DICA DO DIA | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

terça-feira, 20 de agosto de 2013 - 17:03Automobilismo internacional

DICA DO DIA

SÃO PAULO (vai ser duro) – A dica foi enviada pelo Ricardo Divila. A Porsche, como se sabe, está se preparando para voltar a Le Mans no ano que vem. E criou este microsite contando a história da marca em Sarthe e em outras pistas com fotos, vídeos e muito mais. Bem legal.

A Audi vai ter trabalho. A Toyota também.

porsche2014lemanspr

26 comentários

  1. Flavio,

    pra quem tiver tempo, paciência e dinheiro, uma dica: coleção de fascículos com peças para montar a McLaren MP4/4, do Senna.

    http://www.planetadeagostini.com.br/microsites/McLaren_Honda/

    Valeu,
    abraço.

  2. Rafael disse:

    Curti!

    Já tenho para quem torcer em Le Mans.

  3. Paulo Emilio disse:

    O Porsche 917K é sem duvida o mais belo carro de corridas de todos os tempos ! E um dos mais rápidos, atingiu em 1971 com Jackie Oliver nos treinos a marca de 398 Km por hora na grande reta de 5 km de Le Mans , chamada Les Hunaudiéres, antes da mediocridade das chicanes! Quem disse isso não sou eu e sim votação realizada pela revista AUTOSPORT inglesa ! Mas não se iludam muito com a volta, os principais carros de Le Mans hoje, visto a padronização que ocorre em todos os setores do mundo moderno, inclusive no automobilismo, não são mais verdadeiros sport protótipos e sim carros de formula com as rodas cobertas ! Basta ver a posição central do piloto e a frente dos carros, com o bico levantado, idêntica aos carros de formula !

    • Filipe disse:

      O nome da reta não é Mulsanne? Hunaudiéres é a leve curva à direita no final da reta, antes da tomada da Mulsanne, não?

      E as chicanes não são mediocridade, cara. Carros leves desse jeito, rodando a 400 por hora, ficam sujeitos a decolar. Ninguém quer ver um protótipo decolar à noite e cair no meio das árvores. Pergunte pro Mark Webber. Ou pro John Fitch, companheiro de Peter Levegh, e que pode dar testemunho de uma carnificina quando um carro decola em Le Mans.

      E sobre a aparência dos carros. Não é bem padronização. É aerodinâmica. O ar, o fluido em si, é o mesmo para os protótipos e para os fórmulas. Tirar o melhor proveito do fluxo aerodinâmico é uma ciência que está sujeita às mesmas leis para todos os designers. Nos anos 1970, ninguém tinha softwares de simulação e modelagem tão complexos como os atuais, não se conhecia profundamente o efeito aerodinâmico e isso reflete na aparência dos carros de competição.

      Além disso, em NENHUM protótipo de Le Mans os pilotos guiam em posição central. Por regulamento, qualquer protótipo é obrigado a ter dois lugares. E, por fim, dizer que o Audi R-18 e-tron, por exemplo, é um fórmula de roda coberta é um exagero e uma total falta de conhecimento sobre o carro.

      • Walter Vieira disse:

        Os Mercedes decolaram porque não são como os carros daquela época. Os veículos mais recentes tem boa parte da estabilidade debitada ao apoio aerodinâmico, qualquer dúvida veja o quanto trabalhava a suspensão de um F1 dos anos 70 e como elas (não) trabalham hoje. No You tube há um vídeo do Ligier Matra pilotado por Jacques Laffite, por favor compare com a suspensão do F1. Quanto ao vôo do carro de Levegh, ela acontece por que ele decola ao chocar-se com outro carro e não por falha aerodinâmica do veículo em questão. Já as Mercedes sofrem de uma súbita perda de down-force o que as leva a decolar sem toque em ninguém. Lembremos que em Nurburgring nos anos 60 e 70, em alguns trechos os carros ficavam com as quatro rodas no ar. E mais recentemente vimos um carro de F-Indy se espatifar em cima da grade que protege o público em uma pista que nem oval era,

      • Filipe disse:

        Os Mercedes foram usados como exemplos do porque é importante limitar as retas. O dos anos 1955 para mostrar o que acontece com um carro que voa e cai do lado errado da pista. Os carros dos anos 1990 decolaram no novo traçado com chicanes. São exemplos históricos contra os quais não dá para discutir.

        A 400 por hora, qualquer veículo leve, altamente dependente de pressão aerodinâmica, está sujeito a alçar voo em circunstâncias específicas. Prevenir acidentes é se adiantar a essas circunstâncias.

        E, me desculpe, mas a Fórmula Indy não é exemplo para falar sobre especificidades de uma prova de 24 horas em estradas vicinais da França.

    • Nostradamus de Castro disse:

      O 917k e o Ford GT40…

  4. Gus disse:

    Hummm…desconfio que a Porsche não estará à altura do desafio, apesar do seu reconhecido potencial técnico/histórico. Acho que a Audi só irá perder para si mesma – se sair da categoria. Eles estão muito adiantados no jogo.

  5. Lucas Carioli disse:

    Terão minha total torcida ano que vem.

  6. Nestor 2T disse:

    FG,

    O que o pessoal comentando faz sentido, a Audi “sair por cima” e entra a Porsche, que continuará representando o Grupo VW. Então a Audi fica no DTM, em outras categorias de turismo, de repente volta ao Rali (no WRC) onde é uma marca mítica… Você de suas fontes ou boatos tem lido ou ouvido sobre algo lá pela “Zooropa”?

    Abraço

  7. Sanzio disse:

    “A Audi vai ter trabalho. A Toyota também.”
    Torço MUITO por isso.
    Se o WEC inventar uma fórmula agradável às TVs, não me surpreenderia ver equipes com o saco cheio da F1 mudando para lá. A Williams é uma que, se não tiver pernas para continuar na F1, pode muito bem ser vitoriosa no WEC.

  8. Nelson Barreiros Neto disse:

    Pode ficar bravo, mas essa é com letra maiúscula mesmo, gritando…

    QUE COISA MAIS LINDA OS 3 MENINOS JUNTOS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  9. Filipe disse:

    Eu desconfio que 2014 será o último ano da Audi, uma vez que a marca também faz parte do Grupo VW ao lado da Porsche. Será difícil convencer os fazedores de planilhas a dobrar dois orçamentos para desenvolvimento e competição em alto nível numa corrida por ano.

    • Felipe disse:

      Eles não são do mesmo grupo da mesma forma. Creio que o grupo VW não tem envolvimento nos projetos e veículos Porsche. Segundo o Wikipedia: “Porsche SE is headquartered in Zuffenhausen, a city district of Stuttgart, Baden-Württemberg and is owned by the Piëch and Porsche families. In July 2012, it was announced that Volkswagen AG was taking over the Porsche automotive company completely, which bears the same name, but is only a subsidiary of Porsche SE. In June 2013, Qatar Holdings, through the Qatar Investment Authority, sold its 10% holding back to the founding family, giving them 100% control. Porsche owns 50.73% of the voting rights in Volkswagen AG.”

    • Leandro Ângelo disse:

      Fora a grande possibilidade de canibalizar a imagem um do outro ou se engalfinharem e dar de bandeja uma vitoria ou título a um concorrente.

      Mas será interessante o WEC com Audi, Toyota e Porsche lutando na LMP1

  10. Adonis Di Nizo disse:

    Mer respondam por favor. As duas marcas pertencem ou não a mesma montadora?

  11. Al Unser Jr. disse:

    Bem que poderiam criar uma categoria de clássicos e por um bichão desses pra competir, junto com o “resto”.

  12. Breno Possamai disse:

    Se tem cara que diz que mataria alguém por uma “traquitana com motor dois tempos” (lol) eu mataria um pelotão inteiro para ter uma destas jóias da foto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>