuar bancando a carreira automobilística do filho, poderia botá-lo na Indy. Tanto faz se precisa comprar uma equipe lá ou não, pois acho que o canadense faria um bom papel lá até. Poderia até ser campeão, vencer a Indy 500, enfim… Seria mais feliz do que está sendo agora.

Sandro
Sandro
Reply to  Megas Alexandros
5 meses atrás

2025: será que Prejuízo Stroll, digo, Lance Stroll estará no grid? Dependendo dos acionistas pode ser que o pai tenha tomar alguma decisão para a Aston Martin!
Ou será que papai manda prender, mandar soltar na Aston Martin?
“Quem manda sou eu!”

Jader
Jader
Reply to  Megas Alexandros
5 meses atrás

Dificilmente ele faria alguma coisa que preste na Indy. O nível da Indy não é assim tão baixo como tu deixas a entender.

Megas Alexandros
Megas Alexandros
Reply to  Jader
5 meses atrás

Bom, ela atualmente é dominada por um cara (Álex Palou) que foi obscuro nas duas temporadas da GP3 e no pouco que correu na Formula 2. Na F3 Europeia também foi bem razoável. Aí foi pra Indy e na segunda temporada já foi campeão.

Outro exemplo é o Marcus Ericsson, piloto mediano da GP2 mas que conseguiu cavar uma vaguinha na Formula 1. Porém lá, foi basicamente de final de grid em 5 anos, tendo melhor colocação em prova um 8º lugar. Aí foi pra Indy, onde não só tem conquistado pódio e vitórias como já venceu a badaladíssima Indy 500 (e ficou em segundo na temporada atual). Alexander Rossi é outro, obscuro na F1, mas tem seu lugar cativo na Indy, com vitórias e pódios (inclsive foi vice campeão numa temporada e terceiro na outra).

Outros que sequer conseguiram vaga na F1 devido ao desempenho fraco em categorias de base acabam desfilando bem na Indy, como por exemplo Christian Lundgaard.

Enfim, o nível de pilotagem da Indy nem se compara com o da Formula 1. Talvez seja equilibrado com o da Formula 2.

Celio Ferreira
Celio Ferreira
5 meses atrás

Ao longo do ano , diversos comentários ( AQUÍ) diziam que sem a Red Bull
as corridas seriam melhores , e FOI COM SOBRAS , a chegada de hoje
confirmou isso . Como será no Japão ?????
Parabéns a Sainz , controlou toda a corrida , dando o segundo lugar a Norris.

MDN
MDN
5 meses atrás

Sempre achei o Sainz um cara criminosamente subestimado, mas hoje ele provou que é muito mais do que se pensava dele, vitória enorme, categórica, o status dele na F1 mudou hoje.

Muchacho
Muchacho
5 meses atrás

Sainz, sai maior e mais respeitado pós Singapura, não só pela vitória, mas pela estratégia e execução.

Afonso Muzzo
Afonso Muzzo
5 meses atrás

Não foi uma boa noite para Russell, Ocon e para a Red Bull…

Evandro
Evandro
5 meses atrás

Eu ainda to encafifado com a batida do Jorje Russo.
Me pareceu que o Norris levantou uma grelha do asfalto e ela enroscou no assoalho do outro moço ou furou um pneu, porque subiu uma poeira da MacLaren e depois aquele faisqueiro na frente da mercedes.

Uma pena, ele estava indo bem, Hamilton também.
Que o ano que vem seja mais interessante como foi hoje num bom equilíbrio entre as participantes.

Igor
Igor
Reply to  Evandro
5 meses atrás

Jorjão da Massa bateu com o pneu traseiro direito no muro antes da curva, desequilibrou e não conseguiu virar.

Leandro Batista
Leandro Batista
5 meses atrás

Acho que Verstappen estaria ali no primeiro grupo disputando com os demais se nao fosse pelas vicissitudes da corrida. Ele saiu com pneus duros e estava se mantendo 10 segundos atrás do Sainz. Mas ai veio o SC e ele nao teve o que fazer. Se entrasse no box pra colocar macios, teria de fazer outra parada. Entao veio o seu pitstop e outro infortunio. Um VSC duas voltas depois.
Corrida tem disso aí. As vezes se tem um final de semana de merda e um quinto lugar, diante dessas circunstancias, foi um bom resultado.
Há de constar: Max será campeão no Japão se fizer seis pontos a mais que o Perez.

CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Leandro Batista
5 meses atrás

Claro que não. Que conta foi essa???

Leandro Batista
Leandro Batista
Reply to  CHAGAS
5 meses atrás

É só voce calcular o tempo que o Max perdeu trocando os pneus com os demais, que fizeram a troca durante o safety car.

CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Leandro Batista
5 meses atrás

Minha correção refere-se a conta do titulo antecipado.
Se Max ganhar e fizer melhor volta no Japão e o Perez fazer mais uma cagada e não pontuar, ainda assim “matematicamente” o titulo de pilotos ainda não será consumado.

Edson
Edson
5 meses atrás

Brilhante texto!!

Jonathas Nascimento
Jonathas Nascimento
5 meses atrás

Você vence uma corrida com as armas que tem! Sainz após as férias voltou encorpado, usando sua grande capacidade de análise e estratégia na pista, essa é sua maior virtude, sim hoje ele sabia que teria que cuidar muito bem dos pneus, sair acelerando que nem um entupido não lhe daria sequer o pódio. Gosto de torcer por pilotos inteligentes e Sainz não decepciona, vai mostrando pra Ferrari que cabe a ele liderar essa equipe!

Eder Félix
Eder Félix
5 meses atrás

Fala, Flávio!
Uma pena termos uma corrida com diversas possibilidades de vitória, 1 trenzinho do primeiro ao quarto, outro do quinto ao oitavo, apenas porque o Verstapen não “estava na ativa “.
Sainz teve um domingo de Prost, controlou a distância pro companheiro no começo e o DRS do Norris no final.
Hamilton atrasou 2 voltas do Russel com aquela largada tresloucada, George tinha o carro mais equilibrado no início.
Russel e Leclerc vivem fazendo burrices nas corridas, hoje foi a vez do inglês.
Mercedes errou chamando ambos, o segundo lugar de Russel tava garantido, arriscasse apenas com Hamilton, não havia garantia de sucesso na estratégia: caso positivo, chegaria em Russel ,passaria sem dificuldades e lutaria pela vitória; se desse errado, ficaria em quarto, na pior das hipóteses, que era onde já estava.
O azar no pit de Leclerc foi a dupla entrada das Mercedes, sendo exatamente o box à frente da Ferrari.
A Fiascon Martin não deu conta da Hass nem quando tinha pneus mais novos.
O momento dos SC’s foi decisivo pra não colocar Verstapen, no mínimo, no pódio. Aliás, uma das ultrapassagens dele na sequência de S’s foi a mais bonita da corrida.

Markonikov
Markonikov
Reply to  Eder Félix
5 meses atrás

Sempre é culpa do HAM né … pois no final, quem atrasou a vida de alguém foi o russel … bateu de forma amadora … fosse o verstappen com o peres na mesma situação, a ordem vinha sem dó …

Nelson Souza
Nelson Souza
5 meses atrás

A corrida de hoje prova que não precisa de um milhão de ultrapassagens para que seja uma ótima corrida. Sainz muito cerebral, está de parabéns! Uma pena a batida do Russell no final. Que tenhamos mais corridas até o fim do ano com disputas pela vitória.

Edison
Edison
5 meses atrás

Que lambança fez o menino Russell, de nada adianta andar a corrida inteira na frente do patrão e fazer aquela lambança no fim.

Paulo Dantas Fonseca
Paulo Dantas Fonseca
5 meses atrás

GP DE SINGAPURA: A balada começou na luz verde e todos passaram ilesos pela primeira volta, Sainz mandou bem a prova inteira com uma força mental excelente sendo premiado com a vitória, graças a efetiva colaboração de Charlinho, o time italiano brindou o chefe Fred Vasseur . Percival vacilou na última volta raspando a roda direita traseira na placa, perdendo o equilíbrio e ponto de frenagem terminando no guard rail, dando o podium para Lewis. Mercedes-Benz, Mclaren e Ferrari colocaram água na latinha do energético, tendo seu pior resultado colocando os dois carros rubro taurino, Vertappen e Sérgio, na faixa de pontuação. Na minha opinião o piloto do dia foi Lando Norris. O destaque fica para os quatro pilotos : Gasly, Piatri , Lawson e Magnussen . O pior da corrida fica na conta da equipe Aston Martin.

Rafael
Rafael
5 meses atrás

Bela vitória do Sainz. Eu sempre achei o Leclerc mais piloto, mas corridas como a de hoje me fazem repensar isso. Mandou muito bem, cerebral total.

A descrição dos radios do Russell são as melhores. Certeza que são reais!

Achei engraçado o Pietro no grid walk com a Mariana…E quando eles chegaram no Lawson alguem podia ter comentado: ele ta fazendo o que vc não conseguiu, que é mostrar alguma coisa. Pietro disputou duas corridas pateticas, e todo mundo ficava: nossa, como ele é correto kkkkk

Jeferson Araújo Pereira
Jeferson Araújo Pereira
5 meses atrás

1- Frédéric Vasseur com o emprego garantido.

2- Leclerc passou no Recursos Humanos e assinou novo contrato.Rebaixado oficialmente para piloto nº 2.

@jefprogguitarcinef1

Katia
Katia
5 meses atrás

Adoro quando assistimos a mesma corrida😉… Charlinho, hoje obediente, trouxe o carro pra casa e herdou o 4o lugar😊.
Excelente texto, como sempre

Marcos Bassi
Marcos Bassi
5 meses atrás

Como alguém comentou aí abaixo…acho que o carro de Hamilton voltou melhor que o de Russell na troca pra pneus médios. Russell voltou quase 13 segundos atrás de Norris e Hamilton mais de 5 segundos atrás de Russell. Enquanto Russell descontava de Norris…Hamilton não só descontava de Norris como do próprio Russell…tanto que quando Russell chegou em Norris, Hamilton já estava colado atrás. Dizer que era melhor Hamilton estar a frente de Russell pra tentar é só achismo. Norris é complicado de passar. Mas Hamilton era o mais rápido dos 4. Mas a vitória ficou em boas mãos pelo conjunto da obra.

Markonikov
Markonikov
Reply to  Marcos Bassi
5 meses atrás

Mas para o povo da uol q vem comentar aqui, o Hamilton não pode ser primeiro piloto …

Marcos Bassi
Marcos Bassi
Reply to  Markonikov
5 meses atrás

Aqui existe uma torcida quase igual Palmeiras e Flamengo….Verstappen ou Hamilton…o povo se estapeando pra ver quem é o melhor….pra quem virou fã de Verstappen, Hamilton não presta pra mais nada…só ganhou porque tinha carro e era sujo (como se isso quase não fosse a verdade absoluta da F1…ganhar por ter carro…Verstappen não tinha carro ontem…ganhou?)…Verstappen é sujo…e joga o carro só em cima do Hamilton….enfim…torcidas apaixonadas. Ainda relacionando ao futebol, tal qual o presidente do São Paulo diz que o São Paulo é protagonista do futebol brasileiro…porque está disputando a Copa do Brasil depois de mil anos…Sainz virou gênio…o piloto mais subestimado de todos os tempos de todas as galáxias. Mereceu ontem…mas….

Clodoaldo
Clodoaldo
5 meses atrás

Foi pontual, ou podemos ver futuramente outro acordo nebuloso da FIA desta vez com a Red Bull como ocorreu com a Ferrari em 2019 ?
Semana que vem a resposta

Chupez Alonso
Chupez Alonso
Reply to  Clodoaldo
5 meses atrás

Em Suzuka Versttapen ganha com 20s de vantagem.

Sobre o Pérez!

Marcus
Marcus
5 meses atrás

Antes que o pachequismo apareça por aqui, o Drugovich não pôde ser escalado porque ele teria que ter disputado, pelo menos, os treinos livres do fim de semana para poder correr hoje. O regulamento não permite substituição em casos como o do Stroll.

CHAGAS
CHAGAS
5 meses atrás

Tempos atrás quando foi comentado que Sainz era o piloto mais inteligente do grid, teve gente histérica que vociferou sobre matemática na F1.
Eis que a matemática (DRS) utilizada por Sainz, de novo, piloto mais inteligente do grid, surte efeito para garantir a vitória.
Obviamente que o mancebo não ira comentar nada após essa vitória, ne?
Jeorjeao da Massa, erro dos mais cretinos do mundo.
Leclerc também erra e cede posição pra Hamilton no meio da prova.
Em tempo: Norris dificilmente erra.

Adriano
Adriano
Reply to  CHAGAS
5 meses atrás

Acho… apenas acho… que o muro mexeu (como diria Senna) no caso de Russell. Norris triscou no mesmo lugar microssegundos antes e Russell não teve como evitar. Acho que foi por um ou dois centímetros. Não colocaria como um erro cretino dele. Acho que foi azar mesmo… mas ele não passaria Norris e terminaria em terceiro mesmo. Sensacional final de prova. Carlos foi brilhante!

Sergio Trancoso
Sergio Trancoso
5 meses atrás

Sainz foi rápido e cerebral. Foi perfeito. Norris fez ótima corrida. Pena o que aconteceu com o Russell, mas foi bom ver as Mercedes andando rápido. Red Bull volta logo. Tomara que tudo isso seja prenúncio de 2024.

Marcelo
Marcelo
5 meses atrás

Verstappen é literalmente de outro planeta! Ontem disse que a red Bull não chegaria entre os 10 primeiros, mas mesmo com um carro ruim o cara ainda tira leite de pedra. É um fenômeno!
Acho que Hamilton tinha um ritmo melhor do que Russell e talvez pudesse ter vencido a corrida se estivesse na frente, mas é só achismo mesmo.
Eu não acho que a Ferrari tenha cagado com Leclerc, ele não tinha como dar distância suficiente para Sainz trocar e ele entrar na sequência e ao mesmo manter uma distância onde a galera de trás não estivesse colada nele e pudesse ser liberado dos boxes antes do trânsito. O Hamilton fez isso muito bem e pela TV, foi ele que cagou a saída do Leclerc.

Ademais, como de costume, seu texto é do mesmo nível de Verstappen!

Grande abraço!

Marcelo
Marcelo
Reply to  Marcelo
5 meses atrás

Uma correção no meu comentário. Quem disse que o Verstappen não chegaria entre os 10 fui eu no X (ex Twitter do Flávio)

Henrique
Henrique
Reply to  Marcelo
5 meses atrás

Kkkkkk que dizer que Max foi um fenômeno por chegar em quinto? Tá certo rsrs , Lewis é o terceiro do campeonato na consistência e não faz mais que o papel dele ,Max é fenômeno por chegar em quinto

Megas Alexandros
Megas Alexandros
Reply to  Marcelo
5 meses atrás

Literalmente?

Glen
Glen
Reply to  Marcelo
5 meses atrás

Boa tarde A Red Bull que fez esse esquema… justamente para não ter pessoas como nos viciados em F1… ela chegou e falou que quão difícil de passar a gente vai liberar para vc ganhar…. mais dinheiro para a fórmula 1

Edison
Edison
5 meses atrás

Algumas coincidências são incríveis, em 1988 a Maclaren não venceu todas as corridas graças a uma vitória da Ferrari, em 2023 pelo visto a história se repete. Vamos ver se semana que vem a Red Bull volta ao normal.
E o DRS no final da corrida ao invés de ajudar nas ultrapassagens acabou atrapalhando, graças à inteligência do Sainz que soube usar controlar a distância entre ele e o Norris.

Chupez Alonso
Chupez Alonso
5 meses atrás

Não me lembro de ter assistido outra corrida de F1 onde o vencedor, para vencer, tenha sido orientado a não acelerar desde a 1ª volta.

“Quanto mais devagar, melhor”.

E ainda reclamam quando Versttapen abre 3s na 1ª volta.

Hoje ganhou quem pisou mais fundo… no freio!

E que fim de semana medíocre da Red Bull.

Erraram em tudo, inclusive na estratégia. E não tiveram sorte em nenhum dos SC.

E mesmo assim, o 33 chegou em 5º, colado no 4º, este, coitado, sacrificado desde a largada pela Ferrari.

Esperemos, pois, uma corrida de F1 de verdade, na próxima.

E que ganhe quem pise mais… no acelerador!

Rumo ao Octa…

IMG_3521.jpeg
O crítico
O crítico
Reply to  Chupez Alonso
5 meses atrás

Essa não foi uma corrida de verdade só por que aquele por quem você baba e tem tesão não ganhou? Realmente, não dá para pegar leve: é um torcedor idiocta, mesmo!

Zé pequeno
Zé pequeno
Reply to  O crítico
5 meses atrás

Putz, na cara não, estragou o velório

Foc
Foc
Reply to  Chupez Alonso
5 meses atrás

Também não gostei, prefiro corrida raiz.
A F1 mudou tanto que te negativaram.
Lembra da limitação do combustível e friso no pneu. Se me lembro, o Schumacher reclamou disso uma vez, que corrida é essa que não posso tirar 100% do carro?
Vai virar F1ndy.

Mauricio
Mauricio
Reply to  Foc
5 meses atrás

F1 sempre teve um pézinho no endurance: tinha que poupar equipamento, pneus, combustível, temperatura de motor e freios… Apenas na F1 moderna, com a evolução do equipamento e durabilidade, os caras puderam andar pé embaixo o tempo todo.
Sempre gostei de pilotos inteligentes. Pilotos que só sabem meter o pé no acelerador e mais nada, estilo Mansell, deviam fazer arrancada.

Mauricio
Mauricio
Reply to  Chupez Alonso
5 meses atrás

Afff….cada coisa.
Sainz foi brilhante o fim de semana todo.
Você acha que ele conquistou a pole usando só o pedal do freio?

Carlos Ribeiro
Carlos Ribeiro
Reply to  Chupez Alonso
5 meses atrás

Corridas de administração de ritmo eram muito mais comuns antigamente quando os carros quebravam com facilidade. Vários pilotos se notabilizaram por isso, incluindo brasileiros como Emmerson Fittipaldi, Nelson Piquet, e outros como Alain Prost. Hoje não é tão comum mas é algo que faz parte da Fórmula 1.

MDN
MDN
Reply to  Chupez Alonso
5 meses atrás

Porque que vc escreve desse jeito, ferinha?

O crítico
O crítico
Reply to  MDN
5 meses atrás

Porque ele é um torcedor idiocta.

Markonikov
Markonikov
Reply to  Chupez Alonso
5 meses atrás

Como você é hater, vá se tratar cara …

Rafael
Rafael
Reply to  Chupez Alonso
5 meses atrás

Imola 2005, quando o Alonso ganhou segurando o Schumacher, ele tb tirou o pé em muitos momentos, pra não chegar nos retardatarios que estavam à frente no final da corrida, etc…esse tipo de tática sempre existiu. Algumas pistas propiciam isso.