PRESENTÃO

SÃO PAULO (boa, filharada!) – Está no excelente AutoEstrada, a reportagem — com fotos de Claudio e André Larangeira na galeria que mostra a história do projeto. Os filhos de Affonso Giaffone deram de presente a ele uma réplica do Opalão que ganhou a Divisão 1 em 1978 (campeonato que, de certa forma, deu origem à Stock no ano seguinte). Demais, não? O Ingo já tem o dele, o Affonso também. E que cuidem bem dos carros, senão a gente pega eles na esquina!

Comentários

  • Grande Flavio, que bela maquina ! Isso que e carro de corrida de verdade , mas na D-3 sou mais as Fusketas……Ainda bem que estao re-criando esses modelos lendarios…..Mas e quanto as replicas recriadas de Pumas de pista, tem alguma …..

  • Esse carro me traz ótimas lembranças. No dia 15 de agosto de 1978, pela primeira vez na minha vida, entrei em Interlagos para assistir uma corrida. Um frio de rachar. Seriam disputadas as provas da Divisão 1, classes A, B e C.

    Adivinhem quem venceu a Classe C? Afonso Giaffone com o Opala igual a esse aí. Ou melhor, quase igual, porque esse da foto nitidamente está com a suspensão mais alta e pneus mais finos, porque naquela época usvam um radial bem encorpado.
    O ronco do motor era maravilhoso e eu fiquei fascinado.
    Na classe A, com Fiat, venceu o Átila Sipos e na classe B, com Passat, o Toninho da Matta.

    Menção honrosa para o único Maverick presente, pilotado por um pioneiro negão (desculpe, afro-descendente), que eu não sei quem era, muito antes do Lewis Hamilton pensar em nascer.

  • este carro foi icone na epoca que stock era carro de estoque da loja
    epoca em que preparadores como washington bezerra,etc etc so na afinacao da carburacao e polimento de coletores conseguiam ganhos incalculaveis no desempenho do bixano
    quem tem 50anos e gosta de automobilismo sabe o que este carro representou portanto e que a placa preta nao foi conservada e certamente a familia giaffonne fez um presente que o afonso e o zeca devem muito se orgulhar desta epoca
    se nao me engano o do zeca giaffonne era igualzim
    jc sete lagoas

  • O Flavio cita a “AutoEstrada”. Eu vi na “Motor Show”, edição 311, deste mês. O Larangeira (grafado com G e também com J no mesmo parágrafo) é citado como fonte para as fotos que possibilitaram a réplica.

    Olhando na página 70 a foto do carro tal qual foi comprado em Campo Grande, não parecia ter tamanho quilate a ponto de levar placa preta.

    A propósito, momento jabá: alguém pode me indicar (e-mail lucianomonteirobr@yahoo.com.br) uma pessoa ou local que tenha à venda as rodas do Chevette tubarão? Não sei se há diferença entre os modelos 77 e 75, tenho um de cada aqui para terminar de reformar e o Paraná não tem essas rodas nem para remédio.

  • Olha que post interessante poderia ser feito baseado nisso: que carro seu do passado o blogueiro gostaria de ter de volta devidamente restaurado e com as características originais. Talvez faça sentido só para os visitantes mais velhos, mas quem não gostaria de ter aquele seu carrinho do passado novamente em suas mão para curtir uma saudosa viagem no tempo? Fica a sugestão. Esse opala é lindo!

  • Em Novembro encontrei o Affonso Giaffone na final da GT3 e comentei que nessa corrida eu estava no portão 7 quando terminou a prova e ele saiu com esse carro e com um garotinho ao lado com o troféu da vitória, ele não lembrava desse detalhe e do filho que estava com ele, uma corrida com muitos pegas com o Paulo Gomes.