MENU

Tuesday, 5 de June de 2012 - 20:50Automobilismo brasileiro, Automobilismo internacional, F-1

NOSSO VETTEL

SÃO PAULO (nem tudo é doce) – A história de Pedro Bianchini, garoto brasileiro que a Red Bull “adotou” quando ainda corria de kart e mal tinha saído das fraldas, é um daqueles casos enigmáticos que só o automobilismo é capaz de produzir. Um acidente na F-BMW, o rigor e as cobranças de Helmut Marko e uma sequência de azares acabaram com sua carreira.

Essa história está contada aqui, pelo Renan do Couto. Com uma desconcertante sinceridade do protagonista, Bianchini, hoje um rapaz de 20 anos em busca de novos caminhos na vida.

19 comentários

  1. ms says:

    Sinceramente, acho ridículo esse tipo de comparação, “o nosso vettel”, Vettel é gênio, e gênio…é coisa muito rara de aparecer, e para falar que é gênio, só disputando corrida de f1 pra valer e mostrando que é o melhor… entre os melhores do mundo….

    • ms says:

      Em verdade, não basta apenas mostrar que é o melhor entre os melhores do mundo para que se possa dizer que o piloto é gênio…o cara…além disso… tem que mostrar que está um patamar acima de todos os demais pilotos…

  2. Pedro Zimmermann says:

    Olá amigos do automobilismo, sou pai de um piloto(atualmente para por falta de patrocínio) eu e mais alguns amigos montamos uma associação e conseguimos junto ao Ministéiro da Justiça homologação como uma OSCIP. Bom os apoiadores terão direito a renúnica fiscal, mas desde 2010 quando fomos homologados não conseguimos nenhum apoio, isto que apresentamos para mais de 50 empresas nossos projetos, realmente no Brasil é díficil desenvolver pilotos pois as empresas em sua maioria da apoio a pilotos já formados e em destaque. Lógico que isto é o retorno mais rápido, mas pq não apoiar na base? Montamos uma equipe a SC Racing e temos pelo menos 5 pilotos bem treinados e preparados mas a grana infelizmente faltou e estamos esperando se conseguimos ainda dar continuidade a este sonho muito parecido como o do Pedro Bianchi

  3. MARCO ANTONIO says:

    Você viu os comentários do Jacques Villeneuve? O cara ganhou um único título sem fazer uma ultrapassagem sequer e ainda quer tirar onda com os pilotos da atualidade. Se a Williams não tivesse dado a ele aquele super carro esse péla saco teria saído da F-1 pelos fundos. E essa onda agora de criticar a imprevisibilidade? Falta do que fazer é uma merda!!!

    Quanto ao Bianchini realmente é uma pena. Falta incentivo das grandes empresas como tem feito a PDVSA. O automobilismo vive à espera de um milagre, de um Emerson, Piquet ou Senna, enfim, acabou. Naquela época o talento tinha influência e supria, às vezes, a falta de grana. Hoje em dia, sem grana não se vai a lugar algum no automobilismo.

  4. Thiago says:

    Que me desculpem, mas este brilhante programa de pilotos da Red Bull só revelou o Vettel até agora. E acho que foi mais sorte da Red Bull ter encontrado ele, porque o cara é fera, com ou sem programa de pilotos. Fora isso, só tem revelado um monte de maneta…

  5. “e nem tenho mais porque correr de fórmula, meu tempo passou” ? Lamentável não termos qualquer estrutura no país para que a única expectativa racional de um piloto de 20 anos seja a Stock car. Esse garoto ainda pode ter 10, 20, 30 anos de esporte pela frente, em fórmulas inclusive.

    Pedro, se “loucos” como eu ainda podem sonhar, imagine o que seu talento e paixão ainda podem permitir.

    O fato é que muitos aqui possuem sonhos parecidos, e independente da nossa formação e caminho profissional, temos usar nossas habilidades para não deixar essa “conexão” com o automobilismo se perder. Assim, uns correm de Lada, outros parecem crianças ao pilotar um F-Vee, ou se divertem pelas pistas de Kart de aluguel, mas poucos como você possuem esse talento “extra” e a oportunidade de tornar isso evidente.

    Em comum, compartilhamos essa felicidade ao ouvir o ronco dos motores e as chances são de que esse sentimento nunca irá passar, então use a experiência que teve para se dar o direito de sonhar alto novamente e boa sorte.

  6. Rafael Chinini says:

    só uma coisa Flávio…você direto critica que a Globo está em busca de um campeão, isso e aquilo, dai coloca na manchete que “vettel brasileiro” ?! po

    se for por semelhança física, ta mais pra filho o Kubica! hahaha

  7. Gus says:

    Eu lembro desse rapazinho, o capacete dele já chamava a atenção com as cores da red bull e parecia que havia todo um forte esquema para aproveitar o evidente talento do piloto.

    Pensei: “Esse moço, vai longe, parece ser um ótimo diamante a ser lapidado”; mas agora vejo que – infelizmente – os rumos traçados não foram objetivados (ainda não li a matéria, vou me aprofundar mais!).

    Automobilismo as vezes pode ser ingrato mesmo, já começa pelo fato de ser um esporte muito oneroso, exige um dispêndio material bem grande….mas é algo tão viciante que nos faz sonhar com o “e se eu conseguisse?” Escrevo isso, pois fui brincar em uma pista desconhecida por mim esses dias, um enorme kartódramo…e simplesmente destruí toda e qualquer oposição na pista, apesar dos muitos fatores negativos que preconizariam um desempenho apenas mediano da minha parte. Claro que foi uma brincadeira de grid cheio, mas quando conseguimos um destaque tão evidente, algo construído com tanta força, com tanto empenho, em alguns minutos de pista ….a gente fica sempre a sonhar “ah se eu fosse mais jovem, a se eu pudesse mobilizar muito dinheiro”…..faz parte do sonho e aposto que existem milhares de histórias iguais as minhas.

    Se para um simples “civil” como eu, as partes mais moles do coração foram tocadas, imagino o quanto deve ser díficil para esse guri, que tinha um planejamento feito para fazer brilhar a sua evidente estrela!

    Espero, sinceramente, que ele consiga voltar de algum meio, e realizar ao menos parte do seu projeto de velocidade!

  8. Ricardo Arcuri says:

    Programas de pilotos sao sempre uma armadilha. podem torna-lo rico e sucedido, mas tb acaba com a carreira. Tb, com o investimento dado em cima…

    Vou ler a reportagem. Nem conhecia o menino!

  9. Marcelo A F da Silva says:

    Vida que segue! Existe vida além da F1, e o garoto tem só 20 anos! Bola pra frente!

  10. Thiago Sabino says:

    Rigor do programa de pilotos à parte, o dr. Helmut deve ter algum recalque com pilotos brasileiros…… só pode…

    Acho que Clermont-Ferrand ’72 deve ter sido o estopim.

  11. Antonio Alvaro says:

    Olá,
    Sou leitor do seu blog e esse comentário deveria ser uma mensagem, mas não achei para onde mandar.
    Quero dar uma opinião pessoal sobre a revista warm-up da qual você sempre faz referência, elogia, cutuca por patrocinadores, etc.
    Eu nunca havia lido e essa chamada para a reportagem do Pedro Bianchini me motivo a ler. Eu achei a revista linda, a reportagem muito bem escrita, as fotos de excelente qualidade. enfim só elogios. Porém, acho que há um grave erro de formato. A revista está formatada para papel e é distribuída em formato digital, que é diferente. Fiquei com vontade de imprimir a revista para ler e fiquei desconfortável em virar as páginas sem usar os dedos.
    Talvez em um tablet ou em um e-reader fique legal. Nas bancas eu compraria. Para ler no computador, obrigado, mas não.

    • Peter Losch says:

      Penso o mesmo. A qualidade é excepcional e as fotos são fantásticas, mas o material não é propício para se ler no computador. A diagramação não se encaixa com a mídia internet e os textos são densos demais, o que está longe de ser um demérito. Apenas não funciona da forma que vocês imaginaram…

      Também acho que um material editado especificamente para tablets (não só os da Apple, por favor!) seria uma boa alternativa.

      Enfim, o material é muitíssimo bom, mas não para a mídia escolhida.

      • Raul says:

        Em tempo: existe aplicativo para iPhone e iPad, que eu conheço. Não posso afirmar sobre os outros tables porque não possuo-os, logo, não procurei.

  12. Leonardo Lago says:

    Lembro-me do guri. Chegou a dar entrevista para o Reginaldo Leme no Linha de Chegada. Paciência… A vida não é só Fórmula 1.

  13. O Pedro foi muito festejado quando ainda corria de kart. Lembro dele até no Jô Soares.
    O programa de jovens da Red Bull é uma máquina de moer piloto. Não sei se o acidente trouxe alguma sequela física ou psicológica (ainda não li a reportagem), mas é como muitos falam: Existe vida inteligente fora da F1.
    Aí estão o Farfus e o Nelsinho Piquet para provar.

    Emerson Fernando
    http://formula-retro.blogspot.com.br/

  14. Alan Ruggero says:

    Acompanhei a carreira do Pedro no kart, época inclusive que eu tb competia. Ele até dava uns pulos no box da minha equipe pra degustar uns quitutes – quando tinha. Bom garoto e bem rápido. Pelo menos para mim, era nome quase certo na F1, pq tinha tudo aquilo que um piloto precisava pra chegar no topo.

    Mas como automobilismo é um esporte dos mais ingratos, nem sempre (eu diria quase nunca) o melhor consegue alcançar seus objetivos.

    Ele ainda teve a chance de desfrutar de pelo menos duas temporadas na Europa, correndo ao lado de bons pilotos e conhecendo os melhores circuitos do mundo. Infelizmente outros talentos nacionais não passaram do kart.

    Enfim, aquele que inicia nesse esporte deve estar preparado para as frustrações e ter sempre um plano B na vida. Saber a hora de parar, como ele fez, é sempre muito importante.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *