MENU

segunda-feira, 26 de julho de 2010 - 16:23F-1

MUITO ALÉM DO CONTRATO

SÃO PAULO (estoy cansado) – Eu jamais me sentiria assim, como torcedor, porque há muito tempo deixei de dar grande importância a certas coisas, exceção feita à Portuguesa. Mas acho que o comentário deixado num dos posts abaixo, assinado pelo Francisco Menezes, ilustra bem o tamanho da repercussão de uma atitude como a que tomou Massa ontem na Alemanha.

Chico é um conhecido meu que mora em Munique. Há alguns anos foi trabalhar na Alemanha e acabou se instalando no país. Tem uma vida dura, trabalha numa empresa e faz uns bicos de motorista nos finais de semana, mas vai se virando numa boa.

Leiam, e depois eu volto.

Oi Flavio, tudo bem? Sou o Chico de Munique, se lembra?

Pois bem, ontem estive em Hockenheim com meu filho mais novo para torcer pelos brasileiros. Fomos de camisa do Brasil, boné do Brasil, duas bandeiras do Brasil e uma bandeira da Ferrari. Acompanho F-1 desde que Emerson foi bicampeão, portanto não aprendi a torcer somente depois de Ayrton Senna.

Porém, acho que me deixei envolver pela transformação que Ayrton Senna fez na F-1 para nos brasileiros. Acabei sempre torcendo pelo país, e nãopelo piloto, muito menos pela equipe.

Quando decidi passar o final de semana em Hockenheim, decidi ir lá para torcer pelos brasileiros e não por apenas um deles ou apenas por uma equipe.

Flavio, o Felipe Massa me puxou o tapete, cara…

Eu e meu filho levantamos a bandeira do Brasil durante 47 voltas, e gritávamos “vai Felipe” ou “vai Brasil”.

Flavio, fiquei morrendo de vergonha dos estrangeiros sentados perto da gente. Não consegui me despedir dos caras ou olhar na cara deles.

Será que o Felipe Massa entende que além de trabalhar na Ferrari ele também tem milhões de fãs brasileiros que hoje estão arrasados? Ou talvez deveriam apenas estar chateados?

Flavio, Felipe Massa não merece mais meu respeito (pois mostrou ontem que não me respeita) e NUNCA MAIS minha torcida.

Hoje entendi muito melhor por que se toca o hino do piloto e o hino do país da equipe no pódio.

Acho que no caso do Felipe Massa, ele não deveria mais ter o hino nacional brasileiro tocado no pódio. Ele não respeitou a pátria ontem.

Se algum dia ele pedir desculpas aos fãs, eu não aceito! Que apareça mais um piloto brasileiro com aquilo roxo.

Felipe Massa não se deu o respeito. Não deve esperar que a gente o respeite. Sua reputação, sua dignidade e sua honra foram jogadas no lixo ontem.

Eu discordo visceralmente do Chico. Não acho que pilotos representem pátrias, não gosto dessa mistura de esporte com nacionalismo, acho que há um enorme exagero nessas coisas. Mas reconheço que elas existem. E se como jornalista estou pouco me lixando para os resultados de seja lá quem for, entendo que as reações dos torcedores são bem diferentes e devem ser levadas em conta por aqueles que, no fim das contas, são pagos por eles.

Por isso que Massa, e qualquer outro atleta, deve refletir bem antes de tomar certas atitudes. Elas atingem milhões de pessoas que os seguem por diversos motivos. Pensar individualmente, em alguns casos, soa egoísta. Se o discurso oficial da Ferrari é o de que seus pilotos devem pensar na equipe, coletivamente, é fácil rebatê-lo dizendo que quando se fala em coletivo, deve-se contemplar também a massa de torcedores que se deslocam para um autódromo, gastam seu dinheiro comprando camisetas e bonés e bandeiras e ingressos, alimentam uma expectativa legítima e sincera.

Se Felipe (e isso vale para qualquer piloto, não vou individualizar nada aqui) se recusasse a acatar a ordem de deixar Alonso passar, ou — acreditando na cascata de que a decisão foi dele — brigasse pela vitória, estaria dando uma resposta a muito mais gente do que a meia-dúzia da cúpula ferrarista a quem decidiu agradar. Gente que também paga seu salário. Seria difícil até na Ferrari alguém ficar contra sua decisão.

Mensagens como a do Chico apareceram aos montes nos comentários feitos pelos blogueiros. “Nunca mais acordo cedo para ver esse cara”, “Vou cancelar meu ingresso para Interlagos”, “Ele não merece minha torcida”, é só ler, tem muita gente se manifestando assim.

Continuo achando tudo um exagero, as pessoas não deveriam levar um esporte tão a sério assim. É só uma corrida, ou só um jogo de futebol, o mundo não vai acabar porque um ganhou e o outro perdeu, esporte é entretenimento, devagar com o andor.

Mas é bastante claro que no esporte muita gente encontra uma válvula de escape para suas mazelas pessoais, isso no mundo inteiro, com maior ou menor intensidade, depende do país. No esporte se procura o sucesso e se foge do fracasso, há uma transferência de sentimentos, muito disso tudo acaba virando demonstração de carência, as pessoas precisam de ídolos para compartilhar suas vitórias, se apropriar delas. Se sentem traídas, violentadas, quando decepcionadas, quando a atitude de seu ídolo não é aquela que se esperava.

É algo que precisa fazer parte das preocupações de um esportista, por mais infantil que possa parecer.

988 comentários

  1. fred disse:

    Concordo com o Chico de Munique. Flávio, talvez você nunca tenha sido um esportista, ou está totalmente incorporado como jornalista (bom jornalista).
    Mas, fiquei com vergonha de explicar ao meu filho de 10 anos o que tinha acontecido.
    O Filipe nos envergonhou e não merece o nosso respeito.
    Para compensar, senti orgulho do Helio Castroneves, que teve fibra e garra para lutar pelo bom esporte.
    Tive a sorte de mostrar um esportista lutando dignamente pelos seus direitos, fazendo valor todo o seu esforço e nossa torcida.

    Valeu helinho

  2. Denis C. disse:

    Jonathan, se trabalho em um banco ou em qualquer empresa e sou flagrado trapaceando o consumidor, sou punido, por mais que eu pense em equipe.
    O esporte mexe com o sentimento das pessoas (e com o bolso). O público PAGA prá torcer para o seu ídolo, e não para representar que torce.
    Então, que assumam que tudo é teatro. Quero ver quem pagará o salário dos ferraristas ou qualquer outro, em geral.

  3. Fábio disse:

    Perfeito o comentário do Flávio Gomes, só gostaria de acrescentar que a equipe também tem que pensar no consumidor, que é aquele que vai aos autodromos ou os que assistem pela TV e que tb pagam e sustentam o espetáculo.
    Esses consumidores pagam p ver uma corrida de automóvel, e não um teatro onde tudo foi orquestrado anteriormente.

  4. barros disse:

    sporte e competição e não trapasa.

  5. Jonathan Malfatti disse:

    Flávio, acho que você está certíssimo, qualquer tipo de fanatismo, seja ele religioso ou esportivo, não pode fazer bem. O Massa está lá trabalhando, como se fosse funcionário de uma empresa, no fundo é isso mesmo, simplesmente acatou uma decisão do chefe. Algo que pode ser visto a favor dele no futuro, quem sabe ? Aos fanáticos de plantão, lembrem que o Massa já ‘deu’ 2 vitórias em Interlagos, considerando o histórico recente de tentativas do Rubens, é algo considerável !

  6. Engraçado vai ser se o Alonso acabar ganhando o campeonato por uma margem ínfima de pontos, como foi em 07 e 08. Aí vão falar o que? Estaria a Ferrari errada? Forza Ferrari!!!

  7. Carlos Fangio disse:

    A única chance do Massa se redimir é, na próxima corrida, fazer um tempo beemmmmm melhor que o espanhol, largar na frente do espanhol e não deixar, em hipótese alguma, o espanhol ultrapassá-lo! Mas…a Ferrari permitirá isso? Dará dois carros iguais aos dois? Não vai sacanear o Massa via telemetria??

  8. Carlos Fangio disse:

    Flávio. Ontem eu fiz essa mesma pergunta e gostaria, se possível de obter sua opinião a respeito. Pode uma equipe, através da telemetria, sacanear um dos pilotos da equipe, diminuindo a velocidade e desempenho do carro dele em favor do outro piloto da equipe?

  9. Savio disse:

    O Massa cagou na cabeça dos brasileiros. Não tem perdão o que ele fez. Pra mim já está no inferno, ele e tudo o que ele por a mão. Pode desistir de querer patrocinar categorias no Brasil. Ele cometeu suicídio profissional. Vai amargar uma terrível solidão.

  10. Fernando disse:

    A Ferrari sempre fez o chamado “jogo de equipe”, desde os anos 50. Quem conhece um pouquinho da história da
    Formula 1 sabe o que eu estou falando.
    É bom entender que a Ferrari contratou um Campeão do
    Mundo, levando com ele o Banco Santander.
    É só entender isso….o Felipe Massa é o segundo piloto,
    alguém tem alguma dúvida….O resto é bobagem….
    A Ferrari sempre valorizou a equipe, a marca e o seu carro o piloto……bem! o piloto só dirige……E agora por favor parem com essa presepada nacionalista….

  11. Jorge Leo disse:

    Não dá para ser racional com uma irracionalidade destas! Fora Ferrari, Massa, Alonso. São poucos de caráter na F1, lembro apenas do Webber e do Hamilton…os demais, dão dó!

  12. wagner disse:

    É lamentavel mas a atitude do Massa tem que serm compreendida, foi digna de um segundo piloto, se fosse um PILOTO não abriria o precedente para essa atitude imoral.

  13. Carlos Barbosa disse:

    Quando o Senna, próximo a linha de chegada, abriu o caminho e deixou o seu cachorrinho de estimação”, seu serviçal, Gerard Berger vencer , as viuvas Sennistas deliraram com a “bondade” concedida. Agora estes ataques não se repetiram quando a Mclaren falou para o Button segurar, por causa do combustível. Ninguem levantou a hipótese de que era uma ordem implicita para não haver ataque ao Hamiltom. Isto não seria jogo de equipe?

  14. Também acho que não se deveria dar muita atenção ao caso, mas que é errado é. Se não vejamos: Por que é que alguns pilotos, como o Schumacher, diz que é certo o que fizeram, mas a maneira é que está errada, ou seja, enganem estes “trouxas” (os tercedores) de outro jeito! Isto é bem pior do que fez a Ferrari, que foi explicito. Regularizem este tipo de manobra e pronto! Eles que não fiquem fingindo serem a Madre Teresa de Calcutá e agindo como Gerge Busch. Regularizem as ordens e EU, torcedor decido se quero continuar assistindo esta farsa ou não.

  15. Wladmir disse:

    Quando o Berger trabalhava o tempo odo para o Airton o torcedor austríaco se sentia como? Vamos para com a patriotada, o espanhol é melhor e ponto, o próprio Massa confirma isso ao aceitar a ordem (O mesmo aconteceu com Rubens)

    • Barão Vermelho disse:

      Ô Prezado Wladimir …..que eu me lembre o espirito de equipe era evocado quando um dos pilotos nao tinha a chance de ganhar o campeonato…não era o caso de domingo. Não vi Prost, Ayrton, Mansel, Piquet, Reutman, Stewart, Pirrone, Villeneuve e muitos outros aceitarem essa chantagem…eram pilotos excelentes, mas antes eram homens com aquilo roxo..
      Crie seus filhos com esse principio e depois se pergunte onde voce errou. OK?

    • Carlos Fangio disse:

      O Berger, todos sabiam, e ele não escondia isso, era o fiel escudeiro do Senna. Nada a ver com Massa e Alonso. Se o espanhol é melhor que o brasileiro, porque não passou no braço??E porque estava atrás do brasileiro???

    • RCRG72 disse:

      Wladmir, o Berger nunca, NUNCA teve condições técnicas de talento para fazer frente ao Senna em um campeonato inteiro.

  16. Jose Augusto disse:

    Bom dia a todos.

    Foram tantos os comentários sobre o assunto “Massinha” que não consegui localizar o meu. Talvez porque coloquei dentro do mesmo saco a Mídia Esportiva, e esta quando cutucada solta as frangas pois sabe que é perniciosa, prostituida e ufanista. Por isso não publicaram o meu comentário.
    Todavia, gostaria de lembrar a todos os fãs do automobilismo uma verdade nesse esporte:
    PILOTO BOM ANDA NA FRENTE, DE GRAÇA, E COM ISSO ATRAI NATURALMENTE A GRANA DOS INVESTIDORES PARA CONTINUAR A ANDAR NA FRENTE, AI SIM, COM GRANA NO BOLSO.
    Em todo Teatro existe o Astro principal e o ESCADA.
    Esses brasileirinhos que estão aí são o que?
    HA HA HA HA HA.

    Porque a Fórmula 1 é chamada de CIRCO?

    HA HA HA HA HA

    TEM PALHAÇOS DOS DOIS LADOS. Essa é a Verdade.

    ALERTA!

    MAIS UM CIRCO NA VIDA DE TODOS VOCÊS:

    COPA 2014 E CBF

  17. Barão Vermelho disse:

    É uma pena que não se pode xingar a mãe de uns e outros. A minha revolta de cidadão brasileiro é enorme…parece que declararam guerra ao Brasil.

  18. Barão Vermelho disse:

    Escuderia nojenta, administrada por gente sem escrupulos e sem respeito ao torcedor. Patrocinador sem vergonha , que não está preocupado com a imagem fora de seu País.
    Fábrica italiana de automóveis com um excelente mercado no Brasil, vendendo bons produtos, mas que tem um Presidente italiano, que mais parece uma múmia com ares de garotão, que coloca a patriotada na frente de qualquer ética.

  19. Silvio Taka disse:

    Parece o mala do Galvão falando: “É apenas um jogo…”

    Que isso…

    É esporte, é um pilar, um estilo de vida, assim como as artes, literatura, política, religião. Num país como o nosso, é responsável pela inclusão social de milhares de pessoas – mesmo que essa inclusão seja ineficiente – mas temos que admitir que permite que o indivíduo trilhe um caminho muito mais “ético” quando decide, ainda criança, ser um “fã de esportes”. É, talvez, o maior formador de opinião do nosso pobre país, tão carente de verdadeiros líderes. E tudo que nós “fãs” queremos é ver o sangue nos olhos daqueles que escolhemos para nos representar. Queremos raça, luta, fibra, honestidade, hombridade, respeito, entrega, superação, para que, no nosso cotidiano, que é prá lá de árduo, tenhamos a convicção que dias melhores virão. Esporte mexe com a cabeça das pessoas, pois alimenta a esperança.

    Sua visão de imparcialidade profissional talvez não permita perceber as emoções emanadas pela grande massa ao presenciar a pizza proporcionada pelo Massa, mas a revolta é muito grande grande e difícil de digerir.

    Apenas para concluir, o Muricy Ramalho demonstrou que tem consciência da posição que ocupa, pois, no momento que todos os holofotes estavam voltados para ele, prestes a ocupar um dos cargos mais visados do país, tomou a decisão mais óbvia, ou seja, cumprir o contrato que já havia firmado. Se não fizesse isso, seria mais um pobre coitado que não tem princípios. Ele sabe que seu exemplo, para aqueles seres-humanos que tentam melhorar o mundo através de pequenas ações baseadas na ética e no respeito, é um grande estímulo para que continuemos nossa jornada, sem nos importarmos com interesses pessoais e finaceiros.

    Tenho muito respeito por sua pessoa, mas acho que neste post V. Sª estava pouco inspirado.

  20. carlos disse:

    é como se alguem dissese no alto falante do estadio: “deixem o (time tal) vencer … “pro outro time adversario” … tudo bem pra vc’s? …

  21. Paulo disse:

    A propósito dessa “presepada” toda…alguém aí sabe, lembra ou tem alguma informação em vídeo ou áudio dos comentários de Massa e Alonso sobre a “presepada” de 2002 na Áustria? Deve ser interessante saber se a opinião dos dois mudou de lá pra cá…já que a opinião da Ferrari já se sabe que não nem nunca mudará…

  22. carlos marinho disse:

    O jogo de equipe é mais que normal na F1 para favorecer o que está a frente no campeonato e que Felipe não fez nda de errado, palavras de Flávio Gomes. Seguindo este raciocínio,então que volte o Nelsinho Piquet, afinal ele só estava fazendo jogo de equipe para favorecer o que estava a frente e para garantir o emprego.

  23. Barão Vermelho disse:

    Eu , quando não estou satisfeito no trabalho, peço minhas contas. Tenho vergonha na cara e não me vendo por dinheiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *