MENU

terça-feira, 8 de maio de 2012 - 18:45F-1

GILLES (3)

SÃO PAULO (doidão) – Outro vídeo obrigatório para a petizada conhecer Villeneuve é este do GP do Canadá de 1981. Depois de fazer miséria na chuva, uma chuva que, hoje, faria com que a prova fosse cancelada antes mesmo de os carros saírem dos boxes, ele tocou em De Angelis, se bem me lembro, e a asa entortou. Entortou bem. Tapou a visão de Gilles, que não quis nem saber. Até que ela se soltou. Terminou em terceiro. Legal nesse vídeo, cuja qualidade das imagens não é lá grande coisa, é a narração da dupla Luciano do Valle e Reginaldo Leme.

35 comentários

  1. Fernando disse:

    O Reginaldo sempre foi uma mala hein… pelamor.

    E se o comentarista de POSTS Luiz Morais deixar, eu também acho que o Hamilton tem esse estilo e é criticado duramente por isso.

    Fosse na década de 80 seria ídolo com certeza.

  2. Leonardo Costa disse:

    Eu tenho a impressão de que algo parecido aconteceu nos tempos mais atuais, alí na região do fim dos anos 90 e início dos 2000, alguém andando com um pedação do carro solto, pendurado… Sei lá. Depois vou procurar para ver se encontro algo. Mas não foi nada comparado com isso aí do Gilles.

  3. Luc Monteiro disse:

    O trecho da narração “o De Angelis (…), não, o De Cesaris…” é quase profético. E vou com a corrente em vigor, nenhum dos bostinhas de hoje seria peitudo o bastante pra continuar na pista. Talvez um dia o Senna, que vive arrebentando bicos de carros, faça isso.

  4. Renato disse:

    Tinha oito anos de idade em 1981. Me lembro poucas coisas desta idade, mas me lembro de ver esta corrida e achar impressionante o que estava fazendo Gilles.

    Realmente memorável.

    Agora tenho um filho de sete, e me preocupo em imaginar que a lembrança esportiva que ele vai guardar é a da macaquinha perdendo este último dérbi. Estou precisando de um Gilles pra melhorar a situação :)

  5. alberto disse:

    e quando essa cara piltou com 3 rodas? acho que só vi o Senna fazer isso

  6. alberto disse:

    e a molecada hoje acha o Schmacher o máximo… kkkk, esse cara era o único que poderia ser comparado com o Senna. A gente assistia corrida porque sabia que sempre era garantia de espetáculo.

  7. Enko disse:

    não há,palavras para comentar um piloto assim, pena sua morte prematura.

  8. Bernardo disse:

    O cara fera mesmo….se acontecesse isso na F1 de hoje, não corria o resto do ano….

  9. Rodrigo Monassa disse:

    me emocionei de novo, depois de tantos anos. que fera !!! que fera !!!

  10. PC Crusca disse:

    O Del Valle já errava os nomes naquela época, e os pedidos de desclassificação me lembram os que fizeram injustamente, de punição pra o Rosberg na última corrida no Bahrein.

    Esse bando de zé ruela, caga-regras, que fazem a F1 ficar monótona. Quem ousa arriscar é vítima da inquisição dos medíocres.

  11. José Brabham disse:

    Foi assistindo a esta corrida que fiquei fã de Gilles. Era um piloto bacana de ver correndo. Assim como Lewis eh hoje.

  12. Renato Powell disse:

    Confundi. Foi essa corrida que me fez gostar de F-1. Não foi a de Long Beach. Escrevi errado no outro post. A memória já tá começando a me trair.

  13. mas o Reginaldo era muito careta, hahaha

  14. Artur disse:

    Muito legal! Queria ver se fosse um piloto brasileiro, correndo no Brasil com a asa desse jeito, se o pessoal da Globo ia ficar pedindo a desclassificação, mesmo estando no regulamento. Pena que eu não tive a sorte de viver nessa época.

    • José Brabham disse:

      Naquela época nao tinha essa frescura de desclassificação por qualquer bobagem. Nem ninguem ficava pedindo para parar a prova nem reclamando pelo radio que havia muita agua na pista. Os pilotos (e os comissarios) tinham mais fibra.

      PS: quem começou com essa frescura de parar corrida na chuva foi Prost. Outro que ficou chiando para interromper uma prova foi um certo brasileiro, tido como “Rei da Chuva”, no final de um GP em Interlagos.

      • Luiz Morais disse:

        Não foi o Prost não! Foi o Lauda que em 1976 abandonou a última corrida da temporada. Quando perguntado o motivo da desistência dele ele repondeu “paúra”. Por sinal essa atitude causou o desgaste entre ele e a Ferrari. Depois disso o Prost foi chiar em 1984 que caía um dilúvio em Portugal e ele ficou afetadinho com o Senna passando todo mundo.

      • Márcio Vilarinho Amaral disse:

        A atitude do Lauda no Japão, em 1976, não foi de um medroso, não: por mais irônico que pareça, ele foi é corajoso demais em abrir mão de um título por conta da chuva correndo pela Ferrari, a equipe mais c* doce e babaca que existiu na história da F-1.

  15. Mauricio disse:

    Depois dessa virei um aficionado de F1. E segui assim até a morte do Senna. Só voltei a acompanhar as corridas em 2008.
    Mesmo assim sem o fanatismo de antes.

    • Luiz Morais disse:

      Que pena pra vc! Perdeu os anos de ouro da McLaren com o Hakkinen e os anos de ouro da Ferrari com o Schumacher. Se a ultrapassagem masi fantástica foi a do Piquet sobre o Senna em 1987, a segunda sem dúvida foi do Hakkinen sobre o Schumacher em 1998 ou 9 não lembro, em que o Schumy foi ultrapassar um retardatário e o Hakkinen tomou o outro lado e passou os dois de uma vez.

  16. Pedro Jungbluth disse:

    Regi falando do Jacques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *