MENU

Sunday, 27 de May de 2012 - 17:46Indy, IRL, ChampCar...

DARIO É O CARA

SÃO PAULO (leite nele) – Ah, Taku… Se empolgou, e eu também me empolgaria. Mas Franchitti é macaco escocês velho, e como fizera Emerson em 1989, segurou a onda. Sato acabou no muro na última volta, Dario levou as 500 pela terceira vez.

Esteve longe de ser uma das melhores da história, mas consagrou a Ganassi de novo nos ovais, com mais uma dobradinha inapelável. Dixon foi o segundo a 0s029, sob bandeira amarela.

No fim, a emissora oficial se empolgou com Tony, que fez uma relargada excepcional e assumiu a liderança a algumas voltas do fim, acho que umas 12. Mas aí teve um acidente, uma amarela, e na nova relargada os dois vermelhinhos passaram pelo brasileiro como se ele estivesse parado.

Sato veio na balada, conseguiu se enfiar entre os dois Ganassi, mas não deu. Tony terminou num ótimo terceiro lugar, Helinho foi o décimo e Barrichello, o ônzimo. Bia, voltas atrás, terminou em 23°.

No mais, achei a Ashley Judd meio acabada.

146 comentários

  1. Rafael Marinho says:

    Para quem sabe ler ingles, fica aqui o link com os numeros gerais dessa corrida, por Robin Miller, especialista em Indy há 44 anos:

    http://auto-racing.speedtv.com/article/indycar-2012-indy-500-by-the-numbers/

  2. Rafael Marinho says:

    A indy500 deste ultimo final de semana teve a maior troca de liderança em 101 anos de história. Muitos senhores conhecedores da história da indy ao longo dos comentarios falaram muitas merdas sobre a categoria, inclusive li sujeito chamando a prova de tediosa.

    Pois bem, sim, a indy 500 de 2012 teve 34 mudanças de liderança da prova, entre 10 pilotos diferentes.

    Por favor: mostrem qualquer corrida em 63 anos de existencia da F1 que tenha tido esse numero de mudanças na liderança. Abraço aos hipocritas que ao invés de curtirem a Indy como uma categoria diferente, preferem fazer comparações escrotas entre ela e a F1. Até a tradição do leite os manés criticaram. Brasileiro não costuma entender mesmo o que é ser tradicional. Talvez pense que ser tradicional é fazer sempre a mesma critica escrota da ultima semana.

    Indy não é F1, será que é dificil entender a Indy como uma categoria garageira e a F1 como um circo bilionario?

  3. Robinson says:

    O engraçado é que Dário fechou Takuma SATO mas como era o japonês neste caso a grande mídia preferi apelar e não comentar muito sobre o assunto e com certeza se fosse o inverso, Sato tivesse fechado todos teriam caido em cima dele, “só poderia o Sato”, porém não foi o caso, Dário só ganhou por ter usado jogo sujo, e muito sujo, a corrida era do SATO mas são coisas que infelizmente acontece neste Mundo e não teve punição para Dário. E é por isto e por ainda mais que acabamos deixando de acompanhar alguns eventos. Triste fim!

    • Dr. Walter Bishop says:

      Isso é verdade. Se tivesse sido o Takuma fechando o Dario, a imprensa esportiva estaria falando mal de pilotos japoneses nos próximos 1000 ANOS… : /

  4. Everson Abreu says:

    Ashley Judd meio ” Juddiada “…

  5. Igor says:

    Ainda bem que Ganassi tem um bom carro, porque de mulher, o Dario ta a pe viu!

  6. Ilmar says:

    Flávio, tem alguns comentários aqui que são mais engraçados do que todos os humorísticos (?) da Globo juntos. Eu me divirto bastante com este blog ou site, quase morro de rir! E, Flávio, você é comunista como o Lula e a Dilma Rousseff, mas é honesto como o Itamar Franco e o Fernando Henrique Cardoso! Flávio Gomes para presidente do Brasil! ASTA LA VICTORIA SIEMPRE!

  7. Na boa? Tanto Takuma quanto Dario tiveram colhão naquela disputa. Risco faz parte do automobilismo, e vence quem desacelera por último. Quem arreda, perde. Foi muito melhor do que ver a fila indiana de 6 carros na F1 com ninguém arriscando nenhuma ação.

  8. Evandro Garcia says:

    Tony é o cara,com carro inferior jantou 4 na relargada e se não fosse a amarela a 12 voltas do fim ele teria ido muito bem e talvez ganhado, vendo o replay das imagens acho que o Dario deu uma fechada sacana em cima do Sato, mas como na Indy vale tudo!

  9. ECidade says:

    Ano passado fui à Indy 500. De fato não aconselho ninguém a ver a Indy em mistos ou ovais curtos mas em superspeedways o negócio é alucinante, tanto a velocidade quanto o barulho. Acho que não é facinho não, tipo “é só virar o volante prá esquerda”. Não, o negócio é sinistro. O espetáculo é meio chegado ao cafoninha? Claro que é, não tenham dúvida. Mas é muito, muito organizado. Ao final do hino, sincronizadamente, sempre passa alguma formação de aviões. Ano passado foi um B2 solitário, em baixíssima velocidade. Mas este ano foi insuperável: Um A-10 à frente com um (se não me enganei) F-35 atrás, ladeados por dois P-51 Mustang. Demais!
    Sim, concordo que o Dario apelou e jogou com a vida do Sato, que vinha por dentro com muito mais ação. Infelizmente não é a primeira vez, inclusive com um lance semelhante entre Emerson e Al Jr. Só que o Al Jr. vinha “por cima”, por fora. Isto realmente é muito feio e perigoso.

    Abraço a todos,

    ECidade.

  10. gilles says:

    Pessoal, to de saco cheio de reclamaçoes Galvao e do Luciano, abaixem o Volume da TV e ouçam o radio, ESPN, JOVEM PAN, BANDEIRANTES, etc.., ou vejam pela internet . Abraços.

  11. deutsch1933 says:

    achei muita boa a Indy 500 …. show de bola….
    agora temos que fazer um apelo para a Bandeirantes colocar o Teo Jose novamente…. nao preciso nem explicar o pq….
    eu assisto na Bandsports… e que por sorte o tal de Eduardo Homem nao sei do que esta la no circuito… esse cara é um CHATO DE GALOCHA!!! PQP!!!! comentou poucas vezes por telefone….

  12. Ulisses says:

    Ando lendo muita coisa aqui nesse blog, pedindo punição para fulano, investigação em ciclano e os “cambal” …… estão até sentindo falta do pódio com os três 1ºs colocados, champanhes e o hino …

    Calma aí galera!
    Estão assistindo muito Fórmula 1 e a Rede Globo.
    Fórmula 1 é bacana, a categoria “rainha”, mas existe vida diferente fora dali, inclusive com poucas punições a pilotos competitivos. Existe muita história para ser respeitada em uma prova que já existia 50 anos antes da F1 ser criada.

  13. petrafan says:

    Ashley Judd mesmo eu não vi.

    só vi a mãe dela.

    ou era a vó?

  14. Danilo A. says:

    O melhor comentário: “achei a Ashley Judd meio acabada”.

    Impagável e preciso.

  15. rodrigo says:

    Dario deu uma fechada GG no Sato.. eu não entendo isso.. desde os primórdios dessas competições em ovais.. so pilotos que estão na frente na ultima volta veem a possibilidade de perder a corrida.. fecham a porta descaradamente jogando o carro pra cima de quem vão supera-los.. E NÃO ACONTECE NADA..

    essa porra corre solta.. e é por isso que as vezes acontecem mortes nos ovais.. fazem o que querem.. jogam carro em cima dos outros.. não se preocupam com a vida do seu companheiro.. é tenso!

    • Burrinho Batiquebra says:

      Depois, quando morre alguém, é aquela choradeira. Vale lembrar que o acidente fatal do ano passado foi causado, em boa parte, graças à uma outra das “malandragens” do oval, que é tirar o pé um pouco do SC sair e relargar chutado. Daí um desavisado relarga mal e o espertalhão pega ele pela proa, iniciando o strike.

      O Franchitti colocou a vida do colega dele em risco ontem, e a dele própria.

  16. Gerson says:

    Reclamam que Mônaco é uma corrida chata.

    Corrida em oval, 200 voltas, sendo que pela loteria que é a possibilidade de bandeiras amarelas, o que vale mesmo são as 20 voltas finais, e pela barbeiragem de um mané retardatário um piloto como Tony Kanaan perder uma corrida…ah é muito chato!

    O vencedor comemora sem pódio ( para americano, chegando de segundo colocado pra trás é “looser!”)…ver aquela farofada de beijo no asfalto da linha de chegada ou vendo piloto “escalando” a tela do alambrado pra comemorar vitória…é muito circo, muito marketing, muita coisa pra passar na tv, mesmo com a alegria da vitória do piloto, esse negócio de ‘hero of the day’ do ‘american way of life’ que os pilotos tem de mostrar é meio xoxo, falta espontaneidade.

    Prefiro a F1. pódio com os 3 primeiros, caras alegres ou não dependendo da briga na corrida…hinos, troféu, Champanhe, marcha da vitória…e chega de frescura! São esportistas, não heróis, produtos!

    Alguém pode imaginar figuras como Kimi ou Alonso beijando o asfalto de alguma linha de chegada, escalando alambrado ou “bancando o americano” na hora de comemorar uma vitória?

    Alguém acha que o Kimi Raikkonen beberia leite no pódio em Indianápolis????

    Rubinho chegou em 11o…Ou seja, performance na média. Continua o mesmo cara da época da F1. Pra estréia, é bom mesmo ficar na zona de segurança. Se correr ano que vem, veremos…

    E o Alesi, que já na segunda volta foi chamado para abandonar a corrida porque o carro era tão lento que poderia causar um acidente? Que vergonha! Porque liberarm o carro para largar?

    E em Indianápolis é assim. Piloto pagante pagou, correu. Muito piloto ruim no grid. E Alesi, que, pelo menos, tem experiência e não foi/é um piloto ruim, por ter um carro lento demais, não pôde participar da corrida.

    Deveriam ter o mesmo critério em Mônaco e algumas pistas do calendário da F1. Assim, a HRT não atrapalharia tanto nos treinos, na classificação, e nas corridas.

    • mario says:

      loser, e não “looser”

    • Leonardo Costa says:

      Pessoas enjoadas como você acham chato em Indianápolis aquilo que estão achando bom na F-1 deste ano: a incerteza de quem vai vencer e do que vai acontecer mais na frente.

      Quem não gosta de ver um Maldonado vencendo sua primeira corrida com a atual Williams na frente de um bi-campeão correndo em casa, que em alguns momentos da corrida pressionou o primeiro colocado? E ainda um Raikkonen vindo em média 1 segundo por volta mais rápido que os dois da frente? Será que chega? Será que não chega?

      Quem não gosta de ver um cara sair do meio do bolo e pegar a ponta da corrida em uma bandeira verde e na próxima relargada cair para quarto de novo e depois pegar o ritmo novamente e passar mais um e tendo certas chances de poder ganhar a corrida? Quem não gosta de ver um japonês vindo mais rápido com tudo pra ganhar a corrida, enfiar o carro como um doido para ultrapassar, rodar e ficar fora da disputa?

      Essa incerteza é que prende nossa atenção.

    • J Fernando says:

      Troféuzinho em forma de cocô da Santander.
      Garrafas sem rótulo, com água, nos países árabes, imitando champanhe nos pódios.
      Porque Kimi não beberia o leite, se fosse a tradição na F1?
      Beijar o asfalto é somente nestas 500 mi. Tradição.
      Subir no alambrado, idem. Também quando se sagra campeão ao final da temporada.
      As nanicas da F1 são o que mesmo? Marketing ou grana extra?
      Mônaco e a brincadeira de seguir o chefe, com raríssimas ultrapassagens, ah, ah, marketing na veia…
      Cada fórmula com seus admiradores, cada qual com suas estratégias de marketing.

      Eu não gosto de Indy. Vejo uma ou outra corrida, quando me animo.
      A F1, sim, acompanho praticamente todas as provas, do início ao fim.

    • LUZ PRATA says:

      cara tomar banho apos uma VITORIA …daquela merda de leite…gordo…quente…na cabeça…ninguem merece…hahahahahahaharsss comemoraçao tipica ideal …para somente um otario caipira norte americano !!!!! o KIMI nao faria isso Nunca !!!! valeu.

      • ECidade says:

        O problema é que o dono do leite, sozinho, está te pagando US$ 500 mil para tomar um golinho só… Ou de onde é que você acha que vem os US$ 1,5 milhões do prêmio do vencedor? Hoje em dia nenhum atleta profissional pode chegar na janela para dar tchauzinho sem o boné e a camiseta dos patrocinadores. Pelo o que isto tem de bom e pelo que isso tem de mal…

        Abraço,

        ECidade.

      • LUZ PRATA says:

        suas explicaçoes foram comvincentes $$$…valeu

    • Jáder, O Pitoresco says:

      Eu também pensava assim de corridas em ovais. Mas Indianápolis foi um show de ultrapassagens! Caraca! E a precisão com a qual o cara tem que guiar a bagaça a quase 400 por hora com o mínimo de asa, podendo rodar a qualquer momento?! E quando o Tony ficou na liderança?! Nunca que eu torci tanto pra um piloto “segurar” o adversário! Mas claro que, numa comparação com a F1, tem lá seus pontos negativos (a tradição pesa). Também acho que o pódio faz falta. Também acho tosco essa de colocar uma coroa de flores no pescoço do piloto vencedor como se ele fosse um cavalo de turfe.

      Mas que ninguém diga que a Indy 500 não foi emocionante!

      PS.: Acho que o Kimi Raikkonen jamais beijaria o asfalto, mas o Fernando Alonso sim. Ambos tomariam a sua dose de leite. Mas o Raikkonen, por ser o Raikkonen, nem uma vitória nas 500 milhas de Indianápolis o faria sorrir na comemoração.

      • ECidade says:

        A coroa de louros, que tem origem nas Olimpíadas da Grécia Antiga era comum em quase todos os esportes (Fórmula Um inclusive – vide o filme Grand Prix), na América e na Europa. De uns tempos para cá a cerimônia vem sendo abandonada. Indy 500 é pura tradição, um espetáculo para 500 mil pessoas e muita, muita grana envolvida.

        Abraço,

        ECIdade.

      • Jáder, O Pitoresco says:

        Coroa de louros pra atleta é bem diferente de coroa de louros pra cavalo de turfe (preciso dizer em que?).

    • Se eu ganho em Indianápolis, fato que eu beijaria a linha de chegada, a jarda de tijolos originais. Aquilo ali é um solo sagrado.

      Quem inventou de escalar o alambrado, até onde sei foi um brasileiro, e só ele faz. Se funciona como marketing (e olha que funciona), que bom pra ele. Mas que é espontâneo, isso é. Se um cara faz isso na F1 ele toma tanta punição que tá arriscado largar no fim do grid até a última corrida da temporada.

      Acho a Indy bem mais espontânea na reação dos pilotos. Na F1 é que, embora os pilotos sejam seres humanos e tenham suas emoções, é tudo encaixotado, não pode exagerar, não falar isso, não fazer aquilo… Nesse ponto a Indy ganha da F1.

      A manobra do Dario é normal, isso acontece sempre em ovais. Basta ver que Emerson já tinha feito isso em 1989. Dario é uma lenda em pistas ovais. E o Tony uma lenda em relargadas.

    • Telegrafista says:

      Toma o teu Valium e vai ver tenis, boliche, pois vc demonstra ser uma pessoa muito superior a média…

  17. ALEX B. says:

    O Dario ta guiando o fino da bossa! E ainda tem um carro e um motor sensacional… merece todos os louros!

  18. Burrinho Batiquebra says:

    Não vai ter punição mesmo? Bonito hein… Jogar o carro em cima de quem vem lançado pelo vácuo a 340 km/h em um oval é uma atitude bem legal do “Dario”. Espero que façam o mesmo com ele, em breve.

    • Ulisses says:

      Espera só, farão he! he! he!….. e tomara que ninguém lá reclame depois que uma Ganassi for arremessada no muro, senão a Indy vai virar uma F1 e perder toda a graça.

  19. MTP says:

    Meu, dessa vez o Luciano veio com muitas perólas… já foi o melhor narrador brasileiro, mas hoje… tá na hora de descansar…
    Uma que eu dei risada… Michael Jordan Jr. (não sabia que o filho do Michael Jordan do basquete corre na Indy…)… fora os costumeiros Bryan Riscoe e Ryan Hunter Rai…
    Quanto a corrida, foi muito boa nas voltas finais, meio tediosa antes. Destaque para as corridas de Franchitti, Dixon, Sato, Kanaan e Andrettinho ( a bandeira amarela provocado pelo seu companheiro de equipe Saavedra estragou a estratégia… a sina dos Andrettis em Indianapolis continua…).
    A Penske decepcionou, assim como a maioria dos carros com motor Chevrolet… Foram cavalo paraguaio… bom de treino, ruím de corrida. Já a Lotus… que vexame… desclassificados os dois carros por baixa velocidade… Simona de Silvestro e o coitado do Jeân Alesi não mereciam.
    O Rubinho foi razoável. Correu para chegar ao final e não forçou o limitado equipamento que tem em mãos… diferente do “brother” Tony, que até conseguiu passar quatro pilotos na penúltima relargada… ah, se a bandeira amarela ocorresse algumas voltas depois… talvez o resultado fosse diferente.
    Por fim, realmente o quadro, se compararmos F1 e Indy, está o inverso do que viamos na década de 1990, quando apenas duas ou três equipes venciam corridas na categoria do Eclestone (Williams, McLaren e hora Benetton, hora Ferrari), enquanto na Indy tinhamos grande equilíbrio e umas cinco ou até seis equipes com chances de vitória.

  20. Marcelo says:

    Pachecada metem tanto o pau na F1(só que a maioria 99% não perde uma corrida, vai entender), mas Franchitti na Indy esta fazendo o mesmo “estrago” que Schumacher nos tempos de Ferrari, Dario esta dominando a categoria e a 500 Indy também.

    Franchitti foi campeão em:
    2007
    2009
    2010
    2011

    Na 500 Indy Franchitti foi vencedor em:
    2007
    2010
    2011

    Lembrando que, lá dentro do USA muitos valorizam mais a Indy 500 que o campeonato! Portanto, Dario desde 2007 conseguiu 7 conquistas expressivas na categoria(4 títulos e 3 vitória em Indianápolis), muita coisa não?

    Por outro lado, a F1 se mostra mais equilibrada, desde 2006 cinco pilotos diferentes foram campeões, se não tem brasileiro no meio, paciência:

    2006-Alonso
    2007-Raikkonen
    2008-Hamilton
    2009-Button
    2010-Vettel
    2011-Vettel

    Em 2012 são 6 pilotos diferentes vencendo nas 6 primeiras corriras, já na Indy geralmente só ganha quem corre de Penske(Power) ou Ganassi(Franchitti).

    Será que na Alemanha, Inglaterra e Espanha os torcedores estão achando a F1 muito chata? E na Finlândia com a volta de Raikkonen? Quem realmente esta chato, a F1 ou os eternos pachecos que só sabem reclamar?

    Os teleguiados da Globo metem o pau na F1 porque não tem brasileiro vencendo, se Rubens e Massa fossem campeões em 08/09, hoje a categoria estaria em alta no Brasil. Rubens jogou uma baita chance no lixo em 09, hoje poderia estar no lugar de Button na Mclaren. Massa campeão(e sem o acidente da Hungria), com certeza estaria forte na Ferrari. Como nada disso aconteceu, o jeito é meter o pau na categoria! Brasileiro como “massa” na verdade não gosta do esporte Formula 1, gosta apenas de brasileiro vencendo. Isso também é culpa do oba-oba de certas emissoras, ao invès de valorizar o esporte, preferem meter o pau(Galvão) sempre jogando a culpa em alguém(Ferrari e Brawn-GP ou Schumacher e Alonso), pra justificar o fracasso brasileiro.

    Pra bater um piloto como Franchitti na Indy não é muito diferente de bater qualquer piloto em alta na F1, a coisa é mais embaixo, nem Dixon com o mesmo carro esta conseguindo bater Franchitti. E o escocês antes da temporada começar admitiu em público que não gostou do novo carro: “não se ajusta ao meu estilo de pilotar”, mas como esta em alta Franchitti mostra superação, o escocês realmente é o CARA na Indy.

    Falam tanto que a Indy é equilibrada, mas ninguém analisa alguns dados antes de comentar, a realidade é outra. No momento na Indy só dois pilotos podem fazer a “diferença”, Power e Franchitti, ou Penske e Ganassi.

    Franchitti lembra muito o Schumacher nos tempos de Ferrari, o escocês é completíssimo: veloz, preciso(raramente erra), arrojado e cerebral. Antes da corrida começar parece que ele tem toda corrida na “cabeça”, e quando dá algo errado faz uma recuperação impressionante.

    Muito difícil bater um piloto quando atinge esse nível, se Power não fosse fora de série(em pista sinuosa), Franchitti ia ser pentacampeão em 2012 na maior tranquilidade.

  21. leandro 440 Magnum says:

    Caramba,os motores Honda deram um baile nos Chevy,principalmente no quesito economia,uma vez que os motores estavam com a mesma pressão nos turbocompressores…

  22. LUZ PRATA says:

    boa tarde Gomes e galera…

    assisti somente uns trechinhos desta Porcaria de Evente Escroto…so o sprint final foi legal…o SatoKamikaze partindo pra dentro das carroças vermelhas foi manero…agora…como e feio esses Escrotos model 12 da Indy…nao se sabe se sao carros de formula ? prototipos ? simplesmente Horriveis…Bizarros…+ eu dou meus parabens ao Tony…conseguiu um Excelente 3 lugar com sua Escrota Carroça kv…valeu.

  23. Leonardo Costa says:

    Ano que vem eu vou torcer muito para os brasileiros, pois se um deles vencer poderemos ver o final da corrida direito, a festa com o leite e o troféu e alguma entrevista também.

  24. Telegrafista says:

    Todas as 3 vitóras do Dadá foram sob bandeira amarela. Apenas um detalhe…Não vi a Lola-Judd

  25. Luiz Ronaldo says:

    Tive a nítida impressão de que esses Dallaras novos são muito mais carros pra misto que pra ovais. É até justificável pela proporção das duas pistas no calendário, mas deixar um Indy 500 sonolenta é tenso.

    Quanto ao Franchitti, o cara é o rei dos ovais na atualidade. Só não ganha seus títulos a largas braçadas porque Will Power vem numa fase iluminada nos mistos. Torci muito pro Sato, mas ele cometeu um erro bobo em tentar achar espaço onde não tinha. Na verdade, mesmo que tivesse passado, teria a reta oposta toda pro Dario pegar vácuo e retomar a posição na curva 3.

  26. Clovis Jr says:

    Concordo com todo comentário, e o mais importante… realmente a Ashley Judd tá bem acabada!

  27. Vinny says:

    Bem falado, Marcos. Acabei de comentar isso numa postagem do Victor Martins…

    O Luciano do Valle não sabe pronunciar o nome dos pilotos, não grava (ou não tem uma listinha de consulta rápida) o número dos carros, confunde os carros toda hora, o Felipe Giaffone tem que corrigir quase sempre, dá pitacos sem noção… e cortar a transmissão antes mesmo dos carros retornarem pro pit foi de doer. E não foi só na TV aberta não… a Band Sports fez igual.

    O Sato bateu de frente no muro e nem mostraram se o japa saiu bem do carro!

  28. Ulisses says:

    O japonês arriscou tudo, …. era a chance dele, phoda-se o resto (deve ter pensado), ele é um “Automobilista”, pilotando bem ou não, fez o que tinha que fazer, assim é o esporte que amamos, são essas pessoas de coragem que o fazem e que o valorizam.
    Se fosse na F1 ele seria punido por direção perigosa, Dario Franchitti estaria sob investigação por não abrir para o japonês, Tony estaria também sob investigação por queima na relargada, o resultado final não seria aquele da pista.
    Achei que ia dar Helio, me decepcionou, acho que as Penskes não funcionaram nesse domingo.

    Assistí pela Band aberta, Luciano do Vale estava péssimo, não pode mais transmitir um evento desse porte. Gosto muito das intervenções do Giafone, sempre com informações técnicas impecáveis, precisas e oportunas, informando sobre detalhes que passariam despercebidos por qualquer um que nunca tenha sentado em um carro daquela categoria.

    Flávio, também achei a Judd “estranha”. Dei até uma gugolzada nessa questão tão importante, percebi que ela fez aquela plástica facial para colocar enchimento nas bochechas, está parecendo um traveco, como todas que fazem essa merda de colocar “bochechas” novas. Parece que é uma espécie de padrão de beleza facial da moda entre as mulheres atualmente. Horrível!

    Mas, viva o Dario! Impecável como sempre, ele e o carro, é um piloto clássico com ótimo equipamento, conseguiu até escapar da rodada do Sato pelo lado de dentro da curva na última volta (além de ser casado com a Judd, que mesmo “acabada” continua dando um bom “caldo”, ela parece um Mustangue do Batistinha, restaurado, mas ainda belo e potente! …. rsrsrss).

    Os brasileiros fizeram o que os equipamentos permitiram, achei que Rubens foi bem, não fez nenhuma cagada, terminando na frente de muita gente boa.
    Tony espetacular! Muito bacana ouvir os americanos gritando e torcendo (muito) por ele quando ultrapassou as Ganassi, ele realmente é muito querido por lá, merece, é uma pessoa muito bacana, além de um grande piloto. Está mais do que na hora dele ganhar uma “Indianapolis”. Daqueles que estão correndo na Indy atualmente, ele talvez seja um dos que mais merecem ter aquela “carinha” colada naquele troféu maravilhoso e mítico. Seu nariz inclusive, poderia servir como nova alça da taça ….. rsrsrssss … desculpe-me pela piadinha infame Tony, mas para mim, ontem (e sempre) você também foi “o cara”!

  29. Fabio Frederico says:

    Falando na transmissão da Band: alguém conhece um tal de Geste Wilson?

  30. Flavio Gomes… Fazia um certo tempo que não acessava o seu blog, mas eu precisava de um comentário inteligente sobre Mônaco, bem, em resumo é bom estar de volta…
    Queria voltar trazendo essa imagem que vi hoje em um site de piadas e brincadeiras.
    É sobre o Lada, e caso você ainda não tenha visto essa imagem, eu tenho certeza que ira concordar:
    http://9gag.com/gag/4298226

  31. Nelson says:

    Flavio,realmente a JUDD está meio arriada,mas é uma esposa vibradora e fez agora uma serie ótima “MISSING”,baixei na internet.Muito boa mesmo e o Dario é realmente muito bom,já o japa como todos japas não deve ser bom de visão periférica com os olhinhos puxados.Muro pra ele!!!

  32. João Henrique says:

    O Bolacha devia estar com fome, pois da metade da corrida em diante, comeu o “S” do Rubens…ficou Falando “RUBEM Barrichello” até o final da transmissão…é duro, hein…além dos já corriqueiros “Simone de Sivestre, Jéstin Wilson, Sebastian Bordô”…

  33. Antonio says:

    Agora, o melhor do final de semana foi a manobra que o Tony Stewart deu no Pit depois de ser tocado e ter rodado
    Virei fã do cara
    http://www.youtube.com/watch?v=PNcVaJIilHg

  34. Antonio says:

    Sem dúvida que é o maior evento do automobilismo mundial.
    Tony foi muito bem a corrida todo.
    Rubens aparentemente foi cauteloso no início, até se acostumar e pegar confiança e pelo que ele diz, tinha mais asa que os outros , o que é compreensível para quem corre pela primeira vez lá. Mas foi muito bem para um estreante.

  35. Alysson says:

    É amigo, a idade chega pra todo mundo, até pra ela…
    E o Sato continua o Kamikaze de sempre. Eu teria feito a curva atrás do escocês e passado ela na reta.
    A transmissão na Bandisportis também não foi lá essas coisas…

  36. @TurcoMaldade says:

    Flávio, crítica construtiva:

    Achei a cobertura das 500 milhas do GP superficial e fraca. Acho que seu blog deveria ter um espaço maior também. Uma postagem de três parágrafos sobre a corrida mais tradicional do mundo é muito pouco. Se não viu a corrida, em minha opinião deveria ter visto. Se viu, acho que deveria ter tecido mais comentários.

    O mesmo vale pro blog do Martins.

    Ontem a noite, na home da Indy no GP, ainda tinha como foto principal uma imagem do carb day. Hoje, um dia depois da corrida, quase não tem informações da corrida, só um resumão. Nenhuma palavra de Barrichello, a não ser a disponível em outros sites, nada novo do Tony e absolutamente nada do Hélio, o maior piloto das 500 milhas do país, segundo colocado no campeonato
    .
    Não é possível que uma equipe com quase 10 jornalistas não consiga produzir um material melhor. Eu, sozinho, sem conhecimento jornalístico algum, conseguiria. O que dirá um Victor Martins que sempre que quer consegue escrever espetacularmente bem sobre os assuntos mais mundanos.

    Mas também, isso é só uma opinião. Se não acharem isso, continuo lendo em sites gringos que possuem uma cobertura muito boa. Só acho que o GP, por ser uma referência nacional no nicho que atua, deveria sair do lugar comum de dar todo destaque do mundo à F1 e deixar o resto com migalhas.

  37. Luciano Do Vale é disparado o narrador mais meia boca, da atualidade..
    pessimo sem noção, pior que ele é a band que enxiste com este cara,
    puxa vida os caras tem o Teo Jóse .
    Giafone ,que é otimo comentarista, fica perdido com O “Luciano SEAPOSENTA Do Vale.
    Barrichello me surpriendeu em terminar a prova em decimo primeiro na volta do lider.
    _ como seria luciano do vale comentando sobre a Ashley Judd..
    _Há aslei judia, é a mulher dó faquidi em o telefone.kkkkkkkkkkkkkkkk

  38. Leonardo Puzipe says:

    Ashley Judd acabada foi demais…..

  39. Jáder, O Pitoresco says:

    A entrega do trófeu da Indy 500 é sempre assim? Sem pódio e sem champanhe? É sempre só o primeiro colocado (segundo e terceiro de fora), a coroa no pescoço do cavalo… digo, piloto vencedor, o leite e o troféu?

  40. Humberto says:

    Realmente, nós que temos o hábito de reclamar do Galvão temos que saber que existem coisas bem piores como por exemplo o Luciano do Vale, toda hora erra o nome dos pilotos, quando filmavam os carros Ganassi então, era um deus nos acuda. O cara passou o fim da corrida todo confundindo o Dário e o Dixon.

    • Atum de Fukushima says:

      Já que é pra avacalhar, podiam colocar o Neto de uma vez pra narrar as corridas. “Esse japoneis é brincadeira! Que absurrrrdo, pára vai!”.

  41. Guilherme says:

    Aguentaram tantas voltas por causa de 3 bandeiras amarelas antes do fim da prova, depois da parada, como todos os outros competidores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *