MENU

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010 - 20:48Automobilismo brasileiro, Kart

TRAGÉDIA EM CASCAVEL

SÃO PAULO – Mais um piloto morreu no Brasil, o terceiro em um mês. Siciliano Bodanezi, 36 anos, foi atropelado numa prova de kart na noite de sábado em Cascavel. Ele atravessou a pista para ajudar o irmão, que teve problemas em seu kart no início da prova, e foi atingido por dois competidores. As informações estão sendo divulgadas pela imprensa paranaense com grande destaque. Detalhes aqui, aqui e aqui.

Um mês, três mortes em modalidades diversas — monopostos em Fortaleza, arrancada em Curitiba, kart em Cascavel. Além daquela arquibancada de Quatro Pontes, também no Paraná, que desabou deixando mais de 100 feridos em outra prova de arrancada, em setembro. O vídeo é estarrecedor, pela precariedade da estrutura, proximidade com a pista, risco iminente.

Seguimos esperando algum pronunciamento das autoridades esportivas competentes sobre os eventos em questão — “competentes” no sentido de responsabilidade, claro, e não como sinônimo de competência, capacidade.

O automobilismo brasileiro chegou ao fundo do poço de vez. Porque uma coisa é estar às voltas com prisões, denúncias, evasão ilegal de divisas. Isso só mostra que quem está na linha de frente é gente que não presta, escória — e não chega a ser uma surpresa. Só que tem gente morrendo, o que é muito mais grave, e ninguém faz nada.

ATUALIZANDO

No dia 13 de novembro, uma jovem arquiteta de 25 anos, Aline Ramiro, morreu no kartódromo de Serra (ES). Era sua primeira vez num kart. O que lança outra questão: o indoor e o kartismo amador precisam ser fiscalizados e normatizados. Acontecem acidentes aos montes.

87 comentários

  1. Carlos Tavares disse:

    Meu caro Flávio,

    Vá a merda você, não estou colocando coisas a mais aqui, e não estou viajando meu caro vc coloca em dois paragráfos estas palavras.

    Seguimos esperando algum pronunciamento das autoridades esportivas competentes sobre os eventos em questão — “competentes” no sentido de responsabilidade, claro, e não como sinônimo de competência, capacidade.

    O automobilismo brasileiro chegou ao fundo do poço de vez. Porque uma coisa é estar às voltas com prisões, denúncias, evasão ilegal de divisas. Isso só mostra que quem está na linha de frente é gente que não presta, escória — e não chega a ser uma surpresa. Só que tem gente morrendo, o que é muito mais grave, e ninguém faz nada.

    As autoridade competentes neste evento em Cascavel, posso dizer com toda a certeza tomaram todas a precauçoes possiveis para que não ocorresse acidentes, mas que infelizmente ocorreu uma fatalidade e que não adianta culpar esse ou aquele, ele atravessou onde não podia e infelizmente foi atropelado.

    • Flavio Gomes disse:

      Você é realmente limítrofe. Não adianta tentar explicar mais. Se não conseguiu entender que o texto é sobre a sequência de mortes e o silêncio das autoridades esportivas etc, é porque, realmente, tem enormes dificuldades de compreensão. Sendo assim, frequente outro espaço. Está cheio de blog legal na internet. Procure, sei lá, o site da Fox Kids, ou do Cartoon Network. Não é possível que alguém com mais de 10 anos de idade não compreenda o que escrevi.

  2. Carlos Tavares disse:

    É Flavio gostaria de saber de qual fonte vc tirou as suas conclusões?

    é muito facil falar falar, sem ter base e sem saber o certo que aconteceu na cidade de Cascavel, pois bem vou relatar agora de fonte segura pois sou colega do siciliano morto aqui nesta cidade, ele corria por 3 anos em competições de nivel estadual era federado, a pista esta em perfeitas condições areas de escapes e todos os requisitos necessários para haver uma prova, como uma UTI móvel, com médico responsável, estavam em condições exemplares, pessoas que dirigiam a prova eram da federação paranaense de kart, então teoricamente não teria o porque criticar esta prova que por mais que seja festiva e uma prova de longa duração, e que atendia todos os requisitos necessarios para que a prova se realiza-se,
    Siciliano era nosso amigo todos gostavamos muito dele no meio automobilistico em cascavel, e fazia parte de um movimento que tenta trazer o nome da cidade de novo entre os grandes eventos automobilisticos brasileiros pois se vc nao sabe Cascavel tem uma pequena tradição automobilistica procure e saberá, e nós amigos do Siciliano não vamos deixar pessoas maudosas que nao sabem e nem ao menos conhecem o movimento automobilistico de Cascavel para falar isso ou aquilo para culpar essa ou aquela federação, portando meu caro Flávio não use mais de falso testemunho nesta sua coluna, primeiro pesquise ligue entreviste pessoas relacionadas a prova em questão, pra depois colocar textos ridiculos em sua coluna, uma frase que a familia colocou pra nos pilotos e pais de pilotos cascavelense, que ninguem teve culpa foi uma fatalidade ele era o preparador do irmao e o irmao preparador dele e os mesmos querem fazer a vontade de siciliano que era fazer de seu filho piloto e eles vao fazer de tudo para realizar esse sonho.

    então Flavio ao menos peça desculpa a nós colegas e famila de kart do siço por esse seu comentário infeliz que vc fez nesta coluna.

    obrigado pela atenção

    • Flavio Gomes disse:

      Respeitando, sempre, a dor de familiares e amigos, permita-me mandá-lo à merda. Leia o que escrevi. Emiti algum julgamento de valor sobre a prova? Sobre o piloto? Sobre a cidade? Se você não tem capacidade para entender, repito abaixo o primeiro parágrafo, único que menciona a trágica morte do piloto Siciliano. Leia devagar, para ver se entra na sua cabeça:

      Mais um piloto morreu no Brasil, o terceiro em um mês. Siciliano Bodanezi, 36 anos, foi atropelado numa prova de kart na noite de sábado em Cascavel. Ele atravessou a pista para ajudar o irmão, que teve problemas em seu kart no início da prova, e foi atingido por dois competidores. As informações estão sendo divulgadas pela imprensa paranaense com grande destaque.

      Quais as conclusões que eu tirei? Falei algo da pista, de UTI, de áreas de escape? Você está doido? Não me venha falar de Cascavel, garotão, porque eu provavelmente sei mais da cidade e de sua história no automobilismo do que você, que tem evidentes dificuldades de compreender o que lê. Não culpei ninguém. Não sou “maudoso”. Aprenda e escrever antes de sair publicando comentários por aí. Não dei falso testemunho. Eu poderia processá-lo por me acusar de algo que não fiz. Não dei testemunho algum, apenas relatei em um parágrafo o que aconteceu. Ridículo é você. Não tenho de pedir desculpas por comentário algum, já que não fiz comentário nenhum sobre o que aconteceu em Cascavel.

      É por essas e outras que, muitas vezes, tenho vontade de desativar o blog. Aguentar gente ignorante, e há aos montes, é um pé no saco.

  3. Sérgi Lobo disse:

    Flavio, sou piloto de kart, e tb participo de campeonatos indoor, oq acontece é que aceitam inscrições de quem nem noção tem de pilotagem, mesmo com baixa potencia (cerca de 8 hp) ele podem chegar ao final da reta a uns 75km/h, oq com certeza é fatal para quem naão tenha habilidade para tal.

  4. Ricardo Bigliazzi disse:

    Kart é perigoso sim… temos um Campeonato de Kat entre Amigos a mais de 10 anos e já tivemos pancas homericas e até capotamento… graças a Deus ninguém se feriu mais gravemente… e será sempre assim… o pessoal se pega na pista e na outra etapa esta sempre lá. Temos uma “Comessão Organizadora” que por muitas vezes pode ter sido considerada extremamente chata… mas acredito que por causa dela é que nunca tivemos ferimentos maiores.

    Corridas são tão perigosas quanto são apaixonantes… e tanto faz o carro como a categoria… todas carregam uma dose extraordinária de riscos…

    Quem esta na pista certamente esta a fim de corrê-los… e tanto faz ser no kart… como na Classic Cup… nunca esperamos que isso vai acontecer… mas que o risco está lá isso está.

    Abraços

    Imperador
    “Presidente da Comessão da Série PDB – Campeonato Pé de Breque de Kart”

  5. Carlos Eduardo disse:

    Pra quem não é do Espírito Santo e não sabe melhor dos fatos, a arquiteta que morreu não foi por total imperícia. Ela, na verdade, bateu em um reboque que servia de apoio à recém-inaugurada iluminação do kartódromo da Serra.
    Ela bateu com a cabeça do engate.
    Então, nesse caso, me parece evidente que foi barbeiragem (das feias) da organização do kartódromo.
    E, sim, contribui o fato de que os karts de lá serem razoavelmente potentes, inadequados para quem nunca correu ou quem não conhece nada sobre corridas.

  6. galileu disse:

    é bem por aí, vinicius, voce disse tudo e mais alguma coisa.

  7. Alexei Silveira disse:

    Flávio,

    Automobilismo é um esporte sabidamente perigoso e mortes sempre aconteceram.

    É misturar alhos com bugalhos ,mas nos informe como sempre, ok .

    Aliás, não vi notícia de possível passamento…… em uma etapa de uma cidade serrana carioca, modalidade fora de estrada, monomarca, talvez mês 11 de 2010. Ocorreu ou não?

  8. Rafael T disse:

    FB,

    O poço não tem fundo…

    RMT

  9. Rafael Prete disse:

    Uma amiga quebrou o pé, correndo no kartodromo de interlagos. Ela ficou presa no kart e o suporte só aconteceu com ajuda dos proprios pilotos que perceberam ela “parada”, acenando durante algumas voltas – não houve resgate pelos fiscais da pista. Só quando terminou a bateria que apareceu uma ambulância… que levou ela até o Hospital Grajaú (nao sei bem se é esse o nome)

    • galileu disse:

      um amigo bateu o opala na reta oposta, (circuito antigo), machucou o braço, veio a ambulancia, já ao sair da area de escape, ela fez um 180°, entrou na avenida para ir ao hospital com sirene ligada, axcelerasdor a pleno, e o meu amigo gritou: para, estou apenas com o braço machucado, não morri no acidente e agora voces querem me matar, para que eu vou de taxi. hoje o pessoal de resgate do autodromo é muito mais preparado, não sei o do kartodromo. isso depende de

  10. amadeu disse:

    Galileu, o acidente com Valdir del Greco não teve nenhum bebado não, estava chovento muito por este motivo ele rodou na reta e ficou atravessado no retão,foi acertado em cheio por um opala e faleceu devido ao forte impacto que recebeu,o carro não tinha acrilico na porta do lado do piloto.nesta epoca nós já não usávamos acrilico na porta.

    • Você está correto, Amadeu – o que o Galileu escreveu é um absurdo.

      O Valdir era amigo meu e presenciei seu acidente daquele terraço que havia acima dos antigos boxes.

      O falecimento do Valdir me marcou muito e deixei o automobilismo de lado por alguns anos, mas a paixão foi mais forte e acabei retornando. A lembrança do Valdir – tanto dele quanto de seu acidente – nunca saíram de minha memória.

      Anos depois tentei construir um memorial em sua homenagem (e também ao Zeko) em Interlagos. Fui recebido com desdém pela administração do autódromo da época, e assim surgiu a Motorsport Memorial Foundation. Esta foi a única maneira que encontrei em manter a memória de meus amigos viva e fazer com que eles sejam lembrados pela sua vida e carreira, e não apenas pelo acidente que sofreram.

      Hoje nossa fundação tem mais de 500 membros e prestamos serviços – sempre gratuitos – de consultoria em segurança a mais de dez autódromos (em vários estados de desenvolvimento) nos Estados Unidos e em outros países.

      Infelizmente “quebrar a arrogância” das entidades organizadoras ou adminstradoras de autódromos é muito difícil, e não só no Brasil. Convencê-los de que existe um problema com riscos consideráveis é nossa maior dificuldade.

      Por exemplo, quando estive no Brasil em 2005 visitei o Autódromo de Londrina. Preparamos um relatório quase 30 sugestões para a melhoria da segurança daquele autódromo, que apresenta vários pontos com risco consideráveis. Muitas destas sugestões poderiam ser colocadas em prática sem grandes investimentos – coisa de, por exemplo, corrigir a terraplanagem de algumas áreas de escape ou mudar a localização dos postos de sinalização (para os bandeirinhas). Como sempre, todo nosso trabalho foi feito gratuitamente, sem nenhum ônus ao circuito. Não sei aonde nosso relatório foi parar, mas um amigo que corre em Londrina de turismo nos informou que aparentemente nada foi mudado…

    • galileu disse:

      o flavio não postou minhas desculpas a voce amadeu e ao sal chiappetta, foi o que me passaram na epoca, e voce sabe quem era o piloto do opala, e o que ele é hoje.

  11. claude bes disse:

    uma maneira muito simples de diminuir os riscos e. quem ajudar um kart fora dos boxes o msmo sera sumariamente desqualificado…, por acaso ja viu os mecanicos de formula um invadir a pista p/ ajudar….???

  12. José Benedito disse:

    A questão é uma só: até quando a responsabilidade civil não atingirá a dita CBA? Ou será que eles seguirão sem responsabilidade por nada? Uma coisa é uma corrida de Kart entre meus amigos, outra é competição. Até quando vai rolar essas bandalheiras, né Flávio?
    Abraços!

  13. Rodrigo disse:

    preferia que a CBA tomasse uma atitude do que ficar fazendo declarações que não servem pra nada… apesar que pensando bem, se nem declaração ela faz, imagine tomar uma atitude.

  14. Eudemar disse:

    É Flavio, estamos perdidos com nossos dirigentes esportivos, principalmente, os da F1, está tudo abandonado e nenhum deles querem meter a mão no bolso e patrocinar os nossos pilotos, principalmente o Lucas e o Bruno, que merecem uma nova chance para mostrar se eles tem talento ou não.
    Veja o Nico Hulkenberg que perdeu sua vaga, por falta de patrocínio, e bem na Williams atual que está meio caida, e não pega mais nem pódio, e não tem dinheiro para contratar pilotos do nível de Kubica e Rosberg, que mostram que são rápidos, e faltam uma boa equipe para os dois mostrarem seus talentos.

  15. galileu disse:

    todo, mundo que dirige em um indoor se acha apto para dirigir um kart de verdade, que é a coisa mais proxima de um f1, segundo,os pilotos, não sei nunca dirigi essas coisas, prefiro,coisas mais potentes e autodromos de verdade, vi um piloto de stock, hoje corre de truck, experimentar o kart de um amigo em itu, o cara deu 6 voltas e desceu moido.

  16. galileu disse:

    o thiago camilo começou na stock light com omega aos 16 anos, e na primeira corrida que ganhou deu um pau no thiago marques bem mais velho. isso lá no paraná.

  17. Gustavo Pfuhl disse:

    Caro Flavio:
    Aficionados por esporte a motor como somos, sabemos o risco que este proporciona. Tanto é no quesito segurança, uma coisa é certa. Uma hora nada vai funcionar 100% e vai dar mer&a.
    Não da para entrar em histeria por quatro casos ocorridos em segmentos diferentes e que, vamos concordar, não ocorria a um certo tempo. Colocar em check a fiscalização dos indoor? Não sei, acho meio pesado. Porém a duas semanas atrás estava vendo um programa do SportTv no domingo demanhã e um pessoal do surf foi correr de kart, num destes indoor que todos tem acesso e pasmem, usaram apenas capacete. Inclusive a apresentadora andou e estava de cabelo solto. Achei um absurdo, uma irresponsabilidade, mas enfim…
    Temos que levar em consideração também o aumento nos grids regionais e o desenvolvimento de certas classes, como as arrancadas, que no paraná é bastante difundida, específicamente em curitiba. Quanto a posição do Guard-Rail, discordo. Acompanhe a IHRA (americana) e a sua versão Australiana que irá comprovar que a estrutura de Curitiba não fica devendo (neste quesito). Quanto ao ocorrido em Fortaleza, concordo que aquele muro deveria iniciar no mínimo uns 50 metros mais afrente ou iniciar antes da última curva, como é em Laguna Seca.

  18. Wagner de Almeida Oliveira disse:

    No dia do acidente da arquiteta no kartodromo da Serra-ES eu iria correr também pela segunda vez de kart. A primeira vez foi inesquecível, eu gostei muito. Aí me ligaram dizendo que cancelaram todas as baterias devido à um acidente na pista… Aí eu pergunto: Naõ existe normatização alguma para kart indoor e amador que funcinam para o público?

  19. marcão disse:

    Como não culpar os dirigentes da atual CBA?
    Se!!!!
    Em grandes eventos, são os primeiros a tirar suas casquinhas, aparecerem as vezes mais do que os carros pilotos e equipes?
    Toda corrida treino e evento, tem um corpo de seguranças prontos a intervir em caso de invasão de pista, e todos são sempre do ramo, pelo menos é o que se espera…
    Em eventos indoor, nas reuniões antes das provas, todos são instruidos em caso de acidentes ou avarias do equipamento “á ficar no banco do Kart”, não sair de lá de forma nenhuma, até a chegada dos fiscais de pista….E em hipótese alguma espectadores podem entrar na pista por nenhum motivo….Se é proibido invadir pista é por algum motivo, bem lógico…
    Agora a confederação do local é quem representa a CBA e esta por sua vez sempre será responsavel pelos eventos e pelos danos provocados por impericia ou dolo,ou conivencia… E essa conivencia sempre aparece atravéz das taxas cobradas pelas federações e uma parte dela sempre é repassada a CBA.. Se recebem algo é por que tem responsabilidade no evento….
    Mas como sempre mais uma vez esses orgãos não vão emitir parecer algum sobre nada. Já receberam sua parte..

    Então tudo bem….Vão se manifestar pra que?

    Agora, quanto aos familiares resta apenas nossos respeitos infelismente.
    Nada podemos fazer enguanto o ministério publico deixar essa carnificina continuar….E a CBA é um orgão governamental de ambito federal, por isso esses que estão lá hoje se acham acima das leis da ética e acima de qualquer cidadão de bem…..
    Até quando isso vai continuar a acontecder?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>