NAZOROPA (1)

SÃO PAULO (e o inverno por aqui é quase glacial) – A corridinha que deve ser a mais chata do ano começou com muitas surpresas na classificação do primeiro dia. Menos na ponta, porque deu Vettel, o que é mais ou menos normal. Mas em segundo e terceiro, Hülkenberg e Kobayashi.

A Force India, que só ia bem em Spa, Monza, ovais e aeroportos, deu para andar bem agora em determinados circuitos mistos nem muito rápidos, nem muito lentos, como é o caso de Valência. Schumacher em quarto, Senninha em quinto e Di Resta em sexto fecharam o grupo dos esquisitos na ponta. Completando os dez primeiros, Alonso, Grosjean, Webber e Rosberg.

Sebastião fez 1min39s334 na melhor volta. Dele até Massa, 15°, 0s910. Tudo apertadinho, pois. Menos de um segundo entre o primeiro e o 15° numa pista longa de volta comprida é um sinal de equilíbrio claro que fará do treino que define o grid, amanhã, algo bem interessante. Largar na pole em Valência, pista aborrecida e entediante, tem lá algum valor. Nas quatro provas realizadas, três tiveram vencedores que partiram da primeira posição. A exceção foi 2009, vitória de Barrichello.

Quem não fez grande coisa foi a McLaren, mas pelo menos Button, desta vez, andou na frente de Hamilton: P12 x P14. Algo havia no carro de Jenson que o time jura que descobriu. Minhas fontes informaram que ele estava usando motor de Smart, por isso não ia. Mas veremos amanhã. Button e Massa têm funções claras num campeonato apertado como este: ajudar seus companheiros de equipe, já que ficaram muito para trás nos pontos. No caso do brasileiro, algo irreversível. Button ainda pode sonhar com umas duas vitórias seguidas, ou uns 30 pódios consecutivos e 40 abandonos de Hamilton, para tentar algo. Não custa sonhar.

Faz sol e calor na comunidade valenciana. Ontem a temperatura passou dos 35 graus. De noite. Hoje foi um pouco mais ameno. Mas pode ser a prova mais quente do ano.

Comentários