MENU

quarta-feira, 23 de maio de 2012 - 19:35Rádio Blog

RÁDIO BLOG

SÃO PAULO (volta, tempo) – Que lembrança legal essa do Olavo Ito, que mandou o vídeo para que víssemos os carros, a paz e o amor: Festival de Águas Claras em Iacanga.

Esse foi, de verdade, nosso Woodstock. Bem mais que o primeiro Rock in Rio, que foi bárbaro, claro, mas um negócio já profissionalizado, com ingressos à venda em bancos, praça de alimentação, shopping e tudo mais que um publicitário como o Medina imaginou e continua imaginando.

Águas Claras, não. Águas Claras foi numa fazenda no interior de São Paulo, lá para os lados de Bauru. Ninguém precisava pagar nada, as bandas e cantores foram convidados e se receberam cachê, foi algo simbólico.

Mesmo assim, em suas quatro edições (1975, 1981, 1983 e 1984), apresentaram-se (preparem-se), entre muitos outros, Mutantes, Jorge Mautner, Corpus, Apokalypsis, O Terço, Gilberto Gil, Luiz Gonzaga, Almir Sater, 14 Bis, Raul Seixas, Tetê Spindola, Zé Geraldo, Hermeto Paschoal, Alceu Valença, Moraes Moreira, Egberto Gismonti, A Cor do Som, Premê, Sandra Sá, Paulinho da Viola, Sá & Guarabira, Sivuca, Fágner, Língua de Trapo, Wanderleia, Erasmo Carlos, Itamar Assumpção, Wagner Tiso, Armandinho, Dodô & Osmar, Arthur Moreira Lima e, pasmem, João Gilberto.

Mas o primeiro é sempre o primeiro, esse de 1975 das imagens acima.

A história de Águas Claras, belamente escrita, pode ser lida aqui. Eu era muito menino em 1975, mas lia nos jornais e nas revistas sobre aquele festival de sexo, drogas, bebidas e música de todos os tipos. No segundo, em 1981, já tinha idade para ir, mas era algo muito distante para um garoto que morava no interior, também, sem lenço, documento ou grana. De longe, admirava as fotos e sonhava com aquela celebração hippie que provavelmente nunca viveria de perto. Nos dois últimos, trabalhando e namorando, fazendo faculdade à noite e já cheio de compromissos, o que é ridículo, estar cheio de compromissos aos 18 ou 19 anos, nem cogitei.

Mas Águas Claras ficou no nosso imaginário e deve ter feito parte da vida de muitos blogueiros daqui, imagino. A eles, peço que contem o que viveram.

Uma peregrinação à antiga Fazenda Santa Virgínia, mesmo que tantos anos depois, não está fora de questão.

35 comentários

  1. Vi minha foto na galeria de fotos
    Do festival de águas claras , eu e mina amiga
    Na foto onde diz
    Meninas vão de biquine no festival de águas claras , achei fantástico
    Gostaria de uma cópia dessa foto
    Como faço ?

  2. sandra disse:

    Nossa foi muito bom . Eu fiquei com uma pessoa não sei o nome . Mais foi uma pessoa q marcou na minha vida . o ruim de tudo e que perdemos o contado

  3. Dylan disse:

    nunca vou esquecer esse festival, passei meu aniversario la completando 17 anos em 06.09.81.

  4. Ulisses disse:

    Não fui em nenhum, no primeiro porque sou uma besta, nos outros em função do trabalho. Se arrependimento matasse ….
    Impossível repetir atualmente uma “coisa dessa”, o clima é outro.

    A não ser que, chamássemos alguns dos dinossauros do rock para tocar (bem como sempre) em alguma fazenda no interior do estado, com um belo lago para todo mundo nadar pelado, proibindo a entrada de menores de 40 anos. …. kkkkkkkkkk
    Não seria má idéia.
    Eu iria com meu fusca 77 único dono, fiquei devendo essa viagem a ele.

  5. Fabio Farias disse:

    Aos 1:13, Manito aparece sorrindo…..RIP

  6. Álvaro Azevedo disse:

    Isso que eu estou achando estranho. Esse filme é em pleno regime militar, mas não estou vendo nada de imposição, muito pelo contrário…alegria, felicidade, paz e liberdade. Que ditadura afinal o Brasil teve? Pra mim está parecendo “ditamole” ou ditadura pra quem era bandido? Enfim, queria muito ter vivido essa época!

  7. jose carlos p guimarães disse:

    Oi Flávio, fui no de 81, eu, um amigo do colégio de sp e meu amigo Toni, não tínhamos barraca fomos à partir de Brotas numa variant II marrom, chegamos lá cobrimos a variant com um paraquedas velho que o Toni tinha levado.
    Com o porta malas traseiro aberto o paraquedas formava uma barriga que virou a nossa barraca.

    • Zé Brasil disse:

      Obrigado por citar minha banda APOKALYPSIS que tocou duas horas e meia no Festival de Iacanga em 1975. Já toquei nos Estados Unidos e na Europa mas aquele palco caipira, no meio de um pasto, feito de troncos de árvores e tábuas de madeira, cala fundo no meu coração e mente até hoje: ÁGUAS CLARAS PRA SEMPRE…

  8. Leonardo Lago disse:

    Hermeto Paschoal e Sivuca não são a mesma pessoa?

  9. fox tixo disse:

    Oi FG. Fui em 81 e 83. Não haverá mais nada igual…Só faltou citar o inesquecível Walter Franco.

  10. Maristela disse:

    Saudades de um tempo em que acompanhei à distância, ainda criança e adolescente, mas sempre apreciando :)

  11. sérgio castro disse:

    “Sábado de sol, aluguei um caminhão, pra levar a galera, pra comer feijão, chegando lá, mas que vergonha, só tinha maconha, os maconheiros, tava doidão, querendo o meu feijão”…kkkkkk

  12. acarloz disse:

    Eu tenho o maior orgulho de ter vivido nessa época…. não fui ao festival também, mas saber que tivemos movimentos assim aqui já me faz feliz…

  13. Flavio, nao o gomes disse:

    Grandes nomes da nossa musica (ah, o Premê….) !!!!
    So o Jão Gilberto a estragar tão seleto rol…

  14. Fabio0800 disse:

    Pois é… Nao sou a favor da ditadura militar, mas essa dos bandidos tomarem conta de tudo quanto e canto ja deu pro saco. Voto em qualquer um que se comprometer a pelo menos diminir a criminalidade no Brasil. Sinceramente, acho que esta fora de controle.

  15. Franco disse:

    Eu tinha 16 anos nesta época li sobre isto, era muito pouco divulgado, somente a boca pequena não teve muita publicidade, mas como aquele tempo era tempo das tribos foi um sucesso..

  16. Carlos Trivellato disse:

    Não sabia que o primeiro foi realizado em 1.975, lembro-me dos seguintes. Não fui a nenhum deles, mas um funcionário de meu pai foi e nos contava as peripécias.
    Em um deles, choveu tanto que o Raul Seixas só conseguiu chegar ao palco em cima de um trator, para transpor a lama. Pois é, tanto Raulzito como nosso antigo funcionário, o Totó, já passaram dessa para a melhor e devem estar em algum festival por lá.

  17. Roberto Martinez disse:

    Fui no de 1983, inesquecível !

  18. E duro quando a saudade chega. E duro olhar na tela e ver o que éramos e logo após olhar no espelho e ver naquilo que nos transformamos. Mas a vida é assim, e o importante e formação do caráter e da cepa que norteará as nossas vidas e da nossa família. Disto eu me orgulho e devo uma parte ao Festival de Águas Clara.
    Regado a vinho Chapinha (quem foi ao festival de 1981, com certeza vai lembrar da carreta de vinho Chapinha), vivi o momento mais mágico da minha vida. O por viver este momento tão especial, acredito que ungido por Deus, fui agraciado com trabalho na USP – Universidade de São Paulo, onde estou até hoje. Um fato curioso do festival: em um determinado momento, os apreciadores de maconha, encontravam o produto com grande facilidade, era muuuuito mais barato comprar uma boa quantidade da erva do que comprar um maço de cigarros. E sabem por quê??? O estoque de seda (retirada dos maços de cigarro) simplesmente esgotaram em poucas horas. Isto foi Água Clara

  19. Thiago Azevedo disse:

    Um barato! Nunca tinha ouvido falar, mas gostaria de ter ido. Mas nem teria como, pela idade e tal…

    As coisas acontecem no seu tempo mesmo. Imagine um evento desses hoje. Quem iria? Quem cantaria?

  20. Catarino disse:

    E duro quando a saudade bate fundo,quando olhamos o que eramos e no que nos transformamos. Aguás Claro, foi um marco, um sonho que uma geração de poucos loucos tiveram o previlegio de viver.

    Em 1981, regado a vinho Chapinha (quem foi deve lembrar da carreta de vinho Chapinha), fui agraciado por este presente, vive o momento mais magico da minha vida. Ali tracei a minha vida. E como ungido por Deus para finalizar logo em seguida vim trabalhar na USP, onde estou até hoje. Um fato curioso do festival: chegou um momento que os apreciadores tinham maconha para fumar, mas para o desespero dos usuários não tinha seda para enrolar a erva. Isso foi o Festival de Águas Claras

  21. Alexandre - BH disse:

    Só faltou a Kombi psicodélica!

  22. Bocage disse:

    “(…) fazendo faculdade à noite e já cheio de compromissos, o que é ridículo, estar cheio de compromissos aos 18 ou 19 anos (…)”

    Olha, caboclo, passei por essa mesma situação aos 18/19. Achava que era o único anormal, porque a rapaziada contemporânea minha só falava de farra, porre e boate!

    E minha rotina era Casa – Estágio – Pré-Militar – Curso Técnico – Casa. Namorada? Só por tel e em FDS!

    Folgo em saber que não esive sozinho nessa.

  23. Banana Joe disse:

    Vídeo muito legal e ótimo texto.
    Bom saber que houve um tempo em que as pessoas se preocupavam menos, viviam mais e não apenas sobreviviam como fazemos hoje.
    Eu era apenas uma criança nessa época mas até hoje lamento não ter vivido os 60 e 70 em idade adulta.

  24. Helio Tavares disse:

    Também sou um que gostaria de ter visto ao vivo este folclorico festival…

    Rapaz, e não é que deu nele de entrar numa safra de posts bacanas.

  25. Ricardo disse:

    Taí seu Gomes, você que disse recentemente que não é muito conhecedor de música em um post, se você ouvir um disco do Hermeto Pascoal, outro do A Cor do Som e outro do Egberto Gismonti não tem como dar errado.

  26. Fabrício Peroni disse:

    A alguns anos atrás passei em frente a fazenda onde foi realizado o Festival e lá ainda existe um pórtico na entrada com o nome “Águas Claras” em homenagem ao melhor festival de música e liberdade que este País já viu.

  27. Iran Tomedi disse:

    Se liga aí Flávio, ainda rolam uns festivais legais.
    Esse de Águas Claras é lendário, mas o pulso ainda pulsa!
    Esse rola todo ano no carnaval, fui em 3 edições, esse vídeo de 2008 é mais legal, por isso mando mesmo não sendo o mais recente.
    Lá bandas como Blindagem, Casa das Máquinas, Sá e Guarabyra, ainda tocam!

    http://www.youtube.com/watch?v=LBjNaQx9fLs

    Se alguém se interessar os caras que organizam tem um site: http://www.psicodalia.mus.br

    • Carlos Trivellato disse:

      Putz, Casa das Máquinas, eu era criança quando esses caras faziam algum sucesso, verdadeiros fósseis vivos! Interessante como alguns simplesmente somem do meio, digamos, comercial do sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *