Gira mondo, gira (quinta)

SÃO PAULO (quem diria que tal manifesto viria dele) – O governador de São Paulo se chama Cláudio Lembo e se assemelha a uma múmia com duas taturanas à guisa de sobrancelhas. Desde que me conheço por gente ele exerce algum cargo. Não tenho opinião nenhuma formada sobre tal figura.

Não tinha.

Lembo deu uma entrevista a Mônica Bergamo que a “Folha” publica hoje. Foi manchete do jornal. É coisa rara um declaratório de figura menor da política brasileira virar manchete na “Folha”. Mas Lembo resolveu falar.

A entrevista é boa e Lembo, cuja idade desconheço (às vezes o Manual faz falta) mas é suficiente para não temer dizer, fez um manifesto que a esquerda brasileira não tem conseguido fazer ultimamente com sua verborragia panfletária que carece de atualização e, muitas vezes, de sinceridade.

Selecionei trechos, que solto ao vento:

Eu me assusto com toda a realidade social brasileira. Acho que tudo isso foi um grande alerta para o Brasil. A situação social e o câncer do crime é muito maior do que se imaginava. Este é o grande produto desses dias todos de conflito. (…) O crime organizado trabalha com a droga. A droga é um produto caro, consumido por grandes segmentos da sociedade. Enquanto houver consumidor de drogas, haverá crime organizado no tráfico. É assim aqui, na Itália, nos EUA, na Espanha. O crime se alimenta do consumidor de drogas.

O Brasil está desintegrado e perdeu seus valores cívicos. É ridículo falar isso mas o Brasil só acredita na camisa da seleção, que é símbolo de vitória. É um país que só conheceu derrotas. Derrotas sociais…Nós temos uma burguesia muito má, uma minoria branca muito perversa.

Não há nada mais dramático do que as entrevistas da Folha [com socialites, artistas, empresários e celebridades] desta quarta-feira. Na sua linda casa, dizem que vão sair às ruas fazendo protesto. Vai fazer protesto nada! Vai é para o melhor restaurante cinco estrelas junto com outras figuras da política brasileira fazer o bom jantar. (…) Nossa burguesia devia é ficar quietinha e pensar muito no que ela fez para este país.

O Brasil é o país do duplo pensar. Conhecemos a inquisição de 1500 até 1821. Então você tinha um comportamento na rua e um comportamento interior, na sua casa. Isso é o que está na sociedade hoje. Essas pessoas estão falando apenas para o público externo. É um país que é dúbio. (…) É um país que quando os escravos foram libertados, quem recebeu indenização foi o senhor, e não os libertos, como aconteceu nos EUA. Então é um país cínico. É disso que nós temos que ter consciência. O cinismo nacional mata o Brasil. Este país tem que deixar de ser cínico.

O que eu vi [nas entrevistas para a Folha] foram dondocas de São Paulo dizendo coisinhas lindas. Não podiam dizer tanta tolice. Todos são bonzinhos publicamente. E depois exploram a sociedade, seus serviçais, exploram todos os serviços públicos. Querem estar sempre nos palácios dos governos porque querem ter benesses do governo. (…) A bolsa da burguesia vai ter que ser aberta para poder sustentar a miséria social brasileira no sentido de haver mais empregos, mais educação, mais solidariedade, mais diálogo e reciprocidade de situações.

Creio que votaria nesse sujeito, com cara de múmia e sobrancelhas de taturana. O problema do Brasil é sua gente que não sabe cuidar da sua gente. É meu vizinho que acha um absurdo o que eu pago para minha empregada “porque inflaciona o mercado”. É meu amigo que tem firma registrada em outra cidade para pagar menos ISS e reclama do buraco que quebrou a roda de seu carro blindado. É o palhaço que vai para Miami e acha aquilo tudo muito civilizado porque todo mundo pára no sinal vermelho e na placa de stop, e respeita a faixa de pedestres e não joga nada pela janela do carro porque é tudo muito civilizado, e aqui faz tudo ao contrário. É o cara que trafega pelo acostamento na estrada. É o cara que dá dinheiro para o guarda não multá-lo. É o cara que paga para zerarem os pontos de sua carteira. É o cara que acha um absurdo ter radar para pegar seu excesso de velocidade. É o cara que mora em São Paulo e anda com carro emplacado em Curitiba ou em Palmas. É o cara que coloca engate no carro para bater no carro de trás. É o cara que cafunga toneladas de pó por semana e se indigna com o moleque que rouba seu relógio na esquina para cafungar igual. É o cara que compra uma Hilux, esconde na fazenda e diz para o seguro que roubaram. É o médico que pergunta com recibo ou sem recibo? É o cara que faz tudo isso e acha execráveis os políticos que fazem o que eles fariam, e só não fazem porque não conseguiram ser políticos.

O problema do Brasil somos nós.

Comentários

  • Grande, Flávio ! Excelente desabafo, mais um…. Parabéns ! Mas além de senhores de cabaça branca andando em seus TLs a serem reformados, AINDA temos muitos cidadãos com consciência…don´t know for how long…
    Abs.

  • Quando o Pele, ha varios anos atras, declarou que o brasileiro nao sabia votar, foi execrado em praca publica. Decadas depois, tudo ficou muito pior. Todos nos temos muito de Macunaima, o heroi sem-carater. Reclamamos porque estamos de fora de toda essa maracutaia. Se estivessemos dentro, recebendo o no$$o, estariamos quietinhos, de bico calado e nos escondendo pelos cantos. Saudades de Aparicio Torelli, o Barao de Itarare: locupletemonos todos ou restaure-se a moralidade!

  • para nilton lopes.
    Nilton Parabens pelo seu comentario, e isso ai.So citaria mais um exemplo, vc compra alguma coisa, comida, na feira, e fica andando procurando cesta de lixo para jogar , em quase todas as vezes , tenho de entrar no carro com o lixo e joga-lo em minha casa.

    So acrescentaria que o bom exemplo vem de casa tambem, mas normalmente quando nao ha regras ou estas nao sao cumpridas, algumas coisas as pessoas acabam fazendo por acharem que nao afetaram as outras como parar na faixa de pedestres.

  • Por falar em jeitinho, voces já assistiram ao Código da Vince ? Se não quiserem gastar uma graninha no cinema vá ao link: http://www.badongo.net/vid/121481.

    É o filme em versão TS cópiado da fita original, a qualidade não é igual ao de um DVD mas dá pra assistir sem problemas. O filme vem em 7 partes, crie uma pasta e baixe uma de cada vez e baixe também o File menger que esta no final. Depois de todos os arquivos baixados execute o file menger e o filme vai se juntar. Ai é dó assistir só que esta em alemão. Daqui a uns 2 dias já deve sair a legenda em português. Pois é, na Alemanha também tem piratas, não é só no Brasil.

  • Certa vez, vi um documentário sobre a violência e o tráfico de drogas no Rio de Janeiro, e o secretário de segurança da época, cujo o nome não me lembro agora, fez uma colocação que achei fantástica, ele falou sobre a hipocrisia dos que iam fazer passeata pela paz e depois iam comprar droga nos morros, dos que exigiam da polícia mais rigor na segurança, mas se juntaram num apitaço no posto 9 (apitaço foi uma estratégia adotada pelo pessoal que freqüentava um determinado ponto da praia de Ipanema para, entre outras coisas fumar maconha), pra avisar da aproximação dessa mesma polícia e também do cara que exige rigor da polícia para prender o bandido, além de criticar a corrupção na polícia, mas que reclama desse mesmo rigor quando ele multa seu veículo, além de tentar corromper o “seu guarda” com uma “cervejinha” pra “aliviar” a multa.
    Infelizmente, essa é a nossa realidade, saímos do Rio na ilusão que que iríamos fugir da violência, pura ilusão, e depois de dois anos longe, sinto falta da ponte aérea.

  • Pessoal, em Brasília esta nosso congresso nacional, mas dos mais de 500 deputados apenas 8 são de nossa cidade. No Senado é a mesma coisa, dos mais de 50 membros apenas 3 são daqui. O povo desta cidade é tão indignado com os politicos como o resto do pais tirando os afilhados dos cargos de confiança é lógico.

    Quem não mora aqui não vai acreditar mas os nossos motoristas em sua grande maioria param para os pedestres na faixa. Não acreditam ? Podem perguntar a quem mora aqui ou vem passear. Apesar de termos as ruas mais bem projetadas deste pais, e a quantidade absurda de automóveis nosso transito é muito bom. Não é atoa que um dos maiores pilotos de F-1 de todos os tempos aprendeu a pilotar por aqui.