SOBRE DOMINGO DE MADRUGADA | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

sexta-feira, 12 de outubro de 2018 - 19:39F-1

SOBRE DOMINGO DE MADRUGADA

RIO (sempre chega) – A semana foi conturbada e cheia de imprevistos, daí a demora do nosso rescaldão de Suzuka. Que, na prática, não traz muitas novidades. O pós-corrida, em que pese o incidente entre Vettel e Verstappen, foi dos mais tranquilos. A Ferrari meio que jogando a toalha, Hamilton elogiando o rival e pedindo “respeito” a ele, clima de fim de festa. Mas temos de cumprir nossas obrigações, não? Então começamos com a imagem do fim de semana, que mostra bem o que tem sido esta temporada para Vettel, especialmente depois do GP da Alemanha: uma sequência de erros que só ajudam a acabar com o campeonato antes do tempo.

jap187

Vettel na grama: missão impossível, por conta de seus erros e da superioridade da Mercedes e de Hamilton

Ah, Ferrari… E ainda tem suspeita de que o time estava usando sensores marotos na bateria, assunto sobre o qual, confesso, não me debrucei com a devida atenção. E que a FIA descobriu, pediu explicações, e seriam esses sensores os responsáveis pelo bom momento que o time viveu ali pela altura do GP da Bélgica, o último vencido por Sebastian.

Mas, sinceramente, não creio num efeito tão devastador dessas coisas. Prefiro a versão de que a Mercedes, sim, foi atrás daquilo que era preciso para resolver alguns pequenos problemas ligados à boa gestão das temperaturas nos pneus. E, aparentemente, conseguiu encontrar suas soluções.

No fim das contas, a única novidade da Ferrari em Suzuka foi o uso da marca “Mission Win Now”, uma espécie de campanha da Philip Morris que até agora não entendi direito — ninguém entendeu. Basta entrar no site cujo endereço está pintado na asa traseira dos carros vermelhos para entender menos ainda. Um troço meio esquisito sobre desenvolver novas tecnologias para pessoas que fumam, algo assim. Leiam o que diz o site na aba “nossa promessa”, usando fielmente o “Google Translator”:

Nenhuma marca. Nenhum produto. Esta é a nossa promessa para você. A missão Winnow é sobre a penetração implacável e passional de fatos e preconceitos em busca da excelência. É sobre quem somos como empresa e sobre como trabalhamos para conduzir um futuro melhor. Nós nunca iremos promover nossas marcas ou nossos produtos aqui, apenas nossa paixão. Nossa missão de impulsionar um futuro melhor. Junte-se a nós no Mission Winnow.

japfalleiros18Se alguém conseguiu decifrar o que a Philip Morris quis dizer com isso, agradecemos. Prefiro fica com a leitura do Maurício Falleiros, nosso genial cartunista. Ela me parece mais próxima da realidade.

Cigarros à parte, o fumo que a Ferrari vem levando nesta temporada nas últimas corridas chega a ser surpreendente. De novo o campeonato começa equilibrado, mas em algum momento a maionese vermelha desanda.

No ano passado, foi a partir de Singapura. Agora, mais cedo — insisto em colocar a prova de Hockenheim como marco zero do início da derrocada de Vettel. Junte-se a isso o momento encantado pelo qual passa Hamilton, e chega-se a uma conclusão óbvia: para derrotar esse conjunto equipe-carro-piloto, não é permitido errar.

O NÚMERO DE SUZUKA

16651

Hoje vamos fazer diferente e chupar descaradamente a estatística que a FIA mandou por press-release, inclusive usando a arte que eles mandaram sobre este número curioso: Fernando Alonso chegou a 16.651 voltas completadas na F-1, superando Rubens Barrichello e se tornando o segundo piloto nessa estatística, atrás apenas de Michael Schumacher. Com mais 175 voltas, Alonso passa o alemão. Para isso, precisa completar os GPs dos EUA e do México e mais 48 voltas em Interlagos. É provável que consiga.

Como ninguém cuspiu marimbondo nas pequenas refregas da corrida japonesa, restou recorrer à banalidade dos elogios fáceis do vencedor para escolher…

A FRASE JAPONESA

jap184

Hamilton: tudo perfeito

“A harmonia que temos aqui, a excelência de cada um que trabalha nas nossas fábricas e na pista faz desta equipe a melhor em que já estive na minha vida.”

Lewis Hamilton, que chegou a 71 vitórias na carreira, 50 pela Mercedes. Ele é o segundo piloto com maior número de vitórias por uma mesma equipe. Schumacher, que venceu 72 vezes com a Ferrari, detém a primazia nessa estatística.

E para terminar, nosso glorioso “Gostamos & Não gostamos” para passar a régua neste que foi um dos menos interessantes GPs do Japão dos últimos anos, ainda que tenha sido elogiado por alguns pelo grande número de ultrapassagens — quase todas irrelevantes.

sobrejap181

Ricciardo: dignidade ao volante

GOSTAMOS – Da atuação de Daniel Ricciardo >>>, saindo de 15º no grid depois de outro problema em classificação e levando o carro da Red Bull à quarta colocação. O australiano está divorciado da equipe, mas ainda morando na mesma casa — situação horrível, sempre. Mal falam com ele, não participar de reuniões técnicas, está apenas esperando a temporada acabar. Mas faz seu trabalho com dignidade, algo que o time não tem feito com ele.

jap188

Toro Rosso: decepção em casa

NÃO GOSTAMOS – Do resultado da Toro Rosso, que se classificou muito bem no grid com <<< Hartley e Gasly em sexto e sétimo e terminou apenas em 11º com o francês e 13º com o neo-zelandês. A equipe errou na estratégia, demorou demais para trocar os pneus de seus pilotos e, no fim, a expectativa por um domingo feliz para a Honda foi frustrado diante do público japonês. Uma enorme decepção, justo na pista que pertence à montadora.

23 comentários

  1. Marmelada-44 disse:

    Quero ver se o Hamilton até o fim da temporada devolve a vitória ao Bottas, se igualando ao Schumacão ou se vai manter a roubalheira e se comparar ao Picaretonso!

  2. CRSJ disse:

    Daniel Ricciardo quase se transformou no Hulk no treino de sábado por largar lá atrás, nem precisava chegou em quarto. Verstappen acabou sendo o obstáculo da Ferrari em duas ocasiões, no final o terceiro lugar acabou sendo um excelente prêmio de consolo com penalidade de cinco segundos e tudo.
    Vettel vai entregando o campeonato pro Hamilton a cada corrida que passa, se continuar assim o Hamilton já poderá ser campeão nos Estados Unidos, e se não for não deve passar do México.

  3. Felipe disse:

    Parece que a FIA deu um jeito na Ferrari. Viu que a mesma estava mais rápida que a Mercedes, o que é inadmissível para a FIA e os Patrocinadores (Mercedes, Petronas, etc) e deu um jeito de enfiar um sensor no motor da Ferrari, o que diminuiu sua performance. Assim fica fácil, melhor carro, escudeiro fiel, safety car sempre beneficiando nos momentos que fica lá pra trás, FIA ajudando, etc.

    • Fernando disse:

      Quanta bobagem… Teu negócio é futebol não automobilismo.

    • Luigi disse:

      Não creio em tal bobagem, pois se a AMG Daimler Bens é um grupo forte a FIAT Automobili S.p.A. também o é . E não esquecer que o presidente da F I A já foi funcionário do grupo , se você não sabe ,ele se chama Jean Todt, que durante muitos anos ocupou o lugar que hoje é ocupado por Maurizio Arrivabene. E saiu por vontade própria e não por vontade da empresa que teve seus anos mais vitoriosos ao comando dele. Agora que ele sabe que pode existir “espertices” por parte de qualquer time ,isto ele sabe, muito bem ,pois era uma de suas especialidades quando chefe de equipe.

  4. Celestino disse:

    Considerando que a Ferrari caiu de primeiro para terceiro, sendo ultrapassada pela Mercedes e Red Bull, acho que a possibilidade de maracutaia nos sensores é muito mais provável.

  5. Zé Maria disse:

    Melhor mudar o “Mission Winnow” para “Mission Winnever”. . .
    Vai refletir melhor a realidade. . .

  6. Zé Maria disse:

    Não que você não saiba, mas a Toro Rosso decepcionou na corrida por conta de não poder utilizar, por orientação expressa da Honda, a mesma especificação de “unidade de potência” que usou nos treinos.

  7. Alfredinho disse:

    Nesta temporada, resta apenas saber se Bottas vai conseguir tirar o vice de Vettel. Está na hora de Hamilton dar aquela ajudinha que sempre recebeu de seu escudeiro.

  8. lagerbeer disse:

    Momento SexyHot : “… é sobre penetração implacável e passional … ” … rs

  9. Giuliano disse:

    O fato é que nessa chatissima era híbrida, só a Mercedes acertou…o resto fica com as migalhas que caem da mesa, a Ferrari chega perto mas precisa fazer o carro funcionar no limite do conjunto da unidade motriz que é bem complexo, e quando isso não acontece, é meio segundo que vai para trás e a Mercedes volta ao seu reinado, e a ditadura Bernie fez a F1 chegar onde está, mas essa mesma ditadura nunca deu bola para o querem os fans da categoria faz a F1 perder cada vez mais o interesse do grande público e no Brasil se as corridas não fossem no Domingo de manhã no horário daqui, já teriam sumido da TV…triste fim esse apequenamento da categoria.

  10. Brabham-5 disse:

    Incrível como ignoram e/ou “passam o pano” para as mancadas do Max Verstappen.
    E também alguém precisa questionar ao idiota veloz holandês porque a cisma com a Ferrari e com Vettel, desde que chegou á F1.
    Dá sempre um jeito de atrapalhar, cutucar e criticar o alemão.
    Não ´preciso ser nenhum computador em matéria de memória para ter a noção que Verstappen provoca ou está envolvido em muito mais incidentes de corrida com Vettel do que com qualquer outro piloto. E também que o holandês fala muito mais do alemão do que o inverso.
    Sua meta é chegar á frente do Vettel de qualquer maneira, VALE TUDO. Não há a mesma “determinação” quando deveria alcançar ou deixar levar uma volta quando é o Hamilton. Não há briga com Hamilton nem nas largadas e voltas dos boxes.
    Mas quando é Vettel/Ferrari, complica até para levar uma volta como retardatário. Isso é FATO. Quem duvida, que pesquise, Procure no youtube.
    Quantos anos mais vão continuar fazendo vista grossa para o Verstappen com o argumento que “é muito habilidoso, talentoso, veloz, mas ainda imaturo, muito jovem?”
    Nunca precisaram dizer isso tantas vezes e por tanto tempo sobre Alonso, Hamilton, Vettel…e pelo jeito não vão precisar usar essa desculpa para Gasly, Leclerc, Ocon…
    O problema com Vestappen é que ele é aquele moleque mal criado que pode tudo. Que dificilmente admite um erro,e quando pede desculpas, no momento seguinte está cometendo a mesma “travessura”.
    Pelo jeito a imprensa e a FIA criam um “ECA” exclusivo para o “di menor” Max Verstappen ter tempo para “crescer”.
    Esperam dele um novo campeão de marcar época.
    Até agora, só é um “Romain Grosjean gourmet”.
    Ha quantos anos está na na F1 e na RBR mesmo?
    Max Verstappen, o “Peter Pan” da F1.

    • Felipe disse:

      É verdade. O Verstappen já tirou o Vettel de umas 5 corridas pelo menos e nunca o Hamilton, sendo a pior em Singapura no ano passado, que teve a proeza de bater em Raikonnen e Vettel ao mesmo tempo na largada, tirando os dois.

  11. KBCA disse:

    A palavra não é “win now” (ganhar agora) e sim “winnow” (separar, selecionar). Winnowing é por exemplo um separador a base de corrente de ar.

  12. Ricardo Bigliazzi disse:

    Tudo dito, apenas discordo quanto ao Ricciardo.

    O que acontece com Ele é a coisa mais normal do mundo. Seria digno de nota se a RedBull estivesse escalado Ele como o responsável pelo desenvolvimento do projeto de 2019 e do programa de transição junto a Honda.

    • Bola da Vez disse:

      Ricciardo não resistiu à preferência que a equipe Red Bull tem reservado ao Verstappen.
      O australiano não tem a fibra de um Piquet, que enfrentou e venceu Mansell, que tinha toda a Williams trabalhando para ele.

      É mais um que não merece ser campeão.

  13. luis felipe disse:

    Flavio .. Na boa. .. Que porra è essa que eles querem dizer ? My god

  14. Thiago disse:

    Acho que o Mission Win Now não passa de uma propaganda disfarçada… mais parece um M de Marlboro refletido para baixo nas cores do maço de cigarros…
    Quando se fala sobre isso automaticamente se associa ao cigarro…
    Mudando de assunto, uma pena a Mercedes ter achado o pulo do gato, o campeonato estava bom.
    Forte abraço!

  15. Paulo Pinto disse:

    Alonso já passou Schumacher em quilômetros rodados e (conforme você disse) deverá passá-lo no maior número de voltas, também.
    O espanhol, que sonhava bater vários recordes, levará essa marca insossa para o seu currículo.

    • Renato Breder disse:

      Na “minha estatística” a contagem é a seguinte:

      1) Schumacher: 16.825 voltas = 81.241,161 km
      2) Alonso: 16.654 voltas = 83.304,685 km
      3) Barrichello: 16.632 voltas = 80.590,662 km
      4) Button: 16.272 voltas = 80.892,773 km

      Mais de 2 mil quilômetros “de vantagem” pro Alonso!
      O segundo colocado com mais quilometragem que o primeiro e o quarto colocado com mais que o terceiro…

      um abraço…

      • Paulo Pinto disse:

        Ambas as marcas e suas colocações estão corretas (STATSF1).
        Essa discrepância de posições entre as duas marcas ocorre devido a cada circuito possuir uma extensão diferente. O número de voltas de cada circuito é definido pela quilometragem oficial de um GP (pouco mais de 300 Km) dividido pela extensão do circuito.
        Isso significa que a quilometragem percorrida é a mesma em todos os circuitos, mas o número do voltas na maioria dos casos é diferente.

        Abraços.

    • Kkkkkkk disse:

      Kkkkkkkk, n resisti! Kkkkkk!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>